História Far Away - Capítulo 30


Escrita por: ~ e ~KaahButler

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Brigas, Cú Doce, Drama, Kássia, Lana, Mikaela, Orange, Romance, Sapatonice, tania, Tretas
Exibições 72
Palavras 2.546
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Hentai, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Visual Novel, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


YOOOOOOOOOO COLORIDOOOOS!!!!
Cês estão bem?? Eu naum tô nada bem, a minha disposição tá que nem as minhas provas: "0", estou doente :b
E a minha amada RockCrazyBitch me ajudou <3 então fizemos esse capítulo juntas ^^
Espero que gostem
A partir desse capítulo as coisas irão mudar muuuuuito!
Ignorem os erros
BOA LEITURAAAA!!!
PS: Tais na foto de capa :3

Capítulo 30 - Última mensagem


Fanfic / Fanfiction Far Away - Capítulo 30 - Última mensagem


                                                                                       Tais Ponto de Vista

Eram exatas duas semanas, duas malditas semanas que a Mikaela não me respondia, se eu estava morrendo de preocupação? Não magina, eu só não consigo dormir à noite e muito menos consigo me concentrar 100% nos estudos. Ainda mais agora que estou no penúltimo ano para me formar em medicina legal, tenho que me dedicar mais que 100% em tudo, se eu reprovar vou ter que voltar para o Brasil e isso eu não quero.

-Senhorita Pacônio?- Meus pensamentos foram interrompidos pela voz grossa e máscula do meu professor.

-S- Sim?- Falei nervosa com o corpo trêmulo olhando ao redor do necrotério, vendo que todos me encaravam preocupados.

-Você está bem?- Ele perguntou preocupado parando de dar a sua atenção a um grupo de estudantes.

-Não, eu poderia ficar 15 minutos lá fora?- Perguntei tirando as minhas luvas descartáveis com as mãos trêmulas.

-Que estranho, ela nunca fica nervosa em um necrotério- Um dos meus colegas comentou no meu grupo não fazendo mais o seu trabalho no corpo sem vida que estava na minha frente deitado na maca.

-Só 15 minutos- Ele falou voltando a sua atenção para o grupo de estudantes. 

Respirei fundo saindo do local caminhando lentamente pelo corredor até chegar no bebedouro, puxei o meu celular do bolso do jaleco branco vendo se a Mikaela havia respondido as minhas mensagens.

-Nada...- Sussurrei ao terminar de verificar todas as redes sociais de Mikaela- Onde você está Mikaela?- Bufei sentindo os meus olhos lacrimejarem, eu pressentia que ela não estava nada bem, tinha acontecido alguma coisa ruim.

-Será que a sua mãe tem Facebook?- Me perguntava sozinha procurando no facebook de Mikaela por "Carla Fernández"- Encontrei!- Exclamei abrindo um pequeno sorriso, stalkeei a mulher que parecia a copia de Mikaela mais velha procurando alguma informação importante, acabei por encontrar o seu número.

-Ótimo, isso serve- Falava copiando o número em seguida o salvando nos contatos botando para chamar- Atende pelo amo de Zeus- Sussurrei e no segundo toque a mulher atendeu.

-Alô?- A voz da mulher me fez gelar por alguns segundos.

-Olá, é a senhora Fernández?- Perguntei com a voz firme enchendo um copo descartável de água gelada.

-Sim, ela mesma, quem fala?- Carla perguntou com a voz firme.

-Sou Tais Panônio, melhor amiga da sua filha Mikaela- Falei bebendo rapidamente a água gelada- Acho que a senhora sabe quem eu sou...

-Claro que sei, Mikaela fala de você toda hora!- Soltei um suspiro de alivio "Ufa ela tá viva" pensei bebendo mais água.

-Então... Eu estou ligando porque quero saber se a Mikaela está bem, ela não está respondendo nenhuma das minhas mensagens- Fui logo ao ponto sentindo o meu peito queimar em angustia e ansiosidade.

-Ah...- A mulher soltou um suspiro pesado fazendo o meu nervosismo crescer- Aconteceu um problema e eu tive que tirar o celular dela- Engoli em seco apoiando as minhas costas na parede respirando fundo várias vezes.

-Ela está bem?!- Perguntei nervosa com urgência querendo saber logo o que havia acontecido.

-Não, mas ela vai melhorar...- Assim que ela respondeu senti uma lágrima solitária cair do meu olho esquerdo- E- Ela está lutando contra o câncer no pulmão direito- Ao escutar isso eu senti o meu mundo parar e uma sensação horrível invadir o meu corpo por completo.

-Câncer... Oh meu Deus...- Foi a única coisa que saiu da minha boca, fiquei um bom tempo em silêncio escutando a mãe de Mikaela também chorando- Eu avisei várias vezes para ela parar de fumar, eu a mostrei o que acontecia com o corpo de uma pessoa fumante, mas ela não me escutou...- Comecei a falar sentindo mais algumas lágrimas deslizarem sobre o meu rosto- Mas okay, não podemos ficar remoendo o passado, porque já foi- Soltei um suspiro me acalmando mais bebendo mais água- Então... A senhora vai devolver o celular pra ela ou eu vou ter que ir até ai?- Perguntei seriamente limpando as lágrimas que quase não saíam de meus olhos.

-Mas você tem a sua faculdade...- Ela estava falando, mas eu a interrompi.

-Eu largo os estudos por um tempo, o que realmente importa é a saúde e a vida de Mikaela- Falei determinada jogando o copo descartável na lixeira.

-Ahn... O- Okay, eu vou devolver o celular para ela- Eu soltei um suspiro com um pequeno sorriso nos lábios.

-Obrigada senhora Fernández- Agradeci um pouco aliviada.

-Não precisa agradecer. Agora a Mikaela está na quimioterapia, quando ela sair de lá eu falo pra ela te enviar uma mensagem- Carla falou com empatia.

-Obrigada novamente, vou ter que desligar. Tchau- Encerrei a ligação deslizando na parede sentindo as lágrimas caírem com mais liberdade de meus olhos cansados. Puxei a manga do meu jaleco até o cotovelo olhando para o meu relógio de pulso, "ótimo, faltam apenas 3 minutos" pensei limpando as minhas lágrimas com as pontas dos dedos.

-O que você fez com a sua vida Mika?- Sussurrei respirando fundo encostando a minha cabeça na parede olhando para o teto do IML, fechei os olhos aproveitando o momento de descanso mesmo os meus pensamentos estando uma terrível bagunça.

                                                                                        Mikaela Ponto de Vista


Era à noite e eu estava em meu quarto no hospital depois de mais um dia chato no psicologo e na sala de quimioterapia lendo revistas velhas da Capricho e da Atrevida. Eu e a Kássia pulávamos na cama dançando enquanto tocava Avada Kadabra do Belik Boom, Alan apenas observava gargalhando de nossas caras e bocas.

-É agoraaaaaa...- Kássia exclamou parecendo um pouco tonta com os "jogos de luzes" que colocamos em seu notebook. 

-AVADA KADABRA!!!!- Gritamos as duas juntamente com o Voldermort começando a pular feito duas gazelas com câimbra, eu fazia mais uma mistura de "Passinho do Romano".

-Meu Deus que merda de dança é essa?!- Alan gargalhava de nós duas. Eu ficava um pouco triste pelo fato de ele não conseguir pular junto de nós duas, mas ele parecia estar se divertindo muito levantando os seus braços no ar exclamando de ver em quando uns "uhuuuu".

-É a minha dança do acasalamento!- Respondi gargalhando empinando a bunda imitando as funkeira colocando o dedo indicador entre os dentes fingindo seduzir.

-Credo só faltava os óculos espelhados!- Kássia falou manjando dos assuntos Brs. 

-E uma roupa muito mais vulgar- Alan falou pausando a música assim que a minha mãe entrou no quarto com uma expressão nada boa.

-O que vocês estão fazendo? Você tem que descansar Mikaela!- Ela brigou ligando a luz do quarto, fazendo nós três fecharmos os olhos por causa da claridade.

-Eu estou descansando... A alma- Falei revirando os olhos saindo de cima da cama juntamente de Kássia.

-Desculpe-me por isso senhora Fernández- Kássia falou com uma expressão de cachorro que caiu da mudança enquanto secava o seu pescoço suado.

-Tudo bem- Minha mãe abriu um sorriso simpático me fazendo bufar de irritamento- Hummmm Mikaela a sua melhor amiga Tais me fez te entregar isso- Ela falou voltando a sua atenção para mim, me entregando o meu celular.

-Tais? O- O quê? Ai não acredito!- Abri um sorriso feliz pegando o meu celular quase pulando de alegria- Agora eu vou poder falar com a estrupício e com a Tais!- Exclamei ligando o meu celular.

-Estrupício?- Minha mãe me encarou confusa e curiosa, senti o meu rosto corar violentamente ao perceber o que havia falado.

-Ahn... A minha amiga- Respondi nervosa abrindo ainda mais o sorriso ao ver a foto da tela de bloqueio, "que saudadessss" eu comemorava.

-Uhum tá- Minha mãe falou duvidosa saindo do quarto- Depois você me fala mais sobre essa estrupício- Ela falou antes de se retirar do cômodo me deixando ainda mais vermelha.

-Nossa olha só o tanto de pessoas que me amam- Falei depois de me recuperar da vergonha que a minha mãe me causou, mostrando para Alan e Kássia o tanto de mensagens cheias de ódio que eu havia recebido.

-Credo...!- Kássia exclamou assim que leu algumas.

-Vontade de matar eles um por um- Alan reclamou morrendo de raiva.

-Calma ae escorpiano- Falei rindo procurando a Psycolove entre eles, mas antes mandei um "Oiiii" para a Tais- Hummmm cadê você estrupício... Há aqui está!- Exclamei abrindo um sorriso enorme ao encontrar sentindo o meu peito doer pela saudade.

-Ahn... Mas o quê...- Falei sentindo o meu corpo se arrepiar completamente ao ler a primeira linha da mensagem- Não pode ser...- Sussurrei sentindo os meus olhos arderem ao terminar de ler.

-Heiii o que houve Mikaela?!- Alan perguntou preocupado tirando o celular de minhas mãos trêmulas.

-O que está escrito ai?- Kássia perguntou curiosa e preocupada sentando-me na cama ao ver o quanto eu estava abalada.

-"Estou farta de falar com você. Você não passa de uma pobre coitada idiota, eu não gosto de você e não me volte a mandar mensagem. Tudo o que sinto por você é pena. Espero que morra rápido" Argh mais que raiva, quem essa guria pensa que é?!- Alan perguntou depois de ler a mensagem em voz alta sentindo ainda mais raiva.

-E- Eu a amo...- Solucei sentindo as lágrimas saindo com mais velocidade de meus olhos, começando a cair a ficha de que Tânia havia mesmo me enviado aquela mensagem horrível.

-Ai Mikaela, vem aqui- Kássia me abraçou com força sentindo muito por aquilo estar acontecendo, eu a apertei contra mim chorando ainda mais alto.

-Eu que-ero sumir- Solucei alto não conseguindo descrever realmente a sensação horrível que dominava meu corpo.

-Você não pode abaixar a cabeça por causa de uma coisa dessas!- Alan exclamou sentando-se ao meu lado com um pouco de dificuldade- Ela falou que quer que você morra rápido, faça exatamente ao contrário e viva!- Ele falou respirando fundo parecendo que ia chorar- Eu odeio ver você assim, por favor não chore- Eu o abracei apertando junto de Kássia em um abraço em grupo.

-É impossível conseguir parar de chorar, ela me odeia e eu a amo tanto- Eu falava me desabando mais ainda em prantos.

-Eu sei que é difícil, mas estamos aqui sempre, e queremos mais que tudo o seu bem Mikaela- Kássia falou acariciando a minha cabeça enquanto eu soluçava alto, eu os abracei com ainda mais força me sentindo menos desolada.

                                                                             Tânia Ponto de Vista 

Eu não conseguia mexer nenhuma parte de meu corpo. Tudo continuava negro e apenas o som repetitivo de uma máquina de hospital se ouvia. Os meus olhos não abriam, o meu corpo não me respondia, eu me sentia morta mas ao mesmo tempo viva. De repente consegui ver uma luz forte, meus olhos estavam abrindo lentamente. Depois de conseguir habituar os meus olhos á luz percorri todo o local onde eu estava com o olhar, era um quarto de hospital, já devia saber, de onde mais poderia ser aquele som irritante do meu lado. Rosa estava sentada em um sofá do meu lado direito me olhando com lágrimas nos olhos, tinha umas olheiras bem marcadas e escuras do debaixo de seus olhos, parecia que não dormia á noites, quanto tempo estou neste hospital? 

-Tânia! – Uma voz gritou do meu lado esquerdo me assustando um pouco, não tinha notado a presença de mais alguém na sala. Olhei com um pouco de dificuldade para o lado graças ás horríveis dores que sentia por todo o meu corpo e vi a Sofia me olhando com um enorme sorriso no rosto. – Você acordou, graças a Deus. 

Rosa caminhou até a minha cama me olhando alegre. 

-Tânia, finalmente, você está bem. – Falou ela com a voz trémula por causa de seu choro deitando sua cabeça no meu braço. 

Eu não estava entendendo muita coisa, não me lembrava o que tinha acontecido nem de como eu tinha vindo parar a um quarto de hospital ligada a máquinas e cheia de curativos pelo meu corpo. Tentei prenunciar algumas palavras mesmo saindo fracas. 

-O-O que… - Foi a única coisa que consegui dizer, a minha voz falhou antes de conseguir terminar a frase. 

Rosa ia falar algo mas foi interrompida pelo som da porta do quarto se abrindo. Um homem de cabelos loiros e pele morena vestido com uma bata branca adentrou o quarto fazendo uma expressão aliviada ao me ver acordada. 

-Boa tarde. – O homem possivelmente o médico falou com uma voz grossa. – Vejo que a menina Tânia acordou, isso deixa-me feliz. 

Rosa se afastou um pouco de mim dando espaço ao médico se aproximar do meu lado direito. 

-Deve estar um pouco confusa eu penso, então deixe-me esclarecer as suas dúvidas. A menina sofreu um acidente de carro á exatamente uma semana, hoje é sábado, sofreu alguns machucados graves além de ter partido seu braço direito. – Falou o médico me fazendo recordar de tudo, o camião, os meus pais discutindo, meu pai perdendo o controlo do carro e por fim o enorme estrondo que abriu um cenário negro me fazendo desmaiar. – Senhora Rosa, por favor, podemos falar em privado? 

Olhei para Rosa que acenou com a cabeça seguindo o médico para fora do quarto fechando a porta logo em seguida. 

-Ei…Como você está? – Perguntou Sofia quebrando o silencio que tinha ficado naquele espaço de tempo. 

-M…Morta… - Falei com dificuldades com um pequeno sorriso no rosto. 

-Ah, me desculpa, não deveria fazer você falar agora, ainda deve descansar mais um pouco. – Falou Sofia um pouco atrapalhada. – Tenho aqui seu celular, pensei que o ia querer quando acordasse… - Sorriu ela me entregando meu querido celular, peguei nele com a mão esquerda já que pelos vistos meu braço direito não está disponível. 

-O-Obrigada Sofia. – Falei tentando me esforçar para minha voz sair mais firme e audível. Olhei meu celular desbloqueando a tela, é claro que a primeira coisa fui ver era se a Mikaela tinha mandado mensagem mas como já deveria saber não tinha nada. Eu acho que talvez deva desistir de uma vez dela, quer dizer, ela já desapareceu sem dizer nada á mais de uma semana, ela não se preocupava comigo, ela não queria saber de mim. 

-Tânia, eu sei que não é um bom momento mas, eu fiquei muito preocupada quando soube que teve um acidente de carro e vim a correr para o hospital te ver. E-Eu te amo, eu estou falando a verdade, eu só queria que me desse uma chance… - Falou Sofia com algumas lágrimas escorrendo pelo rosto enquanto olhava fixamente para baixo. Talvez eu deva dar uma chance para ela, ela se preocupa comigo, mas eu não a consigo amar como ela quer. Eu poderia a pegar, apenas para me divertir, mas eu simplesmente não consigo. – Não precisa me falar agora, eu espero até quando você estiver melhor. 

Dei um sorriso falso para Sofia desviando novamente minha atenção para o celular. Olhei as milhares de mensagens que a Lana me tinha mandado me perguntando se eu estava bem, penso que a Rosa a avisou do que aconteceu já que ela parou de dar a louca á 3 dias atrás. Vi as primeiras que ela tinha mandado e senti meu corpo congelar de repente. 
Chata: Oi pessoa apaixonada! 
Chata: Tânia? Você está ai? 
Chata: Vai me dizer que a JinxDrogada te raptou :3 

Eu desliguei o celular pousando o meu braço em cima de minha barriga enquanto encarava o teto. Era por causa da Mikaela que eu não conseguia amar a Sofia.
 


Notas Finais


Aiii esses ninjas cortadores de cebolas ;----;
Capítulo bad, mas não se enganem, vão ter momentos alegres!!! Essa História é igual ao meu humor: "bipolar" :b
Beijus de Nutella :* :*
E inté mais!!!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...