História Far away - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Apollo, Hades, Jason Grace, Nico di Angelo, Piper McLean, Will Solace
Tags Nico Di Angelo, Solangelo, Wico, Will Solace
Exibições 172
Palavras 2.674
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Bishounen, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa tarde meus queridos! Eu estou tão feliz, deixa eu compartilhar essa minha felicidade com vocês: EU RECEBI UMA CARTA! SIM SIM, MINHA PRIMEIRA CARTA DE UMA LEITORA *--*, pensa na felicidade da menina hahaha pulei, gritei e surtei demais.
Foi a fofa e maravilhosa da ~MaySol7 que enviou, e junto veio uma pelicula de unha de Solangelo. Eu estou surtando e não é pouco. Muito obrigada meu amor, até agora eu estou sorrindo com isso. Aliás, se quiserem me enviar uma carta eu aceito HAHAHAH respondo todas (eu estou falando sério).

Enfim, vamos para mais um capítulo que agora vocês vão começar a entender o que está acontecendo com esses dois <3.

(capa: não está muito relacionado ao capítulo, mas eu amei essa foto)

Capítulo 4 - Céu particular


Fanfic / Fanfiction Far away - Capítulo 4 - Céu particular

Flashback on

Ouço o barulho da chuva batendo na janela e as buzinas dos carros lá fora, mas não é isso que me acorda e sim o meu celular tocando incansavelmente.

Tateio a mesa do lado da cama e pego meu celular fechando meus olhos por poucos minutos ao ver a luz dele me incomodava. Assim que meus olhos se acostumam consigo vislumbrar na tela: Bianca.

Ela iria me perturbar até quando?

- Alô? – digo com uma voz de sono.

- Nico, céus... Onde você está? Estou te ligando já faz meia hora e nada! – ela não parecia brava, e sim desesperada.

- Eu estou bem Bianca, falei que iria sair hoje à noite. – digo levantando aos poucos o tronco do meu corpo. Reparo por fim que estava sem camisa e que não me encontrava no meu quarto.

- Pensei que você ia sair com o Will. Ele está doido te procurando, você sumiu Di Angelo! – o mesmo mimimi de sempre.

Will estava me procurando? Solto um sorriso irônico. Agora ele queria me procurar?

- Eu estou... – digo confuso, eu nem sabia onde estava.

Olho ao redor e percebo que me encontrava em um quarto de motel. Chovia levemente lá fora.

Estava sem camisa e provavelmente sem o resto da roupa. O lençol da cama cobria a parte de baixo do meu corpo. Continuo olhando o local e vejo algumas garrafas de bebidas no chão e também algumas camisinhas. Parecia que a noite foi boa.

- Eu estou em um motel. – digo sentindo os efeitos da ressaca surgirem.

- O que? Em qual motel? Nico Di Angelo, o que você está fazendo? – diz ela cada vez mais desesperada.

Desvio minha atenção do telefone de novo quando ouço alguns resmungos vindo da cama. Assim que olho, vejo outra pessoa deitada lá e provavelmente nua também. Não é qualquer pessoa, e sim a que eu jamais pensaria transar: Octavian.

Aos poucos começo a me lembrar da noite: lembro de ter ido a uma festa da escola, bebido demais e parece que isso acabou resultando em uma transa com a pessoa que eu mais tinha nojo. Ou tinha.

- Nico me responde! O Will chegou agora aqui em casa, o que vou falar pra ele? – aquele escândalo da Bianca já estava começando a me irritar.

O que falar pra ele? Diga a verdade. Assim como eu ouvi as da boca dele.

- Diz pra ele que estou em um motel com o Octavian e que não quero perturbações. – desligo o celular e volto a me deitar na cama.

É o fim.

Flashback off.

- Vai me contar o que houve naquele dia? – Will segura forte o meu braço. Mesmo bêbado ele ainda possuía alguma força.

Que inferno, ele não vai me deixar em paz?

- O que você quer saber mais? Aconteceu aquilo e pronto. – digo me livrando de seus braços e indo até a beira da piscina. Precisaria de ajuda para tirar ele daqui.

- Então você nem nega? – ouço uma risada sarcástica dele.

Não respondo a sua pergunta e disco para a única pessoa que atendia ao telefone em uma festa.

- Jason, preciso da sua ajuda. Estou na piscina. – assim que ele confirma que iria vir, eu desligo meu telefone e respiro fundo. – O Jason vai vir te buscar.

- Eu ainda não terminei a conversa. – ele falava com rancor.

Oh meu saco, por isso eu queria ficar no quarto dormindo.

Respire fundo Di Angelo.

- Quer saber o que Will? Eu dormi com ele e pronto, você não ouviu direito da Bianca naquela noite? – digo me virando para ele.

Espera gritos de raiva, ele dizendo que era mentira ou que fizesse mais questionamento. Porém, ele fica quieto me olhando horrorizado e via mais algumas lágrimas saindo do seu rosto.

Grite comigo, vai fundo. Eu sei que dormi com a pior pessoa na face da terra naquele dia.

Desvio meu olhar dele quando percebo que aquela cena me trazia recordações não muito boas.

- O que vocês dois estão fazendo aqui? – sinto um alívio ao ouvir a voz de Jason. – Você não arrombou o cadeado não né?

- E eu estou no estado que faria isso Grace? – concordamos com um olhar. – vem, me ajuda a levar esse aqui para o dormitório.

Vou até a escada da piscina e com muito equilíbrio e atenção consigo sair de lá e consigo ver da outra ponta o Jason tirando o Will da piscina.

Com a noite se aproximando o vento gelado começava a me causar arrepios e calafrios. Se ficássemos mais tempo aqui pegaríamos uma gripe.

Vou até onde tinha deixado as garrafas vazias e junto-as para não deixar evidências que tinha passado por lá. Quando Jason consegue tirar totalmente o Will da piscina, ele apóia-o com os braços em volta da sua cintura e pegando o braço dele e passando no seu pescoço.

Will continuava com uma expressão de choque e chorava levemente. Não entendia aquela sua expressão, eu sabia que tinha feito aquilo naquela época. Não é porque isso não havia saído da minha na época boca que era mentira. E também, quando soube não veio falar comigo. Apenas sumiu e vi em um jornal a notícia que tinha ido para a Inglaterra.

Tem certeza que é você que deve chorar Solace?

- Vamos embora logo. – confirmo com a cabeça para Jason e saímos da área das piscinas.

O som das batidas da festa ainda ecoavam no ambiente. As pessoas não sairiam tão cedo da festa. Infelizmente, a minha noite tinha sido totalmente estragada.

- Vou colocar ele debaixo de um banho gelado, você deveria fazer isso também. – diz Jason assim que fechamos a porta do condomínio.

Iria oferecer ajuda a ele, mas depois de repensar vi que seria uma má ideia.

Vou até meu quarto e jogo as garrafas no cesto de lixo. Pego uma calça de moletom cinza e vou até o banheiro me afogar na água gelada.

Deixo cada gota dominar meu corpo e fazer parte de mim. Precisava manter a calma.

Por que ele do nada quis rever todas aquelas lembranças? Elas estavam enterradas na linha do tempo e deveriam ficar por lá. Eu realmente não quero revivê-las, ainda mais com ele me olhando daquele jeito.

O seu rosto espantado e as lágrimas caindo... Vi poucas vezes o Will daquele jeito, ele sempre tentava se mostrar forte com as suas emoções. A última vez que o vi assim foi no enterro da sua mãe, onde nos minutos finais ele não aguentou e desabou.

Saber do que eu fiz naquela noite se igualava dor daquele dia Will? Ou foi apenas a bebida?

Dou um soco a parede do meu banheiro ao me pegar mergulhado nesses pensamentos.

- Droga Nico... – agora quem estava em choque era eu.

Devo ter ficado um bom tempo no banho, pois a água gelada não incomodava mais.

- Você vai acabar com a água Nico. – ouço batidas na porta do meu banheiro e percebi que era Jason.

Desligo o chuveiro e me visto, logo depois saindo do banheiro encontrando meu amigo sentado na cadeira.

- Devolvi as suas bebidas. Pelo menos você foi à festa. – ele sorri e aponta para a minha mala fechada indicando que elas já estavam lá.

- E ele? – tento parecer indiferente ao ir até a bolsa e pegar um cantil.

- Caiu igual pedra na cama depois do banho. – ouço um suspiro vindo de Jason e já me preparava para os questionamentos. – Vai me contar o que houve?

- Não houve nada Grace, eu estava bebendo e ele apareceu lá. – digo me sentando na cama e abrindo meu cantil tomando um gole. Tinha sorte de ter uma tolerância considerável a bebidas fracas. Ter esse vício desde os 15 anos ajudava e muito.

- Não é disso que estou falando. – olho confuso para ele. – cinco anos atrás Nico, o que houve?

Bufo nervoso e me jogo na cama. O que todo mundo tinha hoje?

- Não abuse da minha boa vontade em te deixar ficar no meu quarto. – digo encarando o teto.

- É sério Nico, você nunca me contou o que aconteceu. – ele não iria desistir mesmo.

- E pra que você quer saber agora? Não torra a paciência Jason. – digo tomando um gole do cantil.

- Deixa eu ver... Em um belo dia você pára de falar com todo mundo, o Will some e você se fecha. Acho que só por isso. – ele diz ironicamente.

- Eu já disse o que houve Jason.

- Eu não vou acreditar que vocês ficaram com essa raiva toda um do outro só porque ele foi morar em outro país sem te avisar.

- Que inferno Jason, esquece isso. – levanto da cama e vou até a porta.

- Uma hora ou outra eu vou descobrir.

- Então faça isso sozinho. – o deixo sozinho no meu quarto e me direciono até o quintal dos fundos.

Ao fundo conseguia ouvir adolescentes vibrando com a música. Alguns provavelmente nem se lembrariam dessa noite, outros iriam dormir com pessoas que nem gostavam, reclamar da ressaca amanhã, e os poucos como eu apenas queriam esquecer da vida.

Sento no chão do quintal e começo a olhar o céu. Não tinha a mania de olhar muito para o céu a noite, o pequeno brilho das estrelas ofuscavam quaisquer indícios de tranquilidade que a escuridão poderia trazer, mas ainda sim eu sentia inveja dele por ter algum brilho que tirasse a solidão do céu.

Eu era a escuridão da noite e não possuía estrelas. Era um céu nublado.

Que melancolia Di Angelo.

Encaro o meu cantil e pela primeira vez em anos não sinto vontade de dar mais um gole. De raiva acabo jogando-o longe.

O que estava acontecendo comigo? Perderia a cabeça logo agora que havia conseguido se domar? Sério mesmo isso? Era ele aparecer que tudo isso acontecia.

Ele citou as gravatas... Será que ainda guardava a sua? Bobeira, não tinha motivos para isso. Apenas você que ainda guardava ela.

Devo ter ficado algumas horas naqueles pensamentos, pois quando fugi deles percebi que barulho da festa já havia diminuído indicando que ela estava no seu fim. Leo, provavelmente não voltaria para cá, Percy deveria estar largado em um dormitório, Frank já devia estar dormindo assim como Jason. Ou seja, só eu estou perdendo a noite.

Pego o meu cantil que havia jogado e subo as escadas até meu quarto. Acho que poderia ganhar a noite se conseguisse dormir e acordar, por sorte, só à tarde.

Quando passo no corredor a caminho do meu quarto escuto um estrondo vindo de um dos quartos.

Parar para ver o que tinha acontecido ou continuar e dormir?

Continuar e dormir.

Porém, outro barulho se faz lá dentro.

- Está tudo bem aí? – dou duas batidas na porta.

Nenhum som e só depois de esperar mais consigo ouvir gemidos de dor vindo de lá dentro: som de uma pessoa que não sabia beber.

Ajudar ou ignorar?

Ignorar.

Entro no quarto e percebo que a luz do banheiro acesa. Involuntariamente vou até lá e vejo uma situação que me lembrava muito o passado: o Will com a cara na privada jogando tudo para fora.

Dou uma risada ao ver aquela cena nostálgica. Isso parece tirar a atenção dele, pois logo nossos olhos se encontram.

- Isso é engraçado? – ele diz antes de vomitar de novo.

- Como eu disse: se não sabe beber fique longe delas. – por algum motivo não estava me sentindo desconfortável com a sua presença de novo. – Deixa eu te ajudar.

Vamos lá, pelo menos uma boa ação nesta noite. Pior que ele está não ficaria, e também me devia uma.

Tiro ele da bacia do banheiro e o levo para a sua cama.

- Melhor você trocar essa blusa. – digo vendo o estrago que ela estava, mas no estado que estava não conseguiria sair mais da cama.

Bufo e vou até o seu guarda roupa o jogando uma camiseta qualquer.

No meio tempo que ele trocava de camiseta me pego olhando seu quarto. Tinha a cara dele: livros na prateleira, cores claras e alguns quadros na parede. Alguém deve ter vindo decorar ele antes da sua vinda.

- Vou pegar um remédio no meu quarto e depois fazer algum chá para você, tente não vomitar no quarto todo. – suspiro e vou até a cozinha.

Abro algumas prateleiras e vejo o chá que precisava. Era comum os meninos trazerem isso já que sabia que a ressaca seria feia no outro dia.

Preparo o chá e depois vou até meu quarto pegar o remédio. Dou duas batidas na porta de novo e ganho permissão para entrar.

Will está na mesma posição de quando eu o havia deixado. Entrego a ele o chá e depois o comprimido. Por sorte ele não vomita tudo.

Sento-me na cadeira e fico observando os seus movimentos. Eu deveria ir embora, já havia feito a minha boa ação.

- Por que está fazendo isso? – diz ele ao terminar o chá.

- Não reclame da minha boa ação, só é um saco ter que ir dormir com você vomitando tudo. – digo e percebendo que falava mais para mim do que a ele.

- Isso é uma bandeira branca? – seus olhos voltaram a brilhar. Aquele brilho intenso que dominava a escuridão.

- Acho que sim. Jason já está me irritando por causa das nossas brigas. – digo suspirando.

- Bom, pelo menos estamos conseguindo nos suportar agora. – ele sorri satisfeito.

Não consigo segurar e acabo sorrindo com isso.

- Vai dormir agora, a ressaca ainda vai vim amanhã. – ele apenas dá nos ombros e vira para se deitar.

Deveria sair dali, fiz meu trabalho e minha cama me esperava. Mas, por algum motivo ainda fico sentado na cadeira. Observar para que ele não passasse mal de novo? Talvez.

Saia daí Nico, você se envolveu demais.

Levanto da cadeira, mas antes de sair completamente do quarto me pego admirando os cabelos loiros caírem no lençol da cama e a sua respiração pausada e calma. Ele ficava tão calmo assim, não o ouvia reclamando sobre nada ou tentando desenterrar outras coisas.

Deveria continuar assim Will: dormindo. Desse jeito não se machucaria ou choraria de novo.

Vou até ele e o cubro com o lençol. A noite estava fria e se continuasse assim pegaria uma gripe. Mas, assim que termino de cobri-lo sinto a sua mão pegar o meu pulso e me puxar para perto dele.

Ele não estava dormindo? Fingindo de novo Solace?

- O que você...? – digo baixo.

Ele não responde e continuamos nos encarando. O brilho dos olhos dele iluminavam todo o ambiente, como se não precisasse de outra fonte para iluminar.

Ele me puxa para mais perto dele, mas acabo colocando meu braço do lado da sua cabeça impedindo que nossos rostos se aproximam mais.

Conseguia mais uma vez sentir a sua respiração e seu hálito de chá misturado com bebida. O calor do seu corpo emanava causando arrepios involuntários em mim.

Ficamos nos encarando por um momento até que seus lábios se movem aparentemente querendo dizer algo, mas desistindo no meio do caminho.

- Boa noite Nico. – é a única coisa que ele dia antes de soltar o meu braço.

Afasto-me dele imediatamente.

O que estava acontecendo?

- Sobreviva Solace. – digo antes de sair do quarto.

Assim que entro no meu me jogo na cama e encaro o teto.

Quando minha respiração tinha ficado tão acelerada? O que aconteceu ali? O que ele iria dizer?

Droga Nico, você quase caiu nos encantos de novo. Não negue que sentiu vontade de sentir os lábios dele novamente.

Não posso, não posso.

Fecho meus olhos e me pego de novo da cena onde eu encarava seus olhos. Naquele momento a escuridão não parecia mais solitária e tranquila. Ela dava um ar de graça no azul dos teus olhos.

A escuridão do quarto era como o céu à noite, e as estrelas eram os olhos do Will. Por um breve momento eu tive o meu próprio céu estrelado. Não sentia inveja e não era nada ruim.


Notas Finais


É... Nico dormindo com outros não é algo positivo de se ver. Os espaços em brancos nas lembranças e os pulos de tempos são propositais, logo eu junto tudo e dou o cheque mate <3

Vocês devem estar doidos por um beijo rs, principalmente naquele cena. Paciência meus leitores, tudo virá no seu tempo.

Espero vocês no próximo capítulo. Provavelmente vai ser um dia e um dia não de atualização aqui, depende muito do tempo que vocês vão ler o capítulo.

EU RECEBI UMA CARTA *OOOOO* (ok, meu último surto, juro)

Beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...