História Fases - Capítulo 11


Escrita por: ~ e ~EmmaKristen

Exibições 9
Palavras 1.350
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hey, minhas amorinhaaaas!

☕ Finalmente atualizando, hein... Sorry!

☕ Quero aproveitar para avisar que o tumblr Estante Literária tá fazendo divulgação de fanfics. Caso tenham interesse, deixarei o link nas Notas Finais.

Capítulo 11 - Capítulo 10


Fanfic / Fanfiction Fases - Capítulo 11 - Capítulo 10


— Parágrafo um, capítulo quatro do artigo "Meu irmão não dá a mínima para os meus sentimos — Jackson lia um papel completamente em branco, enquanto o irmão assitia vídeos de experiência com lagartos.
A manhã estava tranquila e o céu limpo, nada de nuvens negras de chuva nem pessoas correndo para fugir da água.
Sentados no banco de madeira os dois garotos planejavam estudar antes mesmos das aulas terem início, mas sempre que Jack tinha dúvida em relação a algo, perguntava ao irmão que sempre prometia responder depois.
— Vamos melhorar... "Querido diário, não aguento ser ignorado sempre que tento contato com meu querido Fred. Talvez ele não note minha importância agora mas no futuro, quando eu for rico e estiver com belas strippers em Dubai, ele lembrará de mim" — Frederic virou a cabeça para o lado assistindo o drama do caçula. Revirou os olhos graúdos e balançou a cabeça.
— Você acha que se eu tirar algumas cópias e grampear no mural ele vai ver?
— Que tal isso: parágrafo um, capítulo um do artigo "Meu irmão é um retardado carente que necessita desesperadamente de atenção"? — Sugeriu.
— Essa é a coisa mais doce que você disse pra mim hoje — Retrucou Jackson. Frederic revirou os olhos novamente e continuou a assistir seus vídeos.
Para algumas pessoas não era necessário gastar tantas horas do dia com Ciências Biológicas, porém Frederic pensava diferente e levava o curso a sério. Para ele não importava quão insignificante e inferior a faculdade que escolhera era para os outros, pois todos seu amor estava naquela matéria.
Jackson esticou os braços espreguiçando todo o corpo no banco com um bocejo que mais pareceu um grito. O jovem de cabelos castanhos chacoalhou a cabeça e ajeitou os óculos.
— O dia tá tão calmo — Comentou.
— Graças a Deus! — Respondeu o irmão, sem desgrudar os olhos da tela do computador.  Jackson o encarou com cara de tédio.
— Quero tomar café — Disse ele, dando um tapa forte no braço esquerdo de Frederic que soltou um gemido baixo.
— E sadomasoquismo é necessário? — Murmurou.
— Vamos logo, Fred!
— Espera. Eu preciso terminar de baixar um arquivo — Jackson afundou de braços cruzados no banco, bufando com a resposta do irmão. 
Por que tudo tinha que ser deixado para depois em relação a ele? Fred nunca tinha tempo para conversar, lanchar ou simplesmente lhe dar um abraço. Jackson admirava o irmão mais que tudo e esforçava-se para ser como ele: dedicado, exemplar, o melhor dos melhores. Mas suas tentativas pareciam inúteis e a vontade de parecer com Fred ganhava certo desânimo quando o mesmo ignorava o irmão.
O moreno apoiou o braço esquerdo no banco enquanto o direito pousava sob a perna e analisou a paisagem ao redor, estreitando um pouco os olhos quando a luz do sol batia neles.
Entediado, o rapaz estalou a língua. Frederic, que estava extremamente concentrado na pesquisa, levou um leve susto com o som e levantou a cabeça rapidamente, mas sem olhar para o caçula. Jackson, por sua vez, nem percebeu a reação do irmão, continuou olhando para frente.
Novamente ele estalou a língua. Fred mordeu os lábios, sentiu o aborrecimento aumentando mas preferiu ignorar. E então Jackson fez de novo e de novo e de novo, até que o som se tornou constante, mais alto e mais provocante.
Frederic virou-se para encará-lo, a cara amarrada e os olhos castanhos fuzilando o esverdeado incrivelmente belo dos olhos de Jackson.
— Jack, eu tô tentando me concentrar aqui, valeu? — Falou ele, de modo ríspido.
— E eu, além de estar com muita fome, tô entediado — Respondeu, com um sorriso falso no rosto. Fred respondeu-lhe como costumava fazer sempre: revirando os grandes olhos castanhos.
— Será que não podemos voltar a atenção pra mim uma vez? — Questionou ele, apontando para o peito. Fred, bruto como de costume, tirou o fone de ouvido do bolso enquanto encarava o irmão com cara de tédio. Plugou na entrada do computador e colocou-os nos ouvidos.
Jackson assistiu incrédulo, a boca escancarada e o olhar de decepção, pior, frustração estampado em seu rosto. Ele balançou a cabeça em sinal de reprovação e puxou os fones com força, jogando no chão.
— Qual seu problema? — Disse Frederic, o que mais soou como grito.
Meu? Eu é quem deveria perguntar. Será que você pode me dizer de uma vez por todas o motivo de me tratar assim? Por que todo santo dia eu tento me aproximar de você mas sempre sou empurrado pra longe — O rosto claro e alegre coberto de sardas ganhava um tom avermelhado cada vez que ele botava algo para fora. Seus lábios tremiam e a voz parecia ficar rouca, enquanto seus olhos lacrimejavam — O que eu fiz pra você, Fred?
— Jack, nã — Tentou, mas foi interrompido pelo irmão, que começava a tremer.
— Você não pode me tratar como seu irmão em vez de um simples conhecido? — A última pergunta chateou Frederic muito mais que as outras. Ele colocou-se de frente para o irmão estreitando os olhos e balançando a cabeça.
— Por que você sempre tem que agir feito uma criança de cinco anos? Fica aí se fazendo de vítima com uma placa na testa escrito: tenham dó de mim! Meu irmão é um imbecil comigo — Os lábios de Jackson começaram a tremer mais e as bochechas coravam também. Não, não estavam corando com um tom rosa claro, estavam vermelhas demais, ardiam até.
— O que você espera que eu faça, Jackson? Pare tudo o que estou tentando conquistar pra te dar atenção? Quer que eu cuide de você como um babá? — A essa altura as pernas de Jackson mais pareciam coqueiros que balançava com o vento forte da praia. Suas mãos eram contraídas e o rosto coberto de lágrimas. 
Em meio a sua irritação, Frederic esqueceu que o irmão tinha estranhas sensações quando ficava nervoso, um problema que o levou para UTI diversas vezes.
— Eu não sou como a mãe e o pai que te tratam como um recém-nascido o tempo todo. E deixa eu te dizer só mais uma coisa, Jack: o mundo não gira em torno de você! Pelo menos o meu não.
Jack não tirou os olhos dele enquanto não terminou, e as palavras afiadas de Frederic atravessaram seu coração cortando em pedaços minúsculos.
Ele então, fechando os olhos, respirou fundo soltando o ar pela boca. Seu maxilar tremia a cada expirada.
Jack! — Ele ouviu seu nome ser chamado e de longe reconheceu a voz de Luke. Desejou muito que alguém aparecesse para que ele não tivesse que ficar ali com o irmão ou sair sozinho de perto dele.
Com o skate cinza escuro, Luke desviava das árvores e bancos na sua frente. Colocou mais velocidade na pequena subida que dava para casa Omega Chi Delta, onde Jack se encontrava na frente.
— Tá afim de ir na cafeteria? Ainda não comi n— Ele apontava para a Cafeteria do campus quando olhou bem para o semblante dos irmãos Foster e percebeu que poderia estar atrapalhando algo.
— Tá tudo bem aqui? — Perguntou sem obter resposta. Ele olhou ao redor meio perdido, Yuki diria que ele parecia um Skatéte na pista — E-eu... É treta isso aí? 
Fred balançou a cabeça olhando para baixo e abriu seu computador novamente.
— Não é nada, Luke! Coisa de irmão, sei que você entende — Disse ele, enquanto digitava a senha: ylime, o nome da namorada ao contrário. Jack o vira naquele computador tantas vezes que acabou decorando.
— Você também não tomou café? — Perguntou com voz tênue, sem desgrudar o olhar de frustração do irmão.
É! Eu dei um brecha de ir com o Yuki — Respondeu, analisando um arranhão no skate — Mas que porr...
— Aposto que se chamasse o Alex ele não negaria — Disse, antes que um palavrão escorregasse de Luke. Fred o fitou entortando os lábios, e revirou os olhos. Luke deu de ombros.
— Acho que não!
— Então vamos! — O rapaz, com seu 1.73 de altura, acomodou-se sentado na parte da frente do skate. Fred não tirou os olhos dele e, desta vez, era um olhar de arrependimento. Luke deu um aceno militar mal feito e Jack mostrou a língua, emitindo um som de pum.
— Vamo pegar essa broca...
 


Notas Finais


☕ Jackson - Jeremy Shada
☕ Frederic - Dylan O'Brien
☕ Luke - Crawford Collins

☕ Playlist - https://open.spotify.com/user/12164570043/playlist/2ffqX9qhpHaxJtp13yyj2M

☕ Estante Literária - http://estante-literaria.tumblr.com/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...