História Fast and Furious: Run or Die - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Velozes e Furiosos
Personagens Brian O'Conner, Dominic Toretto, Letty Ortiz, Mia Toretto, Personagens Originais
Tags Andrew O'conner, Astrid Martin, Correr, Furiosa, Morrer, Romance, Veloz
Visualizações 98
Palavras 669
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


✯ Olá, essa é a minha segunda fanfic postada aqui.

☠ Bem, plágio é crime e acredito que todos saibam disso.
☠ Zayn Malik e Selena Gomez apenas estão representando os personagens principais.
☠ A fanfic não será movida a base de comentários, mas todo e qualquer comentário é bem vindo. Seja um elogio ou uma crítica CONSTRUTIVA.
☠ Velozes e Furiosos não me pertence, talvez apenas as personalidades dos personagens.
☠ Essa fanfic terá algumas partes fortes, então se não gosta de algo do tipo, não leia.
☠ A capa foi criada por DallasMendes no blog Evil Queen Edits.
☠ Trailer criado pela Synyster Gates do Perfect Design.
☠ Capítulo betado por Yeahoppa do Perfect Design.

✯ Tenham uma boa leitura, nos encontramos lá embaixo.

Capítulo 1 - Part I - Prologue


— Me chamou Dom? — pergunto entrando em sua sala.

Tudo bem que Dominic é meu pai adotivo, mas eu simplesmente não me sinto confortável em chamá-lo assim. Dom me adotou quando eu tinha 12 anos, então eu já entendia que ele não era meu pai biológico. Porém, hoje vejo que ele é mais meu pai do que o homem que me abandonou foi.

— Chamei sim. Conhece meu sobrinho? Andrew. — Aponta com a cabeça na direção do garoto que estava sentado apenas observando tudo. Arqueio a sobrancelha direita, voltando minha atenção para o Toretto.

— Já ouvi falar. O mais velho do O’Conner. — Dom assente, levantando a cabeça, e dá um sorriso a me ver. Automaticamente deixo com que um sorriso apareça em meus lábios, mas logo trato de sumir com ele. — Mas por que me chamou?

— Calma, eu vou chegar lá. Sente-se. — Suspiro, me sentando na poltrona ao lado de Andrew. Apoio os cotovelos em minhas coxas e espero que continue falando. — Você sabe que é um dos meus melhores homens aqui — sorrio com a afirmação. Dom sempre se referiu a mim como um homem dentro de sua equipe, e eu sempre preferi assim.

— Você fala isso sempre que tem oportunidade, Dom. — O mesmo soltou uma risada baixa, concordando, e se levantou, vindo para frente da mesa e se encostando à ela.

— É verdade. Bem, como um dos meus melhores homens, queria que você orientasse Andrew em sua decisão. Ele ainda está confuso se deve seguir os primeiros passos de Brian ou se juntar a nós. — Solto uma risada nervosa achando que aquilo é uma brincadeira, mas ao ver o rosto sério de Dom rapidamente paro e levanto.

— Você quer que eu dê uma de babá? — pergunto indignada. Essa é boa, eu ter que ficar cuidando de um cara de 21 anos e esperar que ele se decida. — Dominic, eu não vou ficar de cuidando desse garoto. Não vou mesmo.

— Qual o problema? Tem medo de se apaixonar? — escuto a voz dele pela primeira vez. É rouca e provocativa, tem um quê de deboche também. Sei que se aceitasse aquilo o que mais iria ouvir seriam seus deboches. Olho pro Dom arqueando uma das sobrancelhas.

— Mande-o calar a boca antes que eu mesma cale e leve flores ‘pro Brian dizendo que sinto muito — peço para Dom, que apenas sorri se divertindo com a cena. Ele sabe que Andrew não duraria muito tempo comigo, sabe que eu não mediria esforços para fazer da vida dele um inferno e sabe que eu iria pegar pesado.

— Qual é, gata? É tão ruim assim cuidar de mim? Não mordo, sabia? — Respiro fundo, fechando os olhos, e abro os mesmos dando um sorriso forçado. Viro-me para ele que está com um sorrisinho no rosto mostrando que está gostando de tudo aquilo.

Caminho na sua direção e agarro seu pescoço, o apertando com a quantidade certa de força.

— Escuta aqui, pirralho. Eu estou há muito tempo nesse ramo, e não vou aturar gracinhas. É melhor você fazer tudo o que eu mando e não me irritar, porque não vou medir esforços em te jogar em um valão qualquer — falo baixo, bem próximo de seu rosto.

Solto seu pescoço e me afasto, dando um sorriso forçado. Escuto a risada de Dominic atrás de mim, me viro e o encaro com os olhos semicerrados.

— Eu te odeio — falo negando com a cabeça. Dom sorri e apenas me abraça apertado.

— Mas eu te amo, filha — sorrio e deixo um beijo em sua bochecha.

Caminho na direção da porta, abrindo a mesma. Olho por cima do ombro e observo O’Conner ainda sentado passando a mão no pescoço. Sorrio satisfeita, mas logo trato de reprimi-lo.

— O’Conner, é ‘pra ontem. Você tem muito o que aprender aqui. — Saio da sala de Dom escutando os passos de Andrew atrás de mim.

— Não o mate, Astrid — escuto Dom gritar de sua sala e solto uma risada alta negando com a cabeça.

— Não prometo nada, papai — falo baixo deixando que um tom de deboche apareça levemente.


Notas Finais


✯ Espero que tenham gostado.
✯ Não tenho dia certo para postar ainda, mas estou trabalhando nisso.
✯ Como eu disse antes, a fanfic não será movida a base de comentários, mas eles são muito bem-vindos.
✯ Horário de Postagens: https://docs.google.com/spreadsheets/d/1rAa5lXLr76GJ0erMywGtN0iVP-nL32OQlF5Xv6CDCKU/edit?usp=sharing
✯ Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=29gznQRgKlQ

✯ Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...