História Fatal Error: Fall For You - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Anjos, Demonios, Especial Mês Do Halloween, Jin, Jungkook, Kooktae, Kookv, Taehyung, Taejin, Taekook, Vkook
Exibições 347
Palavras 6.412
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora




Postando um coração pq amo muito vcs e estou muito feliz por estarem gostando dessa fanfic, obrigada de verdade e perdão pela imensa demora, mas o capítulo tá grandinho, acho que compensa, certo? Bom espero que sim e boa leitura.


Capítulo 3 - Fatal Error: Submit


Ao abrir seus olhos naquela manhã, a primeira coisa que viu fora o rosto sereno e adormecido de Taehyung. Jeongguk não pôde evitar sorrir o vendo com uma expressão repleta de paz. Talvez, se considerasse o que realmente era, seria estranho se referir a uma palavra que lembrava algo puro, enquanto ele mesmo era totalmente o oposto. Nem mesmo o Kim que estava deitado sobre o seu braço esquerdo, poderia ser comparado novamente à pureza. Não depois do que o incitara a fazer naquela noite.  

Levou sua mão direita aos fios loiros de Taehyung fazendo uma leve carícia, tentando assim se convencer que realmente o tinha, literalmente, em seus braços. Ainda era surreal acreditar que depois de vinte e um anos apenas o observando de longe, ele estava ali. Finalmente, Jeongguk poderia dizer que faltava muito pouco para conquistar tudo que almejara. Apesar de   ter Taehyung tão próximo, ainda não o teve por completo, quebrando de vez toda a essência angelical que o nefilim possuía.  

Para proteger os nefilins da influência dos demônios, Deus, fez com que eles herdassem a áurea angelical de seus pais. Algo tão puro que impedia que seres maculados se aproximassem demais, a não ser que fossem permitidos. A que Taehyung possuía era a mais poderosa que conhecera ao decorrer de sua existência e apenas se tornava mais poderosa pela personalidade tão única que ele possuía, não fazendo nada de errado e nunca deixando ser dominado por nenhum dos pecados capitais, sendo estes, o principal modo de fazer os nefilins se perderem do caminho desejado pelos anjos.  

Essa fora a motivação para que Jeongguk corrompesse Taehyung, destruindo por completo toda a pureza que ele possuía. Se infiltrara de vez no mundo humano, fazendo o uso da identidade a tanto tempo esquecida por si. Matriculou-se no mesmo curso na faculdade que Taehyung passou a frequentar e assumiu sua antiga personalidade, da qual tinha certeza que conseguiria conquistá-lo por completo.  

No entanto, as coisas não saíram bem como Jeongguk planejara. Mesmo em sua forma humana, não conseguia se aproximar da forma que queria de Taehyung e as poucas vezes que o loiro o notava, não passava de uma rápida troca de olhares. Seu tempo começava a acabar quando sentia Taehyung cada vez mais poderoso, logo ele despertaria com suas asas mais brancas que a neve e Jeongguk precisava impedir isso. Aproveitou-se de um momento de transição para impedir a continuidade da transformação dele em um anjo e o fez se desviar pela primeira vez torturando aquela garota. 

Não conseguiu fazer com que ele a matasse, como realmente desejava, mas aquilo era o suficiente para conseguir se aproximar; precisava agora apenas fazê-lo confiar em si. Finalmente, seu plano inicial começava a fazer efeito e no decorrer da semana, conseguiu conquistar totalmente sua confiança; tudo começava a se encaixar e precisava só fazê-lo se entregar totalmente a si.  

Tivera a oportunidade durante a noite, quando o convenceu a ficar em sua casa; quando tocou seus lábios nos dele depois daquela declaração e suas bocas se encaixaram perfeitamente, suas línguas se moviam em total harmonia e desejo, a luxúria que tanto desejava fazê-lo se entregar. Mas, indo contra o que planejara, ao afastarem seus lábios, deixando breves selares e encostando suas testas. Sorriram um para o outro, Taehyung aproximou mais seus corpos e encostou seu rosto na curvatura do pescoço de Jeongguk, deixando sua respiração bater contra a pele mais clara, rodeando seus braços na cintura dele.  

— É, realmente não vai ser difícil eu ficar perdidamente apaixonado por você — Taehyung falou sorrindo, aconchegando ainda mais seu corpo no de Jeongguk.  

Jeongguk sorriu e retribui o abraço de Taehyung, apertando firme a cintura dele e encaixando o rosto em seu pescoço. Sentiu seu coração palpitar mais forte, era a mesma sensação de quando perdia horas admirando o Kim, vendo-o correr pelas ruas da cidade em que vivia e a forma de seu encantador sorriso quadriculado. Uma sensação diferente do que estava acostumado a sentir no decorrer de sua existência, algo tão humano que poderia se dizer afetado por passar tanto tempo agindo como um. O sentimento que vira muitos anjos se perderem e se juntarem a si, que até então desconhecia, mas agora sabia perfeitamente do que se tratava: 

— Eu já sou perdidamente apaixonado por você. 

Não mentira ao dizer tais palavras e muito menos ao se entregar ao aconchego de apenas ficar deitado com Taehyung, trocando carícias castas. No entanto, não era como se Jeongguk também tivesse mudado totalmente seus planos ou se arrependido por estar transformando Taehyung, pelo contrário, ainda desejava corrompê-lo por completo, apenas adicionara tê-lo junto a si.  

— Hum — foi desperto de seus devaneios ao escutar Taehyung gemer e o viu abrir lentamente os olhos esboçando em seu rosto um doce sorriso. — Acho que está muito cedo para eu ficar mal-acostumado assim.  

— Como assim? — perguntou deixando seus dedos descerem para as bochechas acobreadas.  

— Isso que você está fazendo — Taehyung se mexeu aconchegando seu corpo no de Jeongguk e rodeando a cintura dele para um abraço apertado. — Esse carinho todo que você está comigo e nós só começamos a namorar noite passada. Não acha que é cedo demais para me acostumar tão mal assim?  

— Você está enganado — abriu um sorriso travesso ao ver Taehyung o olhando confuso. — Nós namoramos faz um bom tempo, ontem foi quando você descobriu isso — brincou fazendo ele começar a rir.  

— Cadê aquele garoto que estava com medo de se declarar, hein? 

— Acho que ele se perdeu ao conseguir fazer o que tanto desejava. — Dito isso, Jeongguk puxou o rosto de Taehyung encaixando novamente seus lábios aos dele, apenas mexendo minimamente sua boca sem aprofundar o contato.  

Findaram o ósculo e juntaram suas testas sorrindo um para o outro. Jeongguk piscou algumas vezes e segurou o rosto de Taehyung, o puxando para um outro beijo mais ousado, deixando com que sua língua se encontrasse com a dele e em seguida mordendo-o no lábio inferior.  

— Você realmente está aqui comigo. — Jeongguk segredou seu pensamento inicial sorrindo como um verdadeiro bobo apaixonado para ele.  

— Desculpe te fazer esperar tanto tempo. — Taehyung sorriu bagunçando os fios acastanhados de Jeongguk e virou o corpo dele para que deitasse com suas costas apoiadas no colchão. Em seguida, passou sua mão direita sobre o corpo dele e logo o puxou para um outro beijo, este que teria se aprofundado e se tornado ainda mais intenso do que os que trocaram noite passada, se não fosse pelo celular de Taehyung começando a tocar insistentemente.  

— Achei que eu tinha colocado ele no silencioso — Jeongguk confessou visivelmente irritado pelo momento interrompido.  

— É o Jin hyung — Taehyung concluiu ao pegar o aparelho e olhar o nome salvo em seu visor. Respirou fundo e levou o celular até sua orelha. — Jin hyung eu— fora interrompido antes mesmo de concluir sua fala.  

— Você precisa voltar agora, Taehyung. Eu estou falando sério. — A voz dura utilizada por Seokjin acabou preocupando o Kim que logo saiu de cima de Jeongguk e sentando-se a beirada da cama.  

— Aconteceu algo? 

— Apenas venha o mais rápido possível. — Dito isso, logo a ligação foi encerrada.  

Taehyung olhou para o visor do aparelho verificando o horário. Passava um pouco mais das dez horas da manhã e agradecia por ser sábado e não ter que se preocupar em perder alguma aula chata na faculdade, que provavelmente comprometeria todo o seu semestre, já que era mestre em só faltar em dias importantes.  

— Eu preciso ir — falou engatinhando pelo colchão e depositando um rápido selar nos lábios de Jeongguk. Tentou se afastar rapidamente, mas logo teve seu corpo puxado o fazendo deitar-se na cama com o corpo do castanho sobre o seu, beijando todo seu rosto.  

— Tem certeza? — Jeongguk perguntou perto do lóbulo da orelha de Taehyung.  

— Ainda não transamos e você já está tentando me comprar assim, o que é bastante tentador — Taehyung disse em um tom sapeca apoiando cada uma de suas mãos em um ombro de Jeongguk e o empurrando para o outro lado do colchão —, mas o Jin parecia estranho e eu realmente fiquei preocupado, deixo para uma próxima.  

— Você fala isso de uma forma tão natural, achei que ia demorar um pouco a me desejar também. — Jeongguk comentou ao ver Taehyung se levantando da cama e olhando para os lados em busca de seus objetos. Apenas apontou para o rumo da cômoda que ficava no canto esquerdo, ao lado da cama.  

— Não é como se eu fosse uma menininha, Gukkie — comentou em um tom sarcástico, fazendo do apelido que acabara de decidir usar. Pegou sua mochila ajeitando uma alça sobre seu ombro esquerdo. — Vai realmente ficar deitado aí? Tudo bem que o Jeongguk tímido se perdeu, mas aquele todo educado e preocupado que até mesmo queria me levar em casa também? Isso não devia estar no acordo.  

Jeongguk apenas rio jogando sua cabeça um pouco para trás e logo pegando impulso para se levantar de uma vez da cama. Em passos rápidos logo alcançou Taehyung, o abraçando por trás e deixando com que seu queixo se apoiasse no ombro dele.  

— Você realmente ficou mal-acostumado, te mimei demais — falou depositando um beijo estalado na bochecha dele. Logo sentiu ele jogando seu corpo para trás e dessa vez, sendo Taehyung a encostar a cabeça no ombro de Jeongguk.  

— Gosto mais assim. — O loiro falou virando minimamente seu rosto para Jeongguk e sorrindo abertamente. — Eu realmente vou ficar mal-acostumado — brincou começando a andar ainda sem sair do aconchego do corpo dele.  

Ao chegarem até a porta da casa, Jeongguk virou Taehyung para si o dando um forte abraço. — Assim eu não vou conseguir ir, Gukkie.  

— Eu não queria que você fosse e, por sinal, gostei do apelido — riu assoprado contra o pescoço de Taehyung.  

— Fico feliz, mas eu realmente preciso ir agora — Taehyung disse se afastando de Jeongguk e segurando o rosto dele, dando-lhe novamente um beijo. Nessas poucas horas que começaram com a carícia, descobriu-se completamente viciado nos lábios do castanho. — Tchau, Gukkie.  

Jeongguk apenas maneou sua cabeça concordando e deixou com que sua mão deslizasse lentamente pelos braços de Taehyung enquanto ele se afastava gradualmente. O Kim deu as costas começando a caminhar, quando virou seu corpo de repente. 

— E, Gukkie, obrigado. Essa foi a primeira noite que eu realmente conseguir dormir sem ter nenhum pesadelo desde aquele dia — disse sorrindo.  

— Eu não fiz nada.  

— Você esteve ao meu lado. Na verdade, eu só conseguia me sentir bem mesmo quando estávamos juntos, acho que acabei criando uma dependência em você, então acho que só estar ao seu lado eu me sinto bem.  

— Eu sempre vou estar aqui por você. — Jeongguk sorriu e abaixou sua cabeça encarando seus pés.  

— Eu sei que vai. — Taehyung ergueu seu braço acenando em despedida.  

Jeongguk retribuiu o gesto fechando a porta em seguida.  Deixou seu corpo escorar na parede e começou a escorregar até que estivesse sentado no chão. Puxou sua perna e abaixou o rosto começando a pensar em tudo que estava acontecendo e o quanto estava desviando alguns detalhes do plano inicial por ter se apaixonado por Taehyung. E teve total certeza que tal desvio não estava sendo bem aceito ao ver uma pena negra caindo lentamente em frente a si.  

Levantou seu olhar lentamente, vendo as asas negras começarem a se encolher até desaparecerem por completo nas costas do ser de pela clara, cabelos tão negros quanto o mais escuro breu e olhos vermelhos iguais ao mais puro sangue.  

— O que você quer aqui, Yoongi? — perguntou sem humor.  

— O tempo está acabando, Jeongguk, e você ficar apaixonado só está atrapalhando tudo — Yoongi falou em um tom firme e autoritário. — Você precisa trazer ele para nosso lado logo.  

— Eu vou. 

— Quando?  

— Logo, só um pouco mais de tempo. Tudo vai ser como o planejado. — Viu Yoongi o olhando com um ar superior e desconfiado. Acabou engolindo em seco pensando em as possibilidades de eles fazerem algo por fora e acabar perdendo a chance de ter Taehyung ao seu lado.  

— Se apresse, Jeongguk — Yoongi agora tinha um tom de alerta —, não garanto que aceitaremos seus caprichos novamente em mantê-lo vivo. Além do mais, você sabe que isso é arriscado e ele corre o risco de não sobreviver — se aproximou de Jeongguk, abaixando seu corpo até que seu olhar ficasse na mesma altura do dele — e você não tem a autorização de fazer nada para impedir isso.  

— Ele vai sobreviver — Jeongguk o cortou já irritado e apertando seus punhos. — Nada vai acontecer com ele.  

 

 

Chegou ao apartamento que dividia com Seokjin o encontrando sentado no sofá da sala, as pernas dele estavam cruzadas e seu olhar fixo em Taehyung. O Kim piscou algumas vezes um pouco confuso e olhou para os lados tentando identificar alguma coisa de errada com o lugar para assim justificar o desespero do amigo durante a ligação.  

— Parece que tudo está bem aqui, então — começou a falar quebrando o silêncio desconfortável e um tanto sufocador em que estavam. — O que aconteceu?  

— O que você anda escondendo de mim? — Seokjin foi direto em sua pergunta.  

— Nada? — devolveu com outra pergunta ainda confuso pelo o que o amigo dizia e começou a andar até o outro sofá, sentando-se também.  

— Tem certeza? Desde aquela primeira vez que você dormiu fora de casa você parece outra pessoa, Taehyung — o acusou. — Você nunca me escondeu nada, então porque me parece tão distante? 

— Okay, deixa eu entender o que acabou de acontecer aqui — Taehyung começou a falar meio atordoado. — Você me ligou como se o mundo fosse desabar, me pediu para voltar correndo para casa só para me perguntar isso?  

— Não só isso, precisava que você se afastasse do Jeongguk. 

— Certo, isso só está fazendo você parecer ainda mais com um louco, mas agora um louco ciumento. — Taehyung se levantou começando a andar até seu quarto e se odiando por ter realmente levado em consideração o pedido de Seokjin enquanto agora poderia estar deitado junto a Jeongguk e recebendo diversos tipos de mimo dele.  

Antes que pudesse entrar em seu quarto, Taehyung sentiu seu braço sendo puxado e encarou Seokjin, dessa vez demonstrando toda sua irritação.  

— Taehyung, me diga, o que você anda escondendo? — Ao escutar a pergunta de Seokjin, apenas revirou seus olhos e puxou seu braço com força.  

— Eu disse aquela vez: eu desmaiei e o Jeongguk me encontrou e cuidou de mim — sua voz saía em um tom automático.  

— Existe algo mais nisso. Taehyung, eu te conheço desde que você nasceu, pare de achar que eu não vou perceber que está escondendo algo.  

— Por que diabos você está assim? Jin hyung, nos últimos dias você tem estado insuportável, eu gosto muito da forma que me protege e cuida de mim, sou muito grato por isso, mas isso é sufocante.  

— Tudo seria mais fácil se você parasse com sua descrença em assuntos sérios — Seokjin retrucou começando a alterar seu tom de voz.  

— Assuntos sérios? Anjos, demônios, nefilins, isso é sério? Por favor, Jin hyung, sua paixão em estudar sobre isso é muito bonita e admirável, mas eu já disse: você passa dos limites as vezes.  

— Taehyung, isso não é fantasia, só acredite pelo menos uma vez, antes que aquela coisa que você chama de Jeongguk consiga realmente te transformar no mesmo que ele é.  

— Ele já me transformou no namorado dele e adivinha só? Eu não vejo nenhuma desvantagem nisso! — fechou a porta com força a trancando logo em seguida. Se jogou de bruços em sua cama, pegando o travesseiro e tentando abafar qualquer som que pudesse chegar em seu ouvido com ele.  

Não queria retornar para casa e discutir com Seokjin, muito menos por ser a primeira briga dos dois. Eles sempre se deram bem e eram como unha e carne. Sempre confiara cegamente em Seokjin e o admirava por ele ser tão mais maduro que si, mesmo que a diferença de idade entre eles fosse de apenas três anos. Eram como uma família e se sentiam como uma, se consideravam irmãos, mesmo que não fosse de sangue.  

Taehyung vivia grudado a ele, acompanhando tudo e qualquer coisa que Seokjin fazia, inclusive conhecia afundo toda a lenda, mesmo que nunca tivesse acreditado nela. Talvez, quando mais novo, até a achasse extraordinária e quisesse que fosse real, viver da adrenalina que era uma batalha entre seres sobrenaturais. Lembrava-se também de sua mãe sempre sorrindo quando Seokjin contava algum feito dos anjos e, hoje em dia, apenas se perguntava de onde o amigo tirava tanta criatividade.  

Acabou rolando sobre a cama, dessa vez, deitando de costas e olhando para o teto de seu quarto. Queria saber quando tudo se tornara tão diferente entre eles. Talvez tivesse um pouquinho de culpa por realmente ter escondido dele sobre os pesadelos que vinha tendo ao decorrer da semana, mas eram apenas pesadelos, correto? Havia confirmado o que realmente acontecera com Jeongguk, então tudo estava bem.  

Agora, ao fechar os olhos, tentava entender o motivo de ter perdido a calma tão rápido e começara a se sentir mal por isso. Geralmente, levava essas crises de Seokjin numa boa e até mesmo as achava fofinhas. Se levantou em um pulo da cama e acabou sentindo suas vistas escurecerem um pouco e tudo girar, mas logo voltou ao normal. Destrancou a porta, já chamando por seu hyung quando a abriu.  

Escutou um barulho vindo da cozinha e sorriu de sua própria falta de atenção em não pensar que ele estaria realmente naquele lugar. Seokjin amava cozinhar, principalmente quando estava chateado com algo. Caminhou até o local, sentando-se a mesa e debruçando seu corpo no móvel.  

— Me desculpa, Jin hyung — falou em um tom manhoso.  

— Tudo bem, eu acabei exagerando também — Seokjin respondeu ao se virar com um prato em cada mão. — Não é nada muito genial, mas imagino que esteja com fome.  

— Kimchi! — Taehyung exclamou animado e apenas balançou sua cabeça confirmando o que Seokjin havia dito. Estava mesmo com muita fome já que não havia comido nada até o momento, provavelmente sendo este o motivo de ter ficado tonto antes, além da dor de cabeça que começara a sentir.  

A tensão que tinha mais cedo entre os dois parecia que nunca existira antes. Tudo voltara ao normal e Taehyung se sentiria maravilhosamente bem, se não fosse pela fraqueza repentina que sentiu ao se levantar da cadeira que estava sentado para levar o prato sujo até a pia e quase derrubá-lo no chão, o transformando em diversos cacos de porcelana. Levou sua mão até a cabeça, sentindo uma pontada forte como as outras que tivera no decorrer da semana, assim como uma ardência em suas costas, quase fazendo com que ele cedesse à vontade de se jogar no chão.  

— Taehyung? Está tudo bem? — Seokjin levantou rápido, logo segurando o corpo de Taehyung e tocando a testa do mesmo, sentindo a temperatura um pouco mais elevada.  

— Sim, eu só achei que tivesse parado — comentou fechando os olhos com força e inalando todo ar que conseguia, o expelindo lentamente em seguida, tentando assim controlar a dor que sentia e apesar de mínimo, tinha a impressão de que estava tendo resultado.  

— Como assim parado?  

— Venho sentido essas dores de cabeça desde aquele sábado e elas sempre vinham com intensidade quando eu tinha os pesadelos — confessou começando a se recuperar.  

— Pesadelos? Taehyung, por que você me escondeu tanta coisa! — Seokjin estava aflito e indignado. 

— Não queria te preocupar, e eu já estou melhor — respirou fundo novamente, sentindo-se capaz de se equilibrar. — Eu tive uns pesadelos um tanto reais essa semana, acabei ficando preocupado com eles, mas está tudo bem, sei que não passam de simples pesadelos.  

— Como tem certeza disso? 

— Jeongguk me confirmou e — antes que pudesse continuar, viu Seokjin fazendo uma careta.  

— Você realmente deveria se afastar dele.  

— Não vamos começar com isso de novo, ok? — Taehyung pediu e forçou um sorriso. — O Gukkie é uma boa pessoa, ele é atencioso, carinhoso, além de ser bem fofo quando se deixa levar pela timidez dele. Você acabaria se encantando por ele.  

— Acredito, e exatamente por isso digo para que não deposite toda sua confiança nele. Aparências enganam, Taehyung, principalmente aparências como a do Jeongguk.  

— Você diz como se conhecesse ele.  

— E eu conheço — Seokjin afirmou com convicção — conheço o demônio manipulador que ele é.  

— Demônio — Taehyung repetiu em desdém — você realmente quer voltar nesse assunto de novo — mordeu o lábio e começou a se afastar do amigo.  

— Onde você pensa que vai? 

— Dar uma volta, já que você não parece querer colaborar — respondeu sério pegando a chave do apartamento — Eu não quero brigar com você novamente, hyung. 

— Você acabou de passar mal, não devia — Seokjin tentou alertar, mas logo foi interrompido.  

— Vou piorar se continuar aqui. — Disse por fim, acenando com as costas da mão para Seokjin até sair pela porta, a batendo um pouco mais forte.  

 

 

Dizer que fora apenas mera coincidência bater na porta da casa em que Jeongguk morava, poucas horas depois de ter saído de lá, com a desculpa de ter andado sem rumo quando queria pensar, seria uma bela mentira contada por Taehyung. Assim que deixou o apartamento que dividia com Seokjin, traçou o caminho para a casa de Jeon com a esperança de recuperar a paz que sentira mais cedo. Não mentira ao dizer que se sentia melhor apenas por estar com ele ao seu lado.  

Talvez fosse precipitado ao dizer isso? Sim. Principalmente considerando o pouco tempo que realmente se conheciam, mas por que não se deixar levar por alguém que realmente o fazia se sentir bem em todos os momentos? Por isso, apenas sorriu ao ver a expressão surpresa que o rapaz fizera ao encontrá-lo novamente. 

— Aconteceu algo? — Jeongguk perguntou ainda surpreso.  

— Não quero falar sobre isso — Taehyung falou se jogando contra o corpo de Jeongguk, passando os braços ao redor do pescoço dele e roubando um selinho dos lábios cheinhos e rosados e, ao se afastar, esboçando seu melhor sorriso. — Eu sempre quis fazer algo assim e não tenho dúvidas que você é a pessoa certa.  

Jeongguk deixou escapar um fraco sorriso puxando o loiro para dentro da casa e encostando o tronco dele na porta ao fechá-la, logo em seguida avançando sobre os lábios dele em um beijo fervoroso. Levou suas mãos para cada lado do rosto de Taehyung e ao se afastar, com a respiração um pouco ofegante assim como a dele, sorriu.  

— Eu também sempre quis fazer algo assim. 

— Não me importo se fazer isso mais vezes — disse com a voz rouca perto da orelha de Jeongguk e riu ao vê-lo se arrepiar. Entretanto, ao contrário do que a situação era propensa, Taehyung apenas rodeou os braços na cintura dele aconchegando seus corpos em um caloroso abraço. — Não faz nem cinco minutos que eu estou aqui e já me sinto incrivelmente melhor.  

— Tem certeza que não quer dizer o que aconteceu? — Jeongguk começou a caminhar ainda abraçado a Taehyung.  

— Jin hyung — respondeu ao sentar no sofá ao lado de Jeongguk e encostar a cabeça no ombro dele enquanto recebia um delicioso cafuné em sua cabeça que o fazia repensar seriamente nas pequenas coisas maravilhosas da vida. — Ele é um fanático em angelologia e acha que todas as lendas são reais e ainda por cima, fica acusando você, mesmo sem te conhecer.  

— Me acusando?  

— Ele diz que você é um demônio. — Começou a rir se sentindo um idiota pelo que o amigo disse.  — Isso é tão ridículo.  

— Você realmente não acredita em nada disso, correto? 

— Sim. Antigamente eu até gostava das lendas, mas com o tempo e o fanatismo do Jin hyung em me fazer acreditar em cada detalhe me fizeram odiar o assunto.  

— E você aceitou justamente fazer o trabalho sobre esse tema comigo, agora me sinto culpado.  

— Bom, você não quis que eu acreditasse em nada e eu queria me aproximar de você também — Taehyung ajeitou seu corpo olhando diretamente para Jeongguk — e se eu não tivesse feito isso, não estaríamos assim — começou a deslizar a dedo pelo tronco do outro e aproximou minimamente seu rosto do dele — afinal, você é muito frouxo. — Não pôde evitar rir ao ver a cara de indignação que Jeongguk fazia.  

— Frouxo? — Jeon repetiu encarando o loiro que mordia o lábio inferior tentando conter um sorriso travesso. Taehyung queria muito sair desse assunto e esquecer o que havia acontecido e essa foi a melhor ideia que conseguiu ter.  

— O adjetivo que mais combina com você, considerando o fato que antes você nem se aproximava de mim. — Continuou sua provocação vendo Jeongguk se aproximar cada vez mais. — Estou errado? 

— Você tem um ponto — Jeongguk diminuiu o tom de sua voz a deixando um pouco mais rouca —, mas eu já passei muito tempo guardando meu desejo por você, posso te fazer se arrepender por ter me chamado assim e te mostrar quem é o frouxo.  

O clima presente naquela sala começava a esquentar um pouco mais. Taehyung temia que se continuassem esse joguinho, iriam acabar sem roupas e com a voz irritada depois de tanto gemer. De certa forma, esta, não parecia uma ideia ruim. Talvez, as coisas estivessem ocorrendo um pouco rápido demais. Se beijaram pela primeira vez em menos de vinte e quatro horas, mas Taehyung já se sentia tão à vontade e tão inebriado pela presença de Jeongguk que não conseguia controlar seus desejos em relação a ele.  

Ainda não sabia que tipo de feitiço Jeon Jeongguk havia jogado sobre si, apenas sabia que já não conseguia mais quebrar o encanto.  

— Então faça — a voz de Taehyung era ainda mais baixa — me mostre que eu estou errado. — Assim que terminou sua fala sentiu seus lábios sendo tomados pelos de Jeongguk em um beijo totalmente diferente dos que já haviam trocado antes. Era mais intenso, com mais desejo, paixão, luxúria, perdição.  

Porque era assim que Taehyung se encontrava ao sentir sua língua se encontrando com dele, ao mesmo tempo que seu corpo era apalpado, em seus mínimos detalhes, pela mão de Jeongguk. De seu tronco, passando por sua cintura, descendo diretamente para suas coxas onde um aperto mais forte fora deixado, arrancando um primeiro gemido mais alto. Logo, sentiu suas nádegas sendo seguradas com força e seu corpo sendo puxado para o colo de Jeon.  

O beijo, que ainda não fora findado, se tornava ainda mais sedento e o fôlego que possuíam começava a acabar. As bocas ainda se moviam em sincronismo perfeito e delirante, levando-os à loucura sendo que sugavam o lábio um do outro, sendo seguido de um sorriso malicioso proveniente de ambos.  

Taehyung encerrou o beijo, jogando sua cabeça para o lado e a virando um pouco para trás. Puxou uma quantidade razoável de ar que fora expelida junto a um gemido mais manhoso, ao se aconchegar melhor no colo do Jeon e acabar sentindo suas ereções, já bem formadas, se tocarem. Jeongguk acabou o puxando mais para perto, prolongando o atrito entre seus membros e logo atacando o pescoço do loiro, se permitindo deliciar da pelo acobreada e tão propensa a ser marcada por ele.  

As mãos do Jeon agora se encontravam segurando a barra da camiseta preta que Taehyung utilizava, sendo levantada ao mesmo momento que os dedos dele dedilhavam por sua cintura causando uma sensação de cócegas que não o fazia rir, e sim se arrepiar. Logo sentiu a roupa sendo passada por seus braços e finalmente jogada para longe de seu corpo.  

Agora, os lábios antes concentrados no pescoço do Kim, começaram a explorar cada parte da tez no tom mais perfeito que Jeongguk poderia já ter conhecido antes. Deixava selares, beijos molhados, mordidas e chupões por onde sua boca passava, até abocanhar o mamilo esquerdo de Taehyung e sentir ele arquear suas costas. O Jeon não pôde deixar de arfar contra a pele do outro, sorrindo malicioso. Ergueu um pouco seu olhar fazendo com que ele se encontrasse com o de Taehyung.  

— Ainda acha que eu sou frouxo?  

O loiro não conseguiu conter sua risada ao escutar tal frase. Ao que parece, havia tocado em um ponto delicado com o Jeon, entretanto, de forma alguma estava arrependido. — Acho que eu preciso de mais provas para ter certeza que não é.  

— Você terá sua certeza quando estiver com as pernas bambas depois de eu foder você — sussurrou antes de voltar sua atenção para o corpo de Taehyung, dessa vez começando a chupar o mamilo direito e se sentindo satisfeito ao sentir seus cabelos sendo puxados pelo Kim. 

Taehyung sentia algumas fisgadas em seu pênis de pura excitação e mal conseguia se aguentar mais sem um estimulo direto, queria mais de Jeongguk e já estava agoniado por ele estar vestido demais. A fim de mudar essa situação, em meio ao êxtase que sentia, tirou suas mãos dos fios acastanhados começando a descer pelo corpo firme dele. Apertou o ombro, arranhando ainda por cima da roupa parte das costas dele enquanto puxava um pedaço do pano em cor branca que ele vestia. Em seguida, começou a deslizar as mãos pelos braços dele sentindo cada músculo bem definido de Jeongguk. Passou a mão pela cintura dele, arrastando os dedos até a barriga, conseguindo sentir um pouco dos gominhos que ele possuía. Por fim, segurou a barra da camiseta e começou a tirá-la, tendo a ajuda de Jeongguk que ergueu os braços para facilitar o processo.  

Atacou os lábios de Jeongguk logo depois de deixar a camiseta dele por algum lugar do chão — o qual não estava preocupado no momento —, dessa vez sendo dele a iniciativa de algo mais ardente. Não demorou muito para sentir as mãos do Jeon apalpar sua bunda novamente, um pouco mais forte e, no instante seguinte, arrastava os dedos por todo quadril do loiro até chegar no botão do cós de sua calça e desabotoá-la. Jeongguk desceu o zíper de forma lenta e antes de começar a tirar a peça de roupa, apertou com vontade o pênis de Taehyung que findou o beijo engasgando em um gemido.  

— Você vai me deixar louco assim. — Taehyung estava ofegante.  

Tentou repetir o mesmo processo para começar a retirar a calça de Jeongguk também, mas teve suas mãos seguradas e erguidas para cima enquanto seu corpo era jogado para trás. Sentiu suas costas quicarem um pouco ao tocarem na superfície do estofado. Sua boca fora atacada novamente em um breve beijo onde ele apenas teve a sensação de seu lábio inferior sendo mordido e puxado de leve.  

— Você já me deixou louco, nada mais justo — Jeongguk respondeu no mesmo instante que começou a estimular o pênis de Taehyung ainda por cima da roupa que ele utilizava. Aproximou sua boca da orelha dele e continuou a falar: — Eu quero ouvir você apenas gemendo meu nome, apenas se entregue totalmente a mim. — Sorriu ao escutar mais gemidos saindo pela boca de Taehyung.  

Subiu um pouco sua mão e adentrou com ela na cueca preta que Taehyung utilizava, puxando o pênis rijo dele para fora do tecido, circundou-o e começou a deslizar sua mão para cima e para baixo de forma lenta, inebriante e tortuosa pelo falo do loiro. As arfadas que o Kim soltava começavam a se tornar mais pesadas a medida que os movimentos começavam a aumentar gradativamente enquanto ele não controlava seu corpo em começar a levantar seu quadril simulando algumas estocadas em busca de ainda mais contato.  

Mesmo que ainda quisesse continuar com esse jogo de provocações por mais tempo com Jeongguk e dizer que ainda estava longe de se dizer totalmente entregue, estaria mentindo descaradamente. Talvez entregue seria pouco agora que estava sendo controlado pelo prazer oferecido a si, principalmente agora que sentia a língua de Jeongguk tocar a ponta de seu pênis e logo tê-lo envolto pela cavidade bucal dele sendo sugado de uma forma que o fazia delirar.  

— Jeong... guk — deixou o nome dele escapar entre os gemidos que soltava. Sentiu sua calça sendo puxada para baixo junto com a cueca que utilizava ao mesmo instante que seu falo fora abandonado.  

— Não faça nada sem mim, já volto — Jeongguk disse após beijar os lábios de Taehyung e sair por sua casa a procurar de algo.  

Agora Taehyung estava deitado no sofá da casa de Jeongguk, sem roupas, ofegante e com seu pênis duro, enquanto esperava a volta do anfitrião da casa para continuar lhe saciando o desejo que não imaginava que iria sentir dessa forma. Não sabia o que Jeongguk havia feito consigo para lhe deixar dessa forma, tão sedento por ele como se nada fosse realmente o suficiente. Nunca havia desejado nenhuma outra pessoa – nesse nível – em sua vida e ao menos achava que era possível. 

Talvez não tivesse demorado mais do que poucos minutos, mas para Taehyung fora uma eternidade até ver Jeongguk se aproximando de si novamente. Ele carregava em sua mão esquerda um frasco e despejava seu conteúdo na outra mão.  

Taehyung apenas ergueu um pouco seu corpo se deliciando com a visão de tinha de Jeongguk totalmente nu, andando em sua direção. O pênis dele estava visivelmente ereto e o Kim apenas contornou seus lábios com a língua, mordendo-o em seguida e começando a engatinhar até se aproximar o rapaz, segurando a base do falo dele em sua mão. Não ia negar, estava louco para colocá-lo em sua boca e chupá-lo assim como ele havia feito consigo anteriormente.  

Estava prestes a fazer isso quando fora virado de costas, sentindo-se bater contra o peito desnudo de Jeongguk. Sentiu o hálito quente dele bater contra seu pescoço e os dedos gelados por entre suas nádegas contornando a entrada de seu ânus.  

— Apesar de ser tentador você me chupar, agora eu só quero estar dentro de você o mais rápido possível — falou enquanto penetrava o primeiro dedo. — Espero que não se importe se eu deixar esse momento para uma outra hora.  

O tom rouco e sedutor utilizado por Jeongguk apenas fez com que Taehyung se sentisse mais entregue. Ele gemeu alto ao sentir um segundo dedo entrando em si, talvez junto com um leve desconforto que não conseguia se importar no momento, não com os movimentos ritmados e firmes que o Jeon utilizava entrando e saindo de si, quando não estava rodeando seu interior a fim de alargá-lo mais. Ao sentir o terceiro dedo em seu ânus arqueou novamente suas costas e deixando com que sua cabeça pendesse para o lado encostando no ombro de Jeongguk.  

— Mais... — pediu meio desconcertado devido não conseguir ter nada coerente em sua mente do momento.  

— Está gostando? — Jeongguk provocou deixando um chupão no pescoço de Taehyung.  

— Tenho certeza que... hm... irei gostar mais se você me foder logo — tentou dizer com em um tom firme, mas tinha certeza que falhou lindamente.  

— Como você desejar — dito isso Jeongguk tirou seus dedos de Taehyung e levou até seu falo o lubrificando um pouco mais.  

Antes de penetrá-lo, ficou roçando seu pênis na entrada do loiro; Taehyung já começava a perder sua paciência por não ter logo o que tanto queria. Levou sua mão para trás segurando sua mão e empurrando sua bunda para atrás até que sentisse sendo preenchido novamente.  

Jeongguk sorriu malicioso e mordeu o lóbulo da orelha direita de Taehyung. — Você está bem apressadinho.  

— Eu disse que iria gostar mais assim, apenas vai logo, Jeongguk — ordenou com um pouco de dificuldade em pronunciar as palavras, mas tinha certeza que fora entendido pelo Jeon ao senti-lo começar a se movimentar dentro de si.  

O ritmo das estocadas começou lento e continuou assim até que os gemidos de Taehyung passaram a ficar mais altos e manhosos, principalmente quando acertava a próstata dele. Agora, Jeongguk o empurrava para que ficasse com as mãos apoiados do estofado do sofá e sua bunda empinada, permitindo assim que acelerasse seus movimentos e indo o mais fundo que conseguia. Apertava as nádegas dele apalpando a carne macia e o puxando para mais perto de si, se é que isso fosse possível. 

Viu Taehyung querendo levar a mão até o próprio pênis para um estimulo duplo, mas o impediu de continuar com o que ele desejava. — Ainda não — fora tudo que dissera antes de puxar o dorso dele contra si.  

Saiu de dentro de Taehyung e o virou para si. Abriu mais as pernas dele para que se encaixassem ao redor de seu corpo e puxou-lhe para mais um beijo. Necessitava da boca do Kim movendo junto com a sua enquanto o estocando fundo e forte. Seu desejo fora realizado ao sentir Taehyung começando a cavalgar sobre si enquanto soltava murmulhos entre o beijo que trocavam.  

— Guk..., por favor — disse ao se afastar minimamente os lábios dos dele — eu não aguento mais.  

— O que você quer? — Apesar de ter entendido muito bem o pedido de Taehyung, Jeongguk queria provocá-lo mais. Levou sua destra até o pênis de Taehyung começando um movimento de sobe de desce pela extensão de forma lenta, contrapondo com o ritmo de suas estocadas.  

— Gozar...mais.... Gukk — Taehyung jogou sua cabeça para trás ao finalmente sentir ser estimulado como queria. A mão de Jeongguk o masturbava na mesma intensidade que ele entrava e saída de si. Sentia seus orbes girarem e estava prestes a se entregar a sensação mais prazerosa de toda sua vida.  

— Goza para mim — Jeongguk pediu ao sentir que as paredes de Taehyung começarem a apertá-lo. — Diga meu nome. 

— Jeongguk... — disse de forma arrastada pelo êxtase do momento. Seu sêmen escorria por seu corpo e o do Jeon.  

O aperto no falo de Jeongguk proporcionado pelo interior de Taehyung fora tão intenso que não conseguiu segurar por mais do que duas estocadas antes de gozar também, dentro dele.  

Taehyung respirava pesado quando encostou sua testa no ombro de Jeongguk e deixou com que seu corpo amolecesse. Sentiu os braços dele rodearem sua cintura e um selar a ser depositado em sua testa. O suor escorria pelo seu rosto e fazia com que os fios loiros ficassem grudados em sua pele. Sua nuca era acariciada pelos dedos de Jeongguk o deixando ainda mais sonolento e relaxado do que estava.  

— Me desculpe, Taehyung — Jeongguk quebrou o silêncio que se estabeleceu entre eles.  

— Pelo que? — Fazendo um tremendo esforço – ao seu ver – ergueu sua cabeça para olhar diretamente para Jeongguk. Ele estava com os olhos fechados e um sorriso vitorioso em seus lábios. O que lhe chamou mais atenção, fora o cabelo que antes era castanho e agora estava totalmente negro.  

— Seokjin estava certo, eu sou um demônio — Jeongguk começou a abrir seus olhos lentamente, deixando com que o vermelho sangue de sua íris se prendesse ao olhar confuso de Taehyung. — E agora você é finalmente, meu.  


Notas Finais


Então? Gostaram? Sim? Não? Pois é, teve lemon e foi JK seme sim e sobre o final, nada a declarar só confiem que talvez tudo dê certo no final, acho que está começando a dar pra entender que o Jeongguk pode ser um demonio, mas ele não é completamente do mal, acho... não posso falar muitas coisas aqui desculpem.

Enfim, eu queria agradecer a todos os comentários e favoritos ❤ vocês são fodas e eu tô berrando muito aqui. No mais é isso, não deixem de comentar e eu sei que vocês montaram algumas teorias (alguns comentaram que sim) podem ir me contando, quero saber o que pensam que vai acontecer haha ❤ comentem mesmo ok? ❤

Bjs bjs, até o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...