História Fate can sometimes be tragic - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Tags Karol Sevilla, Romance, Ruggarol, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna, Tragedia
Exibições 173
Palavras 628
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiiieee, primeiro de tudo: O capítulo era pra ter saído ontem! Só que eu não sou boa das cabeça então esqueci! Segundo: eu mudei o jeito do texto! Leiam que vocês vão sentir a diferença!
Beijinhos e boa leitura💗

Capítulo 4 - Porque esse idiota fez isso?


    - E então? Qual o assunto do nosso trabalho? - Ruggero me perguntou se sentando em uma das cadeiras da ilha da cozinha. - Senta aqui. - eu o olhei desconfiada. - Eu não vou te morder não! Calma!
   - Ruggero, por que você tá sendo tão legal comigo? - disse me sentando.
   - Somos dupla no trabalho de ciencias! Porque iria te tratar mal aqui? Não tem ninguém além de mim aqui! A não ser o Agus, mas ele vai ficar lá no quarto dele. E também você parece ser legalzinha! Menos quando me chama de Caxinguelê! Que eu nem sei oque significa!
  - Espera! Você me trata mal só por causa dos seus amigos idiotas? - perguntei.
  - Só pelas aparências! - ele diz piscando pra mim - Mas se quiser te trato mal aqui tbm!
    Eu revirei os olhos. Começamos a fazer o trabalho de ciencias. Que seria sobre ecologia. Tivemos que fazer um cartaz e um monte pesquisas. Até que deu 18h e eu decidi ir pra casa.
  - Já deu minha hora, tenho que ir. - disse enquanto arrumava os meus materiais espalhados pela mesa.
  - Que dia podemosï terminar? - ele falou se levantando e indo até a cozinha.
  - Não sei! Mas depois a gente combina tudo! - eu disse indo em direção a porta.
  - Tenho que admitir que você não é tão enjoada como parece Smurf! - ele disse vindo na minha direção. Cara como eu odeio esse apelido de merda!
  - Da pra parar de me chamar disso? Que merda! - disse irritada abrindo a porta.
  - E voltou a ser enjoada como sempre! - ele disse revirando os olhos.
  - Deixa eu ir embora, antes que eu... - eu disse já irritada.
  - Antes que você oque? - ele disse aproximando o rosto do meu com um sorrisinho. O mesmo sorrisinho escroto de sempre.
  - Nada... - disse nervosa me afastando dele.
  - Oque foi tá com medo que eu faça algo? - ele disse se aproximando de novo de mim.
  Não respondi apenas me afastei em vão, por que ele me puxou pela cintura, para grudar nossos corpos um no outro. E pela primeira vez pude sentir o quão forte ele era. Mais do que parecia.
   Nossos rostos estavam pertos de mais. Estamos respirando o mesmo ar ali. Era nítido meu nervosismo. Tanto que, antes mesmo que eu pudesse protestar, ele me beijou. E que beijo! O mundo parecia que havia parado. E o único movimento eram nossas línguas se encontrando em nossas bocas.
   Nos separamos depois de um tempo por falta de ar. Mesmo que eu não quisesse parar. Era necessário. Infelizmente. Mas mesmo que eu tivesse amado mais que tudo aquele beijo tinha que me recompor.
   - Por que fez isso? - disse me afastando dele e pegando minha bolsa jogada no chão.
   - Vai me dizer que não gostou? - ele perguntou sorrindo, e de novo com aquele sorrisinho escroto no rosto.
   - Não! - disse rápido.
   - Ah entendi! Você vai realmente fingir que não gostou né? Ok então! - ele disse e eu revirei os olhos. - Vou ter que confessar, pra uma nerd que nem amigos tem, até que não beija mal.
   - Vai se fuder Pasquarelli! - eu disse me virando e saindo do apartamento.
   - Nos vemos amanhã Lumpa-Lumpa! - ele falou e fechou a porta do apartamento.
    [***********]
    Quando cheguei em casa corri pro meu quarto me tranquei. Rumei o banheiro e tomei um banho demorado e quente. Queria conseguir entender oque havia acabado de acontecer. Porque esse idiota fez isso? Porque?
   Depois do banho me deitei na cama para tentar dormir. Oque foi em vão, por que não conseguia parar de pensar no beijo do Ruggero.
     

Notas Finais


UUUIIII Primeiro beijo Ruggarol🙈
Será que só a Karol que sentiu algo diferente nesse beijo? Hihi
Até o próximo capítulo💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...