História Favorite Sin 2.0 - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber
Exibições 119
Palavras 2.768
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


"Pequena Somers"

hum tendeu

Capítulo 14 - "Little Somers"


"2 da manhã, eu não posso controlar isso, perdida no momento, eu não consigo dormir... 2 da manhã, tudo está congelado, eu continuo caindo e eu simplesmente não consigo dormir." 

Ashley Somers  

 

Sai do banho enrolada na toalha. Fitei Justin que dormia de bruços na cama, ainda de roupa, tênis e seu computador, logo ao seu lado. Me aproximei cautelosamente e virei o computador, clicando no ícone do GPS. 

Anotei o endereço de Nicholas em meu celular e bloqueei o mesmo, o colocando na cômoda junto com o notebook. Fui até meu closet, fitando uma parte que antes ficava vazia, e que agora era repleta de roupas masculinas. 

Peguei uma de suas camisetas e a vesti, me observando pelo espelho. Aquilo parecia um vestido em mim. 

-Ei... -resmunguei, assim que o vi com o cenho franzido, coçando um dos olhos. - Por que não descansa um pouco?

-Já descansei. -tentou se levantar, mas eu o impedi de descer da cama. Me sentando em seu colo.  

-Por que você não tira sua roupa? -perguntei, vendo um sorrisinho brotar no rosto do mesmo. - Ridículo! Eu falei porque não quero você dormindo com essa roupa. 

-Eu sou ridículo? -perguntou risonho. - Engraçado... Quem é a garota que cansada ou não, não perde a oportunidade de ir para a cama com esse ridículo aqui? 

-Se você continuar falando assim, essa garota não vai mais ser eu. -sorri angelicalmente, lhe dando um selinho antes de me jogar na cama. 

Senti quando o mesmo deu um tapa em minha bunda, se levantando e indo para o banheiro. Fiquei em silêncio e assim que escutei o barulho do chuveiro, me levantei, voltando ao meu closet e pegando uma de minhas bolsas.  

Coloquei uma troca de roupa dentro da mesma e meu tênis. Algumas balas e a arma que continha em meu armário. 

Coloquei a mala no canto onde ficavam minhas calças. Totalmente escondida, Justin não acharia! 

Voltei até o quarto e apaguei as luzes, deixando apenas o abajur do lado de Justin ligado. Ele não demorou muito para sair do banho, mas assim que fez fingi estar em um sono profundo. Sentindo o beijo do mesmo em meu pescoço e segundos depois o outro lado da cama afundar. 

(...) 

Fitei o relógio vendo o mesmo bater quase três da manhã, a respiração de Justin era pesada, me virei lentamente na cama vendo o mesmo dormir virado para o lado da janela. 

Desci da cama e sem fazer nenhum tipo de barulho caminhei até meu closet, pegando minha mala e saindo do quarto.  

Assim que desci as escadas corri até o meu carro, sabia que Justin provavelmente acordaria quando o carro passasse pelo portão, e definitivamente eu não queria ser impedida. 

Entrei no carro que eu havia comprado quando fui para São Francisco. Ele chamava menos atenção que o que Chaz havia me dado. Abri a garagem e sai com o mesmo, indo até a portão que abriu para que eu saísse. 

Enquanto ia até o meu destino, fitava meu celular no painel do carro torcendo para que eu não recebesse uma ligação com o nome Justin na tela.  

Parei no estacionamento da primeira loja que vi e abri minha bolsa, tirando a roupa que eu estava e vestindo a que eu havia separado. Coloquei minhas botas e peguei minha jaqueta de couro no banco de trás. Assim que terminei de me trocar, conectei meu celular no sistema do meu carro, vendo o GPS calcular a rota que levava até onde Nicholas estava. 

O lugar era longe, o que era perigoso, quanto mais longe eu fosse, mais eu iria me arriscar.  

Justin Bieber  

 

Me virei na cama prestes a abraçar Ashley, mas não a achei. Levantei a cabeça fitando o banheiro que estava com a luz apagada e a porta aberta. 

Levantei da cama e sai do quarto. Toda a casa estava apagada, e eu odiava isso. Parei na frente da escada vendo o andar de baixo também inteiramente apagado. 

-Hounsted. -o chamei por um dos rádios que havia pela casa. 

-Sim, senhor Bieber?  

-Você viu a Ashley? 

-Saiu já tem mais de trinta minutos.  -respondeu segundos depois. 

-Saiu? -franzi o cenho, mesmo ele não podendo ver. 

-Sim, senhor. 

-Ok, obrigado. 

Desci até o escritório de Chaz torcendo para que Ashley não tivesse saído com o carro novo. Liguei o localizador que mostrou que o Ashley ainda estava na casa, o que significava que ela havia saído com o carro novo.  

Fui até a sala, pegando o telefone e discando o número de Alex, que atendeu no sexto toque.  

-Fala. -atendeu, parecia sonolento. 

-Preciso da sua ajuda. 

-Para agora? 

-Para ontem, Alex. -disse, escutando o mesmo bufar. 

-Fala. 

-Você quem colocou o sistema no carro novo de Ashley, certo?  

-Sim, com a ajuda de Caleb. 

-Qual de vocês dois tem a localização dela? 

-Por que? Ela fugiu de novo? 

-Não digo fugir, mas que ela foi aprontar alguma coisa, ela foi. 

-Caleb quem tem, mas eu sei onde ele está. Espere dez minutos no máximo que ele chega ai. 

-Tudo bem. -soltei o ar. - Valeu, cara. 

-Boa sorte com a loirinha. 

-Eu sempre tenho. -disse, por fim desligando. 

Subi até o quarto e me troquei. Não me sentia angustiado por não saber onde ela estava, tinha certeza que ela não iria embora de novo.  

Ouvi meu celular apitar e peguei o mesmo, lendo uma mensagem de Alex.  

"Ela recebeu uma mensagem na noite passado. A pessoa que mandou está em São Francisco." 

"Nolan ligou para ela?" 

"Ele é o único que mora lá, certo?" 

"Filho da puta" -digitei, colocando o celular no bolso e descendo para a sala. 

Logo ouvi o portão se abrir, fui até o jardim e entrei no carro de Caleb. Sincronizando o GPS do carro com o do sistema de Chaz. 

-Nunca vi alguém dar tanto trabalho quanto ela. -Caleb resmungou. 

-Não é ela quem da trabalho e sim as pessoas com quem ela insiste em manter contato. 

(...) 

-Espera. -Caleb exclamou, me assustando. - Estamos fazendo o caminho do galpão de Nicholas. 

-O que? -franzi o cenho. 

-Eu faço guarda por aqui junto com o Chris. É definitivamente o caminho para o galpão de Nicholas! 

-Se Nicholas estiver envolvido nisso, eu juro que esqueço nosso trato e o mato! Exatamente como o pai dele pediu. 

-Não podemos nos precipitar. -disse. - Lembra o que eu te disse? Ashley está agindo como a Jazzy. Ela pode estar indo atrás de vingança, assim como Caitlin sempre ia.  

-Ia? -perguntei. - Você realmente acha que se Ashley ligar para Caitlin e a chamar para matar Nicholas, ela não vai? 

-Ryan monitora a Caitlin, ele sabe onde ela está a cada segundo dia, onde ela pisa e onde ela pensa em pisar. -disse obvio. - Ele saberia caso as duas saíssem por ai juntas e prontas para colocar o Nicholas no saco. 

-Eu não quero acreditar em Paige, mas ela me disse que o Nicholas e o Nolan se conhecem. -disse, vendo Caleb franzir o cenho. - Aparentemente Nicholas achou que ter Nolan como amigo era algo bom. 

-Ele pode ter colocado na cabeça de Nolan que Los Angeles definitivamente era o melhor lugar para se viver. 

-Eu não quero nem pensar no que Nolan colocou na cabeça dela. -resmunguei, bufando logo em seguida. 

Ashley Somers 

 

A estrada onde eu estava era cercada por arvores, as casas continham uma grande distancia entre elas. Por isso parei assim que vi uma casa visivelmente abandonada. Entrei de ré no local, ficando pronta para caso eu precisasse fugir dali.  

Não que essa fosse minha intensão. 

A arvore caída ajudou a tapar bem o carro. Abri a mala pegando minha segunda arma e as balas. Desconectei o celular do sistema e sai do carro, trancando o mesmo.  

Fitei o horário em meu celular, eu tinha duas horas até o nascer do sol. A esse momento Justin provavelmente já estava me procurando, o que diminuía meu tempo. 

Segui entre as arvores até o local indicado no meu celular. Escutava barulhos típicos, mas que não me amedrontavam nem um pouco. Quer dizer, o que é um cachorro uivando perto das armas carregadas que eu tinho?  

Empurrava os galhos para não bater minha cabeça, mas meus braços e pernas não tinham a mesma sorte. Vi quando uma forte luz iluminou o local que eu estava por um tempo. Me escondi atrás de uma das arvores vendo um carro estacionar ali perto. O farol se desligou e o motorista desceu, andava calmamente até o que, para mim, parecia uma escuridão eterna.  

Sai de trás da arvore e sem fazer nenhum tipo de barulho o segui. Até que eu pisei em um galho podre, que fez mais barulho do que eu imaginava.   

Me abaixei o mais rápido que eu pude, vendo o homem olhar para trás. Ele fitou aquela área por um longo tempo, e eu sabia que se não fosse pela escuridão, ele iria me ver facilmente.  

Vi o mesmo se virar e voltar a andar. Assim que me preparei para levantar, senti meu celular vibrar em meu bolso. Tirei o mesmo rapidamente e desliguei a chamada. Era Justin.  

Desliguei o celular, não precisaria mais da localização, já havia arrumado um GPS particular.  

Me levantei e continuei seguindo o homem. Logo ele parou e pegou seu rádio. 

-PS78, Maik Southmairt. -disse. 

Segundos depois uma garagem se abriu e o mesmo caminhou até lá, entrando. Haviam homens fortemente armados na entrada da garagem. Eu não entraria ali sozinha tão cedo. E logo Justin poderia me encontrar. 

Então apenas sai de onde eu estava, com as mãos para cima, vendo os quatro homens que ali estavam apontarem suas armas para mim. Senti um gelo em todo o meu corpo, eu definitivamente estava com medo do que eles poderiam fazer.

 -Quem é você? 

-Ashley. -respondi. - Ashley Somers. 

-O que você quer? 

-Conversar com o chefe de vocês. 

Vi eles se entre olharem e nesse exato momento senti vontade de sair correndo dali. Mas pude respirar aliviada assim que vi Nicholas caminhar até os homens.  

-Ashley? -disse. 

Abaixei as mãos fitando o mesmo. Ele autorizou minha entrada e eu entrei. Outro gelo se passou por meu corpo assim que a porta se fechou.  

O local era completamente decorado e limpo, nem mesmo parecia um galpão que poderia ser destruído a qualquer momento. Nicholas me levou até seu escritório, até chegarmos lá eu jurava ter visto mais de dez homens, o que me fazia descartar a hipótese de matar Nicholas. 

-Ao que me devo a honra de sua presença? -perguntou, se sentando em sua cadeira. 

Fitei o mesmo sentindo meu sangue ferver. Cara, como eu odiava a cara de sínico que ele tinha. 

-Me responda você. -cruzei os braços, vendo o mesmo franzir o cenho. - Eu teria algum motivo em especial para te visitar? 

-Vários, na verdade. -disse risonho. - Eu realmente achei que depois daquela dia no hospital você iria me procurar.  

Ri do mesmo e soltei meus braços, fitando seu escritório. 

-Eu não vim a troco disso, Nicholas. 

-Oh, achei que você já tinha se tocado que entre eu e Justin... 

-Eu escolheria o Justin. -disse, o fitando por meros segundos. - Até mesmo se ele me traísse... Como seu amiguinho Nolan. 

Não me virei para ele, mas pelo reflexo de um dos quadros vi a cara de Nicholas. Ele não esperava por essa. 

-Eu entendo que amigos dividem garotas, as vezes, mas... -me virei para ele. - A Paige? Sério? -ri. 

-Do que você está falando? 

-Eu estou falando sobre Nolan ter me traído com Paige. -parei em frente a sua mesa, me apoiando na mesma. - Estou falando sobre você achar que pode me enganar. 

-Nolan e Paige? -riu. - Não viaje. 

-Acredite, essa também foi minha reação quando ela me contou. -levantei meu corpo. - Digo, é obvio que eu não iria acreditar nas palavras dela. Mas então eu recebi fotos. Várias fotos. Eles com roupa e então sem. Ela deitada na mesa enquanto ele... Você sabe. -dei de ombros.  

Nicholas não demonstrou nenhuma reação se quer. Mas pela primeira vez eu não o via esbanjar confiança. 

-Você a ama, não ama? -ri. - Por isso você quer a matar. 

-Se ela não pode ser minha, então ela não pode ser de ninguém. -respondeu simples. 

-Se eu não tivesse tanta sede pelo sangue dela, esqueceria esse acordo idiota e a deixaria livre. Amando quem ela quiser, transando com quem ela quiser... 

-Você veio para isso? -arqueou a sobrancelha. 

-O que você quer de mim, Nicholas? -perguntei no súbito, o vendo soltar uma leve risada. 

-Eu já disse o que quero. -resmungou, se levantando de sua cadeira e ajeitando sua camisa. 

-Você não me quer. -neguei. - Mas você é inimigo de Justin, e eu sou a namorada dele então...  

-Esperta. -estalou a língua no céu da boca. - Uma pena termos um acordo no momento e eu não poder tocar nenhuma parte de seu corpo. 

-Você não me tocaria nem depois e nem antes desse maldito acordo. 

-Engraçado você dizer isso, porque nós nos beijamos, não beijamos? -perguntou risonho. - Logo você que me pediu para não confundir educação com interesse, se mostrou tão interessada... 

-Por você? -ri. - Definitivamente, não.  

-Não era o que parecia. 

-Foi uma beijo. -disse, já irritada. - Um misero beijo, não se iluda. 

-Não estou.  

-Sabe de uma coisa? Eu já saquei a sua... -disse, vendo o mesmo se apoiar em sua mesa, me fitando. - Você muda de assunto o tempo todo só para não ter que se explicar. 

-Vamos lá, pequena Somers. Pergunte o que você quiser, eu prometo ser sincero. 

-Eu não confio em você. 

-Não a culpo por isso. -levantou os ombros.  

O fitei por alguns segundos e então soltei o ar. 

-O que você queria quando fez Nolan vir para Los Angeles? 

-Eu fiquei sabendo que havia uma nova garota no grupo do Bieber... De longe eu te observava e assim que percebi o interesse que eu sentia por você, sabia que seria a mesma coisa com ele. -disse. - Temos os mesmos gostos. 

-Você trouxe Nolan a Los Angeles porque queria me afastar de Justin? -assentiu. 

-E funcionou. 

-Você envolveu o Nolan nesse mundo completamente sujo apenas por um capricho? -perguntei. - Justin tirou Paige de você e tudo o que você pensa em fazer é devolver com a mesma moeda? 

-Basicamente. 

-Basicamente? -repeti, alto. - Nolan não merecia isso. 

-E você merecia ser traída? Com a Paige? A garota a qual até a primeira ordem havia se treinado para ser sua melhor amiga?  

-Eu não estou defendendo Nolan, mas sei do que Paige é capaz. Aquela garota é o diabo em pessoa e você sabe muito bem disso. 

-Claro que eu sei. -respondeu obvio. - Ashley, você e o Justin? Iguais. Totalmente iguais! E talvez você não veja isso ainda, mas uma hora você vai perceber que vocês são o espelho um do outro. Você faz o que ele faz, ele faz o que você faz. Você persegue quem persegue ele, você mata quem quer matar ele, você muda apenas para agradar ele... 

-Foi isso o que você fez com a Paige? -perguntei, vendo Nicholas passar de raivoso para o mesmo debochado de sempre. 

-Antes de ela ser roubada de mim? Sim. 

-Ela fez uma escolha. -disse. - Você não pode querer mata-la por uma escolha que ela fez. 

-Mas você pode mata-la por ela ter matado o Chaz, não pode? 

-Não diga o nome dele. -disse no súbito. - Nunca mais. 

-Eu não sou seu inimigo, não no momento. 

-Mas eu nunca vou me esquecer do que você fez comigo. -disse. 

Sentia como se tivesse sangue em meus olhos. 

-Eu destravei a arma que você sempre foi louca para atirar. 

-Eu não precisava que você fizesse isso. 

-Você esbanjava raiva em tudo o que fazia, se eu não tivesse te levado para aquele cemitério e te deixado com raiva de mim, você provavelmente não teria noção alguma de como lidar com a morte de Chaz. 

-Eu disse para não falar o nome dele. 

-E o que você vai fazer, Ashley? Uma garota do Texas que acabou de aprender como se segura uma arma... Suas ameaças sempre vão ser apenas ameaças.  

Empurrei a porta do escritório a fechando e tirando a arma que havia em minha cintura, apontando para Nicholas. 

-Você não atiraria. -negou. 

-Costumo não pensar nas consequências de meus atos. -dei de ombros. 

-Coincidência, porque... -resmungou, sacando sua arma e apontando para a minha cabeça. - Eu também não. -a destravou, curvando os lábios.


Notas Finais


grntr na minha cabeça o Nicholas é mt gato kkkkkkkkkkk só queria falar isso mesmo!!!!
ENFIM
ja vou postar outro cap pera aeee


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...