História Fear - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, Yugyeom
Tags Bambam, Drama, Homossexualidade, Incesto, Jackbam, Jackson, Medo, Yaoi, Yugbam, Yugyeom
Visualizações 21
Palavras 1.943
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


A one está a ser repostada por motivos de muá ter esquecido a senha da outra conta
Mas mesmo assim espero que gostem

Capítulo 1 - A escolha foi tua


Medo

Eu acho que era isso que sentias. O medo, a falta de coragem para tentarmos começar algo de verdade. Medo de, por isso, ser mal visto e rejeitado pela sociedade, obviamente, sem razão. Não por o facto se sermos dois homens, já tinhamos conseguido superar isso, mas sim por sermos da mesma família. A maioria das pessoas vê tal coisa como uma afronta ou até mesmo um pecado.

Eu não tenho culpa de me ter apaixonado por ti, até porque és perfeito aos meus olhos, e o que realmente seria impossível era eu não notar essa perfeição, mas mesmo assim eles perferem continuar a me julgar.

Referi-me apenas a mim pois eu não sei se o teu verdadeiro motivo é mesmo o medo. Pode ser que não me amasses o suficiente para te arriscares de tal maneira, mas eu perfiro não pensar dessa forma.

Sempre que eu tentava esclarecer as coisas contigo em relação a nós, arranjavas forma de desviar o astentar. A única coisa que eu te pedia era um explicação, mas parece que alem de não merecer um voto de confiança, tambem não merecia uma explicação.

Podiamos ter ficado os dois juntos, bastava tu teres confiado em mim para eu te mostrar que enfrentaria qualquerer coisa para lhes calar a boca, afinal, eles não tem nada a ver com isso e eu desde sempre soube que nasci para te amar e ficar ao teu lado. Eu iria lutar até ao fim para conseguir isso, não iam ser os comentários daquelas pessoas maldosas que me fariam desistir de ti, mas parece que tu não entendias isso.

Eu não vou dizer que as tuas palavras não me atingiram como se fossem facas afiadas, eu não estava preparado para aquilo, porque, embora tu nunca tivesses dado a entender que alguma vez passariamos de simples ficantes, não se passava pela minha mente que tu fosees desistir de tudo sem nem ao menos tentar.

Mas eu tinha que respeitar a tua deçisão.

Se tu perferias pensar como todos eles e achar que primos teriam de ser só amigos, embora me custasse, nós seriamos só amigos.



Era sábado a noite, era o nosso dia da semana favorito pois era o único em que tínhamos tempo só 'pra nõs, mesmo que fosse ás escondidas.

Tínhamos feito amor como de todas as vezes que nos encontrávamls, e não, não era por isso que deixava de ser especial.

Não era por isso que aqueles momentos passariam a ser apenas sexo.

Nós o faziamos por ser a coisa que mais se assemelhava ao "relacionamento" que tínhamos, não por ser uma coisa carnal, mas ser tão intenso e nos completar tão bem como uma noite de prazer.

A melhor consequência disso era poder olhar para ti antes de cair no sono. O teu rosto avermelhado e os teus cabelos molhados pelo suor, por incrível que pareça, consegui-te deixar ainda mais perfeito.

Sempre antes de adormecer eu fazia isso, fixava bem a tua imagem na minha mente pois não sabia quando seria possível voltar a ver um anjo dormir á minha frente. E eu acho que naquela noite valeu a pena ter-te observado por mais algums minutos.

Ja tinha amanhecido e tu tinhas saído sem me avisar, mas eu não te podia cobrar nada, desde quando eu tinha o direito de o fazer?

Estava a resolver uns trabalhos da empresa quando recebo uma mensagem tua. " Logo vou passar aí em casa, não saias" Estranhei o facto de a memsagem ser tão simples ainda mais pelo facto de na noite anterior teres sido mais carinhoso que o normal. Sendo sincero, eu ainda pensei que essa mudança toda significasse que tu tinhas feito a tua escolha. E realmente tinhas feito, mas não era a que eu esperava. Eu era só um tolo apaixonado.

Quando chegas-te deveria ser mais ou menos umas duas horas da manhã. Se fosse em outra ocasião eu já estaria a morrer de sono e muito provavelmente nem estaria acordado, mas a ideia de poder passar um tempo a mais contigo me deixava completamente desperto.

Mal entras-te pela porta eu vi logo que algo estava errado, estavas tenso, coisa que nunca acontecia quando estavamos apenas nós dois. Optei por não te beijar como sempre fazia quando nos encontrávamos ás escondidas, e podes ter a certeza que me arrependo até hoje disso. Não poder ter sentido os teus lábios nos meus uma última vez, sabendo que seria a última, só me deixou mais frustrado. Quando nos beijamos não havia mais nada. Não haviam perconceitos, não haviam opíniões e nem regras que eram impostas pela sociedade. Eramos apenas os dois, nada mais.

Sempre me disseram que isso acontecia, mas nunca se tinha sucedido comigo.

Talves por todas as pessoas que eu beijei na tentiva de te esquecer não tinham as tuas mãos que pareciam ter o tamanho perfeito para agarrarem os meus ombros, não tinham os teus lábios, nem tinham a tua língua, não eram tu. E eu tenho a certeza que nem beijando todas as bocas do mundo encontraria uma que se encaixasse com a minha de forma tão perfeita como a tua fazia.

Não vieste ter comigo, simplesmente ficaste parado na porta. Mesmo que a minha maior vontade fosse ir ter contigo e te abraçar com toda a minha força, fiquei apenas no meio da sala á espera de tu tomares alguma atitude.



" Nós precisamos de conversar. "

Foi a primeira coisa que dissestes. Nem um beijo, nem um "oi", muito menos um abraço.

" Está tudo bem? "

Eu perguntei-te, tudo estava muito estranho, não pareciamos nós. Com o propósito de criar um outro clima mais agradável, dirigi-me a ti com a intenção de te abraçar mas a única coisa que tu fizeste foi desviar-te de mim. Apartir dali eu aprecebi-me que aquela conversa não iria correr tão bem quanto eu esperava, pois a pessoa que estava na minha frente não eras tu. Tu nunca de desviarias de mim daquela forma a menos que eu tivesse feito algo, e eu não tinha.

" Vamos acabar com tudo, se é que alguma vez tivemos alguma coisa. "

Não, não, não. Eu não tinha entendido bem. Aquilo era uma brinadeira tua de mau gosto, nada mais. Nunca farias aquilo. Ainda por mais depois de tudo o que tínhas dito na noite anterior.

" Para com isso, amor. Eu odeio essas brincadeiras. Vamos dormir? "

Acho desespero era a unica coisa que eu sentio. Porque embora eu tivesse dito aquilo com tanta a certeza, lá no fundo, eu sabia que não estvas a brincar.

" Sabes perfeitamente que eu não brincaria com uma coisa dessas. Eu só cansei, não aguento mais isto, espero que entendas. Vamos parar e tudo vai ficar bem. "

Definitivamente aquilo tudo era real. Éramos primos, crescemos sempre juntos, logo eu conhecia-te melhor que ninguem. Estávas a falar asério

" O que? Mas porque? Eu não me lembto de ter feito alguma coisa, mas por favor se eu fuz diz-me, só não faças isso por favor, nós podemos e vamos resolver tudo. "

Controlar as lágrimas que insistiam em queres cair dos meus olhos, começava a ser uma tarefa difícil. Desde que tínhamos começado a "ter" alguma coisa, o meu maior medo sempre foi o de tu desistires a meio, e agora isso estava a acontecer.

" Não, nós não podemos resolver nada e tu sabes perfeitamente disso. Nós não vamos conseguir e tu sabes disso. Eu cansei de ter que me esconder, não puder andar na rua com a pessoa que eu gosto e demonstrar o amor que sinto por ela na rua. Sabes que conosco isso nunca vai ser possível, e eu não quero me esconder para sempre. "

Sim, aquele não eras tu. Não era a pessoa carinhosa que falava comigo da forma mais suave possível para não me magoar. Tudo estava tão bem no dia anterior e agora começavas com aquela conversa. Passado um tempo eu comecei a achar que o facto de na outra noite teres te comportado daquela forma, foi apenas para puderes aproveitar melhor o ultímo momento que teríamos juntos, como uma despedida.

" Ouve-me por favor. Eu sei que não vamos conseguir mudar nada, mas não desistas de nós por uma coisa tão sem importância. Nós não precisamos da aceitação deles. Eu não me importo de enfrentar-los. Nós podemos ir amanhã lá e resolver tudo. "

" Para mim tem importância. Eu sei que tu não te importas, mas eu importo. Eu não vou me arriscar a fazer isso por uma coisa que nem sequer sei se vai ter futuro. Eu não quero que toda a gente passa a me olhar torto, sabes que isso importa muito para mim. E se pensarmos um pouco, eles tem razão. Nós somos primos yugyeom, primos. Isso não é normal. Só vamos acabar com tudo. "

Então nós não passavamos de uma coisa sem futuro? Eu sei perfeitamente que não pensavas assim. Eles tinham conseguido mudar a tua forma de ver as coisas. Nunca dirias uma coisa dessas se estivesses em perfeita consciência.

" Para, para com isso tudo. Não sabes o que estás a dizer. Eles não tem razão. Ouvistes? Não tem. Se para nós é certo, o resto não importa. Por favor esquece isso. para com tudo. Nós somos primos sim, e depois? Não vai acontecer nada demais por isso. Basta ignorares tudo. "

" Não tornes tudo mais dificil. Dá-te por grato de eu ter ter vindo dar uma explicação. Eu quero ser feliz, sabes que não vai ser possível enquanto mantermos isto. Para de te enganar a ti próprio. Só respeita a minha decisão. Eu já fiz a minha escolha e não vou voltar atrás. Não precisamos de deixar de nos falar, eu não quero isso."

" Olha para mim. Nós podemos ser felizes sim, eles só dizem aquelas coisas porque não querem o teu bem. Eu vou te fazer a pessoa mais feliz do mundo, só me dá uma hipotese, só te peço isso."

" Já chega yugyeom. Eu não vou descutir mais nada contigo á cerca disso. Eu já arranjei alguem, e tenho a certeza que essa pessoa sim vai me fazer feliz. "

Depois disso saíste pela porta me deixando para trás com o rosto completamente encharcado e com a garganta já dorida dos muitos soluços que tinha deixado sair. Tínhas arranjado outra pessoa, não podia fazer nada.

Passaram-se onze anos desde a última vez que te vi. Não voltamos a ter o minimo contacto depois daquela noite. No dia a seguinte eu arrumei o pouco das coisas que achava necessário e apanhei um voo para a américa. Não suportaria viver na mesma cidade que tu sem poder te abraçar quando quisesse, sem te puder tocar como quisesse, sem te puder beijar onde quisesse e muito menos conseguiria te ver com outra pessoa que não fosse eu. Não quero que tu penses que lá por eu ter ido embora queria dizer eu desisti de nós, pois isso nunca vai acontecer.

 Eu descobri que a pessoa que tu me falas-te naquela noite era jackson wang. Tambem descobri que vocês agora estão casados. Eu gostaria muito de estar aí para ver se realmente estás feliz. Se ele, ao contrário de mim, te consegue fazer feliz. Essa era a única coisa que pedia. Que tu continuasses a sorrir, assim eu vou poder sorrir tambem. É incrível, eu pensei que depois de tantos anos eu conseguisse te esquecer e arranjar alguem. Mas não. Parece que o meu amor por ti só aumentou mesmo não podendo te ver nem ouvir. O meu amor por ti é infinito, tenho a certeza disso, e não tenho medo de o dizer para ninguem.


Notas Finais


<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...