História Felídeo - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Lu Han, Sehun
Tags Abo, Hunhan, Hybrid!luhan
Exibições 1.008
Palavras 1.497
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI!

NÃO É DIVULGAÇÃO, É CAPÍTULO, MEU POVOOOOOOOO!

Depois de quase dois meses sem postar nada, cá estou eu com um capítulo bem legal.

Isso vai se passar uma semana depois do ocorrido na cozinha.

Nova fanfic nas notas finais!

Acho que é só isso, vão ler!

Boa leitura, meu amores!

Capítulo 3 - Sonhos.



                            Capítulo 3 — Sonhos.

Sehun.

Acordei com a forte, até demais, luz do sol entrando pelas finas e claras cortinas da varanda e cocei os olhos. Eu tinha que mandar trocar essas malditas cortinas por umas mais escuras, e logo.

Me sentei na cama e peguei meu iPhone em cima do criado mudo, tinha uma chamada perdida de Minhee, minha secretária. Olhei a hora, céus, era quase duas da tarde. E olha que ontem eu fui dormir dez da noite. Acho que era o sono acumulado de toda a semana, já que eu quase não tinha tempo pra dormir um sono tranquilo.

Essa semana eu iria aproveitar que as coisas estavam mais amenizadas na OhGroup e tirar uma semana, ou mais tempo de folga para cuidar de LuHan. A última vez que eu tirei folga faz tanto tempo que eu nem me lembro.

Saí da minha cama ainda meio cambaleante e entrei no banheiro, coloquei a banheira pra encher e comecei a me despir. Quando ela já estava pela metade eu desliguei a torneira e entrei na banheira. Meus músculos relaxaram e eu soltei um gemido de satisfação. Isso era tudo de que eu precisava, um banho quente e relaxante. Céus, como era bom.

Fechei meus olhos tentando relaxar ainda mais e de repente me veio a lembrança da semana anterior quando ele realmente acreditou que iria me pagar com o seu corpo. Eu disse que era brincadeira, mas isso não me privou de sonhar com ele a semana toda.

Eu fodendo aquela bundinha branca e gostosa dentro da banheira, enquanto ele gritava várias vezes o meu nome e pedia por mais... Oh, não. Olhei para baixo, e meu membro já estava bem "animadinho", igual a ontem, quando tive que acordar no meio da madrugada pra bater uma.

LuHan, LuHan... Uma semana aqui e já me causando isso?! Tsc. Se ele fosse mais velho, talvez, eu até faria umas coisinhas com ele, mas ele ainda é só uma criança. Uma linda criança que eu amaria foder, mas é só uma criança doce e inocente.

Terminei meu banho tentando não ligar pra minha ereção, até que ela amenizou um pouco. Enrolei a toalha em minha cintura e saí do banheiro, liguei o secador e comecei a secar o cabelo, quando senti os fios já parcialmente secos tirei o secador da tomada e o guardei. Fui em direção ao guarda­roupa, não era uma manhã fria como de costume então peguei uma calça jeans escura e uma regata branca, calcei meus chinelos e fui em direção ao quarto onde Luhan estava.

Abri uma pequena brecha e coloquei apenas minha cabeça para dentro. O quarto estava claro e Luhan ainda dormia feito um anjo perdido naquele amontoado de lençóis, cobertas, edredons e travesseiros. Sorri largamente com a cena que vi, ele era tão fofo.

Eu e ele nos aproximamos muito nesse tempo, e eu não me aproveitava disso, pelo menos não ainda.

Resolvi não lhe acordar, pelo o que ele tinha me dito ontem na hora do jantar, ele não dormia direito há meses.

Fechei a porta e desci as escadas, indo em direção a cozinha. Nana estava de costas para mim e preparava algo no fogão.

— Nana. — Falei animado e ela levou um susto, virando-­se para mim.

— Sr. Oh! ­— Bufou com a mão no peito e eu ri.

— O que tem pro café? ­— Perguntei me sentando em cima do balcão e pegando o pote de bolachas de chocolate ao meu lado.

— Café? —­ Riu. —­ Eu 'tô preparando o almoço, o café foi há horas! ­— Falou pegando algumas batatas e as cortando.

Coloquei as bolachas de volta no balcão e desci de lá, peguei um copo e o enchi de chá gelado. Peguei o pote de bolachas e a xícara e fui a sala assistir TV.

Eu estava assistindo largado no sofá quando ouço barulhos vindos da escada, me viro rapidamente e vejo Luhan descendo ­as escadas com carinha de sono. Sorri para ele que corou, mas retribuiu.

Extremamente fofo, já disse isso?

— Senhor, o almoço já está... —­ Nana apareceu na porta que dividia a cozinha da sala e parou assim que viu Luhan, ela abriu um enorme sorriso. ­— Oh. Olá, Luhan! ­— Ela acenou e ele sussurrou um "oi" bem tímido.

Nós almoçamos e, como naquele dia estava fazendo um pouco de calor, decidi dar um mergulho na piscina, Luhan ficou apenas observando, sentado na espreguiçadeira que se encontrava na beira da piscina.

Eu tentava fingir que não percebia os olhares de Luhan em meu corpo, e eu fazia questão de sair da piscina para ele babar no meu abdômen.

— Não quer nadar, Luhan? – Perguntei, sentado-me ao seu lado.

— Eu não sei nadar... — Murmurou baixinho.

Apenas assenti e tive uma ideia. O ensinaria a nadar, mas não hoje, já estava anoitecendo e não queria que o meu gatinho pegasse um resfriado.

— Vamos entrar?

Ele concordou com a cabeça e pegou uma toalha pra mim, recebendo um beijo na testa. Sorri ao perceber a sua bochecha ficando vermelha.

Adorável.

(...)

— S-Sehun... —­ Luhan chacoalhou o homem deitado na cama. ­— Sehun, acorda, por favor! Acorda! ­— Chacoalhou ele mais forte pelos ombros e Sehun acordou num sobressalto, com os olhos arregalados.

— Luhan, aconteceu alguma coisa? ­— Sehun perguntou assustado, e não era pra menos, o garoto havia acordado ele no meio da madrugada, e com uma carinha nada boa. Luhan assentiu de cabeça baixa e juntou as pernas ao corpo. —­ O que aconteceu? ­— Perguntou acariciando o cabelo bagunçado do garoto.

LuHan não respondeu, apenas afastou as pernas um pouco e direcionou o olhar para o membro ­ um pouco grande para sua idade ­ ereto sob a boxer branca.

Era por volta de umas três da manhã quando o pequeno híbrido me acordou atordoado alegando estar com uma dorzinha em seu baixo ventre.

Tudo por conta de um certo sonho.

Ele não sabia o que causara aquilo, lembra que estava sonhando... Então acordou assim, com a dorzinha incômoda e seu pênis durinho.

Atordoado e muito incomodado com aquela dorzinha irritante que não passava, Luhan resolveu acordar Sehun, vai ver ele saberia um jeito de acabar com aquilo.

Sehun de inicio não entendeu muito, mas quando o menor olhou para sua virilha, Sehun levantou o lençol e viu o que estava acontecendo. No momento, Sehun não conseguiu pensar muito, mas depois... Ah, depois uma série de pensamentos inapropriados passou por aquela linda cabecinha.

— Ahn, Luhan... —­ Ele realmente não sabia o que falar, mexendo a boca várias vezes. ­— E­u, hm... ­Você s­sabe o que causou, hm, isso? ­— Gesticulou atrapalhado com as mãos em direção á cueca do rosado, que já estava o incomodando demais.

— N­-não... — ­Ele choramingou, abaixando os olhos e os apertando com força. ­— E-Eu só tive um sonho e­ acordei as­sim. ­— Falou envergonhado.

— E com o quê exatamente você sonhou, querido? ­— Ele perguntou sussurrando e colocou a mão sobre a coxa do menor, um pequeno sorriso crescendo no canto de seus lábios. Sua sanidade indo bora bem devagarinho...

— Eu sonhei... —­ As bochechas do hibrido ganharam um rubor muito forte, ele engoliu em seco. —­ Com v­-você, Hun... Hoje mais cedo, quando você... você saiu da piscina... e estava molhado e de sunga... ­ — Luhan queria cavar um buraco na terra e enterrar a cabeça até sufocar, por ter confessado aquilo para o Oh.

Sehun parou de ouvir depois daquilo. Luhan, aquele doce e inocente gatinho, tão fofo e adorável, havia acordado duro por sonhar com Sehun?

— Sehun, faz essa dorzinha parar. — ­ Luhan pediu com os olhinhos arregalados de uma forma que não dava pra resistir. —­ Por favor, Hunnie, faz! ­— Implorou e inconscientemente pegou a mão do mais velho, levou­-a até seu membro e pressionou ali em cima.

Um ato um tanto inocente para Luhan, afinal fez a dorzinha diminuir um pouco, mas para Sehun aquilo era o primeiro passo para entrar no inferno.

— Oh, Lu... ­— Sehun murmurou, a mão ainda presa entre a cueca e mão do pequeno. Já sentia a própria calça começando a apertar.

— Hun... ­— Luhan pediu com um olhar suplicante, o que soou como um gemido aos ouvidos do mais velho.

'Deus, me desculpe por isso.' ­Sehun pensou espremendo os olhos com força. Suspirou alto.

— Luhan, tem certeza? — Perguntou  inseguro  e  viu  o rosado assentir  lentamente, mordendo os lábios vermelhinhos, piorando ainda mais a situação do Oh. —­ Tudo bem, mas olhe, você não pode comentar isso com ninguém, entendeu? Ninguém mesmo. ­— Falou sério. Luhan apenas assentiu novamente, prendendo o lábio com mais força entre os dentes.

'Eu sei que vou queimar no fogo do inferno, sentado no colo do Lucífer enquanto ele ri da minha cara, mas vou fazer isso valer a pena.' Pensou novamente e um sorrisinho malicioso brotou em seu rosto.


Notas Finais


E aí?
Elogios? Críticas? Ameaças de morte?

Deixem seus comentários, me estimula a atualizar mais rápido!

Até o próximo!

Link da nova fanfic: https://spiritfanfics.com/historia/nefasto-6671252


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...