História Felix Rider e o Dominador de Mundos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 13
Palavras 1.556
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mecha, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E começou gurizada!!!

Durante essa fic eu vou usar termos bem complicados para descrever as coisas e é tudo coisa que eu invento na minha cabeça, mas eu vou sempre explicar o que significa ou pelo menos pelo contexto vcs devem sacar. (fiquem sempre pensando no que isso poderia significar em qualquer universo espacial que exista por ai q vai ficar facil)

Nas notas finais do capitulo eu vou fazer um pequeno glossário para as palavras marcadas com um (*)

Depois por favor digam o que acharam!

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction Felix Rider e o Dominador de Mundos - Capítulo 1 - Prólogo

“Reza a lenda que a 600 anos atrás houve uma das maiores batalhas que as galáxias já presenciaram em toda sua existência. O até então Lorde Supremo, Capitão Nox, governava a imensidão do espaço com paz e justiça. Seu governo era correto e todos eram beneficiados de igual forma. Até que um dia, um dos seus 12 governantes se voltou contra ele, o Sub Comandante de Armas, o Sr. Punk conseguiu com que 9 dos 11 governantes se voltassem contra seu mestre e assim se iniciou uma revolução.

 

Sr. Punk queria o governo para sí, ele não concordava com a ideia de que todos tivessem os mesmos benefícios, ele queria estabelecer um governo capitalista onde tudo se conquista pelo esforço merecido e os fracos ficam no esquecimento.

 

Batalhas se passaram durante 100 anos, até o dia em que os dois Carigeiros* finalmente se encontraram para uma batalha pessoal. Punk e Nox lutaram um contra o outro por 200 luas até que o Capitão Nox começou a enfraquecer. Punk era astuto, forte, não baixava sua guarda em momento algum, e após estas 200 luas, ele teve sua primeira oportunidade de matar Nox, porém em um momento de vanglória, ele é atacado pelas costas e capturado dentro de um Lapso Temporal, sua existência ficou presa dentro daquele instante para sempre. Quem o atacou foi Galiel, Comandante do exército interestelar. Por mais rápido que Galiel tenha sido em sua oportunidade de derrubar Punk, as feridas de Nox não puderam ser tratadas e ele pereceu.

 

Assim, Galiel foi elegido Lorde Supremo, porém ele estabeleceu uma sede para o governo interestelar, contendo 24 anciãos, 48 Comandantes e 96 capitães. Desde então as galáxias têm sido governadas com paz, o exército foi desmantelado em grupos chamados Riders, os protetores do espaço. Estes têm a função de zelar pelo bem estar de todos.

 

Dentro dos Riders, existe um grupo de generais, chamados Espartanos, este grupo é formado por 48 dos soldados mais fortes e virtuosos em caráter de todo o exército, são exemplos para toda a galaxia e o alvo de todo Rider.

 

Esta lenda conta sobre como nossa sociedade hoje veio a existir, mas muito se fala sobre ela para as crianças para mostrar a elas que a vanglória te prende e pode se tornar a maior inimiga de um soldado.”

 

“Ih, ó lá, aquele ali não é o Rider?” - alguém grita ao fundo.

 

“Ai Rider, está contando bobagens as crianças de novo?” - um grupo se aproxima de mim enquanto eu conversava com um grupo de iniciação ao programa Rider.

 

“Ai crianças, por mais que o nome dele seja Rider, não levem a sério, ele mal pode se considerar um Rider” - Diz um dos valentões que chegam perto de mim, todas as crianças ouvindo aquilo perdem totalmente o interesse em me ouvir e se dispersam.

 

“Ai Rider, não tem nenhum programa beneficente pra você ajudar não, ouvi dizer que perto de Andromeda* tinha aquele planeta que acabou de ser devastado por um meteorito, aposto que eles precisam de alguém igual você… Fraco e Inutil” - diz outro.

 

Eu odiava outros Riders, e eles me odiavam, deixe eu me apresentar. Sou Felix Rider, levo o nome da minha função. Sou um Rider de nome e de profissão. Meu pai foi um Espartano que morreu em batalha, quando eu nasci, ele insistiu em colocar meu nome de Rider, porém, com esse nome, sou odiado por todos. Minha entrada na academia foi difícil, ninguém queria me aprovar, eu só entrei porque um dos anciãos acreditava que o legado do meu pai continuaria em mim, mas não é o caso.

 

“Felix Rider, requisitamos sua presença juntamente com sua tripulação a ponte de comando” - diz o porta voz.

 

“Que tripulação Rider? Ninguém quer viajar com um perdedor igual você!” - os valentões me zoavam. Mas eu não podia fazer nada, apenas me retirei dali e fui até a ponte de comando.

 

“Felix, como você ja deve saber, Kalibu*, um micro-planeta foi devastado por um meteorito a algumas semanas atrás, queremos que você vá até o local e ajude quem puder, o povo de lá é da raça Jibuá*, não são muito inteligentes e suas crenças devem estar causando o maior reboliço lá. Sua missão é basicamente fornecer ajuda da forma que puder, não temos interesse na raça e não temos verba para enviar mais suprimentos. Colocaremos sua nave em transe-espacial* para chegar lá o mais rápido possível, você vai viajar no tempo até o dia do acidente, então tome cuidado” - disse a comandante geral de estrategia. Eu não tinha voz alguma naquele lugar, nem para reclamar da missão, então só abaixei a cabeça e fui. O comando geral sempre me coloca em missões inúteis como essa, ninguém aqui acredita no meu potencial, mas ninguém me ve em ação também…

 

Eu entrei na minha nave pessoal, era uma Eagle 76, um modelo antigo, para até 10 tripulantes, ninguém mais usava aquele modelo, mas era um presente do meu pai, significava muito para mim, coloquei ela no espaço e fui potencializado para o transe-espacial, em 10 minutos eu chegaria até Kalibu, era tempo o suficiente para curtir um pouco de rock clássico, não se faz música hoje como a seculos atrás.

 

5 minutos adentro da viagem minha nave passa por uma turbulência. Turbulências quando você está em transe-espacial significa que você conflitou com algum objeto no espaço-tempo, isso significa que: Ou eu não chegaria ao destino certo, ou eu não chegaria ao destino no tempo certo, nenhum dos casos me ajuda.

 

Após mais 5 minutos eu consegui chegar ao local certo, porém o meteorito ja havia caido fazia um dia, havia pouca coisa para eu fazer naquele momento. Desci até o micro-planeta e presenciei uma catástrofe, mais uma, eu vejo isso o tempo todo. Jibuás andando sem rumo, cobertos pela poeira, sangrando, sem esperança. Nos seus três olhos negros eu podia ver a tristeza de um povo e a falta de fé em mim, um Rider, por ter chego muito tarde.

 

Fui vagando pelos escombros até que ouvi um grito: “Socorro!”. Jibuás não falam a lingua galáctica para gritar socorro, sua boca não consegue pronunciar palavras, apenas ruidos de um mesmo tom, como um zumbido de abelha. Fui correndo em direção aos gritos e me espantei ao ver de longe uma Jibuá presa em baixo de um enorme bloco de pedra.

 

Eu fui até ela e com dificuldade comecei a levantar a pedra, quando ela me viu, com um pouco de esperança ela conseguiu me ajudar a empurrar o bloco e assim ela conseguiu sair de lá. Era uma garota nova, porém todos os Jibuás são feios demais para criar laços de amizade. “Muito obrigado Sr. Rider” - ela disse. Pelo simples fato dela estar falando na lingua galáctica ja posso ver que ela é de alguma espécie translática*, ou seja, ela pode tomar a forma que quiser, é sempre bom tomar cuidado com eles, nunca se sabe o que eles querem. “Por favor, me chame de Felix” - eu respondi dando as costas para continuar minha patrulha.

 

“Espere Sr. Felix, eu preciso de um favor seu!” - ela disse correndo atrás de mim. “Não posso conceder favores” - eu respondi. “Por favor, eu perdi tudo que eu tinha aqui, minha família, amigos, casa… Tudo o que me resta é um primo que vive em Kakaé, ao extremo norte, eu sei que você pode me levar lá!” - ela disse se ajoelhando na minha frente.

 

“Kakaé? O governo nunca me deixaria ir até lá em Transe-espacial, a viagem até lá duraria 2 meses, me de um bom motivo para te levar até lá”. - eu disse sério, ela abaixou a cabeça muito triste. “Eu não tenho um bom motivo para ir até lá, a não ser o de que esta é minha última esperança” - ela disse, aquilo me deixou pensativo, eu não o faria para uma Jibuá qualquer, mas ela não era Jibuá, as espécies transláticas são geralmente muito profundas e sábias, se ela estava com tanta necessidade assim, deveria haver um bom motivo. “Ok, eu te levo com uma condição” - eu disse sacando minha pistola FT-644 (uma arma que dispara um lazer fatal, com uma cobertura vermelha e detalhes em aço) e apontando para ela - “Me mostre sua aparencia real”.

 

Ela ficou extremamente preocupada e nervosa ao perceber que eu sabia que ela era uma translática, mas logo começou a se transformar, uma transformação de um translático é fascinante, é como se escamas subissem dos seus pés até sua cabeça e vão se transformando em outra espécie, muitos consideram isso magica. Aquela garota foi se transformando em uma Texana. Texanos são exatamente iguais os humanos, a diferença é que são transláticos, isso também é fascinante porque Humanos e Transláticos tem origens completamente diferentes, e ainda assim, os Texanos conseguem se parecer tanto um com o outro.

 

Devo dizer que aquela garota era simplesmente maravilhosa, seus cabelos negros, curtos até o pescoço, olhos vermelhos, pele quase pálida e curvas tão bem definidas, eu quase me perco naquela visão, mas precisava manter o foco, muitos Transláticos se transformam em espécies para fingir serem o que não são, nada podia provar que ela era uma Texana, então eu tinha que manter os olhos abertos (mas… não tão abertos, porque ela estava realmente tentadora).


Notas Finais


E ai, o que acharam? Próximo capitulo tem mais revelações sobre essa translática misteriosa (e sexy).

Glossário:
Carigeiros: Uma especie alienigena do planeta Carigem (que foi dizimado a muitos séculos), é uma especie extremamente forte, podem viver durante seculos e são especialistas em guerra. Após a batalha de Nox e Punk, os Carigeiros foram exilados para micro-planetas, apenas Galiel ainda vive (pelo que se tem relato), mas pela sua idade, quase não pode mais governar.

Andromeda: Um mega-planeta, situado ao sul da galáxia de Nébula, considerado o centro da economia da galáxia.

Jibuá: Uma espécie alienigena considerada burra e feia, tem a pele esverdiada e gosmenta, possuem 3 olhos, um nariz parecido com uma tromba (pequena), uma boca, bigodes, 2 braços e duas pernas, sua pele pelas costas é grande e tem uma cor marrom, parecendo que estão usando uma capa.

Transe-Espacial: Viagem na velocidade da luz com viagem no tempo.

Transláticos: Um grupo grande de espécies que podem assumir qualquer forma alienígena, sua grande maioria nunca deixa seus planetas, costumam viver em grupos grandes, dificilmente saem destes grupos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...