História Feliz aniversário, Ryo-kun! - Capítulo 1


Escrita por: ~

Visualizações 44
Palavras 4.023
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá pessoal. Quanto tempo, não é mesmo? Se me recordo bem a última vez que postei por aqui foi no ano passado (bastante tempo, caramba). Bom, vim aqui humildemente trazer essa história que resolvi escrever repentinamente (vulgo tédio, para os mais íntimos). Então espero que se divirtam e me digam o que acharam, okay? Preciso saber se melhorei ou piorei desde a minha última história.

Capítulo 1 - Capítulo Único


– Feliz aniversário, Ryo-kun! –

            Disse a dona de longas madeixas negras e pele alva, o qual carregava em mãos um belo bolo sabor morango. Seu nome? Tsuchiya Naomi, uma garota de dezoito anos de aparência delicada e corpo invejável que chamava a atenção (mesmo sem querer) de muitos rapazes. Porém seu coração pertencia somente a uma pessoa, Suzuki Ryo, seu namorado que fazia naquele dia exatamente dezenove anos. Ela queria agradá-lo naquela data tão especial, e por conta disso tinha comprado todos os ingredientes necessários para fazer o bolo que agora carregava. Tinha sido um tanto trabalhoso para a jovem dos olhos negros, entretanto a aparência suculenta daquele doce mostrava que todo o seu esforço tinha valido a pena.

Enquanto Tsuchiya caminhava, o rapaz de fios brancos e olhos cinzentos observava a namorada com um sorriso tímido, agradecido por ser presenteado daquele jeito tão especial e singelo. Desde o dia em que a conheceu Naomi sempre fora uma moça muito linda e gentil, fazendo com que facilmente as pessoas ao seu redor gostassem dela. E por conta desse fator Suzuki se sentia um verdadeiro sortudo por tê-la todos os dias perto de si, o apoiando em suas decisões e o confortando quando precisava. Ela era uma garota única, definitivamente.

           Ao chegar perto o suficiente do rapaz, Naomi com isso posicionara o bolo na mesinha de centro que ali residia, sentando-se no sofá logo depois. Como os talheres e os pratos de porcelana já se encontravam repousados naquela superfície, a dona dos fios negros rapidamente cortara um pedaço do bolo, colocando-o no prato, já preparada para entregar para Ryo. Porém antes que pudesse fazer aquilo uma ideia de imediato passou por sua mente, permitindo-a pegar o garfo e retirar um pouco do pedaço de bolo. Suzuki apenas observava a sua namorada, intrigado, entretanto após a mesma posicionar o garfo com o pedaço do doce próximo de seus lábios, o albino entendeu na hora o que ela queria. Com um breve sorriso ele abrira sua boca, comendo o doce que Naomi tinha se empenhado tanto. Ao sentir aquele sabor invadir seu paladar, o rapaz fizera uma cara um tanto cômica, fazendo-o se pronunciar logo após terminar de digerir por completo aquele pedaço.

– Naomi, isso está delicioso! – Falou animado. Seus olhos brilhavam.

– Sério, Ryo-kun? Nossa... Isso me deixa tão aliviada. Fiquei preocupada que talvez não fosse ficar tão bom assim. – Um sorriso gentil dera, contente por ver aquela expressão tão vívida de Suzuki.

– Mas é claro que ficaria. Ainda tinha dúvidas? Haha. –

– Se é assim, então continue comendo, Ryo-kun. –

            Novamente ela pegara outro pedaço de bolo com o garfo, fazendo Ryo comê-lo até finalmente terminar com o doce que residia no prato. Estava agradecida pelo fato de seu namorado ter gostado do bolo, e logo a apreensão sumiu dando lugar a felicidade. Todo o seu trabalho em procurar na internet o modo de fazer o bolo e convidar o garoto para a sua casa no dia de seu aniversário valeu a pena, e Naomi se sentia muito bem com tudo aquilo. No final tudo tinha dado certo e ela estava orgulhosa de si.

             Pensando no seu momento de vitória, enquanto a moça colocava o prato sobre a mesinha, o maior começou a limpar sua boca com o guardanapo, porém deixando um resquício do doce passar despercebido e permanecer em sua boca. Percebendo aquilo a garota se aproximou, permitindo o albino a olhar um pouco confuso. Seus rostos encontravam-se bem próximos, podendo ouvir até mesmo a respiração um do outro.

– Ryo-kun, sua boca ainda está suja. –

– Oh, sério? Onde? –

Colocou sua língua para fora, indo em direção aos lábios do rapaz e lambendo o cantinho da boca do mesmo, sentindo o gosto do bolo que tinha feito. Realmente, o sabor estava muito bom. – Aqui. – Sorriu, olhando para o rapaz com uma expressão inocente.

– Na-Naomi... – Falou o nome da menor, levemente corado com a atitude da mesma.

– Você corado é uma gracinha, sabia? – Cerrou os olhos, dando um sorriso inocente o qual fizera Suzuki corar ainda mais. – Eu te amo. –

            Antes que pudesse dizer algo, Naomi tomou a frente beijando-o, para a surpresa do albino. Sua língua áspera abriu passagem para o interior da boca do rapaz que correspondera o beijo, imediatamente envolvendo seus braços ao redor da cintura de Tsuchiya e colando seus corpos. O contato que suas línguas mantinham era intenso e caloroso, fazendo seus lábios chocarem-se constantemente. Ryo conseguia sentir a maciez e os lábios carnudos da garota, fazendo com que a sua parte de baixo começasse a crescer gradativamente. Já fazia um tempo que eles não praticavam sexo, e toda essa abstinência o deixava enlouquecido apesar de não demonstrar.

            O contato de seus lábios perdurou por mais alguns minutos até ambos descolarem-se, puxando o ar novamente para seus pulmões, ofegantes pelo beijo intenso que se desenvolveu ali. Eles se encaravam enquanto iam ganhando fôlego novamente, em total silêncio. Naomi assim olhou para baixo, percebendo então um certo volume na calça em que Ryo vestia. Um pensamento lascivo surgira, fazendo-a olhar mais uma vez para o rapaz seguido de um risinho abafado.

– Ryo-kun, seu pervertido. – Falou entre risadas, uma risada fofa e que só ela conseguia fazer.

– Ah, não... Isso é...! – Tentava explicar-se enquanto coçava a bochecha.

– Está tudo bem, não precisa ficar assim. Já faz um tempo que não fazemos mesmo. A faculdade está ocupando boa parte de nosso tempo. E para falar a verdade... Eu também quero isso. – O olhou de maneira gentil, cheia de ternura.

– Naomi... –

            Vagarosamente ela levantou-se ao terminar de se pronunciar, ficando em seguida de frente para o albino. Ele a olhou de baixo, esperando a garota dizer mais alguma coisa ou apenas agir. Suzuki engolia a seco, observando Naomi colocar uma mexa de cabelo para trás de sua orelha e agachar-se, ficando de joelhos entre as pernas de Ryo. Assim sua mão delicada e de dedos finos fora em direção ao zíper do maior, abrindo a braguilha e retirando da cueca do mesmo seu membro já rijo. O mesmo encontrava-se quente e com as veias pulsando, implorando para que fosse aliviado e Naomi atenderia sua necessidade, afinal, ela queria experimentar mais uma vez aquele órgão que a deixava louca por apenas sentir aquele cheiro forte que adorava tanto. Sem pensar muito ela encostara seus lábios no falo do rapaz, proferindo.

– Não se preocupe Ryo-kun, eu darei um jeito nisso. Irei provar o seu morango agora. –

            Ao dizer aquilo Naomi abocanhara lentamente o pênis do rapaz, sem pudor algum e permitindo o maior inclinar sua cabeça para trás seguido de um curto gemido incontrolável. Após colocar o membro por completo em sua boca, a dona dos fios negros sentira aquele órgão tão vívido e quente pulsar ainda mais em sua garganta, para o seu regozijo. Suzuki apenas mantinha-se em silêncio, esperando o próximo movimento da namorada que se deleitava com aquela sensação tão única e que somente o rapaz lhe proporcionava. Permanecera alguns segundos quieta, apenas sentindo as veias do membro pulsarem cada vez mais. Entretanto quando Ryo estava prestes a olhá-la e dizer algo, a menor iniciou o seu processo de vai e vem, para o deleite do albino que novamente deixou escapar outro ganido.

            Sua cabeça inicialmente fazia vagarosos movimentos de frente e trás, proporcionando um prazer imensurável para o namorado. Ela sentia o pênis do mesmo bater em sua garganta sempre quando o abocanhava por completo, melhorando ainda mais a sensação que tinha. Ela podia sentir a sua vagina aos poucos começar a umedecer, molhando consequentemente a calcinha e deixando-a com a temperatura alta, devido ao prazer que não somente entregava como também experimentava. Aproveitando que o seu corpo também dava sinais de prazer, Naomi rapidamente colocara uma de suas mãos para dentro do tecido, posicionando dois dedos no interior de sua área rosada. Assim ela começara a se tocar ao mesmo tempo em que dava prazer para Suzuki, logo fazendo com que sua língua trabalhasse e envolvesse o falo do rapaz, fazendo movimentos circulares para que aumentasse ainda mais o libido. Ela tinha ficado muito boa naquilo e sabia exatamente como agradar Ryo.

            Sua outra mão, que encontrava-se livre, fora em direção aos testículos do rapaz, começando a brincar com eles enquanto seu processo de vai e vem ficava cada vez mais veloz. A quentura de sua vagina a permitia aumentar a velocidade de seus dedos, perdendo aos poucos sua sanidade e dando lugar puramente ao prazer. Ela precisava mais daquilo e em breve teria.

            Com mais alguns movimentos rápidos dos dedos e de sua cabeça, tanto Ryo quanto Naomi chegaram ao primeiro orgasmo, permitindo o rapaz se desfazer por completo dentro da boca da menor e expelir seu viscoso líquido branco. Já a área de baixo da garota ensopara a sua calcinha, fazendo com que seus fluidos escorressem por entre as pernas e pingassem um pouco no chão da sala. A dona das madeixas negras antes de engolir o gozo do maior, brincara um pouco com o mesmo através de sua língua, mostrando a pequena bagunça que o namorado tinha feito em sua boca. Hipnotizado por Tsuchiya fazer aquilo, novamente seu pênis ficara rijo, pronto para mais uma rodada. Ela então após toda aquela demonstração resolvera engolir o líquido de Suzuki, fazendo uma expressão contente em seguida.

– Saboroso como sempre, Ryo-kun. – Falou com um sorriso gentil, nem parecendo que tinha feito algo um tanto pervertido. – Mas pelo o que vejo isso não foi o suficiente, não é mesmo? – Indagou mexendo no pênis do rapaz com o dedo indicador.

– ... Naomi, eu quero você. Eu preciso de você. – Disse com a voz rouca.

            Sorriu, erguendo-se e retirando a saia o qual vestia, ficando apenas com sua calcinha rosa totalmente ensopada na região por qual tinha acabado de se aventurar. Sua face corada era um misto de vergonha com necessidade. Ela também queria o rapaz, queria senti-lo por completo dentro de si e levá-la a loucura. Tsuchiya assim removeu sua calcinha, jogando-a ao chão no mesmo lugar da saia. Sua vagina pulsava, doida para receber a atenção que em breve teria. Suzuki ao admirar aquela área tão cobiçada, não conseguiu conter seus instintos, pegando o braço da menor e puxando-a para que ficasse logo em seu colo. Com isso as mãos da garota repousaram no ombro do rapaz, permitindo seus rostos ficarem centímetros longe um do outro.

            Sem esperar, Ryo levantara a blusa de Naomi que se surpreendeu um pouco com a atitude repentina do rapaz, que expôs seus seios avantajados de mamilos já eriçados. As mãos dele logo foram de encontro as mamas da garota, massageando-os com vontade e arrancando um gemido um tanto fofo da mesma. Seus dedos percorriam aquela superfície macia com destreza, conhecendo todas as áreas possíveis que Tsuchiya possuía ali. Para aproveitar ainda mais o que tinha em mãos, o albino com avidez chupara um dos mamilos da menor, arrancando dessa vez um ganido mais intenso dela.

– Ahn...! Ryo-kun! –

            Com o término de sua chupada, Suzuki olhara para a garota que instintivamente começou a mexer o quadril para frente e para trás, encostando sua vagina no corpo do pênis do rapaz enquanto mais fluidos saíam de si. Ela já se encontrava no seu limite e Ryo igualmente. Não agüentando mais, Tsuchiya logo pegara o membro do rapaz, colocando-o na entrada de sua área rosada e começando a posicioná-lo para dentro de si. Conforme o pênis foi adentrando, conquistando o seu caminho, mais o interior da menor se comprimia, assim o alojando por completo em seu interior. As paredes de seu útero se apertavam, dando uma sensação maravilhosa para o albino.  

Suas mãos, que se encontravam nos seios da garota, foram de encontro às nádegas dela, apalpando-as para sentir a outra área macia da garota. – Você é tão macia. –

Um afável sorriso dera, dando um beijo caloroso no maior. – E você é maravilhoso. –

            Com vontade Naomi sentou, sentindo o pênis de Ryo finalmente da maneira que desejava, deixando escapar assim um gemido de seus lábios e logo começando a dar lentas cavalgadas no colo do rapaz. O processo de vai e vem aos poucos fazia ambos ficarem absortos em sua nuvem de prazer, preenchendo o ambiente com ganidos lascivos que soltavam uma vez ou outra. A sensação de ter aquele membro que tanto amava dentro de si, enlouquecia a garota. Ela jamais iria enjoar daquela sensação tão gostosa que somente o albino era capaz de lhe proporcionar.

            Seus braços sem demora envolveram o pescoço de Suzuki, deixando agora as estocadas mais intensas e ferozes. Seus gemidos logo ficaram mais freqüentes, tornando o espaço completamente pervertido com o que se desenvolvia ali. Naomi cavalgava com uma vontade sem igual, chocando sua bunda com as coxas do maior repetidamente e sem pudor algum. Quando o assunto era sexo Tsuchiya Naomi mudava completamente, transformando-se em uma verdadeira libertina o qual apenas Suzuki conhecia e amava ainda mais. Ryo, por sua vez, agarrara ainda mais as nádegas da dona dos fios negros, não demorando para que sua boca feroz fosse de encontro a um dos mamilos de Naomi, dando um chupão mais intenso que o anterior. Sua língua brincava com o bico rijo dela, lhe causando um arrepio na espinha, porém um arrepio excelente.

– Ahn... Ryo-kun, você é tão bom nisso. Continue... Por favor! – Implorou.

            Ouvir aquela voz tão sexy suplicar por mais fizera Suzuki entrar num frenesi sem igual. Ficar tanto tempo sem fazer sexo o tinha deixado um tanto abalado, fazendo-o perceber aquilo somente agora. Ele precisava tê-la ainda mais e pensando nisso o rapaz tomara os lábios de Tsuchiya, aumentando ainda mais as estocadas e permitindo a garota dar cavalgadas ainda mais impetuosas. Com isso seus dedos entrelaçaram-se. Suas línguas enroscavam-se de maneira libidinosa, não parando com as estocadas um momento sequer. Eles estavam famintos por aquilo. Entretanto toda aquela diversão estava chegando ao seu ato final.

– Naomi... Eu estou quase... lá! –

– Tudo bem, Ryo-kun... Fique a vontade, pode gozar dentro...! –

            Suas respirações descompassadas logo ficaram aparentes, mostrando que ambos estavam já chegando ao seu limite. Assim o beijo cessara, descolando seus lábios e deixando escapar um fino filete de saliva. Com mais algumas cavalgadas impostas pela menor, eles finalmente gozaram, permitindo Suzuki se desfazer dentro da menor e expelir seu esperma quente no interior da mesma. Sentir aquele líquido fizera Naomi estremecer um pouco, ela mostrava uma expressão de contentamento. Enquanto seus corações acelerados aos poucos voltavam com as batidas normais juntamente dos pulmões que novamente se enchiam de ar, a moça posicionou sua cabeça no ombro do rapaz que começou a falar.

– Esse foi o melhor aniversário que já tive. E o melhor presente também. – Um sorriso fraco, porém sincero esboçou.

Levantara sua cabeça, olhando fixamente para o rapaz com uma expressão indecifrável. – O que está dizendo, Ryo-kun? Ainda é o seu aniversário, isso significa que... Você receberá mais presentes, não concorda? –

– Naomi... Você está me dizendo que quer fazer mais? –

– A pergunta certa seria se você quer fazer mais. – Falou com um sorriso libertino, passeando com os seus dedos pelo peitoral do rapaz. Os olhos de Naomi miravam Suzuki sem parar.

Semicerrou os olhos, envergonhado pelo o que diria a seguir. – Eu quero... – Completou olhando para o lado, desviando o olhar da namorada.

– Temos a tarde toda só para nós. Você prefere continuar fazendo aqui ou tem outro lugar em mente? Na cozinha? No quarto? Ou quem sabe até mesmo no banheiro? –

– No banheiro? Na-Naomi... Não precisa chegar a tanto. –

Vê-lo com aquela expressão tão desconsertada permitiu a menor soltar uma risada. – Ei, é brincadeira. Eu sei que você prefere fazer sexo no quarto, principalmente no meu. –

            Após se pronunciar Naomi saíra do colo de Ryo, pegando na mão do mesmo ao ficar em pé. Eles fariam mais uma vez e isso já estava decidido em seus corpos e corações. Suzuki assim igualmente ergueu-se, prontos para subirem e irem de encontro ao quarto pertencente à Tsuchiya.

– Foi como você mesma disse: temos a tarde toda. –

----//----

– Uhn... Tão bom... Não pare Ryo-kun. – Pediu.

            Já dentro do quarto ambos estavam novamente perdidos naquela densa nuvem de prazer. Eles encontravam-se em cima da cama, agora completamente nus. Suzuki se aproveitava da garota lambendo a vagina da mesma que repousava deitava, gemendo sem parar com o estímulo que o albino lhe proporcionava. A língua áspera do rapaz conquistava o seu caminho com maestria, chupando a vulva de Naomi que se contorceu de imediato com aquela ação fervorosa. O maior sentia o interior dela com uma quentura sem igual, indicando que o prazer da mesma estava alto.

            Assim ele posicionou seu dedo indicador e médio respectivamente para o interior de Naomi, iniciando o movimento de vai e vem lentamente. Os gemidos da menor logo tomaram um tom mais agudo, porém deliciosos para os ouvidos de Ryo. O processo que seus dedos faziam gradativamente ficavam mais velozes, permitindo a moça dar ganidos cada vez mais incontroláveis. Seu rosto avermelhado e respiração ofegante davam sinais de que em breve ela gozaria e percebendo isso o albino prosseguiu com sua investida. Sentir a vagina da mesma praticamente engolir seus dígitos era algo que ele adorava. O interior dela era algo que jamais se cansaria em experimentar.

            Com mais algumas estocadas impostas por seus dedos, Tsuchiya chegara a seu ápice rapidamente, deixando escapar seu fluido transparente que sujara um pouco o lençol da cama. Retirando seus dois dígitos do interior de Naomi, o rapaz ficou a olhá-los por um tempo até novamente focar-se em sua namorada que respirava pesado e com os olhos fechados, recuperando o fôlego.

– Nós somos realmente dois pervertidos. – Disse o albino seguido de um riso fraco.

Abriu os olhos, sentando-se para ficar de igual para igual com o maior. – Mas é justamente por isso que nos divertimos tanto, Ryo-kun. – Acariciou o rosto do rapaz seguido de um beijo doce. – Ainda consigo sentir o sabor do morango. –

– Naomi... –

            Com uma expressão libertina Naomi virou-se para o rapaz, ficando em seguida de quatro e empinando de prontidão bem a sua bunda para o deleite do albino. Ele podia ver completamente a área rosada da namorada, que balançava seu bumbum como forma de provocar Ryo, que pelo visto estava funcionando perfeitamente. A visão proporcionada era magnífica, podendo ficar horas e horas observando o corpo sensual da moça, porém o seu membro rijo o impedia de fazer tal coisa. Ele precisava satisfazer seus desejos mais impuros impulsionados pela dona dos fios negros. Ele necessitava adentrar naquele interior tão enlouquecedor e quente que somente Suzuki conhecia tão bem.

Partiu os lábios, pronunciando-se. – Ryo-kun, coloque-o dentro de mim, por favor. –

            Suas mãos foram de encontro às nádegas de Naomi, apalpando-as mais uma vez e arrancando um suspiro da menor como consequência. Atendendo ao pedido da namorada, o rapaz posicionara seu pênis na entrada dela, permitindo com que aos poucos invadisse a vagina de Tsuchiya até finalmente alojar todo o seu membro no interior dela uma vez mais. Ao sentir o pênis duro do rapaz por completo em seu útero, a menor abraçara o travesseiro abaixo de si, já esperando pelo o que viria a seguir. Com uma lambida no lábio superior a garota aguardava ansiosa pelo primeiro movimento do namorado. Ela o queria mais que tudo naquele momento.

            Assim uma estocada impulsionada por Suzuki fora feita, arrancando um gemido sexy da menor que ecoou pelo cômodo. Por um momento ela se perguntou se os vizinhos tinham ouvido seu esperneio, entretanto uma nova estocada a fez com que se esquecesse daquilo rapidamente. Naomi agora só conseguia pensar no prazer que estava sentindo. Ter aquele membro começando a dar furiosas investidas em seu interior deixava sua mente com uma densa nuvem de puro prazer. Ela não conseguia mais raciocinar direito, só querendo em ter aquele pênis cada vez mais para si.

            As estocadas comandadas por Ryo com o passar do tempo ficavam mais e mais violentas, deixando Tsuchiya completamente perdida. Os gemidos altos que dava impregnavam o quarto de forma lasciva e percebendo isso ela tentou abafar os ganidos através do travesseiro, posicionando sua cabeça contra o mesmo. Entretanto aquela atitude não tinha agradado nenhum pouco Suzuki. Ele gostava de ouvir os gemidos pervertidos da garota e pensando nisso ele retirou por um instante seu falo do interior dela, fazendo-a o olhar confusa.

 – ... Ryo-kun...? –

            Em total silêncio Ryo virou a namorada, permitindo que a mesma agora ficasse de frente e deitada. Os lábios carnudos e rosto vermelho estavam em seu campo de visão novamente. Os olhos da garota focavam o namorado de semblante enigmático e ela simplesmente adorava quando ele agia daquela maneira.

– Você mais do que ninguém sabe o quanto amo ouvir seus gemidos, então, por favor, Naomi não abafe-os. –

            Concluindo sua fala o albino novamente adentrou o útero de Tsuchiya com o seu pênis. As estocadas furiosas logo foram iniciadas, fazendo a garota agarrar os lençóis da cama com força. Seus dentes rangidos logo deram lugar a devassas lamúrias. O prazer que ambos estavam experimentando era alto demais. Logo as mãos de Ryo foram em direção aos seios de Naomi, apertando os mamilos da garota com vontade seguido de uma chupada que desestabilizou a menor. As pernas dela entrelaçaram a cintura do albino, deixando seus corpos suados ainda mais colados um no outro.

– Isso é tão gostoso! Ahn... Nunca irei me cansar disso. Enfie mais forte, Ryo-kun...! –

            Com suas respirações descompassadas Suzuki dera penetrações ainda mais intensas (isso se era possível) no interior da dona dos fios negros que dera um gemido alto. Entretanto o ofego de ambos já encontrava-se no limite, indicando que eles chegariam ao orgasmo a qualquer momento. Tanto Naomi quanto Ryo já estavam entregando os pontos, permitindo então o rapaz ejacular todo o seu líquido espesso na garota ao mesmo tempo em que ela também gozava. A sincronia deles era tão perfeita que até o clímax eles realizavam ao mesmo tempo. Seus corpos exaustos repousavam na cama, porém a expressão do casal era de satisfação. Eles puxavam o ar novamente para seus pulmões enquanto o silêncio entre eles reinava.

– Isso... Foi incrível... – Disse Ryo quebrando o silêncio e ficando ao lado da namorada.

– Sim... – Assentiu, ficando um longo tempo em silêncio até finalmente voltar a falar. – Você se lembra da nossa primeira vez? –

– Hm? Mas que pergunta repentina, Naomi. Haha. Mas sim, eu lembro, foi no meu quarto. –

– Sua mãe tinha ido viajar e por conta disso ficaria um tempo fora. Foi então que você resolveu me convidar para vermos um filme... E acabamos fazendo. –

A olhou, sem-graça. – E desde então não paramos mais. –

– Isso não é ruim, na verdade a nossa relação ficou muito mais divertida depois daquilo. Não concorda? – Sorriu para o rapaz, logo podendo ouvir a barriga do mesmo roncar e ver o mesmo um tanto sem-graça. – Hihi. Acho que merecemos comer depois de todo esse “exercício” não acha? –

– Merecemos também um banho depois desse pequeno “exercício”. –

– Oh! Eu posso lavar as suas costas? Já faz um tempo que não tomamos banho juntos! – Falou empolgada e com os olhos brilhando.

– Cla-claro, Naomi. Haha... –

– Ótimo! Então está decidido! –

            Empolgada e feliz com o consentimento de Ryo, a menor rapidamente levantara da cama, pegando assim o braço do rapaz e fazendo com o mesmo também se erguesse. Não esperando por aquela atitude da garota o albino a seguiu completamente sem jeito até o banheiro que ficava no mesmo cômodo. Durante o trajeto Tsuchiya proferiu.

– Ah! Você vai dormir aqui hoje, okay? – Falou alegremente, já decidida.

– Hã?! M-mas...! –

– Prometo que você será recompensado no natal. O que você acha de uma fantasia de coelhinha? –

            Ouvir tal frase sair da boca de Naomi fizera o mundo do rapaz parar por um momento. Imaginar sua linda namorada trajando uma sexy fantasia de coelhinha permitiu seu rosto ficar completamente vermelho. Percebendo a face dele, Naomi deu uma leve risadinha interior. Ela mais do que ninguém sabia desse ponto fraco dele por fantasias, apesar do mesmo nunca ter dito nada.

– Certo! Vamos logo tomar esse banho! – Tomou a frente, agora liderando a direção. Depois da sua imaginação fértil, ele urgentemente precisava tomar um bom banho.

– Ryo-kun... Hihi. Tão fofo. – Ponderou.

            Ela realmente o conhecia como a palma de sua mão.

 


Notas Finais


Antes que eu me esqueça. Se alguém gostou da capa e quiser a mesma, só basta ir no meu deviant art: https://rachel-shirogane.deviantart.com/, e baixar a imagem. Não se esqueçam de comentar. Beijos e cuidem-se.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...