História Fennel - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Abo, Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Mpreg, Sulay, Taoris, Xiuchen
Exibições 418
Palavras 1.479
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, oi genteeee, como estão? Kkkk
Estão prontos para dizer, adeus, goodbye, etc kk a Fennel?
Simm estamos na reta final, e estou muito feliz?? Sim, feliz pelo carinho de vocês pelo tamanho de visualizações e favoritos, porra, como eu tô feliz.
Mas você deixar as declarações pro final, ok? Esse capítulo tá um amorzinho.

BOA LEITURA

obrigada beta.

Capítulo 8 - Chanyeol novo.


Fanfic / Fanfiction Fennel - Capítulo 8 - Chanyeol novo.



Na manhã seguinte acordei sentindo um peso sobre mim, ou melhor, braços sobre meu corpo. Respirei fundo e me levantei, arrumei o corpo do menor na cama e fiquei o encarando enquanto dormia. Sua face era serena e com uma pitada de inocência assim como a de uma criança. Sabe, as vezes eu paro, sento e penso; Se eu for ruim com ele o que vou ganhar? Nada, apenas sua raiva e isso não é algo que eu quero. Talvez eu deva me permitir… ou quem sabe a vida está me dando uma oportunidade?


    Minha mão involuntariamente foi até seu cabelo e começou a acariciá-lo de forma calma.



- Ontem eu conversei com Sehun. - falei para quem dormia. - E sabe, eu também quero ser feliz, Baekhyun. - me abaixei e selei seus fios. - Chega uma hora em que paramos de pensar como adolescentes mimados e começamos a pensar em nossas vidas, nossas responsabilidades e uma família. A minha hora chegou e agora sou responsável por um filhote e quem sabe, um ômega? - sorri minimamente e sai do quarto.


  Talvez vocês achem um tanto precipitado, mas sabe quando você acorda e aquela brisa bate no seu rosto de uma forma diferente como se tentasse te avisar? A vida está te dando uma chance, aproveite, então.




- Bom dia! - fui até a cozinha e peguei um pouco de suco bebendo de forma rápida. - Quando Baekhyun acordar diga para ele estar arrumado às 12h em ponto, vou vir buscá-lo. - saí da cozinha e fui até a garagem.


  Assim que cheguei na empresa fui diretamente para a sala do meu pai, sem falar com ninguém. Bati antes de entrar e assim que entrei, o reverenciei.



- Chanyeol! - sorriu.


     Não cheguei a falar muito do meu pai, não é? Bem, ele não é o sinônimo do egoísmo e nem da riqueza mas tudo que temos foi resultado de seu esforço, sempre me dando as melhores coisas, educação da melhor qualidade e sempre me dizendo que a honestidade e simplicidade está em primeiro lugar. Mamãe morreu quando eu tinha com 4 anos, ela me ensinou que dinheiro compra tudo, até mesmo o amor - pelo que me recordo. Mas depois que ela morreu, papai casou com a mãe de KyungSoo e ele veio ao mundo, depois de um tempo se separaram e amém.



- Oi, pai. - me sentei em sua frente. - Preciso te dizer algo. - suspirei fundo e o encarei.


- Diga meu filho. - se levantou para pegar seu café. - Vai casar com KyungSoo? - debochou.



- Pai! - respirei fundo e contei mentalmente até três. - Engravidei um ômega. - pronto, foi os segundos contados para ele cuspir todo o café no ar. - Fala sério, hein.



- Chanyeol, você não tá brincando, não é?



- Não brincaria com uma coisa dessas, e antes de qualquer coisa quero dizer que irei ficar com ele.



- Não, você falou errado, você não vai só ficar como vai casar!



- Eu sei, ok? Mas o que me preocupa é o KyungSoo, você sabe que ele é o demônio quando quer.



- Eu sei, Chanyeol, mas ele tem que entender, esse amor platônico dele precisa acabar, ele sabe que não é recíproco e que precisa amadurecer.



- Mas eu acho que fiz merda. - porra, como eu tinha feito. - Dei à KyungSoo uma chance e, sabe… Tivemos uma quase-foda.



- Uma quase-foda? Porra, Park. - meu pai exclamou irritado mas logo suspirou derrotado. - Um dos meus amigos tem um filho que se chama Jongin, um alfa e tanto, estou com meus 63 anos mas, olha, aquele alfa é tudo de bom. - rimos e logo o abracei.



- Pai, obrigado, por tudo.



- Eu só quero te ver bem, meu filho, seja feliz e não pise nos outros para encontrar a felicidade. Mude, Chanyeol, porque a vida pode estar te dando uma oportunidade.


   Sabe aquele momento em que você pensa que a vida está realmente sendo gentil? Então, mas estou me sentindo tapado, isso se relaciona a Byun, não é?


    Olhei de relance para o relógio e avise a meu pai que teria alguns compromissos no momento, saí da empresa a caminho de casa admito que estava ansioso. Assim que cheguei em casa - bem antes do combinado - reuni todos os funcionários os quais trabalhavam para mim e conversamos. No final acabei despedindo todos por uma razão a qual queria muito, eles ficaram feliz por estar entrando nos eixos. Depois de todos terem ido para casa ficou um silêncio, um breu terrível. Subi até o quarto do menor e ouvi através da porta ele cantarolando, adentrei ao quarto silenciosamente e fiquei o admirando.



- C-chanyeol, que susto. - colocou a mão no peito e suspirou. - Não estou atrasado, né? Se eu estiver me desculpe, não irei fazer isso. - fechou os olhos com força esperando por uma bronca.




- Baek, - me aproximei e senti uma fisgada de leve. - Não, você não está atrasado, quero conversar com você, direito. - me sentei na cama e o fiz se sentar ao meu lado. - Olha, eu sei o quanto eu devo ter te machucado, mesmo que não tenha sido o suficiente. - o encarei risonho e ele me olhava confuso. - Estou brincando, mas enfim, eu quero tentar algo, digo... Amizade, o que você acha? - coloquei a mão sobre sua coxa.



- Olha, Chan, devo admitir que eu não sei se vou conseguir gostar de você, é estranho sabe? Tudo muito rápido, esse filhote, e agora você todo meigo, é muita coisa em processo, aquele seu ômega grávido e Chan quero uma família tanto como você, mas quero alguém que me ame por acaso, sabe? E que seja recíproco. Vamos supor que futuramente casamos e discutimos e você vem e joga na minha cara que eu sou apenas sua puta que não passo disso, que você tem pena de mim. Não quero isso, entende? Podemos tentar ser amigos mas acho que não chega a passar disso, me desculpe.



- Ah. - suspirei e acabei por sorrir triste - Tudo bem, não era pra menos, se fosse eu no seu lugar faria a mesma coisa. Quando você achar um alfa que te ame e vice-versa, você pode ficar com ele contanto que meu filhote fique comigo.



- Tá bom. - sorriu e se levantou. - Estou pronto, vamos?




      

             3 MESES DEPOIS


  BAEKHYUN



 - Estou em casa. - Chanyeol gritou, como sempre barulhento, eu estava na cozinha fazendo o jantar enquanto ria.


   Depois de um tempo Chanyeol se mostrou totalmente diferente, entendem? Ele está muito mais carinhoso, nunca mais tocou no assunto do leilão sem contar que Luhan e Sehun sempre estão por aqui alisando minha barriguinha, nhoi. Eu gostei do novo Chanyeol e devo admitir que adoro o ouvir me dar bom dia e adoro mais quando ele chega e avisa que chegou, já está virando um costume, ele me respeita e eu o respeito, não ultrapassamos da linha de amizade, ele apenas beija minha barriga e me dá carinho.



- Como sempre barulhento. - ri baixinho e selei sua bochecha. - Como foi seu dia?



- Como sempre: cansativo. - sorriu e se abaixou para falar com nosso brotinho. - Baekkie, não consigo sentir se ele é alfa ou  ômega, espero que seja um alfa.



- O que vier estaremos feliz, ok? Rum. - sorri para ele e o abracei. - Obrigado, Chan..



- Pelo quê, baixinho? - passei meu nariz por seu queixo e o abracei ainda mais.



- Por ter mudado, por estar me fazendo feliz, entende? - levei minhas mãos até sua nuca e fiz um breve carinho me aproximando de seus lábios. - Eu realmente estou feliz. - nossos lábios já estavam se roçando quando um barulho alto ecoou pela casa nós fazendo se afastar e ir até lá.



- Porra, Luhan. - Sehun ditou frustado. - Eles estavam quase, quaseeee.



- Hunnie. - meu amigo fez um bico choroso e eu apenas ria.



- O que isso significa? Isso é invasão de privacidade. - bufei e voltei para a cozinha.



- Ah, Baek, Chanyeol mudou pra’ caralho, tá quase te dando a bunda e você não cede, porra. - Luhan se pronunciou.



- Ei! A bunda não. - ri negando e começando a colocar a comida na mesa.



- Mas é sério, isso de vocês é só amizade mesmo? - Sehun perguntou nos olhando, no fundo, mas bem lá no fundo eu sabia que estava gostando - mais - dele.



- Sem pressa, ok? - me sentei e comecei a comer, e a noite se passou assim, cheia de risadas e qualquer palhaçada que Chanyeol e Sehun faziam, se dizer que estou infeliz com tudo isso será uma bela mentira, porquê Chanyeol, aah Chanyeol, não arrume um ômega...






    Você tem a mim.


Notas Finais


Deixe-me explicar melhor
Fennel está no final, simmmm kkkkk
Amorzinho Baekhyun indeciso igualzinho ao ChanChan
POR FAVOR NÃO DESISTAM DE MIM, DÊ MUITO AMOR A FENNEL, ESTAMOS NA RETA FINAL, FIGHTHING 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...