História Feroz Atração - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Faculdade, Romance, Segredos
Visualizações 29
Palavras 2.882
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Minhas lindas resolvi adiantar o cap por causa do feriado então...Boa leitura.

Capítulo 30 - Capitulo 28


--Nossa, você está uma merda.--disse Sun me encarando.

--Uau, muito obrigada. Você também está muito bem.

Eu estava muito gripada e indisposta. Sentia meus pés praticamente dormentes devido ao frio que estava. Meu nariz simplesmente não parava de escorrer e a minha cabeça latejava de tanta dor. Sun se aproximou de mim e se sentou na ponta da minha cama, parecendo ter medo de pegar uma gripe.

--Meu Deus, você deveria ir para o hospital ou coisa do tipo?--ela perguntou fazendo uma careta enquanto avaliava meu estado.--É sério, você está péssima.

--Novamente, muito obrigada. Você realmente tá me deixando muito para cima em relação a toda essa situação. E não, eu não vou para um hospital, é só uma gripe. Vai passar.

--Para mim isso tá parecendo mais um pré-coma, mas tudo bem.

Eu revirei os olhos.

--O que é isso?--ela perguntou olhando para o copo com um líquido marrom na minha mesinha da cabeceira.

--Ah, essa é a gororoba que minha tia está me forçando a tomar. Ela diz que vai me curar.

--Que nojo.--ela fez careta.--Você está realmente tomando isso?

--Claro que não. Eu experimentei uma vez e quase vomitei. Mas ele fica tentando enfiar isso em minha goela toda hora, então eu espero ela sair para jogar na privada.--eu disse dando de ombros.

--E que gosto tem?

--Pensa no inferno em forma de líquido. É esse gosto.

--Meu Deus, é tão ruim assim?

--Você não tem idéia.

Sun foi embora meia hora depois e mais tarde Sook foi me visitar também. Era só uma gripe, mas todos estavam fazendo parecer que eu estava com uma doença terminal. Eu estava daquele jeito desde a tarde do dia anterior e a minha tia tinha insistido para mim ficar na casa dela para que ele pudesse cuidar de mim.

Eu insisti que estava bem, mais ela foi bastante persistente, então lá estava eu, de cama, com o terceiro copo da gororoba do inferno ao lado da minha cama.

--Querida, você não quer mesmo que eu fique?--perguntou minha tia agachada ao lado da minha cama.

--Não, tia. Você precisa trabalhar. Eu não estou morrendo. É só uma gripe forte. Eu vou ficar bem.

--Tem certeza?

--Tenho.--eu disse firme.--Vai logo, já são quase nove horas. Você vai se atrasar.

--Tudo bem.--ela disse finalmente se rendendo.--Estou indo. O xarope está aqui.--ela colocou o vidro do lado da minha cama.

--Ok. Beijo.

--Beijo.--ela se despediu e saiu.

Não consegui dormir devido ao desconforto e o frio que estava sentindo. Tentei ler para me distrair, mais isso fazia minha cabeça doer mais ainda. Acabei ligando a TV para não morrer de tédio, mais eu realmente não estava assistindo nada.

Lá para as dez horas minha dor de cabeça piorou, assim como a minha tosse e eu já tinha tomado mais da metade do vidro de xarope. Resolvi pegar um remédio para dor de cabeça. Levantei da cama sentido cada músculo de meu corpo pesar e doer.

Desci as escadas com ps meus dentes batendo de frio. Quando cheguei na cozinha fui em direção a gaveta de remédios. Peguei um comprimido e estava indo engolilo, quando  o meu celular começou a tocar no bolso do meu casaco moletom.

O peguei e o levei até minha orelha.

--Oi.--atendi.

---Melissa, aonde você está?--perguntou uma voz grave do outro lado da linha. Não demorei muito para reconhecer que aquele voz era de Jungkook.

--Estou na casa da minha tia.

Logo depois de responder isso, o latejar da minha cabeçar piorou e eu precisei me apoiar na pia da cozinha para não perder o equilibrio. Jungkook disse mais alguma coisa mas eu não consegui entender. Minha visão ficou turva e a cozinha começou a girar. A voz de Jungkook do outro lado da linha começou a ficar mais distante.

--Jungkook, eu...--antes que eu conseguisse terminar a frase, eu caí no chão e de repende tuso ficou escuro.

(...)

Abri meus olhos lentamente e o quarto estava escuro. A televisão estava desligada e a minha cabeça não doía tanto quanto antes. Eu estava deitada na cama do quarto.

Como eu havia parado ali?

--Como está se sentindo?--perguntou alguém.

Encarei Jungkook assustada. Ele estava sentado na poltrona do meu quarto. A luz do poste da rua entrava pela janela iluminando ele o suficiente para que eu pudesse ver sua silhueta. Estiquei minha mão para poder ligar o abajur para ve-lo melhor.


Quando liguei, consegui ter uma melhor imagem de Jungkook sentado de frente para mim. Ele usava uma camisa cinza, uma calça jeans escura e me encarava intensamente.

--Eu estou sonhando?--eu perguntei ainda meio grogue.

--Não.--ele respondeu.

--Então você é real?

--Sou.--ele respondeu franzindo as sobrancelhas, parecendo estranhar as perguntas.

Ele olhou para o vidro de xarope ao meu lado e perguntou:

--Quanto de xarope você tomou?

O encarei e respondi:

--Um pouquinho.

--E quanto é um pouquinho?--ele perguntou.

--Assim.--eu dissee demonstrei com um gesto nas mãos quanto era o pouquinho que eu tinha tomado.

E então eu começei a rir. Eu não sabia extamente o porque, mais eu tive uma enorme vontade de rir e não consegui me conter.

--É. Parece que você tomou o suficiente para viajar.

--O que?  Eu não estou drogada por causa de um xarope.--eu exclamei.--Que besteira.

--Entã por que você está rindo?--ele perguntou com as sobrancelhas erguidas.

--Não sei.--eu disse sem conseguir conter a risada.

--Pois é.--epe respondeu suspirando.

--Ok. Talvez eu tenha tomado mais do que um pouquinho.--eu disse sorrindo como uma idiota.--O que aconteceu?--perguntei depois de alguns segundos.

--Você desmaiou na cozinha enquanto estávamos conversando pelo telefone então eu vim aqui e te trouxe para o quarto.

--Como você entrou?--eu perguntei.

--Pela janela.

Olhei para a janela e vi que ela estava aberta.

--Que horas são?

--Trés da manhã.--ele respondeu e eu assenti.

Alguns segundos depois me dei conta que não estava usando as mesmas roupas que antes.

--O que aconteceu com minha roupas.--eu perguntei.

--Você parecia com frio, então eu coloquei uma roupa mais quente em você e peguei mais uma coberta.

--Então você me trocou?.--perguntei.

Ele deu de ombros.

Eu senti meu rosto corar levemente pensado que Jungkook havia me trocado há algumas horas antes.

--Melissa, nós já fizemos muito mais do que apenas tirar a roupa um do outro. Não há porque você se sentir constrangida sobre isso.

Começei a rir novamente. E novamente não sabio o porque. Eu parecia está flutuando e tudo estava muito esquisito. Encarei Jungkook  fixamente quando finalmente consegui parar de rir.

Seus olhos castanhos me encaravam enquanto me estudavam. Ele não estava rindo, nem sorrindo. Ele estava completamente sério. Seus lindos lábios estavam em uma linha reta e ele tinha a barba por fazer. Ele era tão bonito que não parecia real. Se eu tivesse forças para levantar daquela cama, eu iria até ele beijar aqueles lábios.

--Jungkook.--chamei.

--O que?

--Eu preciso te dizer uma coisa. Uma coisa séria.

--O que?

--Você ficar muito bem de barba por fazer.--eu disse seriamente.

E nosso, ele ficava mesmo. Eu queria muito beijar e roçar a minha buchacha naquela barba.

--Você está drogada por causa do xarope.--ele disse parecendo cansado.

--Ok. Mais isso não tira o fato de que você fica bem sem barba. Não que você não fique bem sem barba também. Você fiqua bem sem barba também. Muito bem. Muito mesmo. Mas para ser sinsera, eu acho que você ficaria bem até com a cara suja de bosta. Por que você muito bonito. E muito gostoso, mas tipo muito gostoso mesmo.

Jungkook levantou levemente as sobrancelhas.

--Você é tipo o sundae mais gostoso do mundo. Basicamente impossivel de resistir.

--Um sundae?--ele perguntou com um leve sorriso nos lábios.

--Sim. Um sundae com cobertura de chocolate.--eu disse dando risadinhas como uma adolescente.

De tanto rir tive vontade de ir ao banheiro. Tirei as cobertas e tentei me levantar. Mas eu estava mole e pesada de mais para isso.

--O que está fazendo?--ele perguntou me encarando.

--Eu preciso fazer xixi.--eu respondi.

Ele se levantou e veio em minha direção. Ele colocou as mãos em meus braços para me ajudar a levantar.

--Eu consigo--eu disse as mãos dele de perto de mim.

Meus pés tocaram o chão e eu fiz esforço para me levantar, mas eu não conseguia. Por que eu estava tão mole?

Tentei novamente. Não consegui. Jungkook cruzou os braços e suspirou enquanto me observava fracassar toda vez que eu tentava levantar.

Lá pela quarta vez que eu tentei me levantar sozinha, ele disse:

--Chega.

Ele se ergueu sobre mim e me envolveu em seus braços e em um movimento rápido, ele me colocou em seu colo.

--Me solta. Eu consigo andar.--eu disse empurrando seu peito com as palmas da mão.

--Não consegue não. Deixa de ser teimosa e fica quieta.--ele disse sério enquanto me levava para o banheiro.

Susperiei e deitei e deitei minha cabeça em seu peito. Estava fraca demais para discutir e por mais que eu odiasse admitir, estar no colo dele é muito bom. Ele passou pela porta do banheiro e me colocou no chão ao lado so vaso.

Quando ele me soltou eu perdi o equilibrio e quase cai, mas ele foi mais rápido e me segurou antes que eu fosse para o chão.

Ele se ajoelhou de frente para mim e disse:

--Se apóie em meu ombros.

Coloquei minhãs mãos em seus ombros e me apoiei nele. Ele desceu minhas calças e a minha calcinha.

Eu não consegui evitar de reparar que meu coração começou a bater cinco vezes mais rápido quando ele fez isso. Ele me sentou no vaso e ficou de frente para mim com os braços cruzados enquanto me encarva.

--Eu não vou fazer xixi com você aí assim.--ei reclamei.

--Por que não? Não tem nada aí que eu ainda não tenha visto.--ele respondeu.

--Nós não nos conhecemos há tempo o suficiente para você me ver fazendo xixi. Fica na porta do banheiro.

--Se você perder o equilíbrio e cair eu não vou poder te segurar.--ele disse sério.

--Pelo menos se vire então.--eu pedi.

Ele não se virou apenas continuou me encarando.

--Estou falando sério, Jungkook. Eu não vou conseguir se você ficar me encarando.

Ele suspirou e se virou.

--Terminou?--ele perguntou alguns segundos depois.

--Sim.--eu disse.--Mas não se vire, eu preciso me limpar.

--Eu...

--Não se atreva a tentar me limpar. Eu juro que se você fizer isso eu vou gritar. Você me ver nessa situação já é constragedor o suficiente.--eu disse séria.

Ele ficou quieto, mas se manteve virado de costa para mim.

--Pronto, pode se virar agora.--eu disse.

Ele me ajudou a levantar e ele subiu minhas calça e minha calcinha. Agradeci a Deus por estar usando uma calcinha direita e não uma de vó. Ele me pegou no colo novamente e me levou até a cama.

--Você está muito quente.--ele disse com um leve tom de preocupação na voz.

--Obrigada. Você também está bem quente.--eu disse lhe lançando uma piscadela.

Ele me encarou com uma olhar severo.

--Não estou brincando, Melissa. Você está queimando de febre.--ele disse e me cobriu.

--Você é sempre tão irritado?

--Sempre que estou perto de você.

--Então eu te deixo irritado?

--Constantemente.

--Hum. Bom.

--Bom?--ele perguntou levantando as sobrancelhas.

--Você também me irrita. É bom que eu tenha o mesmo efeito sobre você. E além do mais, você fica muito bem irritado. Mas você também fica muito bem feliz, ou calmo. De qualquer maneira você fica bem, na verdade.

--Esse xarope realmente de alterou.--ele disse abrindo a gaveta do meu armário.

--Por que diz isso?

--Você nunca admitiria isso se estivesse totalmente sóbria e consiente.

--Verdade. Mas você também não precisa que eu diga, você sabe que é bonito.

Ele sorriu sutilmente e continuou uma gaveta atrás da outra.

--O que está procurando?

--Um termômetro.

--Está na última gaveta daquele armário.--eu disse apontando o local.

Ele foi até lá e pegou o termômetro. Depois ele se dirigiu até mim, e disse:

--Abre a boca.

Obedeci e ele colocou o termômetro na minha boca. Ele ficou esperando alguns segundos em silêncio e depois o tirou da minha boca.

--Não está tão ruim assim.--ele disse o observando.

--Vou sobreviver?--perguntei sorrindo.

--Vai, engraçadinha.--ele respondeu voltando a se sentar na poltrona.

--Depois disso tudo, é bem provavel que você amanheça doente.--eu disse a ele.

Jungkook ficou muito perto de mim, era provável que ele havia pego a minha gripe.

--Eu não costumo ficar doente. E se acontecer, vou ficar bem.--ele disse dando de ombros.--A sua cabeça ainda dói?

--Dói, mas não tanto quanto antes.--eu respondi.

Ele assentiu.

--Tenta dormir. Você precisa descansar.--ele disse finalmente.

Apaguei o abajur ao lado da minha cama e fechei os olhos, grata por Jungkook estar ali. Acordei com a luz do sol batendo em meus olhos. Me sentei na cama e a minha cabeça já não martelava como antes. Olhei para poltrona vazia no canto do quarto, e as memória de Jungkook ali, invadiram a minha mente.

Ele havia estado mesmo alí? Ou aquilo foi apenas um sonho?

Jungkook não era o tipo de cara que media sua temperatura ou ajudava a ir no banheiro. Será que aquilo tudo realmente tinha acontecido? Era muito provável que não.

Suspirei um tanto aliviada. Eu estava torcendo para que tudo aquilo realmente tivesse sido um sonho. Porque eu havia dito muitas coisae constrangedoras.

Meu Deus, eu havia o comparado com um sundae!

Levantei da cama e fui até o banheiro lavar o rosto.

Enquanto abria a torneira tentava achar qualquer sinal que provasse que Jungkook realmente esteve ali, mas não consegui achar nada. Se ele esteve ali nãp havia nenhuma maneira de comprovar.

Lavei o rosto e encarei o meu reflexo no espelho.

A minha aparência já estava melhor. Eu não estava meio verde como estava no dia anterior. As minhas olheiras não estavam tão fortes e o meu nariz não estava escorrendo tanto.

Eu ainda me sentia cansada e um pouco febril, mas nada comparado à noite anterior.

Troquei de roupa e desci as escadas. A minha tia não estava na cozinha, provavelmente estava cama.

Escutei um ronco de motor e olhei pela janela. Jungkook estava lá em toda a sua glória trabalhando em seu shelby. Ele usava uma camisa branca e uma calça jeans. O seu cabelo estava um pouco bagunçado ele parecia concentrado.

Só havia uma maneira de saber se Jungkook estava realmente no meu quarto na noite anterior. Saí de casa e fui até lá. Jungkook desligou o motor do carro logo em que cheguei até ele.

Eu queria saber se ele havia estado no meu quarto à noite, mas eu não sabia exatamente como eu poderia abordar aquela pergunta. Até porque eu estava constrangida demais e estava rezando para que aquilo fosse apenas um sonho.

--Oi.--eu disse lhe lançando um meio sorriso.--Tudo bem?

--Tudo.--ele respondeu.

--Hum...Bom, eu acordei essa manhã, e eu estava me perguntando, bem, se...

--Está muito calor. Sabe o que me deu uma enorme vontade de comer?--ele perguntou me imterronpendo.

--O que?

--Um sundae.-- ele disse e um sorriso maldoso e travesso cresceu em seus lábios.

Droga, droga, droga.

Não havia sido um sonho.

Eu realmente havia dito aquele bando de besteira para ele. E agora Jungkook estava zoando com a minha cara.

Eu queria morrer.

--De calda de chocolate, na verdade.--ele disse sorrindo ainda mais.

Bastardo.

--Eu até te chamaria, mas acho que você deva ficar tomando sorvete devido a sua gripe.

--Eu também não acho que eu deveria ficar tomando sundaes no momento.--eu disse respirando fundo e lutando contra vontade de cavar um buraco no chão para me enfiar.--E eu só queria passar aqui para te agradecer pelo o que você fez e para dizer que tudo o que disse foi devido ao efeito do xarope.

--Claro. Vou fingir que acredito nisso.

--Estou falando sério. Eu não estava coerente, e acabei falando besteiras que na verdade nem são verdade.

Ele riu. Uma risada forte e quente.

Era como música.

Se eu estivesse tão envergonhada e irritada com a presunção dele, eu estaria contemplando a sua risada.

--Melissa, aquele xarope só te deixou mais desinibida para falar as coisas que você realmente pensa, mas que não tem coragem de falar.

--Você está errado. Eu nem estava pensando direito quando disse aquilo. Nada foi verdade. Você é bonito e eu admito isso, mas você não é o sundae de calda de chocolate mais gostoso do mundo.--eu exclamei e me virei.

--Claro, continue tentando se convencer disso.--ele exclamou e eu continue andando, tentando ignorá-lo.

Entrei em casa e suspirei enquanto subia as escadas para o quarto. Droga, agora não tinha nem como esconder. Jungkook sabia que eu estava completamente caidinha por ele.

Ele não precisava saber disso, o ego dele já era grande demais. Mas o pior é que ele estava completamente certo. Aquele xarope apenas me deixou desinibida para falar as coisas que eu realmente pensava.


Para mim, Jeon Jungkook era o melhor sundae de chocolate de todo mundo o mundo. Fechei a porta do meu quarto e deitei na minha cama.

Por mais que eu estivesse constrangida e até um pouco irritada com o ego gigantesco dele, uma parte de mim estava pulando de alegria. Jungkook havia passado a noite tomando conta de mim. Procupado que eu pudesse piorar. E por mais que ele agisse como se não ligasse, agora eu sabia:

Ele se importava.

Notas Finais


O que acharam lindas?? Obrigada pelos favoritos você são demais💓💓, isso me incentiva muito a continuar postando.

Até o próximo cap.

Xoxo❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...