História Festival de loucuras - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bruno Mars
Personagens Bruno Mars
Tags Ashley Green, Bruno Mars, Festival, Hawaii, Heterossexualidade, Homossexualidade, Hooligans, Lily Collins
Exibições 93
Palavras 5.350
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá minhas flores, muito obrigada pelos comentários dos capítulos anteriores e eu fico muito feliz que vocês estejam gostando desta história, como eu já disse algumas vezes teremos só 20 capítulos nesta temporada portanto estamos chegando ao fim, maaaas logo teremos a segunda temporada e eu espero vocês acompanhando ela também. Mais um capítulo para vocês super fofo para quem shippa BruSam e com a visão do Bruno sobre os sentimentos dele, boa leitura.

Capítulo 13 - Quero cuidar de você


Fanfic / Fanfiction Festival de loucuras - Capítulo 13 - Quero cuidar de você

Pov Bruno on

Flashback on

Eu estava saindo na porta em direção ao meu carro para ir atrás da Sam quando...

-Bruno aonde vai cara? –o Ryan me perguntou.

-Eu tenho que resolver um mal entendido. –falei a ele.

-Cara você não pode resolver isso mais tarde não? Você tem uma reunião agora com o pessoal da Atlantic Records sobre o álbum do 24k magic, não podemos adiar esta reunião. –ele falou sem jeito.

-Tudo bem, vamos para esta reunião, quando eu sair dela eu resolvo esse problema. –falei me virando e indo em direção ao Ryan andando com ele até a sala de reuniões.

-Mais o que aconteceu cara? –ele me perguntou enquanto ainda estávamos no elevador subindo para o andar da sala de reuniões.

-A história é grande. –falei contando tudo a ele, resumidamente, enquanto íamos para a reunião e ele só sabia rir da minha cara. –Rir da desgraça alheia é fácil né besta. –falei socando o braço dele quando a porta do elevador abriu.

-A Sam com certeza está te odiando agora. –ele falou rindo. –Cara você e essa história de resolver se apaixonar só deu confusão em, até agora não teve um momento em que você chegou para mim contando alguma coisa calma, pacífica, tranquila. –falou rindo.

-E o pior é que eu estou louco por essa mulher Ryan, louco. –falei bufando.

-Eu te entendo, eu estou assim com a Alisson também, parece que aqueles publicitários conquistaram os nossos corações. –ele falou rindo e então entramos na reunião, a qual eu achei que seria rápida e sai de lá praticamente as 20:00 horas da noite.

Sai da reunião e antes de pegar o carro e ir para casa eu tentei ligar para a Sammantha, liguei umas 10 vezes mais ela não me atendia, com certeza ela estava com raiva da minha cara. Desisti de ligar para ela e tentei ligar para o Brian ou para a Alisson, mais eles também não me atendiam e eu já imaginava a Sam pedindo para eles que não falassem mais comigo porque eu era um galinha que não prestava, como essa garota era difícil, ah mais eu ainda ia fazer ela ser minha e se apaixonar de mim e depois dela ser minha eu nunca mais a perderia, ah mais eu ia mesmo provar para essa garota que eu não queria mais ser o Bruno pegador ou galinha que ela pensava que eu era, eu ia mostrar para aquela menina orgulhosa, insegura e cabeça dura de que eu só quero ela e nada mais.

Sai da Atlantic Records e fui na direção do meu carro para ir até a casa da Sammantha, ela ia ter que me escutar, aquela menina orgulhosa. Entrei no carro e quando estava saindo do estacionamento o Ryan veio na minha direção pedindo para eu parar o carro.

-Bruno acabei de falar com a Alisson, ela disse que você ligou para eles. Enfim, ela disse que a Sammantha não vai ficar em casa hoje, o Brian vai dormir no Conner e a Ali eu vou levar lá para a minha casa a Sam disse que quer ficar sozinha e vai para a casa dos pais dela. –ele falou.

-Droga eu não sei onde os pais dela moram e ela não me atende. –falei.

-Pois é essa foi à intenção dela. –ele falou rindo. –A Ali não quis passar o endereço, mesmo eu contando para a ela toda a verdade ela disse que a Sam tem que esfriar a cabeça e que ela quer que você sofra um pouco mesmo não sendo o culpado de nada, amanhã você vai atrás da Sam no trabalho dela. –ele me falou e eu bufei.

-Como essa menina pode ser assim tão complicada? Meu Deus que vontade de deixar ela lá emburrada acreditando que eu sou o pior homem da terra e esquecer ela de vez, porque eu ainda insisto em estar apaixonado dela e insisto em correr atrás dela? Que cabeça dura orgulhosa. –falei irritado.

-Cabeça dura orgulhosa por quem você é apaixonado. –ele falou sério. –Já se arrependeu do que disse? –perguntou rindo da minha cara.

-Já. –falei sentindo os pesos da minha palavra, eu realmente não conseguia esquecer ela ou fingir que eu não sentia o que sentia porque era verdadeiro e era forte, ela era a menina mais insegura e orgulhosa que eu conhecia mais eu também não era o cara mais fácil de lidar e os opostos se atraem e deve ser por isso que eu me apaixonei, eu só sei que agora eu não consigo mais mudar isso e eu não vou desistir tão fácil.

-Vai para casa, descansa e amanhã você resolve isso cara. –ele falou e eu assenti.

-Boa noite Ryan. –falei fechando o vidro do carro e dando partida em direção a minha casa, bravo, irritado, nervoso, inconformado com tudo isso e completamente apaixonado por aquela doida.

Flashback off

Acordei cedo e sem vontade alguma de trabalhar, a Sammantha ainda não atendia as minhas ligações e hoje eu tinha tantos compromissos que eu não faço ideia da hora em que poderia ir atrás dela concertar esse mal entendido, eu tinha uma reunião importante e ainda uma entrevista que eu teria que pagar uma multa se não fosse e sairia mais uma vez tarde da gravadora, portanto eu realmente não sabia como conciliar os problemas da vida pessoal com a profissional, afinal eu nunca nem tive uma vida pessoal com a qual lidar.

Enrolei um pouco em casa somente para tomar um banho, comer alguma coisa e ficar um pouco com o Gerônimo, meu cachorro. Sai de casa e não demorei a chegar a Atlantic Records, os meninos já estavam lá quando cheguei e todos pareciam já saber o mal entendido que aconteceu já que riam da situação e diziam que eu não dava sorte com amor nenhum, bom, isso eu realmente já sabia mais o problema é que eu era atrapalhado com a vida e não sabia como lidar com os problemas, eu nunca soube, e agora que os problemas envolvem sentimento no meio eu me sinto completamente perdido e com a única certeza de que eu gosto demais daquela maluquinha, mesmo que ela não confie em mim e me ache o pior cara do mundo.

-Bruno a gente tem tanta coisa para fazer hoje que é até difícil falar da vida mais vai, desabafa. –zoou o Phil.

-Cara você gosta mesmo de rir da minha cara né, só porque você já está casado, tem três filhos e sua mulher está grávida de novo, sua vida está perfeita. –falei bufando.

-Oh Brow, eu não queria zoar com você, me desculpa é só que você não anda dando sorte com nada né. –ele falou sincero. –Eu realmente estou feliz com a minha vida mais você vai estar com a sua também daqui um tempo, você vai ver, você merece ser feliz e se está apaixonado por essa garota vai em frente, pelo que eu conheço da Sam ela é uma pessoa maravilhosa, de bom coração, estudiosa, trabalhadora, esforçada, inteligente e que já fez você mudar tanto então isso é algo bom, não desiste por briguinhas ou maus entendidos. –ele completou.

-Tem razão. –falei. –Eu só queria que pelo menos aquela doida me atendesse sabe, ela toma as conclusões que quer, fica com raiva de mim, sai daqui correndo e nem me da a chance de concertar as coisas. –falei revirando os olhos.

-Vamos trabalhar que essa agonia passa. –ele falou rindo e eu assenti.

[...]

Eram umas 14:30 da tarde e eu ainda não tinha conseguido falar com a Sam, passei a manhã toda em uma reunião e agora atarde eu tinha a entrevista para participar. Os meninos estavam se organizando com o pessoal da entrevista enquanto eu fui pegar um café para mim então eu recebi um telefonema.

“Brian Rupert”

Atendi no primeiro toque antes que ele desistisse de falar comigo.

-Brian, oi. –atendi.

-Que desespero Mars. –falou rindo. –Oi, preciso mesmo falar com você.

-Onde a Sam está? Aquela louca, ela saiu daqui ontem, entendeu tudo errado e agora não me atende mais. –falei a ele.

-Eu sei o que aconteceu a Ali me contou, a Sam ontem foi para a casa da mãe dela e desligou o telefone, só hoje quando ela não apareceu lá na CBI que eu e a Ali ficamos preocupados e ai conseguimos falar com ela.

-O que aconteceu com ela Brian? –perguntei preocupado.

-Ela adoeceu, está com febre, dor no corpo e começo de gripe e não foi trabalhar, ela está lá em casa. Eu tentei falar com ela sobre o mal entendido mais eu não sei se ela acreditou muito não, ela vai ficar o dia todo em casa e se quiser a minha chave reserva está debaixo do tapete se ela não quiser abrir a porta para você então vai lá, é a sua chance de conquistar de vez essa garota difícil e eu ver os dois felizes, não aguento mais essa loucura de vocês. –ele falou rindo.

-Nossa Brian obrigada, meu Deus se você não namorasse o meu amigo eu te dava um beijo, obrigada, meu Deus eu vou lá agora. –falei e ele riu do outro lado da linha.

-Parte logo para o eu amo você sua doida, beija de uma vez e larga de frescura, quero os dois juntos mais tarde pelo amor de Deus não bobeia. –ele falou rindo.

-Farei o meu melhor. –falei. –Obrigada cara, fico te devendo mais uma. –falei.

-Boa sorte Mars. –ele falou desligando o telefone.

Larguei o café na primeira mesa que vi pela frente e ia saindo pela porta da gravadora quando o Phil me parou.

-Onde você vai seu louco? Temos uma entrevista importante para dar. –ele falou rindo.

-A Sam adoeceu e está em casa sozinha eu preciso ir lá cuidar dela e já concertar esse mal entendido todo, Phil é a minha chance de ficar com ela. –falei animado.

-Bruno você não pode perder essa entrevista, você assinou o contrato, ficou maluco? –ele falou assustado.

-Phil que essa entrevista se dane, eu pago a multa que precisar, eu não me importo, é só mais uma entrevista, depois eu corro atrás de resolver isso mais essa é a chance do meu relacionamento, da minha vida pessoal darem certo eu não posso jogar isso fora por causa de uma entrevista qualquer. –falei sério.

-Não é uma entrevista qualquer, é a entrevista de divulgação do seu álbum, vai ao ar ao vivo, milhares de pessoas estão querendo e esperando para ver isso.

-E não é uma garota qualquer, é a Sam, a garota por quem eu estou apaixonado e você como o meu melhor amigo sabe o quanto isso é importante para mim cara, eu preciso daquela garota, eu sinto uma coisa muito forte para ela e eu não posso deixar ela doente e sozinha e ainda de mal comigo assim para ficar aqui por causa de uma entrevista, fala que eu adoeci e não posso, que eu tinha um problema pessoal muito importante para resolver, os famosos vivem dando desculpas o tempo todo, por favor resolve essa para mim, eu juro que depois pago a multa que eles quiserem por ter saído daqui e não ter dado a entrevista mais deixa eu resolver a minha vida, por favor, Phil eu também quero ser feliz como você. –falei sincero.

-Vai logo antes que eu desista dessa loucura, vai lá seu doido que eu me resolvo aqui. –ele falou e eu sorri saindo mais antes ouvi o Phil dizer. –Você me deixou orgulhoso cara.

[...]

Cheguei na casa dela e a rua inteira estava em um silêncio agoniante, não se ouvia nenhum barulho vindo da casa e eu presumi que ela estava de cama, quieta no quarto.

Estacionei o carro e desci, toquei a campainha e fiquei ali, rezando para que ela abrisse a porta para mim porque mesmo eu tendo o plano b eu não queria invadir a casa dela com a chave reserva do Brian, isso era antiético. Esperei um pouco e nada, toquei mais uma vez e esperei, quando eu ia tocar pela terceira vez ouvi o barulho da chave destrancando a porta e respirei aliviado.

-Bruno? –ela me perguntou, estava com uma carinha abatida de gripe e parecia confusa em me ver ali.

-Olá mocinha, fiquei sabendo que você está doente e vim cuidar de você. –falei na maior cara de pau, com a Sam não tinha essa de indiretinhas ou meias palavras ela era 8 ou 80.

-Pode dar meia volta porque eu não preciso de cuidados. –ela falou séria.

-Eu ainda não sabia desse seu lado marrento quando você adoece. –brinquei me aproximando dela.

-Eu estou falando sério, não estou fazendo charminho eu não preciso de ninguém cuidando de mim. –ela falou toda marrenta e eu só tinha vontade de pegar aquela carinha marrenta e encher de beijos.

-Sam se você ainda está brava comigo por causa do mal entendido de ontem, me deixa explicar, eu sei que o Brian e a Ali já falaram com você sobre mais eu queria que você ouvisse da minha boca, você sabe que eu não estou com ninguém além de você, você sabe que eu só quero você Sam, me deixa entrar, me deixa cuidar de você, me deixa explicar tudo. –pedi.

-Eu não sei Bruno, ontem antes daquilo tudo eu ouvi umas coisas do Taylor que estão me deixando confusa, eu não sei se consigo confiar nesse amor que você diz sentir, nesse sentimento além de sexo que você diz que sente, eu tenho medo de você estar confundido isso tudo e logo depois eu perder o interesse para você como foi com todas as outras na sua vida... –ela começou a falar.

-Será que a gente pode conversar sobre isso ai dentro? Realmente não é muito bom para mim ficar aqui no meio da rua Sam. –falei sincero.

-Entra logo, saco. –ela abriu mais a porta me deixando entrar e logo depois fechou a porta. O aquecedor da casa dela estava ligado, realmente fazia frio em Los Angeles naquele dia, na sala eu vi algumas caixas de remédio e a porta do quarto dela estava aberta dando para ver cobertores e uma xícara de algo na escrivaninha. –Bruno hoje eu não estou com muita paciência, eu estou morrendo de dor de cabeça, com febre, dor no corpo então fala logo o que você quer aqui e me deixa descansar por favor. –ela falou séria em fazendo engolir em seco.

-Tudo bem, bom ontem quando provavelmente você chegou na minha sala quem estava lá conversando comigo não era nenhuma namorada ou algo assim, ela é a minha prima, Anne, que mora no Hawaii e esta de passagem aqui em Los Angeles e resolveu ir na gravadora para ver a mim e ao Eric, ela é casada e tem um filho lindo de dois anos, eu estava matando as saudades dela, só isso, você chegou e entendeu errado, mas isso só me mostrou que você está mais insegura sobre mim do que eu imaginava afinal as primeiras conclusões daquela situação que você viu foi de que eu estava com outra, mais as coisas não são assim Sam e eu quero a chance de te provar isso, eu quero você para mim e nem que eu tenha que fazer o impossível para te provar isso, nem que eu tenha que concorrer com Taylor ou com qualquer outro homem que seja mais eu vou porque eu quero que nós tenhamos algo sério Sam, me deixa te provar isso. –desabafei com ela o que eu sentia.

-Ok, eu já entendi essa parte de que eu tirei conclusões erradas e tudo mais, mas igual isso fez você enxergar que eu sou insegura em relação a você, isso me fez enxergar que eu não quero passar por aquilo, eu não quero chegar um dia na gravadora e ver você com outra ou descobrir que você está com outra mesmo tendo confiado em você Bruno, você pode achar que eu estou sendo insegura porque eu estou mesmo, você não me passa segurança, não ainda, você fez uma das coisas que entra na lista das coisas que eu mais odeio, gritar comigo, me culpar de algo que eu não fiz, me trair, nós mal nos conhecíamos e você me traiu sem nem ao menos se importar se eu sentiria algo com aquilo e toda vez que eu penso em te dar uma chance aquele maldito dia vem na minha cabeça e eu não consigo pensar que você quer algo comigo além de sexo, eu não vejo você querer algo comigo além de sexo Bruno. –ela falou e parecia sincera.

-Eu sei que eu ainda não provei para você alguma coisa mais é porque eu não quero te expor na mídia e qualquer coisa que tentamos fazer fora de casa te colocaria nos tabloides no mesmo dia, Sam as coisas entre nós aconteceram rápido demais mais eu gosto de você, eu tenho um sentimento por você que eu nunca tive por ninguém e isso é verdadeiro, eu nunca corri atrás de mulher alguma, eu nunca tentei tanto ficar com alguém como eu estou tentando com você, Sam eu acabei de cancelar uma entrevista com uma multa milionária só para estar aqui com você... –ela me interrompeu.

-Eu não pedi para você vir aqui. –falou séria.

-E eu fiz porque sou apaixonado por você, porque o Brian me ligou e disse que você estava doente e sozinha aqui e eu vim aqui para cuidar de você, porque eu gosto de você Sammantha Collins, porque eu não quero mais ficar longe de você e eu faço o que você quiser para provar isso, eu estou aqui agora e eu vim aqui para cuidar de você, para estar do seu lado quando você precisa porque eu quero que você saiba que eu não sou uma pessoa fútil, eu não me importo se vamos transar ou não, se o nosso relacionamento vai agradar as minhas fãs ou a mídia, eu não me importo se as pessoas não me acham o suficiente para você e também não me importo de acharem que eu sou um galinha ou pegador, eu me importo é com a sua opinião, e é por isso que eu quero te provar que eu não sou mais o cara de antes, que eu quero algo sério com você Sammantha porque eu gosto de você de verdade e isso me importa, por isso eu larguei a entrevista hoje e vim aqui, por isso eu sai do Hawaii e fiz um contrato maluco com a Bench só para poder tirar fotos com você, para me aproximar de você, para ver você sorrir, por isso eu mudei tanto desde que você me conheceu, por que eu me apaixonei por uma garota que chama Sammantha Collins, que é toda orgulhosa e complicada de convencer, que é tímida mais tem o coração gigantesco e que me mostrou que o mundo tem tantas coisas boas e que eu tenho que retribuí-lo por isso, que eu tenho que ser uma pessoa melhor, mais humana, porque essa tal de Sammantha é a melhor pessoa que eu já conheci em toda a minha vida, porque por ela eu mudei e por ela eu quero continuar mudando. –falei o que vinha do meu coração e foram as coisas mais sinceras que eu já disse na vida.

-Eu quero tanto acreditar em você. –ela falou chorado. –Bruno você me fez tão feliz mesmo que nos conhecemos a pouco tempo e mesmo que a nossa vida e o nosso relacionamento tenha sido uma loucura eu fui tão feliz nos meus momentos com você, mesmo com toda essa insegurança quando eu estou do seu lado parece que as coisas são tão fáceis, você me ensinou uma coisa que ninguém nunca tinha me incentivado a fazer, aproveitar a vida sem pensar nas consequências e agora eu realmente estou menos certinha demais, menos chata com tudo e aproveitando a minha vida como eu nunca aproveitei, eu percebi que eu não vivia como deveria e foi você que me ensinou isso. Eu quero que tudo o que você tenha falado seja verdade, de coração eu quero; mais eu sinto medo. –ela desabafou. –Eu tento me fazer de durona e resistir a você e por mais que as pessoas me achem uma burra por isso eu não consigo porque eu sempre fui assim, eu sou coração mole e por causa disso eu acabo me machucando, e sempre foi assim comigo e sempre vai ser e é por isso que eu tenho medo de me entregar de corpo e alma nessa merda Bruno, essa loucura está me deixando tonta. –ela falava em desespero.

-Então eu posso te pedir uma coisa? –perguntei fazendo com que ela sentasse no sofá e me ajoelhando na frente dela.

-Fala. –ela respondeu ainda chorando.

-Você não precisa decidir nada e nem encarar isso como algo sério com que no fim você vai se machucar, mais não me afasta de você, me deixa te provar que eu posso fazer você ser a mulher mais feliz do mundo Sammantha Collins, deixa eu cuidar de você hoje com você aqui doente e deixa eu cuidar de você amanhã também mesmo que você não esteja doente, porque é o que eu quero, sempre eu tive alguém que cuidasse de mim que vivesse para mim, agora eu vi que eu quero alguém como você na minha vida, para eu cuidar e proteger e me sentir necessário e importante, você não precisa aceitar um namoro comigo, só não me expulsa da sua casa e nem da sua vida, só me deixa tentar provar para você que eu sou uma pessoa boa, que eu posso ser uma pessoa boa para você, um homem bom que cuide do seu coração e não que vá te fazer sofrer como você já sofreu, Sammantha eu prometo para você que eu não vou, eu não quero outra pessoa, então me deixa pelo menos tentar? –pedi secando as lágrimas dela, ela me olhava com aqueles olhinhos tão lindos que eu realmente tive certeza que era aquilo que eu queria, eu percebia que ela queria me dar uma chance mais é complicado confiar em alguém quando só se ouve dos outros que eu não sou confiável, que eu não sou bom para ela, que eu não presto, que sou pegador e sem sentimentos, que eu não me importo com ela e que ela vai sofrer, não deve ser fácil querer aceitar algo quando o mundo diz para você que você não pode e eu realmente queria mostrar para ela que isso tudo que todo mundo falava o tempo todo de mim podia até ser verdade no passado mais não é mais, eu queria mostrar a ela que os sentimentos que eu tinha iam além de sexo, mais era difícil provar algo para alguém que você gosta quando mal os seus amigos ou seu pai acreditam e se a Sam dissesse não para mim ali agora, realmente eu me sentiria sem esperanças de que alguém acreditasse que eu podia ser uma pessoa melhor.

-Eu sei que eu vou ouvir de muita gente que eu sou burra, frouxa, que eu mereço mesmo sofrer e que eu não devia ter feito isso, mas... é a sua última chance. –ela falou e eu abri um sorriso tão grande que eu nem sabia que podia.

[...]

-Eu não fazia ideia de que Bruno Mars sabia fazer sopa. –ela falou rindo enquanto tomava a sopa que eu tinha feito para ela.

-Toma esses remédios aqui. –falei entregando para ela um copo de suco que eu tinha feito e os remédios que eu tinha mandado entregar na casa dela. –É claro que eu sei fazer sopa, eu cozinho bem viu. –falei rindo.

-Nunca imaginei em você cuidando de mim sabia. –ela falou dando mais uma colherada na sopa.

-Pode começar a imaginar Sammantha Collins. –falei e ela riu.

-Sopa, suco natural, massagem, sabe como abaixar febre sem remédios, realmente seus pais te educaram bem. –ela falou rindo.

-Eu tenho alguns dons que você vai conhecendo com o tempo. –falei e ela deu uma risada gostosa. –Eu sou uma pessoa boa Sam, eu só não me lembrava mais disso. –falei meio triste com essa confissão

-Mais eu te dei essa chance não dei? Seus amigos, sua família estão te dando chances diariamente de você mostrar que pode ser melhor, seus fãs, as pessoas que trabalham com você todos os dias, elas te dão a chance todos os dias de você ser uma pessoa melhor, você pode ter errado muito no passado e eu realmente não quero saber o que de mal você fez ou quantas pessoas você magoou mais se você quer mudar, melhore agora, trate bem as pessoas, ajude quem você puder, seja humano, pare de magoar os outros e lide com os seus sentimentos. –ela falou terminando a sopa e colocando o prato na bandeja.

-Eu prometo que eu vou valorizar essa chance. –falei beijando a perna dela enquanto massageava os pés dela.

-Acho que a febre passou um pouco e a dor de cabeça também mais o corpo ainda está meio mole. –ela falou se deitando melhor na cama.

-Sabe o que é bom para melhorar qualquer dor? –falei beijando a coxa dela, ela sorriu revirando os olhos.

-Eu fico imaginando como deve funcionar o seu cérebro o dia todo, quando você não está pensando em música você pensa em sexo? É isso? –ela falou rindo.

-Olha não é bem assim, talvez seja parecido com isso. –respondi e ela riu revirando os olhos mais uma vez.

-Eu vou fazer você revirar os olhos de novo mais você não vai estar vestida Sammantha Collins. –sussurrei no ouvido dela.

-Bru é sério, eu estou doente, eu não quero ficar me agarrando com você, se você adoecer também o pessoal da banda me mata e pessoas doentes tem que ficar de cama e isso inclui estarem vestidas e não fazendo sexo. –ela falava séria e eu comecei a rir a deixando brava. –Eu estou falando sério, para de rir seu besta. –completou.

-Sam eu sei que você está falando sério, mais eu também estou, eu só quero que você relaxe, isso realmente vai te fazer se sentir melhor. –joguei a minha desculpa esfarrapada e meio verdadeira para ela. –Eu não me importo se eu pegar uma gripe por causa disso, eu tenho uma imunidade boa e se eu adoecer depois você vai cuidar de mim. –falei beijando a bochecha dela.

-Eu não vou cuidar de ninguém. –ela falou séria. –E você disse que não ia se importar se nós não transássemos.

-Hey eu estou aqui cuidando de você. –falei. –E eu não me importo mais isso não significa que eu não quero, você sabe que eu não resisto a você Collins.

-Cuidando de mim porque quer. –ela falou séria e depois começou a rir ao ver a minha cara incrédula.

-Porque eu quero? É assim então? –falei afastando o cobertor de cima dela e me colocando no lugar. –Eu vou mostrar a você o que eu quero de verdade. –falei colando nossas testas.

-As camisinhas estão na gaveta ao lado. –ela falou rindo sapeca e eu entendi aquilo como um ‘faça logo o que você quer’ e então eu fiz.

Tirei cada peça de roupa dela lentamente, gravando cada pedacinho do corpo dela, beijando cada cantinho de pele naquele corpo, acariciando seu corpo e o beijando eu a deixei nua e maravilhosamente perfeita ali na minha frente. Seu corpo estava quente por causa da febre mais isso só fazia com que eu enlouquecesse mais ao tocá-la, sua respiração estava irregular e ao tocar a sua intimidade, que também estava quente, eu percebi o quanto ela estava excitada.

Tirei minha roupa com uma rapidez incrível e voltei a colar o meu corpo próximo ao dela, eu estava viciado nesse contato, viciado naquele corpo, viciado naquele cheiro e gosto, viciado nela, no sexo, no carinho, no sorriso, na companhia, e eu não via outra definição para todos esses sentimentos do que paixão e é por isso que eu tinha tanta convicção do que eu sentia por Sammantha Collins.

-Eu estou com frio Bru. –ela falou sussurrando.

-Eu estou aqui. –falei cobrindo seu corpo com o meu e a beijando delicadamente, passando as minhas mãos por todo o seu corpo na intenção de aquecê-la, de cuidar dela, de protegê-la. –Se quiser que eu pare é só me falar que eu paro meu amor.

Nas minhas relações sexuais as coisas sempre eram rápidas e intensas, uma coisa louca de corpos que necessitavam apenas daquele toque e que não havia sentimento algum, por isso eu era conhecido como o galinha, o pegador, eu me satisfazia com sexo com qualquer mulher de corpo bonito, seios e bundas grandes e coxas largas, eu não me importava na época com sentimento algum, não me importava em proporcionar prazer ao outro, não me importava com outra pessoa além de mim naquele momento e isso mudou desde a minha primeira vez com a Sam, quando eu percebi que antes de pensar em mim eu pensava nela, antes de se preocupar com o meu prazer eu me preocupava em se ela estava sentindo prazer com tudo aquilo, se ela estava confortável, feliz. Nunca antes houve uma relação sexual calma, delicada e eu nunca cuidei de ninguém e me importei tanto com alguém como ela, nunca desejei tanto o contato do corpo de alguém como desejo o dela. Ali sentindo que ela precisava de mim, do meu cuidado, da minha proteção eu me senti importante para alguém, eu senti que o meu coração precisava disso, eu precisava cuidar de alguém, precisava me doar para alguém e não somente o contrário, eu me sentia feliz em cuidar dela e foi um dos melhores sexos da minha vida, porque além de especial foi verdadeiro e completamente diferente, mesmo sendo o comum para a maioria dos casais, para mim aquele comum era diferente, era raro.

Coloquei a camisinha e a coloquei sentada no meu colo, com os nossos corpos colados e bem próximos, com ela protegida no calor dos meus braços para que não sentisse frio, e então eu me encaixei nela e senti que aquilo era especial, não era apenas um desejo carnal ou sexual, era sentimento de verdade e me movimentando dentro dela, sentindo ela ali em mim, tão quente, tão linda, tão especial, eu percebi que era aquilo que a minha mãe dizia para mim que eu sentiria quando encontrasse a pessoa certa e então eu tive o melhor orgasmo da minha vida, com a pessoa mais especial ultimamente e que mudou o meu mundo inteiro para mostrar que aquele lado era o certo, que ela era a certa para mim e que sim, eu ia lutar para ficar com ela agora mais que nunca, porque era aquilo o que eu queria, o que eu precisava.

-Bruu –ela gemeu chegando ao orgasmo e deitando sua cabeça no meu ombro, cansada.

-Eu estou aqui. –falei acariciando suas costas nuas.

-Porque você é assim em? –ela perguntou me olhando fixamente.

-Assim como? –perguntei sem entender.

-Você vem, entra na vida da gente e muda tudo, faz com que a gente necessite de você, que você se torne alguém especial, cria sentimentos nas relações, fica ai sendo todo fofo e o cara que eu preciso, porque Bruno? Porque ser assim se eu sei que isso não vai durar? –ela perguntava inconformada.

-Eu nunca fui assim com ninguém Sam, eu nunca entrava na vida de ninguém, eu nunca conhecia os amigos da pessoa, nunca ia na casa delas e nem cuidava delas quando estavam doentes, eu nunca fiz loucuras para apenas me aproximar de alguém, eu nunca precisei tanto de alguém do meu lado e muito menos criava sentimentos nas minhas relações, você é a minha primeira vez. –falei e ela sorriu.

-E isso quer dizer que? –ela perguntou insegura.

-Quer dizer que eu estou completamente apaixonado por você Sammantha Collins. –falei colando nossas testas e então eu a beijei.


Notas Finais


E ai o que acharam dessa fofura toda? Será que agora BruSam engrena de vez? Tem coisa mais fofa do que Bruno Mars apaixonado? Se restava alguma dúvida sobre o que ele sente está ai o capítulo que esclareceu bem as coisas. O que acham que vai acontecer agora para o final desta história, BruSam vão ter seu final feliz? O que restará de acontecimentos para a segunda temporada? Deixem seus comentários ai amores.
OBRIGADA POR LEREM <3
Beijinhooooos de luz!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...