História Os Sete Pecados Capitais - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Drama
Exibições 64
Palavras 1.440
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Super Power, Survival, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Apenas alguns goles


Fanfic / Fanfiction Os Sete Pecados Capitais - Capítulo 3 - Apenas alguns goles

Rapidamente me afasto e trago junto 09, num aperto forte de pulso a fim de protegê-la, o garoto senta e nos olha fixamente e então seus olhos dourados mudam para uma cor próxima da de seu cabelo, um preto comum, humano.


            - O que é você? - Me pronuncio aflita.


           O garoto apenas curva a cabeça de lado como se não entendesse, saco a arma que estava na cintura de 09 e não hesito ao segurá-la na direção do rosto perfeito a minha frente, sabia que não havia munição mas precisava intimidar ele.
         - Eu vou repetir mais uma vez: o que é você? - Repito dessa vez mais forte e destravo a arma.
          Novamente ele não responde e dessa vez sorri de lado sem mostrar os dentes, ele estava me testando!
          - Por favor, responda. - 09 interrompe meu pensamento de matá-lo e quando fosse apresentar meu relatório culpar um dos russos idiotas. A "educação" da menor pareceu que o convenceu, e com um sorrisinho de deboche ele começou a falar:
         - Eu sou Seokjin Kim, me chame de Jin. - O garoto proferiu amavelmente e sorriu de forma montada, não se engana quem vive de vidas falsas.
        - Venha conosco, precisamos levá-lo. - Interrompo o momento de educação do estranho.
       - Não.
        Suspiro cansada e 09 toma a frente de novo se levantando, não sou boa em convencer por métodos fofos, por assim dizer...
        - Por favos, venha conosco, você é nossa missão e se não sairmos daqui com você nosso destino será uma execução com um tiro na testa. - 09 fala enquanto se aproxima do garoto e segura as mãos dele, tento evitar o contato dela com ele mas como sempre ela vai de bandeja com quem simpatiza... Ao terminar a fala me sobe um calafrio, lembrando de todos que vimos serem executados no pátio da organização, não importa se eram agentes, culpados ou até mesmo faxineiros: não cumpriu suas tarefas, não é mais necessário.
       - Sendo assim eu vou, parece divertido! - Ele se levanta sorrindo aquele sorriso moldado  e me olhando como se me dissesse para não enrolar, ele parecia ser mais velho que nós, não sei dizer o quanto por seu ar infantil, mas era. Levantei e observei seu corpo, magro, com alguns músculos, alto e ombros largos, definitivamente atraente, mas por razões óbvias, como ele estar num tanque em cativeiro na Rússia, eu mantive distância, e mais ainda por meu sexto sentido apelidado gentilmente de "alarme de vai-dar-merda".


       Saímos da base pelos fundos, como agora descobriram que fomos nós, já que estamos com um garoto nada chamativo de branco..., Surpreendentemente Jin não atrapalhou, parecia que ninguém ia atrás dele, isso é bom? Depois dos exatos trinta minutos perdidos na nossa saída, um drone comandado pela organização despejou uma bomba na base inimiga, o que mais tarde seria encoberto na mídia como algum fumante que colocou fogo no local ou problemas de afiação... Não estávamos bem no centro de Moscou e sim próximo em uma área meio deserta e com a presença de um pequeno bosque no qual rapidamente entramos para evitar os satélites e a mira alheia. Depois de duas horas andando em meio as árvores minha adrenalina baixa e minha perna começa a dar sinais de desistência, merda.

Sinto o sangue invadir minha boca, seja o que for que aconteceu na minha perna foi bem merda, meus olhos pesam e sinto minha cabeça querer cair para o lado, meu corpo pesa, não consigo mais ficar em pé... Sinto parcialmente o chão coberto de pequenos galhos e folhas fofas e úmidas, estamos no inverno e na Rússia isso é ainda pior, a dor intensifica.


           - Você está bem? -  Ouço as palavras de forma engraçada e tudo se apaga...


       --   Narradora On  --

 


         09  encosta 06 em uma árvore e rasga a calça da garota desmaiada na altura do joelho aonde sofreu a lesão, era um corte bem profundo que havia amarrado meia boca com um pedaço de pano que a maior achou no caminho.
        - Isso está horrível. Vou ver a que distância estamos da cidade! - 06 afoba-se e corre com agilidade por entre as árvores na direção da cidade.  - Cuide dela. - ​O tom de voz foi claro o suficiente para Jin apenas balançar a cabeça.

Quando 06 já estava longe  Jin se abaixou e olhou atentamente a ferida de 09,  seus olhos mudaram de castanho escuro para dourados. Com o conhecimento que adquiriu ao longo da vida, ele sabia que ela havia perdido muito sangue, e pelo que ele conseguiu ver havia uma fissura na artéria, se ela sobrevivesse, ficaria sem andar..  

- Demora muito para te achar, e dessa vez foi especialmente difícil... Não deixarei você morrer aqui. Não aqui.

Em um movimento rápido, presas ​cresceram em sua boca, e delicadamente, tão suave quanto o deslizar da água de chuva em gotas brilhantes na superfície de uma flor, mordeu o próprio pulso arrancando sangue de si mesmo e encostou nos lábios da garota desacordada que já estava fria e com as funções vitais parando.

E em um reflexo rápido a boca da garota começou a se mexer contra o pulso do homem, como se ela soubesse o que fazer,  passadas suaves de lábios, sorvendo o sangue e aos poucos Jin afastou o pulso. Em questão de segundos não havia mais marcas de mordida no pulso alvo do maior e este para se limpar lambeu a extensão do próprio sangue de forma sexy, tentadora, a olhando fixamente.

Ele a pegou no colo sem nem arquear as costas mostrando uma força muito grande, e a passou para suas costas para ficar em posição de pigback, a garota já havia recobrado um pouco da consciência e como mágica o sangue já não escorria mais da sua ferida, seu corpo voltou a esquentar e ela não sentia mais o acolher silencioso da morte. 09 Volta correndo e um pouco mais ofegante com as bochechas tingidas de vermelho e fala:


                 - A cidade está a menos de 1 km, lá terá um carro a nossa espera, ele terá passaportes em brancos para criarmos novas identidades, seguiremos com o plano e levaremos Seokjin para a Suécia finalizar nossa última missão.
            
               Depois de alguns minutos de caminhada rápida chegaram nas bordas de Moscou, lá 09 se dirigiu para um carro azul com vidros escuros, um carro luxuoso que ao mesmo tempo passaria despercebido, entraram nele e lá havia armas, arquivos da  nova missão e roupas, estava frio,  e fugir com muitos casacos não era muito viável, portanto as garotas estavam com roupas finas que usavam na base russa e Seokjin não sentia o frio. Trocaram-se no carro mesmo, Jin no banco traseiro, 09 na direção e 09 na frente como passageira. 06 ajudou 09 a se vestir, essa estava fraca e ainda meio entorpecida. Como não eram  idiotas viram que havia roupas para ele, na mesma hora souberam: ele está envolvido com a organização.


        O trabalho não era recuperar uma arma e sim libertar ela, mais uma vez elas foram usadas. Assim que terminaram de se trocar 06 se virou para o banco traseiro e pegou, discretamente, a  filha de estimação de 09 - a faca de prata trabalhada- da cintura da garota meio desacordada e num piscar de olhos a menor a colocou no pescoço alvo.
          - Você trabalha com a organização. - Era uma afirmação - Está na hora de explicar algumas coisas Seokjin Kim.- Se olharam e ele sorriu da forma que ela considerava fofa antes, forma de gozação, como se fosse uma tola perante a ele.
        -  Primeiro dirija, temos um longo caminho até a Suécia, explicarei tudo, o que eu quiser, é claro.- Ela tira a faca do pescoço de Jin ainda descontente com a resposta.
       - Espera, vou dar pontos na perna de 06. - 09  oferece uma garrafa de Vodka para aliviar a dor, 06 apenas toma alguns goles meio inconsciente. Ela aperta os olhos quando retira  o concreto da ferida com o quite de primeiros socorros. Quando completamente desinfetado ela costura o local com um pouco de receio, nunca foi muito com sangue. Em seguida 06 lacrimejou com a agulha passando-a para fechar o local. Depois do sofrimento de onze pontos feitos em uma ferida porcamente suja, ela começa a dirigir, tem um longo caminho até a balsa para a Suécia. O que 09 estranhou foi que não sangrava mais e que os vasos rompidos estavam todos fechados...
       - Você sabe que deve explicações.. - 06 finalmente despertou, um pouco devido a dor. Ela não se lembrava do que ocorreu na floresta, mas algo mudou.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...