História Filha da Flor - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin
Tags Jimin
Exibições 44
Palavras 1.104
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Já temos uma vilã na história!
Espero que gostem.

Capítulo 3 - Morta


Fanfic / Fanfiction Filha da Flor - Capítulo 3 - Morta

"Ela parecia vestida em tudo para mim

 Constrangia-se através da minha vergonha

 Todo o tormento e toda dor 

Vazava por dentro e me cobria 

Eu faria qualquer coisa para tê-la para mim 

Só para te-la para mim".

 Rosa havia sido prometida como noiva a um grande coronel, era só isso que ela sabia, pois Akio não lhe revelou a identidade do seu futuro noivo. A sua vida agora baseava apenas em ser apresentada a sociedade e aprender as regras de como ser uma boa esposa.

 Regras da Noiva

 1. A mulher deveria ser sempre submissa a seu esposo e demonstrar-lhe sempre respeito.

 2. Deveria exercer todas as vontades e desejos de seu senhor. 

 3. Tinha como dever se manter virgem até o casamento e dar-lhe herdeiros.

 4. Nunca deveria levantar a voz ou desobecer o seu senhor. 

 5. A esposa deverias agradar seu senhor tanto fisicamente quanto emocionalmente.

 Todas essas regras não passavam de um absurdo para Rosa, seu sonho era se tornar uma escritora que defendia o direito das mulheres, sua grande inspiração era o escritor Eça de Queirós que fazia uma análise rigorosa da hipocrisia da sociedade. Ele a fazia querer sair dessa vida e fugir para bem longe. Seu pai era sua única razão para viver e se ele morresse, qual seria a razão de sua existência?

 Rosa sai de seus devaneios quando ouve três batidas em sua janela, chovia muito e era noite, mas ainda assim ela percebe a silhueta de um homem. Logo, a mesma abre a janela para acolher o desconhecido, mas não esperava que fosse um jovem com aparência delicada e com vestes sedosas.

 "Quem é você?". Pergunta curiosa mas fica sem obter respostas. "O que faz aqui no meio de uma tempestade, você vai pegar um resfriado!". Vai até seus armários e pega toalhas para enxugá-lo.

 "Então não está preocupada que tem um desconhecido no seu quarto no meio da noite e sim porquê eu vou pegar um resfriado? Me chamo Jimin e vim ver como é a minha noiva". Rosa congela com as últimas palavras de Park.

 "Sua noiva? Park Jimin?". A menina fica atordoada ao saber que casaria com ele. "Foi por isso que meu pai não me falou quem era". Ela entrega as toalhas a Jimin. "Eu me chamo Rosa". 

 "Bonito nome assim como a dona dele". Park se aproxima de Rosa, e acaricia sua bochecha. "Conte-me sua história, Rosa. Faça como se eu fosse seu melhor amigo". Jimin deita na cama e espera atenciosamente. Ela assente. 

 "Tenho 17 anos. Meu pai é japonês, naturalizado coreano, médico; ele se chama Akio, que significa filho do outono. Mamãe é brasileira, professora, se chama Maria. Somos três irmãs: eu, Hanako e Yoshiko".

 "Conte-me a personalidade de cada um de vocês e não pergunto mais nada". Park dizia rindo da timidez de Rosa. 

 "Eu sou tímida como pode perceber, gosto muito de ler, tenho meu mundo particular. Dizem que de vez em quando eu entro em meu próprio universo". Rosa acaba rindo encantando Jimin. "Hanako é alegre, brinca com todo mundo, todos gostavam dela, principalmente Jungkook, acho que por isso que se casaram. Agora, Yoshiko é a que fala mais". Park achava que ela tinha terminado de falar mas a mesma continua. "Nas últimas semanas, meu pai foi diagnosticado com uma doença degenerativa, o maior problema é na osteopatia, os ossos iram se esfarelar, diminuiram de tamanho, ele irá chegar ao ponto de não andar mais. O pulmão também será afetado e o coração crescerá muito. Então ele me pediu uma última coisa que foi esse casamento". A jovem já se encontrava longe de Park virada de costas.

 De repente ela sente braços rondarem sua cintura e a respiração de Jimin bater em seu pescoço. "Sinto muito". Rosa sorri com sua atitude e vira-se para ele. 

 "Suas roupas estão molhadas, deixe-me pegar outras secas". Rosa sai do quarto na ponta dos pés para não fazer barulho e Jimin gargalha disso. Ela logo volta com uma muda de roupas em mãos. "Acho que essa serve, é do meu pai". Rosa ia sair do quarto para deixa-lo mais a vontade, mas foi impedida.

 "Fique, só vire-se". Rosa obedece, mesmo com vergonha. "Pronto". Ela se vira mas Jimin ainda estava com a camisa aberta, mostrando seu abdômen, a mesma continua olhando até ter seu queixo levantado por Jimin que apenas sorria."Iremos nos casar daqui a duas semanas, então não precisa me olhar assim, logo me terá". 

 "Minha mãe não iria gostar se te encontrasse aqui, Jimin". O mesmo assente e se aproxima. 

 "Mas eu tinha que ver minha noiva para saber se ela tão bonita quanto falavam, sem contar não faço parte do time dos bonzinhos. Não vejo a hora de tê-la para mim. És tão linda".

 "Você também, Jimin". Rosa acaricia a face de Jimin que fecha os olhos instantaneamente e sente suas carícias. Ela enfim conseguiu arrancar um sorriso dele. Como não ficar completamente encantada por um sorriso tão espontâneo, puro e contagiante? 

 "Agora deixe-me cuidar de você ". Ele a puxa para a cama e deita delicadamente, põe sua cabeça em seu colo e acaricia seus cabelos, logo ela adormece como um anjo. Jimin adormece logo depois.

 Seoul 

 Yang Mi rondava a fazenda Park em busca de Jimin que desde de então não havia a procurado mais. Acaba achando uma de suas bás. "Aonde o Sr. Park está, bá? " 

 "Não sei, sinhar. O senhorzinho saiu daqui quando o sol se pôs". A bá já se encontrava com medo de Yang Mi que a olhava furiosa. 

 "Eu sei que está me escondendo alguma coisa, desembuche! ". Ela já gritava. "Parece que o senhorzinho vai se casar novamente". Yang a solta e joga no chão.

 "Como é? Aquele bastardo vai se casar de novo? Sua idiota! Por quê não me disse antes? É pra isso que eu te pago, infeliz!". Ela arrasta a mucama pelos cabelos levando até um dos capitães. "Acho que 20 chicotadas te faram aprender a me obedecer?" Yang Mi ria do desespero da mucama. O capitão a pega e amarra seus braços no tronco, dando inicio as chicotadas. Na vigésima, a mucama já havia desmaiado e sido levada pelas outras para dentro da fazenda. Aquilo não tinha acalmado Yang Mi, só a enfurecia ainda mais. "Então, aquele bastardinho acha mesmo que pode me descartar, seja quem for que tentar tirá-lo de mim, considere-se morta!"  

"Ela é tudo para mim 

Um sonho pertubador

 Uma canção que ninguém canta 

A incapacidade 

Ela é um mito que eu tenho que acreditar

 Tudo o que eu preciso para fazer isso real é mais uma razão". 

~Slipknot (Vermillion)


Notas Finais


Consegui escrever mais de mil palavras dessa vez.
Continuarei logo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...