História Filha da Máfia (Hot Lésbico) - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Máfia, Romance, Serial Killer, Sexo Lésbico, Violência Psicológica
Exibições 21
Palavras 1.304
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Saga, Survival, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Salve, salve
Tudo okay?
Só de boa?
:v

Capítulo 16 - Você tem um tempo?


Fanfic / Fanfiction Filha da Máfia (Hot Lésbico) - Capítulo 16 - Você tem um tempo?

Lua P.O.V

 

Dirijo o Audi R8 pela rodovia em direção a cidade, porém sem ideia de para onde ir, só preciso sentir o vento em meus cabelos e tentar esquecer da metade dos meus problemas.

 

E isso inclui ignorar o fato de que Alice dormiu no quarto do Tommy, em outras palavras, Alice dormiu com Tommy e esse é o menor dos meus problemas comparado aos da noite anterior onde quase morri.

 

Hoje o dia vai ser longo principalmente por ter que cumprir uma agenda da qual eu não gosto, isso inclui dar entrevista aqueles urubus e comparecer ao distrito de policia para que o detetive cara de bunda.

 

Sabe aqueles dias bosta? Aqueles que você não sente a mínima vontade de levantar da cama, por conta da volta de uma ex-namorada psicótica e sua consciência pesando por uma série de coisas?

 

No rádio toca Wonderwall do Oasis, ainda me lembrando dos meus outros problemas com Elisa que envolvem um otário chamado Sebastian, estaciona para comprar rosquinhas então coloco os óculos escuros.

 

Me telefone toca no bolso da minha jaqueta, mas tento ignorar imaginando que pode ser Tommy, ou Alice, ou até mesmo Megan. Seja lá quem for é bem persistente então sem olhar quem é levo a mão ao bolso e logo atendo me preparando para esbravejar alguma coisa.

 

--Lua... - diz a voz que bem conheço, ainda bocejando do outro lado da linha.

 

--Elisa? - pergunto surpresa ao ouvir sua voz do outro lado da linha.

 

--Você tem um tempo?

 

[****]

 

Toco a campainha da casa de Elisa e aguardo por alguns segundos, logo ela abre a porta ainda de camisola. Uma camisola preta fina e na altura das coxas, entrei e pude sentir o abraço apertado de Elisa que me causou um pouco de dor por conta das costelas trincadas.

 

--Fiquei preocupada com você. - diz ainda abraçada ao meu peito.

 

--Só estou um pouco quebrada, mas da pro gasto.

 

--Seu rosto...

 

--Depois de algumas micro cirurgias plasticas vai ficar novo em folha. - digo rindo e me aproximando para um selinho.

 

Sento no sofá puxando Elisa para sentar no meu colo, fito aqueles olhos, aqueles lábios que tanto amo, levo minha mão para sua nuca e a puxo para mais perto. Logo os lábios de Elisa estão nos meus e eu finalmente posso esquecer que tenho problemas e uma vida vazia.

 

Um beijo doce e calmo, só com as mãos de Elisa deslizando pelo contorno do meu queixo. Por mais que eu quisesse prolongar esse momento, Elisa pediu que eu viesse aqui por algum motivo não demora muito para que eu me afaste.

 

--O que foi? Não vai querer mais? - pergunta me dando um selinho e por fim morde meu lábio inferior.

 

Elisa se levanta e me segurando pela mão me puxa para cozinha junto com ela, ela pega um copo de suco e me oferece mas recuso havia parado para comer umas rosquinhas no Rand.

 

--Por que me chamou aqui? - pergunto levantando seu queixo lhe dando um beijo em seu pescoço.

 

Elisa sorri me puxando para mais um daqueles beijos, ela leva suas mãos para minha nuca parando em meus cabelos coloco Elisa sentada na bancada de mármore da cozinha sem parar de beijá-la, puxa minha cintura com as pernas.

 

Logo Elisa me empurrou para trás e eu dei impulso para que ela pulasse em meu colo, apertei sua bunda aproveitando o contato dela com meu abdomen. Já nem me importava se isso podia arrebentar os pontos ou não foda-se o resto.

 

--Me leva pra cama. - é o único momento que seus lábios se desgrudam dos meus. --Agora!

 

--Seu pedido é uma ordem. - digo rindo.

 

Elisa já está nua deitada e com um sorriso debochado nos lábios, abro as pernas de Elisa então deslizo a língua pelo interior de sua coxa e vou subindo até alcançar sua intimidade ela solta um gemido baixo no momento em que minha língua toca seu clitoris me arrancando uma boa risada.

 

[****]

 

Enquanto brinco com os cabelos de Elisa ela continua quieta com a cabeça em meu peito, apenas arranhando minha camiseta preta e então se aconchega para mais perto. Elisa apenas vestiu a camisola de um jeito qualquer.

 

--Quem foi? Foi ele não foi? - pergunta meio cabisbaixa.

 

--Não, não foi. - dou um selinho em seus lábios macios com gosto de brilho labial. --Foi a Dasha.

 

--Oii?! - pergunta confusa então levanta do meu colo.

 

--Elisa, eu posso explicar. - digo a puxando pela cintura.

 

--Explica. - diz séria.

 

--Vou te explicar durante um jantar. - dou um beijo em seu pescoço. --O que me diz?

 

--Parece uma boa ideia. - responde ainda meio cabisbaixa.

 

Meu telefone toca, e eu acabo esquecendo da merda da agenda de hoje. Visto a calça jeans as pressas e calço os coturnos e logo pego a jaqueta junto das chaves do Audi R8, ao menos isso a fez dar um sorriso, aquele sorriso perfeito.

 

--Te pego às oito. - digo dando um beijo em sua testa.

 

[****]

 

Me telefone toca novamente então atendo, pra ver se para a encheção de saco. Baixo o volume do rádio enquanto toca Diamonds.

 

Ligação on:

 

--Alô? - digo enquanto reduzo a velocidade por conta da capota aberta.

 

--Lua, quanto tempo. - diz a mulher do outro lado que logo presumo ser uma velha amiga. --Sou eu, Amélie Vianna.

 

--Quanto tempo? - dou uma risada então prossigo a conversa. --Então, o que aconteceu para ter esse privilegio de uma ligação sua?

 

 

>>FLASHBACK<<

 

BERNA, CAPITAL DA SUÍÇA

 

Em um escritório, especificamente um escritório de uma fábrica de lapidação de diamantes. Frente ao Teatro  Narrenpack de Berna. Uma mulher de meia idade, com cabelos negros presos em um penteado, um coque; fita a cidade, ela ajeita o vestido claro, e caminha pela sala.

 

Amélie foi quem me colocou e orientou quando o assunto se trata de diamantes, depois do meu pai me deixar uma caixa com várias coisas incluindo o endereço de seu escritório na Suíça e algumas pedras vindas de um garimpo no Brasil.

 

O único som que se ouve, é o contado de seus sapatos de salto tocando o chão. Os móveis que decoram o ambiente são de madeira trabalhada, Amélie arruma o casaquinho escuro e senta atrás de sua mesa dando início a sua leitura dos relatórios de lucros, aproveitando para servir-se de uma boa dose de conhaque.

 

--Amélie, quanto tempo? - pergunto rindo e fechando a porta atrás de mim.

 

--Tem razão. - Amélie me da um abraço e pede para que eu sente. --Nem parece a menina que entrou aqui há meses.

 

--Dessa vez venho como cliente. - digo me servindo de uma boa dose de conhaque.

 

--Hum, então o que posso fazer por você? - pergunta cruzando as mãos e rindo.

 

--Quero encomendar o colar mais bonito, é um presente...

 

--Para a noiva do seu irmão. - sorri e pega uma caixa no cofre próximo da estante de livros.

 

Amélie volta com uma caixa preta e abre mostrando o forro vermelho da caixa e no centro a gargantilha cravejada de diamantes, isso seria perfeito para o aniversário de Elisa.

 

--Tomei a liberdade e pedi para uma grande amigo, um dos maiores lapidadores de Bruxelas trabalharem na peça. - entrega a caixa em minhas mãos, realmente esta é uma peça absurdamente linda. --Pegue! É um presente meu para que você entregue a sua amada.

 

--Eu não posso aceitar Amélie. - digo fitando seus olhos.

 

--Seu pai me deu uma como esta no auge de nossa juventude. - diz como se estivesse perdida, imersa em outro tempo.

 

--Obrigada!

 

>>FLASHBACK OVER<<

 

--Quero venha a inauguração de uma joalheria de meu filho, é em Southampton. - faz uma pausa breve. --O que me diz?

 

--Posso ir acompanhada? - pergunto rindo e logicamente levar Elisa junto comigo.


Notas Finais


Se já sabe :v
Tamo junto :v
Falow :3
É nois
Ces são minha força, vamo lá


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...