História Filha da Máfia (Hot Lésbico) - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Máfia, Romance, Serial Killer, Sexo Lésbico, Violência Psicológica
Exibições 21
Palavras 1.609
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Saga, Survival, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Salve pessoinhas :v

Capítulo 22 - EU TENHO NOJO DE VOCÊ!


Elisa P.O.V

 

Estou até o pescoço com processos e outros assuntos da promotoria, sem falar que eu tenho que encontrar Sebastian com um grande sorriso feliz no rosto fingindo estar contente com a chegada dele.

Graças ao céus já é fim do expediente e já posso ir pra casa encontrar com meu amado marido, e tentar esquecer que sou uma advogada de vinte e cinco anos tendo um caso com uma garota de dezessete.

Me odeio por ter que olhar nos olhos daquele cara e ter que contar algumas mentiras, mentido pra que ele não machuque Lua, não suporto ter que dizer que ele ainda é o amor da minha vida, ou que sempre penso nele ao acordar... Infelizmente ele não faz parte dessas duas coisas e o que me resta é um bando de mentiras para deixá-lo iludido.

Quando caio em mim percebo a grande merda que eu estou fazendo ao me deixar envolver, afinal quando o amor invade é sempre natural. Um click no peito fora do normal e a única coisa que eu posso fazer é me deixar envolver por aqueles olhos e corpo. Nunca pensei que pudesse sentir tanto prazer como eu sinto por ela, sempre a vi como irmã caçula e não com alguém que eu viria a ir pra cama.

Nos últimos dias dormi nos braços de Lua que finalmente conseguiu me seduzir, ela é capaz de me fazer largar tudo e ir correndo para vê-la. A noite passada me faz desejar que essa noite seja com ela, mas ainda tenho que ouvir Sebastian encher meus ouvidos reclamando do fato que aceitei a proposta de Lua para ser sua advogada.

 

Estaciono o BMW na garagem de nosso apartamento e me encaminho para o elevador apagando todas as ligações que fiz para Lua na última semana, então as portas se abrem então dou de cara com Sebastian parado na porta com um enorme sorriso.

 

--Estava ligando pra alguém, amor? - pergunto rindo e me levando para dentro.

 

--Queria saber se já tinha chegado. - deixo a bolsa no sofá junto com o sobretudo.

 

Sebastian me puxa para um beijo que antes era o melhor gosto que eu podia sentir em minha boca, mas agora queria que fosse Lua me pegando forte como geralmente faz e me beija com paixão. Acho que Sebastian ainda não percebeu que meu amor por ele se acabou e que está na hora dele seguir outro caminho e me deixar seguir o meu.

 

--Algum problema? - pergunta desconfiado, ciúme possessivo é a marca do Sebastian.

 

--Eu amo você! - digo o mais falso possível e não sou capaz de amá-lo novamente, meu amor por ele se acabou ou na verdade nunca tenha sido amor.

 

No inicio do nosso casamento ele tentou marcar meus passos, grampeou meu telefone e uma série de outras coisas. Segundo ele sou dele e de mais ninguém e nenhuma outra pessoa pode "usufruir" do meu corpo a não ser ele, nos últimos tempos nosso casamento é um casamento de faixada desde que ele mudou, só divido a cama com ele para proteger pessoas importantes de seus ataques de fúria ou de sua infantilidade.

Prefiro não imaginar o que aconteceria se ele me visse feliz ao lado de Lua como eu nunca fui com ele e eu definitivamente nunca o amei e agora é mais improvável de que isso aconteça.

 

--Estava com saudade. - empurro ele no sofá tirando sua camisa.

 

--Eu amo você e estava louco de saudade. - beija o meu pescoço enquanto eu fingo gemidos. --Dos seus beijos... do seu corpo...

 

Antes de Sebastian se tornar um louco possessivo e na época em que ele talvez me amou, fazíamos sexo todas as noites que duravam quase uma noite. E agora que finalmente estou me deixando me levar por essa paixão, não tenho um pingo de vontade de transar com Sebastian, logo agora depois de uma noite incrível com Lua.

 

Sebastian toca meu corpo com desejo me arrancando gemidos fingidos, eu preciso fingir que o desejo e agora me beija com uma intensidade me deixando nua sob seu corpo. Não sinto prazer algum ao sentir seus toques, seus lábios chupando meu pescoço me fazendo desejar que fosse Lua ali comigo.

Logo Sebastian termina de se despir para me penetrar, sinto nojo de mim e incansavelmente  peço para que isso termine logo, afinal eu não o amo e é com ele que eu estou. Me viro na cama fingindo estar dormindo mais ele ainda me puxa pra junto de seu corpo me fazendo caricias, beijando meu pescoço.

É impressionante como os efeitos do meu romance vivido com Lua me dominam completamente, não adianta tentar esquecer aquela mulher. Me lembro do gosto de seu beijo, não sei mais o que fazer com relação aos meus sentimentos.

 

Lua P.O.V

 

Me sento no alto de uma das dezenas espalhadas pela Cidade do Vaticano, me sento para fitar a Lua e tentar não imaginar Elisa nos braços daquele brutamontes nojento do Sebastian, olhando para o céu também relembro do que Bertolazzo disse sobre meu pai.

 

Será que realmente ele armou aquele acidente? Então minha salvação tão milagrosa não foi um milagre e sim uma armação muito da bem feita?

 

Encosto minha cabeça num dos pilares fitando a praça iluminada com algumas pessoas passeando então as ruas sinuosas apinhadas de gente e carros, não posso cair em uma mentira de Bertolazzo.

 

Abro o zíper de minha jaqueta sentindo o vento bagunçando meus cabelos me deixando mais inquieta do que de costume, preciso também contar para Alice que meu pai não morreu por conta da explosão e sim por conta de um tiro na boca.

Eu ainda tenho muito o que fazer, foi pra isso que eu tive aqueles anos de exílio e quando a noticia da minha volta se espalhou eles deviam ter se preparado para mudança que viria, aqueles idiotas encontraram alguém que se atrevesse e se arriscasse. Já não adianta correr pra se esconder, já escolhi meu caminho e tenho minha meta: vingança.

 

E mais uma vez meu passado está de volta de um jeito exterminador...

 

Alice P.O.V

 

Tommy está nervoso desde que Lua saiu transtornado sem ao menos dizer o que tinha acontecido, quem era o cara e de que diabos de filme ele saiu?

 

Entro no quarto de Lua fechando a porta atrás de mim, fazia muito tempo desde que eu estivera aqui jogando video-game com ela. Não mudou nada pelo menos...

 

O gosto peculiar por cores escuras continua assim como para a decoração, ela é muito sombria pra alguém tão jovem e esconde coisas demais pro meu gosto.

Me aproximo da mesa de estudo e vejo dois porta retratos um que tiramos há um ano e outro é de Lua e Eithor, ao que parece o jeito cínico sempre foi sua marca.

 

--O que aconteceu com você?

 

Me sento em sua cadeira de couro, me fazendo refletir sobre certas coisas. Uma delas é como essas coisas vem acontecendo com essa frequência maravilhosa, não cheira algo bom. Lua não é de falar sobre sua vida e seus segredos já me fizeram ir embora uma vez e não vai demorar para que eu vá definitivamente, cansei dessa obscuridade.

 

Abro a gaveta de sua mesa dando de cara com um caderno de capa de couro, se eu ler vou acabar invadindo sua privacidade mas se eu não ler não vou descobrir a verdade ou quase...

 

--Sebastian Mitchell, Filippo Bertolazzo, Mark O'Hell...

 

Droga! É uma lista e alguns nomes são de homens que estão comendo capim pela raiz...

 

Elisa P.O.V

 

Depois de uma longa ducha quente imaginando por onde Lua Bittencourt foi em mais algum de seus sumidos descabidos, me visto para tomar café da manhã com meu amado marido Sebastian, que me encara por alguns instantes. Dou um gole no café sob o olhar assustador de Sebastian me fazendo nem querer saber o que se passa na cabeça daquele homem.

 

--Então, quando pretendia me contar? - pergunta e logo da um gole no suco.

 

--Contar o que?

 

--Que se tornou advogada dela? - entrelaça os dedos os dedos e me fita com sua cara de quem comeu e não gostou.

 

--É o meu trabalho, não sei ainda se lembra, mas, sou advogada. - dou outro gole no café olhando para meu celular respondendo alguns e-mails 

 

Sebastian se levanta da mesa e com sua força descomunal vira a mesa me assustando, então me levanto sentindo minhas pernas bambas. Quem ele pensa que é? Seus rosto é um misto de fúria e rancor, seus músculos estão aparentes na camisa social branca.

 

--Ficou doido? - pergunto quase gritando.

 

Sinto meu rosto girar deixando meus cabelos caídos em meu rosto, seus dedos encostando em minha pele a deixando vermelha e ardida graças ao tapa desferido por ele, ele respira fundo e eu? Avanço contra ele, Sebastian não pode fazer isso... Agatanho seu rosto mas logo ele segura minhas mãos me fitando nos olhos com ira!

 

--Você é minha mulher! - aperta mais os meus punhos. --VOCÊ PERTENCE À MIM!

 

--A MINHA VIDA NÃO PERTENCE À VOCÊ!! - grito batendo em seu peito e recebendo um empurrão me fazendo cair no chão. --O MEU AMOR POR VOCÊ A-C-A-B-O-U!

 

Me levanto passando a mão em meu rosto ainda o sentindo quente.

 

--O que você disse...? - ele ofega e passa as mãos pelos cabelos castanhos e com um empurrão caio no chão e Sebastian sai batendo a porta do apartamento, abraço meus joelhos desabando no choro! Eu o odeio com minhas forças e ele nunca mais vai voltar a tocar meu corpo!

 

--EU TENHO NOJO DE VOCÊ!! - grito o mais alto que eu posso!


Notas Finais


Elisa botou pra fora o que sentia :v
Ce já sabe né?! :v


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...