História Filha da Máfia (Hot Lésbico) - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Máfia, Romance, Sexo Lésbico
Exibições 15
Palavras 2.575
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Saga, Survival, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Salve soldiers
tudo certo?
''Missionários e missões suicidas
Crianças matando crianças inimigas
Generais de todas as nações
Fardas bonitas, condecorações
Documentam na nossa história
O seu rastro sujo de sangue e glória'' - Carta ao Missionários, Uns e Outros

Capítulo 24 - Medalha de Honra ao Mérito?


Fanfic / Fanfiction Filha da Máfia (Hot Lésbico) - Capítulo 24 - Medalha de Honra ao Mérito?

Lua P.O.V

 

>>FLASHBACK<<

 

Dentro do bote salva vidas Lua dorme no colo de Eithor que se recorda das palavras do copiloto, ao contrario do que deveria estar, Eithor Bittencourt não parece tão abalado com a morte dela.

 

A tempestade já se dissipa, sobre suas cabeças estão nuvens escuras e os primeiros raios de sol tentam aparecer, mas o clima frio castiga.

 

Eithor sacode Lua para que ela acorde do seu sono cansado, está na hora de Eithor apressar seus planos com relação a sua herdeira.

 

--Lua, pode fazer uma coisa? - sussurra no ouvido de Lua que ainda estão quase dormindo. --Me prometa que vai pra casa.

 

Eithor sacode Lua novamente tantando fazer ela ficar mais desperta, porém ainda de olhos fechados Eithor afasta a garota de seu corpo enquanto ela se ajeita no bote.

 

--Vá para casa! - pega a pistola que estava em sua cintura engatilhando-a. --Sobreviva por nós dois.

 

>>FLASHBACK OVER<<

 

Diferente do que as pessoas pensam, não existe um vigilante punindo os maldosos ou um Kira da vida real. Estou riscando nomes de covardes, que destruiram minha vida por dinheiro e poder.

 

Assim como a maioria dos ricos mimados, sempre tive tudo na palma de minha mão em menos de um segundo, também tenho fama, dinheiro, poder e mulheres também. Não ligava para o que as pessoas dizem de mim, tampouco me importava se meu dinheiro só servia para festas e diversões.

 

Mas meu pai sempre pensou diferente, ele acredita que eu seria o futuro de nossa família e que eu não era apenas alguém vazio e só me importava com o próprio umbigo.

 

Meu objetivo foi usar o que ele me deixou, terminar o que ele me deixou. Terminar de forjar à mim mesma em uma arma, tão letal quanto qualquer outra.

 

As pessoas me questionam sobre os últimos sete anos, mas se contar acabaria ferindo as pessoas mais próximas de mim e pra não fazer isso sou obrigada a mentir descaradamente e tentar manter a pose de garota rica e mimada.

 

Elisa P.O.V

 

O quarto está escuro ainda, por conta das cortinas fechadas. Tateando a cama logo percebo que estou sozinha na cama e nenhum sinal de Lua, depois de conferir o relógio vejo que são sete e meia da manhã.

 

Junto minhas roupas do chão vestindo-as, prendo os cabelos passando pela parede com os instrumentos musicais, pego o controle universal sobre a mesa de estudos para ligar a tv, mas ao contrário disso descubro mais...

 

O que parecia uma sólida parede agora se abre dando lugar um compartimento secreto com um uniforme do exercito, armas e outros aparatos.

 

Entro um pouco exitante no compartimento de paredes escuras com luzes de led encrustadas na mesma, no centro um uniforme de combate, me assusto ao olhá-lo de perto e constatar marcas de sangue.

 

No único quadro pendurado na parede uma Medalha de Honra ao Mérito do Exercito dos EUA.

 

--Todas as grandes coisas são simples. E muitas podem ser expressas numa só palavra: liberdade; justiça; honra; dever; piedade; esperança. 

 

Pisco tentando assimilar o que acabei de ver, como ela conseguiu aquela medalha ou melhor, o que são essas coisas? Como conseguiu esconder isso por tanto tempo? Como o exercito admitiu ela?

 

--Como entrou aqui? - meu coração dispara ao ouvir a voz vinda de trás de mim, a voz de Lua Medeiros Bittencourt.

 

Me viro lentamente para encarar aquele rosto que não passa de uma máscara!

 

--O que são essas coisas? - pergunto ao ver Lua toda suada de braços cruzados usando regata e calça preta.

 

--Responda minha pergunta! - se aproxima de mim enquanto recuo.

 

Lua mete a mão por dentro da regata retirando do pescoço uma corrente com duas plaquetas prateadas, já não tenho mais para onde ir ao ver Lua se aproximar mais ainda.

 

--Servi por dois anos. - diz pondo as plaquinhas em minha mão. --Pretendia te contar na hora certa.

 

--Quando? Quando eu descobrisse a verdade? - jogo as placas de identificação no chão, logo desferindo um tapa no rosto de Lua que volto o rosto para o lugar de antes. --Você é igual a ele! Você mente!

 

--Elisa, se acalma e me deixa te explicar! - insiste segurando meus punhos.

 

Seus olhos castanhos penetrantes percorrendo milimetricamente cada centimetro do meu rosto, sinto seu halito quente em meu rosto, sua pele suada em contato com a minha, sou incapaz de resistir as mãos de Lua me tocando tampouco ao seu pedido.

 

Seu segredos tem segredos o que a torna mais atrativa, me deixando mais apaixonada por ela... Irrevogavelmente apaixonada por ela!

 

Seus lábios encostam nos meus lentamente, meus pulsos são soltos mas logo vão em direção ao pescoço de Lua. Nossos lábios se movem em perfeita simetria, ela não desceu suas mãos para além de minha cintura.

 

Seu cheiro é um misto de suor e álcool, seus lábios estão macios como sempre só de fato tive certeza absoluta de que ela havia bebido um pouco.

 

[****]

 

Cubro meus seios com as cobertas pretas apoiando meu rosto no peito de Lua coberta pela regata preta, agarro seu peito me lembrando de que segundos atrás estavamos fazendo amor e agora vamos voltar aquele assunto...

 

--Explica... - sussurro.

 

--Há dois anos, tive um problema. - seu olhar parece perdido e distante, como se estive em um mundo em que eu não posso entrar. --Achei que tinha perdido Alice...

 

Suas palavras aumentam meu nervosismo.

 

--Eu havia invadido os servidores do Pentágono, - sorri ainda com o olhar distante. --então descobri mais de duas mil páginas sobre mim.

 

--Páginas?

 

--Dados e mais dados, desde minhas notas do Colegial ao meu desempenho nos esportes em que pratico. - viro seu rosto para mim tocando seu queixo com o indicador.

 

Ela só quer viajar, ela só quer viajar

Da night pra praia, da praia pra casa, da casa pro lar

No drop alucinante constante da onda eterna

Quem reina é ela no reino do mar

 

Lua sorri para mim então me beija calmamente entre os lábios sendo capaz de me arrancar um suspiro profundo, agarro sua cintura a puxando para cima de mim.

 

--Agora não, anjo. - me beija no rosto.

 

--Mas eu quero você, por horas. - dou um sorriso a puxando para mais um beijo.

 

Lua se ajeita sobre mim, abraço sua cintura com as pernas roçando minha intimidade em seu abdomem definido arrancando-lhe um gemido rouco, Lua pede passagem com a língua, aquela língua devia ter a droga de um aviso de perigo.

 

Seus lábios percorrem meu pescoço onde são distribuindo beijo doces que logo dão vez a chupões e mordidas me arrancando gemidos consideravelmente altos.

A gata arrisca e dropa

Linda, louca e mimada

Bendito seja o homem que possa conquistá-la

Quem tem ''nine nine percent'', é quente, tem que vê de perto

 

Tenho um orgasmo só do movimento de vai e vem que fiz em seu abdomem, Lua desce sua mão até minha vagina penetrando dois dedos e me beijando para abafar nossos gemidos.

 

Inverto nossas posições ficando por cima de Lua arrancando sua blusa umidecendo seu seio enquanto massageio o outro.

 

--Quero experimentar algo. - morde meu queixo. --Fique de joelhos...

 

Obedeço Lua que me venda usando uma gravata preta pra variar, me lembrando um pouco do Gray. Minhas pernas são abertas fazendo meu coração acelerar, Lua está com o rosto entre minhas pernas me fazendo um belo oral, timidamente rebolo em seu rosto.

 

Posso sentir o Halls na ponta da língua de Lua deslizando para trás e para frente me causando uma sensação indescritivel, como uma pastilha pode fazer isso?

 

Meu segundo orgasmo se aproxima a medida que Lua beija meu clitoris vez puxando com os dentes ou forçando meu corpo contra seu rosto, não aguento e me derramo na boca de Lua.

 

Ela é doce, sal, bala

Em balada ela dança, uma criança na madrugada

Sua maquiagem, suas tatuagens

São proteção, chamam atenção que seu pai não pode dá-la

 

[****]

 

Lua dorme de bruços ao meu lado em plena dez da manhã, escuto batidas na porta porém não respondo apenas me agarro nas costas de Lua e observo as cicatrizes similares as de açoite.

 

--O que aconteceu com você? - sussurro.

 

Me levanta para tomar um banho de piscina, pego um biquíni branco e toalha de banho. Lua provavelmente não vai continuar dormindo, preciso relaxar afinal agora descobri uma parte dos mistérios de Lua Bittencourt, a garota misteriosa.

 

Um mergulho pode me ajudar a relaxar e ignorar a situação atual, já fui muito magoada e querendo ou não quando mais jovem Lua me magoou quando mentiu com relação aos sentimentos por mim e deveras mentiras.

 

Deixo minhas coisas na espreguiçadeira e dou um mergulho na tentativa de assimilar os fatos. Não vou mentir que estou chateada principalmente por ela colecionar segredos e um deles foi o que eu descobri e por mais que eu me chateie não posso resistir a sua pegada ou aos seus beijos.

 

Olha dentro dos meus olhos, joga o cabelo

Bota o óculos fica ainda mais charmosa

No caminho de volta pra casa

Tira a make, vai pra praia, joga altinha

Bebe água tem uma vida agitada mas a pele bem tratada

 

Onde eu imaginei que o amor infantil que sentia por ela fosse transformar em outra coisa, fosse se transmutar para outro tipo de coisa, um amor carnal e passional. Algo que é capaz de me fazer perder a cabeça assim como minha noção do perigo.

 

A gata arrisca e dropa

Linda, louca e mimada

Bendito seja o homem que possa conquistá-la

Quem tem ''nine nine percent'', é quente, tem que ver de perto

 

Há três anos eu me casei com o cara que parecia o homem da minha, com um cara que era carinhoso e tinha uma garota louca por mim, escolhi ficar com o cara errado.

 

De um tempo para cá, ele mudou da água para o vinho tal como nosso casamento que eu chamo de ''casamento de faixada''.

 

Não imaginei que em três após me casar acabaria traindo Sebastian, me apaixonando por Lua em uma curta estadia na casa dela, nadando em sua piscina sob o sol da California.

 

Volto a superficie ao ver Lua de pé na borda piscina, usando os óculos escuros e apesar do blazer e camisa social, a calça jeans e o velho all star continuam. Subo a escadinha da piscina tirando o excesso de água dos cabelos e rosto para ir ao seu encontro.

 

Como pode ser... Tão gata 

E ao mesmo tempo tão louca

O homem que já teve sua companhia jamais se satisfaz com outra

 

Mesmo comigo molhada Lua segura meu rosto me beijando lentamente, me fazendo desfrutar de seus lábios macios e sua língua áspera e quente. Sou capaz de ficar molhada apenas por sentir as mãos de Lua em minha pele.

 

--Como pode ser tão gata? - pergunta rindo e se afastando um pouco.

 

--Não sei, - dou uma risada e me enrolo na toalha. --mas não vou discordar de você.

 

--O que tem de linda tem de convencida, - me da um selinho e consultando a hora em seu relógio. --estou atrasa.

 

--Onde você vai? - pergunto enrolando meus cabelos em um coque.

 

--Tenho que terminar uns assuntos com Alice.

 

Me aproximo de Lua a puxando pela gola da camisa social preta trazendo seus lábios para os meus, peço passagem com a língua e desço a mão para seu sexo a tocando por cima da calça jeans.

 

Pego a mão de Lua e a coloco em meu sexo, usando a mesma para me masturbar. Só posso estar ficando maluca de fazer isso num lugar onde podem nos ver, solto sua mão mas Lua continua me masturbando sem parar de me beijar.

 

--Assim vai me dar vontade de voltar pro quarto. - desgruda os lábios dos meus para tomar folego.

 

--Como quiser. - volto a beijá-la gemendo em seu ouvido.

 

Não quero que Lua saia de perto de mim para encontrar com Alice, não quero que ela saia de perto de mim para encontrar outra mulher, principalmente se essa mulher for Alice que se faz de criatura frágil pra chamar atenção de Lua.

 

Troca de roupa mil vezes até decidir a melhor

Já foi muito magoada, por isso magoa sem dó

Pra ter sua companhia só se ela simpatizar

 

--Eu tenho que ir.- se afasta e pega minha mão deixando na mesma as chaves de um Maserati. --É um presentinho meu pra você.

 

Lua me da um beijo na testa caminhando em direção a saída, é melhor subir para o quarto e me arrumar pois já são quase meio-dia.

 

Tomo uma ducha quente, mas o que está me intrigando é o que Lua tem pra conversar com Alice? Me enrolo na toalha e vou para o quarto me vestir, passo hidratante imaginando as mãos de Lua me tocando no lugar das minhas.

 

Então visto um vestido de moletom vermelho com mangas compridas e bem justo que adere ao desenho do meu corpo, aproveito para trabalhar um pouco mesmo que isso signifique quebrar a promessa que fiz a Lua de não trabalharia.

 

Sento na mesa de estudos aproveitando para voltar a tomar conta do caso de Jason De Burgh, o senhor De Burgh está sendo acusado de lavagem de dinheiro e extorsão, só aceitei o caso porque De Burgh é amigo pessoal de Sebastian e ele insistiu.

 

Bato a caneta no lábio interior enquanto leio ao caso e pensando como atuar de maneira eficaz no defesa de meu cliente.

 

Tem seu carro, tem sua casa, seu dinheiro pra pagar

Tem uma frase que repete segue que a faz flutuar

"Não importa onde estamos nossa mente é nosso lar"

 

Ouço batidas na porta então peço que entre, nossa já esta sentindo-se a dona da casa Elisa? Balanço a cabeça em negativa após imaginar a cena.

 

--Sra. Mitchell, a srta. Bittencourt pediu para que eu lhe entregasse isso. - diz Megan estendendo o caixa preta quadrado para mim junto de um envelope retangular vermelho.

 

Abro a caixa vendo o colar na caixa de forro vermelho, como ela pode ter tanto bom gosto? No envelope um cartão de credito e um bilhete.

 

''Quero você deslumbrante ao meu lado hoje. - com amor Lua.''

 

Sem duvidas meu sorriso é enorme com certeza...

 

Ela só quer viajar, ela só quer viajar

Da night pra praia, da praia pra casa, da casa pro lar

No drop alucinante constante da onda eterna

Quem reina é ela no reino do mar

 

Ela só quer viajar, ela só quer viajar

Ela só quer viajar daqui pra qualquer lugar

 

E ela escapa de cada furada

E ela chega a hora que ela quer

Tudo brilha onde ela passa

Ela sai a hora que ela quer

Essa mina

 

É um vaso de cristal com flores mortas

Um drink forte em uma boate qualquer

Sua vontade incontrolável lhe fecha e abre portas

Ela chega e sai a hora que ela quer

O seu batom mata mais que uma pistola

 

Inspirada em "Natasha" do Capital

Pistoleira de antigos carnavais e coisa e tal

Todos os homens tão afim de algo a mais no final

Com 17 anos e fugiu de casa, mas já conhece incontáveis canções

Ela tem alma de pipa avoada

Mas na sua estante imaginária coleciona corações

 

Ela só quer viajar, ela só quer viajar

Quem reina é ela no reino do mar

Ela só quer viajar, ela só quer viajar

Ela só quer viajar daqui pra qualquer lugar


Notas Finais


Se você gostou deixa um favorito e aquele comentário
Tamo junto
Falow
:3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...