História Filha do Arcanjo - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gigi Hadid, Justin Bieber
Personagens Gigi Hadid, Justin Bieber
Tags Amor, Anjos, Demonios, Drama, Fantasia, Romance, Violencia
Visualizações 11
Palavras 1.163
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Ficção, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 18 - Capítulo 17


JULIE

- EU MATO AQUELE DESGRAÇADO!- Meu grito ecoou pela igreja fazendo um eco enorme.

- Calma Ju, não podíamos contra todos. Você terá uma chance melhor de matar ele quando ele estiver sozinho.- Disse Daryl se sentando em um dos bancos.

- Eu ia matar ele hoje, mas ele tinha que dominar a porcaria dos quatro elementos né? Por que caralhos ele domina os elementos?! Você disse que ele era um Querubim, não um Ishin!

- Justin é um pouco dos dois, não entra em nenhuma casta por isso... Eu era um Querubim... Mas nunca frequentei o céu por causa do meu pai.

- Falando em Lúcifer, estamos nessa igreja dedicada à ele faz horas e nada de ele dar sinal de existência.- Revirei os olhos.

- Falando de mim minha querida?

Lúcifer deu o ar de sua graça e me deu um sorriso lindo, esse meu sogro é um pecado, literalmente.

- Sim, você demorou.

- Estava me certificando de que alguns contratos estavam sendo selados de forma correta. E quanto a igreja? Há que horas será o culto hoje?

Daryl tomou a frente.

- Às 19:00, mas eles não sabem que estarão adorando você, esse negócio de diabo ainda não soa bem por aqui.

- Nunca soou não é? E ainda existem aqueles que me adoram. Mas eles não bastam, eu preciso de mais. Se eu quiser matar o Miguel preciso ser mais forte que ele. Ele não precisa de fé para ser forte, ele é o braço direito do pai.

- Quer dizer que o poder dele emana de Deus?

Perguntei já bolando um plano.

- Não exatamente. Nós temos nossos próprios dons, mas a fé ajuda com que esses dons fiquem mais fortes. Os de Miguel, ficam mais fortes com a confiança de Deus nele.

- Resumindo : Vai ser muito fodido matar ele.- Disse Daryl e abriu uma latinha de Coca-Cola.

- E se fizermos Deus perder a confiança nele?

Lúcifer e Daryl olharam para mim, fixamente. Continuei.

- Se Miguel começar a falhar, Deus pode perder a confiança nele.

- Miguel já falhou algumas vezes, isso não fez com que Deus perdesse a confiança nele, pelo contrário, nem abalou o elo que eles tem.

Lúcifer disse e suspirou. Eu me levantei.

- Bom. Precisamos bolar um plano para acabar com eles.

- Esperamos o Justin ficar sozinho e o capturamos. Matamos ele e seguimos tranquilamente, sem precisar nos preocupar com o Arcanjo e seu rabo de saia, Castiel.

- O que quer dizer com isso Daryl?

- Ora, os anjos tem um plano para salvar essa tigela de larvas, assim que o primeiro escolhido for encontrado e levado até os Arcanjos, os outros começarão a se revelar e serão a geração pura da nova terra. Justin é o primeiro escolhido, se eliminarmos ele o plano dos anjos irá falhar.

- Faz sentido, Daryl. Bom, bolamos uma estratégia amanhã. Vou tomar um banho.

Lúcifer disse algo sobre ir cuidar de alguns rituais à ele, Daryl e eu fomos para casa e ele jogou no sofá para comer.

Caminhei até o banheiro e abri as asas, tão negras quanto a noite, porém imundas! Sair daquela porcaria de refrigerante congelado deixou elas com algumas manchas marrons. Maldito seja aquele cara.

Liguei o chuveiro e deixei a água escorrer pelo meu corpo.

Sinceramente nunca vi objetivo em proteger meros vermes. Não entendo essa fascinação do grupinho celestial com os humanos. São seres tão desprezíveis! Nojentos! Eles matam por poder, ou até por uma migalha de pão. Qual a graça em defender criaturas assim? Ai, por favor! Que coisa mais sem graça.

Legal mesmo é insentivá-los à cometer atos ilícitos, barbaridades e coisas assim.

Venho acompanhando o progresso deles com as trevas, eles levam jeito para a coisa! Cobaias perfeitas para irritar o céu e trazer a nossa vingança acompanhada da vitória que esperamos por séculos.

- Você fica ainda mais gostosa e sensual com as asas de fora.- a voz maliciosa de Daryl soou atrás de mim e em segundos eu estava presa contra a parede e gemendo enquanto ele me penetrava com força e rapidez. Ele é sempre tão selvagem! Adoro isso.

...

Depois da transa maravilhosa na ducha, eu terminei de me levar e me joguei na cama cansada. Daryl saiu para ajudar o pai, e eu teria que... Que ficar sem fazer nada.

Enquanto eles se divertem, vou aproveitar para dormir por horas e... Ai! Que fincada foi essa? Já senti isso antes.

Me sentei e abri as asas, olhei por cima do ombro mas não vi nada, então, me levantei e fui até o espelho. Estiquei minhas asas e meu coração subiu para a boca. Minhas penas estão caindo aos poucos, isso começou quando transei com o Daryl pela primeira vez. A cada transa, duas ou três penas caem, eu não devia ligar muito para as asas, mas eu tenho um elo com elas que não sei explicar. Elas me trazem... Uma sensação diferente. E sempre que eu vôo... Ah, é maravilhoso! Parece que eu não tenho que me preocupar com nada.

Guardei elas e voltei novamente para a cama, me deitei e fechei os olhos navegando na minha velha amiga, a escuridão.

" - Papai olha, eu estou conseguindo voar!

Miguel olhou para mim sorrindo com orgulho.

- Continue batendo as asas meu anjinho, você não irá cair, o papai está aqui com você.

Ele voava ao meu lado, sua asa direita me cobria por inteira. Por fim, consegui planar.

Dei gritinhos de alegria e gargalhei, orgulhosa de mim mesma.

- Você conseguiu!

Miguel sorriu para mim, empolgado.

Nos sentamos em uma praça do palácio celestial e eu, com as pernas cruzadas, sentada igual índio, lhe fiz uma pergunta.

- Papai? Quando eu fizer 600 anos, eu vou parar de crescer?

- Vai sim minha filha, você já terá atingido a idade adulta, quando você fizer 400 anos, seu treinamento começa.

- Aí vou ser forte igual ao senhor?- meu sorriso se entendida de lado a lado, quase tocando nas orelhas.

- Será tão forte quanto eu. Seus dons são especiais minha filha, seu destino não será fácil, mas no fim, estará orgulhosa de si, e mais forte que qualquer anjo no céu!"

Levantei em um sobressalto, suando e com calor. Passei as mãos no cabelo e suspirei. O que foi isso? Por que estou sonhando com isso? Sei que o Miguel é meu pai mas... Mas eu não lembrava de ter tido momentos bons... Ele sempre foi muito autoritário...

- Algum problema ?

Daryl entrou no meu quarto.

- Tive um sonho meio estranho. Miguel estava sendo legal comigo e...

Ele não me deixou terminar de falar.

- Deite e durma amor, vou ficar aqui com você até pegar no sono.

 Assenti e me deitei novamente. Daryl se deitou ao meu lado e começou a citar alguma coisa em latim, algo sobre trevas e caos. Fui pegando no sono com isso e por fim, adormeci.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...