História Final em branco - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Aiacos de Garuda, Albafica de Peixes, Aldebaran de Touro, Asmita de Virgem, Aspros de Gêmeos, Atena (Sasha), Defteros de Gêmeos, Dégel de Aquário, Dohko de Libra, Hades, Hakurei de Altar, Kagaho de Benu, Kardia de Escorpião, Manigold de Câncer, Minos de Grifon, Regulus de Leão, Shion de Áries, Tenma de Pégaso
Tags Albafica, Asmita, Aspros, Defteros, Dégel, Kárdia, Minos, Sage
Visualizações 154
Palavras 1.720
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello people! Tô de volta. Vou pedir desculpas pela demora né 😌 vou colocar um prazo de uma semana. Aí no sábado ou no domingo eu faço um capítulo novo para vcs! Capítulo não revisado em. Eu não sei o que tenho que fazer para entrar nesse negócio de Beta. Já li histórias que o escritor dizia : Capítulo não betado e tal né.

Boa leitura 😘📖 👋

Capítulo 6 - Sem compromisso


Fanfic / Fanfiction Final em branco - Capítulo 6 - Sem compromisso


- grande mestre. - diz se apresentando diante do trono .

- fez uma boa viagem Dégel? - pergunta o mestre com um sorriso cansado. O velho mestre sage parecia a ponto de desistir. Dégel não compreendia muito bem, Mas sage e seu irmão Hakurei já haviam lutado em uma guerra santa. E agora , lá estavam de novo.

- fiz sim mestre - responde um pouco constrangido ao lembrar da noite quente que teve com Kardia.

- e o Oricalco?

- Está aqui. - Dégel entrega o objeto na mão de sage que o encobriu.

- muito bom.

- e como vão as coisas por aqui? Creio que me ausentei tempo demais.

- Bem, meu irmão está hospedado em meu quarto. Se recuperando do golpe que sofreu da espada de Hades. E está progredindo. Creio que logo ele estará pronto para outra. A senhorita Atena também está acamada.

- mas isso é preocupante sage!

- é sim. Sem o poder de Atena, talvez não consigamos impulsionar o navio. Mesmo com o Oricalco. Afinal é um objeto divino. Ainda sim, já enviei uma mensagem para jamiel. Sísifo esta vindo buscar o Oricalco. Ele sofreu um forte ataque de um juíz, Aiacos. Está ferido precisa de recuperar com conforto. E ainda mas, o fiel companheiro dele retornou!

- companheiro de Sísifo? El Cid?

- sim. Atena o salvou. Porém o coitado perdeu uma mão. Está acamado na casa de capricórnio. As servas e médicos que eu requisitei estão cuidando incessantemente dele. E mais, meu pupilo manigold voltou também! Tínhamos nos perdido. Fiquei bastante preocupado para falar a verdade.

- e quanto ao Tenma?

- El Cid disse que se separaram e que ele não tardará a voltar ao santuário.

- espero. Tenho certeza que com a volta dele, Atena se animará.

- sim. É uma amizade muito bonita. Falando em amizade, onde está Kardia? Sua tão fiel sombra?

- Na casa de escorpião. Dormindo provavelmente.

- esse Kardia... Senti uma oscilação no cosmo dele.

- ele lutou com o juiz Radamanthys. Quase incendiou o próprio coração.

- Kardia é sem limites mesmo.

O mestre levantou da cadeira, e indicou o corredor que levava até a alcova de Atena.

- conte a ela sobre Tenma. Tenho evitado falar com ela. Afinal , nunca tenho notícias boas para dar.

Dégel se aproximou da porta e deu dois toques.

- sim? - responde a voz doce e fragilizada de Atena

- sou eu, Dégel de aquário. Retornei de Bluegard trazendo comigo o Oricalco.

- que ótima notícia Dégel! - fala ela com mais ânimo.

- e tenho outra coisa a dizer, el Cid retornou e trouxe notícias de Tenma.

- Tenma? - Pergunta Atena com a voz mais tensa.

- sim. Parece que ele não retardará a sua volta.

- Sage me disse isso semana passada.

Camus notou melancolia na fala dela. Ele bem achava que tinha algo mais na relação de amizade daqueles dois. Shion e dohko eram bem amigos e quase todo santuário já sabia que eles se "pegavam"

Essa teoria podia explicar esse abatimento sem fim em que se encontrava a deusa .

- tenha uma boa tarde minha senhora - diz se retirando.

- e como foi? - pergunta sage quando Dégel voltou ao salão.

- me pareceu sem esperança. O que irônico já que ela representa a esperança da humanidade.

- e você acabou de me apresentar outra ironia. Dégel, Atena reencarna em forma humana não é atoa. É para compreender a passar pelas mesmas aprovações que passamos. Ela agora sente saudade. Um sentimento completamente humano.

- acho que entendo um pouco mestre. Vou retornar para a minha casa. E tenho o interesse em saber porque Kardia não apareceu como eu pedi.

Saiu do templo e estava passando pela casa de peixes. E ouviu coisas a serem jogadas no chão com fúria. Albafica devia estar tendo um ataque. Dégel continuou sua caminhada sem interferir. Era uma atitude fria, porém, bem sabia que Albafica odiava que se metessem em sua vida. E tinha toda a questão do veneno que não gostava de ter contato com pessoas. E diferente dos outros cavaleiros, Dégel respeitava o espaço pessoal de cada um.

Entrou na casa de aquário. Uma serva acabava de limpar e se aprontava para sair.

- olá senhor Dégel! - disse cordialmente.

- já acabou seu serviço?

- sim…

- então saia daqui. - fala ríspido. A serva saiu correndo. Ele geralmente não era grosseiro. Mas não se podia dar muita trela às servas. Se não, antes que imaginasse teria uma estendia em sua cama dizendo que estava grávida. Ainda que, Dégel tinha outros desejos. Lembrou do toque de Kardia em sua coxa naquela noite profana. Cada detalhe estava bem cravado na mente. E mesmo não achando correto e bem ético se relacionar com outro homem, desejava Kardia. E achava bem prudente que este não soubesse de todo o desejo de Dégel. Se soubesse, Kardia ficaria impossível.

Foi para o seu quarto. Tirou a armadura. Pensou em tomar um banho, mas foi interrompido.

- senhor Dégel? - fala outra serva.

- sim. - responde bravo. Afinal, queria ter um pouco de descanso.

- o senhor Tenma retornou ao santuário.

- Tenma? Soube hoje que não demoraria a voltar.

- pois é. Ele chegou. Estava sendo amparado pelo senhor dohko. Parece que foi encontrado caído no bosque. Sozinho.

- que seja. Obrigado por me informar. Atena já foi avisada?

- sim. Imediatamente.

- ótimo. Agora saia.

A serva saiu. Dégel foi na cozinha e usou a água que tinha lá e fez um chá. Quando este ficou pronto, foi para a sua biblioteca. Estava tudo como deixou. E com a guerra santa no seu ápice, não sobrava tempo para uma leitura de bons livros.

Puxou a cadeira de sua escrivania que ficava perto da janela. Já tinha uma pilha de livros que foram deixados ali. Pegou um qualquer sem olhar o título. Tentou se concentrar , entretanto, um barulho infernal surgiu lá do começo das doze casas. Devia ser comemorações pela volta de Tenma. O garoto era o símbolo da guerra santa. Símbolo de resistência, fé e amizade. Ter alguém assim no exército animava os mais fracos. E até mesmo impressionava os dourados. Ainda que, Tenma havia crescido ao lado de duas pessoas que se tornariam deuses. E Pégaso e Atena tinham uma longa epopéia desde os tempos mitologicos. Esperava-se muito daquele menino.

Por fim, não conseguiu a paz e sossego que desejou para ler. E a noite tinha chegado. Quando pensou em se recolher, outra serva insuportável apareceu e trouxe uma mensagem do grande mestre. Este organizou um pequeno jantar para comemorar a volta de Pégaso. Dégel foi então se arrumar. Colocando sua roupa formal.

Foi o primeiro dos cavaleiros a chegar. Tinha uma mesa longa no centro e com muitas cadeiras. Foi posto ali muita comida e litros de bebidas. Sage estava sentado em uma das cadeira com Hakurei . Ambos implicavam um com o outro como velhos irmão. E para a surpresa de Dégel, Atena estava presente. Sentada na cabeceira da mesa. Com o seu vestido branco de gola. E os cabelos longos presos em um rabo de cavalo. Não tinha aparecia de doente. Com a volta de Pégaso, qualquer coisa ruim tinha se afastado dela. E este estava sentado perto.

- olá!- cumprimenta ele. Dégel nunca tinha falado com ele.

- creio que não fomos apresentados. Sou Dégel, cavaleiro de aquário.

- Tenma , cavaleiro de Pégaso.

Tenma tinha um rosto demasiadamente infantil. Os olhos escuros porém avermelhados. Tinha vários hematomas roxos e ataduras.

Dégel sentou a mesa. Logo Albafica chegou. Seu estado era bem pior do que Tenma. Considerando que ele tinha enfrentado o juiz Minos, não se admirava. Ele sentou na cadeira mais afastada de todos e não disse uma palavra. Os outros foram aparecendo aos poucos até faltar somente Kardia. Este tinha o dom do atraso. E assim que chegou, até sage ficou admirado. Kardia estava muito bem trajado. Não havia um amassado em suas roupas. E o cabelo foi preso em um rabo de cavalo baixo e frouxo.

- o que aconteceu com você? - pergunta manigold.

- não posso me arrumar não gente?

- pode. Só é algo difícil de se ver com frequência. - comenta Dégel para provoca-lo e em seguida, quando viu que Kardia iria retrucar, virou o rosto de bebeu um gole de seu vinho.

Não havia mais lugares para Kardia sentar ao lado de Dégel. Então sentou do outro lado, de frente. E do nada, Dégel sentiu o pé de alguém bem em cima do seu membro e o apertando.

- aí! - grita assustado.

- ah me desculpe Dégel. Pisei nos seus calos? - fala prepotente. E Dégel logo viu que a noite seria longa e cheia de provocações.

Sage se levantou de sua cadeira e fez um discurso de boas vindas. Atena falou algumas coisas. E em seguida, foram liberados para comer.

- soube que Sísifo vai retornar ao santuário. - comenta com El Cid que estava ao seu lado. Ele estava abatido. Branco feito um papel. E como era destro, estava comendo todo atrapalhado com a mão esquerda. .

- já fui informado.

- E não estava ansioso para revê-lo? São bons amigos não são?

- um pouco sim. Todo mundo é bom amigo do sísifo .

Dégel notou melancolia na fala. Sísifo era muito popular além de ser uma pessoa agradável e sem maldade. Assim, todos queriam ficar perto.

Kardia continuou com o pé em cima do seu membro e apertava uma vez ou outra . E antes do jantar terminar, Dégel se cansou da brincadeira e levantou da mesa se retirando. Já sabendo que Kardia o seguiria.

Entrou em sua casa. Tirou o lenço do pescoço, a casaca, o colete e as botas. Foi para o quarto e deixou a porta aberta. E foi tirando o resto de suas roupas.

- que tentador Dégel. Está aprendendo a arte da sedução para me matar ao poucos? - fala Kardia.

- cala boca- responde sem olha-lo.

- jamais esperei isso de você. Sempre tão certinho.

- contudo Kardia, sou humano e tenho desejos.

- Ah sim. E hoje você me deseja na sua cama? A amostra que te dei em Bluegard não foi o suficiente?

- não. Eu quero você agora. Mas não pense que gosto de você- adiantou. - vai ser só uma noite de amor qualquer.

- como quiser, Dégel.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...