História Finally You - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Tags Once Upon A Time, Swan Queen
Visualizações 1.294
Palavras 3.449
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Avisa lá que eu cheguei! Gente eu berrei que no último capítulo vocês se dividiram entre: Detestar Fiona, amar Fiona, criticar Regina e ficarem sedentas por treta. Sério cês são demais, eu me divirto demais lendo vcs. <3

Boa leitura.

Capítulo 23 - Beautiful intentions


Regina

- Você possui um currículo interessante, senhorita Murray. – Comentava enquanto analisava seu currículo no café dentro de minha empresa – Possui uma vasta experiência em trabalhar com CEOS, o que indica que sabe como funciona a rotina e que precisa ser flexível, até mesmo para viagens inesperadas. – Alternava meu olhar entre os papeis em minhas mãos e seus olhos.

- Eu jamais faria entrevista para um cargo o qual eu não estivesse apta. – Respondeu, em uma confiança que muito me agradava.

- Você tem uma qualidade que me agrada. – Ergui a mão até a xícara bebericando um gole de café – Parece saber o seu devido valor e não desperdiça as oportunidades.

- Esse cargo me interessa muito senhorita Mills. – Umedeceu os lábios – Jamais deixaria essa oportunidade passar.

- E qual o seu diferencial entre as demais candidatas, para me fazer pensar em contrata-la? – Lancei um olhar inquisitivo, que sempre fazia a maioria das pessoas se esquivarem, mas não essa mulher, ela não desviou o olhar do meu nem por um segundo.

- Me arrisco em assegurar que nenhuma das outras candidatas estaria aqui, tomando um café com a senhorita agora. Leve isso como um elogio, a senhorita é bem imponente, mas aqui estou eu. – Deu de ombros – Tomando um café com a minha futura chefe. – Afirmou.

- A senhorita é bem perspicaz, gosto disso. – A elogiei – Eu vou ser sincera com você. – Coloquei seu currículo sobre a mesa – Eu preciso de uma nova secretária com certa urgência, em menos de três meses, Belle, que é a minha atual secretária que entrevistou você, precisara pedir demissão. – Explicava – E você parece ter todas as qualificações que eu procuro. – Disse com clareza – No entanto eu tenho que conversar com Belle e saber como foi com as outras candidatas, mas gostaria que subisse comigo. – Ela pareceu se surpreender com as minhas palavras.

- Claro! – Abriu um sorriso confiante.

Subimos até o último andar onde ficava o meu escritório, surpreendendo Belle, ao ver novamente Fiona.

- Senhorita Mills, Senhorita Murray. – Se levantou de sua cadeira – Algum problema? – Perguntou sem entender a situação.

- Olá novamente. – Fiona a cumprimentou.

- Nenhum, acabei trombando com a Senhorita Murray no hall e pude ler seu currículo. Você pode me acompanhar até a minha sala? – Pedi – Peço que você aguarde um momento aqui, Senhorita Murray. – Apontei para as poltronas que possuíam do outro lado da recepção.

- Claro sem problemas. – Girou os calcanhares em direção as poltronas.

Ao entrar em minha sala comigo Belle ainda possuía uma expressão confusa.

- O que foi Belle? – Soltei uma risada fraca retirando meu blazer, estendendo-o na cadeira – Quando ela trombou comigo na recepção, me chamou para um café – Explicava – E como eu possuía alguns minutos sobrando, aceitei. – Me fitou surpresa com os seus grandes olhos azuis – Ela me mostrou o seu currículo. – Sentei-me em minha cadeira – O qual muito me agradou muito, pedi para ela subir comigo, mas antes disse conversaria com você sobre as outras candidatas, como foram?

- Bem, - Sentou-se na cadeira a minha frente – Tiveram alguns perfis bem interessantes, mas sem dúvidas a senhorita Murray foi a que mais se destacou.

- Também pudera, além de tudo ela fala três línguas. – Disse admirada.

- Sim, um currículo notável e com grande experiência. Eu iria comentar sobre ela com a senhorita assim que chegasse, tanto que dispensei as outras e fiquei conversando um pouco mais as sós com ela.

- E o que achou? – Questionei.

- Que ela pode vir a ser uma grande concorrente. Amanhã eu vou entrevistar mais cand...

- Eu quero contrata-la, Belle. – A cortei fazendo-a me encarar em espanto.

- Mas nós temos marcada mais algumas entrevistas, com outras candidatas. – Informou.

- Pode pedir para o rh ligar cancelando. – Assegurei – Só preciso que você cheque as cartas de referência, seus antecedentes nas empresas que trabalhou e depois que tudo for verificado, pode pedir para ela trazer a documentação necessária e iniciar o treinamento.

- Claro. – Respondeu ainda aturdida.

- O que foi? – Perguntei.

- É que... Bem... É um caso atípico, a senhorita não costuma fazer isso, só estou surpresa. – Deu de ombros – Mas de todas as formas é uma boa escolha.

- Sim. – Confirmei com a cabeça – Você pode passar tudo isso a ela e pedir para aguardar o nosso retorno. Agora eu preciso correr para enviar uns e-mails e ir para minha reunião com meu executivo sênior, perdi tempo demais no café com Fiona.

- Claro! A senhorita irá querer falar com ela? – Perguntou se levantando.

- Não, pode dispensa-la.

O restante do dia fora maçante, assim como tinha sido minhas últimas duas semanas. Desde o final de semana do aniversário de Emma, eu estava sobrecarregada de trabalho, não só eu, como a minha mãe, que estava viajando frequentemente a trabalho.

Emma

Há cerca de dois dias eu vinha notando minha gatinha, Phoebe, acamada, não come direito, o olhar anda caído. E hoje após a consulta no veterinário, ele me falou o que eu mais temia. Ela estava partindo e não há nada que eu possa fazer para impedir isso. Como ela já é idosa, ele me alertou para ir me preparando, passou algumas vitaminas para ela, mas nada que mudasse o futuro próximo que estava por vir. A notícia me abalou tanto que eu nem sequer consegui comentar com minha mãe, Rose, Killian e até mesmo Regina. Phoebe era um pedacinho de mim e eu acho que ninguém nunca irá entender isso. Nas últimas semanas, após o meu aniversário, a rotina de trabalho de Regina ficou tão intensa que eu mal conseguia vê-la. Eu me esforçava para dormir alguns dias da semana na casa dela, como hoje, mas agora com Phoebe assim, eu não poderia deixa-la sozinha.

 - Preciso te contar o que aconteceu hoje. – Regina falou, limpando a boca no guardanapo. Nós jantávamos na sala de jantar em sua casa.

- O quê? – Perguntei enquanto remexia a comida sem apetite, um pouco alheia da realidade.

- Hoje quando eu estava entrando no hall da MT, digitava um e-mail em meu celular, quando uma mulher se chocou contra mim. O aparelho voou longe amor, não sei como não quebrou a tela.

- E aí? – Bebi um gole de suco – Eu estou com bastante pena da pessoa que entrou no seu caminho. – Dei um sorriso fraco. Uma história que começa com alguém esbarrando em Regina logo pela manhã e quase quebrando a tela de seu celular, não poderia terminar bem.

- Você vai se surpreender com o final dessa história. – Disse animada – Quando ela trombou comigo, alguns papéis que estavam em suas mãos caíram no chão, quando me agachei para recolhê-los, vi que ela estava fazendo uma entrevista de emprego para o cargo de minha nova secretária. – Apertei os lábios sentindo pena da mulher.

- E você já riscou o nome da coitada da lista né? – Balancei a cabeça com dó.

- Para de me interromper. – Contorceu o rosto em uma careta – Me surpreendendo, quando descobriu quem eu era, perguntou se eu queria tomar um café com ela. – A fitei surpresa.

- E você?

- Como eu tinha alguns minutos sobrando, aceitei. – Deu de ombros.

- Que? – Aquela informação havia me surpreendido – E desde quando você aceita tomar café com estranhos? Ainda mais quando a estranha no caso quase te derrubou no hall da sua empresa?

- Exatamente, não costumo fazer isso. Mas a sua coragem me instigou tanto que como tinha alguns minutos sobrando, aceitei. Qualquer outra candidata iria querer sair dali o quanto antes. Fiona teve jogo de cintura e soube contornar a situação. – Eu estava quase sentindo ciúmes, mas quando Regina me falou o nome da mulher, eu soltei uma risadinha. Fiona, pelo nome, ela deveria ser uma senhora de meia idade daquelas fofinhas, agora eu entendi porque Regina não a xingou em espanhol.

- E como foi? – Soltei o garfo, meu estômago realmente estava embrulhado demais para comer.

- A mulher possui um currículo extraordinário, Emma! – Uau, a velhinha deve ter jogo de cintura mesmo. Para Regina usar um adjetivo desses. – Possui experiência, cartas de recomendação, – Contava nos dedos – Fala três línguas, inglês, espanhol e francês, é flexível, enfim... – Balançava a cabeça claramente satisfeita – Era tudo que eu precisava em uma nova secretária.

- Quanta empolgação. – Achei graça – Raras são as pessoas que te deixam assim.

- Não foi a pessoa dela que me deixou empolgada, foi a profissional. – Falou rapidamente na defensiva.

- Fico feliz, amor. – Afaguei a sua mão que estava sobre a mesa – Você estava tão tensa, que bom que resolveu esse problema.

- Bem, ainda não resolvi né? Belle irá checar todas as informações que a senhorita Murray passou e só depois iniciar seu treinamento, mas acredito que ela não terá a menor dificuldade. Mas e você meu bem? – Mudou o rumo da conversa – Como foi seu dia? Você tá quietinha hoje. – Fixou seus olhos nos meus procurando algum vestígio do que pudesse ser.

- Ah, Regina. – Soltei cansada – Eu nem quero conversar sobre isso, porque acho que vou desmoronar a qualquer momento. – Ao lembrar-me de Phoebe instantaneamente meus olhos se encheram d’água.

- O que houve Emma? – Arregalou os olhos em preocupação.

- Lembra que comentei com você sobre Phoebe estar um pouco caidinha?

- Oh claro! – Apertou os olhos de maneira culpada – Você a levou no veterinário hoje, não é? Me perdoe, eu esqueci completamente. Como foi?

- Ela está indo embora Regina. – Apertei os lábios tentando segurar as lágrimas que já escorriam pelo meu rosto – O veterinário disse que não importa o que façamos ela vai me deixar, em um futuro bem próximo ela vai me deixar. – Regina franziu as sobrancelhas em uma expressão de lástima, rapidamente se levantando até a mim.

- Meu amor. – Me abraçava de uma maneira tão apertada, como se quisesse tirar aquela dor de dentro de mim – Emma, por que você não me contou antes? – Eu apertava a sua cintura, como se ela fosse o porto seguro de todos os meus problemas.

- Eu não quero ficar pensando toda hora nisso. – Minha voz saía abafada pelo choro.

- Emma – Se agachou na minha frente, também chorava, não tanto quanto eu, mas chorava. – Meu amor – Secou minhas lágrimas – Eu sinto tanto. Eu sei o quanto ela é importante para você. O que ela tem? – Afagava meu rosto com as pontas dos dedos.

- Ela já está bem velhinha. – Funguei tentando parar de chorar – O veterinário passou algumas vitaminas, mas não tem jeito, não é?

- Eu estou aqui por você tá bom? – Apertou minhas mãos – Sempre, em qualquer momento eu vou estar aqui por você!

- Obrigada. – Murmurei acariciando seu rosto – Eu não vou poder ficar aqui hoje. – Avisei – Eu só vim te ver e conversar sobre isso. Não posso deixar Phoebe sozinha, eu tenho medo de... – Preferi não proferir as palavras – Espero que você entenda.

- Claro que eu entendo! – Se levantou rapidamente – Eu vou ficar com você hoje, só me dá um tempo de eu separar uma roupa para ir trabalhar amanhã.

- Não é necessário, Regina, você ainda não tem que verificar alguns e-mails hoje? Fora que a minha casa fica longe da sua empresa. – Avisei, secando minhas lágrimas e me levantando.

- Eu levo meu notebook e tudo que eu preciso, eu quero ficar com você. Você pode tirar a mesa enquanto eu subo para arrumar minhas coisas?

- Claro. – Abri um sorriso fraco.

- Qualquer coisa eu estou lá em cima. – Prensou seus lábios aos meus se retirando rapidamente da sala de jantar.

 

Regina

Duas semanas depois.

Eu gostaria de estar com Emma o tempo inteiro, principalmente nessas últimas semanas, mas infelizmente não era possível. Eu mal possuía tempo para respirar com a quantidade de trabalho que vinha me cercando. Ela andava tão cabisbaixa, também pudera, a cada dia sua gatinha fica mais debilitada. Eu detestava não poder fazer nada para alterar isso e detestava muito mais o fato de estar distante fisicamente dela nesse momento. Profissionalmente falando, apesar de muito trabalho, eu estava aliviada por ter encontrado Fiona, que realmente supria todas as minhas expectativas. Ela estava trabalhando comigo somente há cerca de uma semana, mas capitava tudo que Belle e eu a explicávamos com precisão. Para mim era um alivio saber que eu teria uma secretária capacitada em atender as minhas urgências.

- Senhorita Mills. – Ela entrou em minha sala preenchendo o ambiente com seu perfume adocicado – Enviei todos os relatórios que havia me pedido.

- Obrigada Fiona. – Tirei meus olhos do computador para fita-la. Além de tudo, era bonita, não que houvesse resquício de interesse, mas não poderia deixar de admitir que era uma mulher interessante.

- E eu tomei a liberdade de organizar todos os seus compromissos dessa e da próxima em uma planilha que eu também enviei por e-mail, eu acredito que fique mais organizado. – Soltou o ar confiante. Minha mãe havia a achado soberba, eu, já usava o adjetivo confiante.

- Uau, obrigada – Elogiei – Você está me saindo melhor do que a encomenda, sabia? – Abria o e-mail para checar a planilha que estava estritamente organizada – Adorei! – Comentava enquanto verificava – Quero todos os meus compromissos agora em planilhas assim, repasse isso para Belle, caso tenha alguma alteração...

- Eu edito e remando para a senhorita. – Se prontificou a falar.

- Exatamente. – Abri um sorriso – Fiona, eu quero que você me acompanhe em uma reunião hoje. – Ela ainda não havia me acompanhado em nenhuma, mas já cabia o momento de iniciar – Avise a Belle que ela está dispensada para resolver os problemas da viagem como ela havia me pedido. Se, obviamente, você se sentir preparada, caso contrário ela te acompanha.

- Claro que eu estou! – Abriu um grande sorriso satisfeito – Eu já estava ansiosa para isso, vou informa-la. Algo mais Senhorita Mills?

- Somente isso. – Assenti.

- Com licença. – Se virou e eu parei para observar a saia lápis, possuía bom gosto para roupas.

 Passamos à tarde em uma daquelas infinitas reuniões insuportáveis e maçantes, onde todo o meu humor se dissipava.

- Vete al diablo! Esa gente me saca de mis casillas. – Murmurava irritada massageando as têmporas ao entrar no elevador com Fiona, para subir de volta para o meu andar.

- Bueno, creo que ellos no valen tu dolor de cabeza. – Murmurou de volta. Sem me fitar.

- Eu havia me esquecido que você fala espanhol. – Soltei uma risada fraca.

- Eu adoro o fato de você sempre resmungar em espanhol para ninguém entender. – Confessou.

- Bem, agora você entende.

- Temos agora o nosso segredo em comum. – Virou a cabeça fitando meu rosto.

- A minha... – Pausei me dando conta de que nunca havia comentado sobre Emma com Fiona – A minha namorada fica agoniada quando eu começo a falar em espanhol, ela não entende nada. – Fiz uma nota mental de ligar para ela quando chegasse ao meu escritório. Em resposta, Fiona me encarou surpresa com a sua nova descoberta – O que foi? – Achei graça de sua expressão.

- Oh nada. – Abriu um sorriso satisfeito o qual eu não consegui decifrar – Eu também iria ficar louca se a minha namorada falasse uma língua que eu não entendesse. – Agora foi a minha vez de olha-la surpresa – O que foi? – Repetiu a pergunta que eu havia feito para ela.

- Nada. – Respondi dando de ombros um pouco sem graça. Ela apenas me lançou um sorriso de canto, onde permanecemos em um silêncio estranho.

Assim que cheguei a minha sala liguei para Emma, fazia quatro dias que não nos víamos, mas ainda assim nos falávamos todos os dias.

- Oi amor. – Atendeu de maneira afobada.

- Atrapalho? – Indaguei.

- Não, eu tenho alguns minutos, é que hoje eu estou atarefada. – Explicou.

- Serei breve. Como você está?

- Bem, eu acho. – Sua voz estava mais animadinha hoje, mas ainda era notável que estava triste.

- E Phoebe?

- Na mesma. – Soltou o ar em lamentação – Não se tem muito que fazer a não ser dar muito amor para ela.

- E isso você tem de sobra dentro de você. – A ouvi suspirar.

- E você como está? – Perguntou.

- Com fome! – Bufei.

- E quando você não está com fome Regina? – Brincou. Era raro ver Emma soltar uma de suas piadas nessas últimas semanas.

 – Eu estou falando sério! Acredita que eu não consegui almoçar hoje?

- De novo amor? Você precisa parar pelo menos comer algo. – Disse preocupada.

- Agora só a noite. Estou com saudade sabia!

- Eu também. Apesar de morrer de orgulho, não é fácil namorar uma mulher de negócios. – Meu coração se aqueceu ao ouvir sua risada.

- Senhorita Mills. Fiona deu duas batidas em minha porta entrando em seguida – Oh, me perdoe.

- Eu tenho que ir, já já estou em casa e ligo para você. – Fiz um sinal para Fiona esperar.

- Tá bom, te amo.

- Te amo. – Murmurei desligando o telefone – Pronto.

- Me desculpe, não sabia que estava no telefone. – Disse um pouco sem graça.

- Tudo bem. Algum problema?

- Nenhum, é que, eu pedi comida pelo aplicativo e como a senhorita não almoçou hoje, tomei a liberdade de pedir para senhorita também.

- Que gentileza, Fiona. Você ouviu meus pensamentos porque eu estou morrendo de fome.

Em trinta minutos a comida que Fiona encomendou havia chegado e enquanto eu fui ao banheiro lavar as mãos, ela arrumou tudo em uma mesa de vidro que possuía próximo ao sofá do meu escritório.

- Você é um anjo Fiona. – Elogiei me surpreendendo ao ver que ela havia pedido algo que eu sempre costumava pedir – Salada com ricota e frango – Você adivinha até os meus gostos. – Disse me sentando.

- Confesso que eu havia perguntado para Belle antes. – Admitiu – Vou deixa-la – Olhou para o seu relógio de pulso – eu ia falar almoçar, mas já passa das seis. Vou deixa-la jantar. Bom apetite.

- Você não ia pedir para você? – Perguntei enquanto tomava um gole do suco de melancia com hortelã.

- Sim, está em minha mesa. – Avisou.

- Coma comigo. – A convidei.

- Tudo bem. – Nem pestanejou – Eu detesto comer sozinha mesmo. – Confessou.

Emma

Eu estava com tanta saudade de Regina que decidi passar em seu escritório para leva-la para jantar. Ela havia falado que não tinha almoçado e eu também estava morrendo de fome. Era difícil ficar sem vê-la sempre, quando já havia me acostumado do contrário. Liguei para seu celular algumas vezes quando sai do trabalho, mas ninguém atendeu. Provavelmente estava tão absolvida no trabalho que colocou o celular no modo silencioso. Como meu nome já estava na lista das pessoas que podiam subir sem ser comunicada, não precisei esperar ela ligar para Belle ou sua nova secretária, a recepcionista liberou minha entrada na catraca imediatamente. Quando cheguei ao seu andar, achei estranho ver o hall de seu escritório que agora possuía duas mesas, vazio. Cadê Belle? Será que Regina já havia ido embora? Soltei um ar, me irritando por ter dado viagem perdida, quando ouvi barulho de risadas em sua sala. Prontamente associei a Ruby, Zelena ou Cora, mas quando me aproximei, estranhei por não reconhecer aquela voz. Dei de ombros, batendo na porta. As risadas pararam, e eu ouvi sons de saltos ecoando pelo piso. Segundos depois a porta foi aberta por uma mulher que eu nunca havia visto antes.

- Pois não? – A morena de cabelos longos e pele clara a minha frente, levou a mão á cintura, abrindo um sorriso simpático.

- Eu vim ver a Regina. – Respondi sem entender porque aquela moça abriu a porta de seu escritório. Será que era alguma amiga que eu não conhecia?

- Ah claro. – Disse dando espaço para eu entrar.

- Emma! – Regina exclamou se levantando da mesa que possuía pratos com restos de comida – Que surpresa, eu não sabia que vinha. – Se aproximou prensando rapidamente meus lábios aos seus.

- Eu vim te chamar para jantar, mas tarde demais. – Dei de ombros.

- Por que não me disse que viria? Fiona acabou encomendando comida para nós. – Pera aí? Essa era a Fiona? Arregalei os olhos atônita. Essa é a mulher que nos últimos dias Regina não passou um dia sem elogiar? Essa é a mulher que trombou com a minha namorada lá em baixo e ela sem nem sequer conhecer aceitou tomar um café? A contratando logo em seguida? Eu não sabia se sentia mais raiva por eu ter criado a imagem de Fiona como uma senhorinha de cabelos grisalhos na minha cabeça, ou por Regina não ter mencionado em nenhum momento quão bonita ela era. E além tudo, desde quando Regina almoça com funcionário? Ainda por cima ao som de altas gargalhadas? Mil perguntas ecoavam da minha mente enquanto eu alternava o olhar entre as duas.


Notas Finais


Não deixem de dar aquele like maroto e comentar pra eu saber o que vocês estão achando né mulher? Aqui não é American Horror Story pra ter fantasma não. SHFKDHFDFJHDF Um beijo e até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...