História Finally you - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Tags Onceuponatime, Ouat, Swanqueen
Exibições 598
Palavras 5.110
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi swenzinhas! Tenham uma ótima leitura.

Capítulo 8 - Precipitações


Emma

- E eles são muito metidos sabe? Donos da razão! Sou de peixes, mas minha lua é em Áries posso ser muito barraqueira. Inclusive acho que você tem alguma coisa em Áries também, porque foi muito rude comigo. Ah, você fala em espanhol? Queria te perguntar isso já faz um tempo, mas sempre esqueço. Quando nos conhecemos você falou alguma coisa “carajo” e tenho certeza que me mandou para casa do caralho, que deselegante a senhorita. – Soltei uma risadinha e quando não obtive resposta virei meu rosto para fita-la.

Regina havia adormecido, estava com as mãos encolhidas debaixo do pescoço.

- Você dorme feito um anjinho. – Sussurrei para mim mesma.

Eu tinha duas opções: deixa-la dormindo ali, o que não era muito confortável já que estávamos no outono e o frio começava a se fazer presente ou acorda-la, o que a faria ir embora e de certa forma eu não queria isso. Levantei-me calçando meus chinelos e voltei a me aproximar de Regina.

- Ei, acorda. – Sussurrei próximo ao seu rosto.

- Humm. – Respondeu abrindo os olhos que estavam pequenos devido ao sono.

- Você acabou dormindo. – Murmurei – Vamos descer, já deve passar das duas da manhã.

- Tenho que ir embora. – Balbuciou com os olhos fechados.

- Não, esta tarde demais e você esta com sono, dorme aqui em casa. – Pedi e ela em resposta somente assentiu, mas não saiu do lugar. – Mas você precisa levantar para ir para o quentinho né?

Regina levantou colocando o cobertor sobre as costas e permaneceu de olhos fechados, parecia meu irmão quando era criança e minha mãe o acordava para ir à escola. Peguei suas botas que estavam no chão para entrega-la.

- Preciso ir embora. – Murmurou com a voz de sono.

- Você pode dormir aqui se quiser, já esta tarde e você esta mais dormindo que acordada. – Comentei enquanto recolhia as coisas do chão.

Regina agachou para colocar as botas e me entregou o cobertor que estava em suas costas.

- Obrigada Emma, mas eu prefiro ir para casa. – Me lançou um sorriso apaziguador.

- Tudo bem então – Sorri acenando em concordância. Confesso que fiquei um pouco desapontada, queria que ela ficasse e além do mais, já estava tarde.

- Sempre que eu venho aqui acabo ficando mais tempo do que deveria. – Comentou enquanto descíamos a escada.

- Nossos assuntos sempre rendem.

Chegando ao meu andar ela encaminhou-se para o elevador.

- Obrigada pela noite Emma. – Disse retirando a chave do carro do seu, sobretudo preto.

- Você não tem que agradecer nada, obrigada você por ter vindo.

- Vê se compra um carregador novo viu? – Fitou meu rosto – Sinto sua falta no whatsapp. – Disse ao se aproximar para me dar um beijo estalado na bochecha.

- Irei comprar. – Sorri mais do que deveria ao ouvir a afirmação de que sentia minha falta.

Regina chamou o elevador e ficamos segundos em silêncio até as portas de metal se abrir.

- Dirige com cuidado. – Pedi enquanto ela entrava no elevador.

- Pode deixar. – Sorriu até as portas se fecharem.

...

Era 12h e eu tocava incansavelmente a campainha do apartamento de Rose.   Eu nem precisei me questionar se ela estava se ressaca quando abriu a porta com o rosto inchado e o cabelo todo desgrenhado.

- Eu espero que alguém tenha morrido caso contrário eu mesma faço isso acontecer. – Queixou-se com a voz rouca de sono ao me dar passagem para entrar.

A casa de Rose era a casa mais louca que eu conhecia, a sala possuía uma parede vermelha cheia de quadros indianos, uma cortina branca, com dizeres em japonês, ou chinês, não sei... Na verdade nem ela sabia. Tudo presente de sua mãe, que desde a morte do seu marido, pai de Rose, vivia viajando pelo mundo. Nós chegamos à conclusão que essa foi à maneira que ela lidou com a perda do amor de sua vida.

- A noite foi boa hein. – Comentei me jogando no seu sofá em formato de uma boca cor rosa.

- Diferente da sua, porque para vir a minha casa a essa hora de um domingo... – Me lançava um olhar mal humorado ao abrir a geladeira. Sua sala era separada da cozinha por um longo balcão de mármore preto.

- Engano seu, minha noite foi excelente se te interessa saber. Que nojo! – Exclamei ao vê-la enfiar a boca na garrafa d’agua. – É por isso que eu só bebo água do seu filtro.

- Minha casa, minhas regras! – Arqueou as sobrancelhas, voltando a beber água.

- Que bicho te mordeu Rose? Está muito brava. – Não era possível que esse mau humor todo fosse só porque eu a acordei.

- Mais um encontro fracassado. Juro que dessa vez eu desisto. Já até desinstalei o tinder, esses caras são uns babacas né? Bem fez você em ter nascido gay. – Veio para sala e se jogou no tapete coberto por almofadas coloridas. Rose vestia um blusão cinza e uma meia arrastão a qual não se deu o trabalho de tirar na noite anterior.

- Ué, mas você não me chamou para sair ontem com suas amigas?

- Chamei, e como você quis ficar em casa eu tive a brilhante ideia de marcar um encontro. – Ironizou.

- Amiga desiste, esses aplicativos de relacionamento são furada e você vale muito mais que isso.

- Já desisti minha filha, não quero mais saber de homem. A partir de agora sou assexuada. – Soltei um berro ao ouvir a afirmação mais mentirosa de todos os tempos – Para de rir, falo sério. De todas as formas, me diz, porque a sua noite foi tão excelente? Transou com alguém?

- E desde quando eu preciso transar com alguém pra ter uma noite excelente? – Perguntei em tom ofendido.

- Para cima de mim Emma Swan? – Virou a cabeça pra me encarar e soltou uma risada – Esse sofá parece à boca da Kylie Jenner – Riu novamente – Parece que você esta sendo engolida por ela.

- Falar nisso, sabia que eu ando pensando em fazer preenchimento labial. – Comentei fazendo bico de pato a fim de deixar meus lábios maiores.

- Pra que? – Perguntou torcendo a boca em reprovação.

- Pra ficar sexy. – Disse virando de barriga para baixo e jogando o cabelo – Imagine eu com bocão da Kylie Jenner.

- Você é patética se rendendo a ditatura da beleza. – Revirou os olhos.

- Rose você operou o nariz quando completou dezoito anos. – Ela abriu a boca e sem ter o que dizer, voltou a fechar.

- Desvio de septo, você sabe. – Não acredito que minha amiga era a pessoa mais hipócrita do mundo. – Mas me conta logo, o que aconteceu para sua noite ter sido tão excelente?

- Você muito falsa. – Debochei – Mas então, Regina apareceu na minha casa.

- A do Christian Grey? – Perguntou confusa.

- Ai Rose cala a boca. – Taquei uma almofada que estava no chão em cima dela.

- Para! – Pegou a almofada e colocou em baixo de sua cabeça como travesseiro - Mas o homem é a cara do Christian Grey, o que eu posso fazer?

- Você e Killian são patéticos, mas sim é ela mesma.

- E ela foi fazer o que na sua casa? Vocês se pegaram é? Sabia que ela tinha uma vibe “beijo mulheres, mas não conto para ninguém”.

- Você acha que ela tem essa vibe? – Perguntei me ajeitando no sofá.

- Demais da conta, até o Killian acha... você não acha? Vocês gays não tem o negócio chamado “gaydar”? Então, se ele acha é por que é.

- Não, eu não acho. – Disse com sinceridade – Não aconteceu nada. Ela veio se desculpar pelo que aconteceu na casa dela na sexta. Inclusive disse que a minha atitude foi plausível. – Disse em tom alto – Diferente dos meus amigos que me chamaram de infantil.

- Mas foi infantil sim. Você quando esta apaixonadinha fica a maior infantil da história que você respeita Emma.

- E quem esta apaixonada aqui minha filha? – Arqueei as sobrancelhas – Da onde você tirou isso? – Fiz outra pergunta sem dar tempo dela responder.

- Tá bom vai. Apaixonada é algo muito grande, mas que rola um interesse, isso rola. Admite Emma! Eu sou o diabo, eu sei de tudo. – Semicerrou os olhos em minha direção.

- Pois errou feio dessa vez diabo. – Suspirei tentando demonstrar tranquilidade. – Ela é interessante claro, inteligente...

- Gostosa... – Me interrompeu, mas a ignorei e continuei falando.

- Eu adoro conversar com ela. Ela é toda certinha e isso é tão sexy, eu fico pensando nela dando a louca sabe? Metendo o foda-se. Amiga eu acho que nem maconha ela já fumou. Rose, uma mulher de trinta e um anos que nunca fumou maconha!

- Eu também não. – Ironizou.

- Claro. Você só possui uma plantação em casa. – Brinquei.

- Mas por que você não demonstra interesse então? Fala logo: Não sou Christian Grey, mas estou te querendo. Olha até rimou! – Soltou uma risada.

- Porque primeiro, eu não tenho nenhum tipo de interesse amoroso. – Ponderei – Segundo, mesmo se tivesse ela é hétero. Ontem ela me disse que nunca pensou em sexo com mulheres... Foi tão decepcionante.

- Se você não tem nenhum interesse amoroso, porque foi decepcionante ela ter confessado que nunca pensou em sexo com mulheres? – Rose adorava me deixar sem respostas.

- Porque o mundo deveria ser lgbt. – Respondi com firmeza. Rose apenas me lançou um sorriso de “eu sei o que você esconde”. Se ela soubesse o quanto me irritava quando ela queria saber mais sobre mim do que eu mesma, ela nunca faria isso. – Bem, mas eu não vim aqui para ficar falando sobre isso, vim te chamar para almoçar no shopping, preciso comprar um carregador também.

- Eba, comida! Você paga. – Respondeu rápido – Vou tomar banho e já volto.

 

...

Eu não costumava stalkear à vida de ninguém na internet, mas veja bem, eu estava sentada em plena quarta-feira em uma sala da redação que eu divida com Archie, o cara mais chato do mundo. Nós dificilmente trocávamos mais do que um “bom dia” e “tchau”. Sem ter absolutamente nada para fazer nessa redação de jornal, acabei caindo na tentação de procurar por Regina Mills no Google. Não tinha nada de muito relevante, mas encontrei o facebook, o qual ela não atualizava a foto de perfil desde junho de 2015. Ela tinha mesmo cara de não ser ativa nas redes sociais.

- Trabalha na empresa MV. – Abri a boca em choque ao ler a informação em sua rede social de que a empresa de turismo que ela disse que era vice-presidente era a MV. Eu achava que era uma empresa menor, ela havia mencionado trabalhar na maior empresa de turismo do país. Joguei o nome da empresa na internet para ler mais sobre e o primeiro link era do site deles. “Saiba sobre a história de sucesso, os prêmios conquistados e todas as novidades da maior operadora de turismo dos EUA. Escolha um dos temas abaixo e fique por dentro de tudo o que acontece com a MV.”

Enquanto um anúncio de promoção para Las Vegas abriu na tela do computador que piscava a minha frente, eu ainda estava pasma por ela ser uma das donas da MV. Lendo um pouco sobre a empresa descobri que a sigla MV significava Mills Viagens, o que era meio óbvio. Quando abri a página que mostrava os prêmios que receberam, li que somente no ano de 1900 a 1997 eles receberam mais de dezesseis prêmios.

Agora eu entendia todo o estresse que Regina dizia ter no trabalho, comandar uma empresa desse porte não deve ser nada fácil.

Voltei para o seu facebook e comecei a ver seus amigos, ela possuía somente cerca de duzentos, e óbvio que nenhum deles em comum comigo. Acabei encontrando Zelena Mills, sua irmã a qual ela já havia comentado sobre. Abri seu perfil e confirmei que assim como Regina havia dito, elas não tinham nada em comum fisicamente. Seus cabelos eram ruivos e seus olhos azul piscina, totalmente diferente de Regina que possuía traços latinos. Ela era muito bonita e muito mais ativa nas redes sociais do que sua irmã visto que sua ultima foto do perfil fora atualizada no sábado e obteve cerca de trezentas curtidas, um número maior do que Regina possuía no facebook. Algumas de suas fotos eram liberadas e a maioria era de viagens, e como ela viajava. Também, sendo dona de uma empresa de viagens eu faria o mesmo.

Estava tão entretida vendo as fotos de Zelena que dei um pulo da cadeira quando o celular vibrou em cima da mesa. Arregalei os olhos ao ver que era Regina. Credo, ela parece que sente as coisas.

15:39. Regina: “Desculpe por responder só agora, hoje o dia está corrido. Farei de tudo para ir sim ao jantar na sexta-feira.”

Havia a chamado para o jantar de boas vindas que Killian daria em sua casa na sexta-feira para August, seu namorado que estava retornando de uma viagem a trabalho no Marrocos.

 14:41. Emma: “Tudo bem contarei com a sua presença. Como você esta?”

14:41. Regina: “Estressada e você?? Não trabalha não? Sempre que eu mando mensagem responde rápido.”

14:42. Emma: “Não tem muita coisa para se fazer nessa redação hoje.”

14:44. Regina: “Que inveja. Acredita que nem tive tempo de almoçar? Só queria comer um big mac do mc donalds, com molho extra.”

14:45. Emma: “É o que dizem. Uma alimentação saudável é tudo.”

Fiquei esperando a mensagem chegar, mas ela provavelmente desligou a internet ou celular, pois a mensagem não foi entregue.

Pelo canto de olho vi Millah vindo em minha direção, ela trabalha comigo só que em outro andar da redação, então quase nunca nos víamos por aqui.

- Fiquei esperando você passar na minha sala para almoçarmos juntas e nada. – Reclamou posicionando-se em frente a minha mesa. Rapidamente fechei as abas de pesquisa e voltei minha atenção para ela.

- Desculpe. Muito trabalho hoje. – Disse dando um sorriso amarelo.

- Você adora me enrolar Emma Swan. – Semicerrou os olhos para mim – Bem, estou indo embora e vim me despedir.

- Cedo assim? – Olhei para o relógio no computador e não eram nem 15h da tarde ainda.

- Eles estão liberando quem tem hora extra mais cedo. – Explicou.

- E como eu não sabia disso? – Perguntei abismada por eu estar por fora de uma informação dessas.

- Você vive no mundo da lua Emma – Girou os olhos - E então? Me acompanha ou vai ficar ai? – Óbvio que eu queria sair mais cedo, mas não com Millah, ela iria inventar de ir para minha casa ou eu para casa dela e eu não queria isso hoje. Ela era minha colega de trabalho e de vez em quando nós ficávamos. Nada muito sério, até porque eu não sinto nada mais do que atração por ela.

- Não posso. – Fiz uma cara triste – Tenho vários textos para revisar.

- Chata. – Revirou os olhos – Então eu vou indo. – Se agachou e me deu um beijo no canto da boca. O que fez Archie que estava até agora em silêncio lendo algum artigo, pigarrear. – Tchau pra você também Archie. – Acenou saindo da nossa sala.

- Você sabia que eles estão liberando mais cedo? – O ruivo calvo de óculos apenas acenou positivamente – Só eu que nunca sei de nada. – Bufei.

Batucava com o lápis na mesa enquanto o tédio me consumia.

- Swan, eu tenho muito trabalho a fazer poderia ao menos ficar em silencio ou voltar a pesquisar sobre Regina Mills? – Perguntou tirando sua atenção do computador e levando seus olhos em direção a minha mesa, que ficava em frente a sua.

- Você hackeou o meu computador Archie? – Perguntei chocada por ele saber o que eu estava fazendo.

- Você às vezes fala sozinha e nem se da conta. – Balançou a cabeça em negação, voltando sua atenção a tela do computador. Instantaneamente senti minhas bochechas ruborizarem por ter falado de Regina em voz alta.

- Quer saber? Eu vou pedir para sair mais cedo, já fiz todo meu trabalho mesmo. – Disse me levantando indo em direção a porta.

- Vá em frente. – Murmurou sem dar muito bola.

Após ser liberada, voltei para minha sala contente por ter sido liberada do trabalho antes das 16h00minh.

- A vida é ou não é maravilhosa? – Comentei enquanto pegava minha bolsa.

- Tchau Emma. – Murmurou sem expressão alguma.

- Tchau Archie, bom trabalho. – Sorri com toda simpatia que possuía para aquele antipático.

Estava no caminho de casa quando parei no sinal ao lado do drive thru do Mc Donald’s e lembrei-me de Regina, gargalhei ao lembrar-me dela desejando um big mac. Tadinha, devia estar tendo um dia corrido para não ter tempo nem de comer. Sem pensar duas vezes fiz o retorno e entrei na fila do drive thru. Não faria mal eu comprar e levar até ela um lanche. Enquanto esperava chegar minha vez peguei o celular para pesquisar no Google a sede da MV. Como não conhecia muito bem o bairro ativei o gps do celular. Após fazer o pedido com o trio de coca-cola, batata grande e big mac com molho extra, segui as coordenadas da moça do Google Maps.

Como o trafego estava bom em vinte minutos eu estava na rua lotada de prédios comerciais. 16:43 marcava no relógio do meu carro. Arrumei uma vaga no inicio da rua e desci do carro procurando pelo prédio que não foi difícil de encontrar, já que era o maior da rua.

- Imponente igual à dona. – Pensei comigo mesma – Sorri ao imaginar a cara dela de surpresa a me ver em sua empresa, irei contar que descobri quando fui adiciona-lá no facebook, o que de fato é verdade.

Ao entrar no prédio da empresa fiquei surpresa com a imensidão do lugar. Ele era todo marrom e branco, o chão brilhava tanto que eu poderia ver meu reflexo nele. Isso sim era um império. Fui em direção ao balcão de recepção onde fui atendida por uma morena muito simpática.

- Boa tarde, eu vim ver a senhorita Regina Mills. – Pedi colocando o porta copo de papelão junto com a coca-cola em cima do balcão.

- Boa tarde, a senhora possuí horário agendado?

- Ah não, eu sou amiga dela. – Sorri – Vim fazer uma surpresa.

- Oh claro, qual o nome da senhora, por favor, irei verificar sua liberação no sistema.

- Eu não possuo liberação, é a primeira vez que eu venho aqui. – Expliquei – Na verdade, estávamos conversando e ela disse que não havia almoçado e eu trouxe um lanche. – A recepcionista me olhou um tanto quanto desconfiada e eu me senti uma idiota por ter dado tanta informação desnecessária.

- Só um momento. Irei telefonar para a secretaria da senhorita Mills. Qual o nome da senhora?

- Emma Swan. – Informei.

- Um momento senhora Swan. – Pediu enquanto provavelmente ligava para a secretaria de Regina. – Senhorita French, boa tarde. Esta aqui na recepção uma senhora que atende pelo nome de Emma Swan querendo ver a senhorita Mills, porém ela não possui liberação. – Ficou um momento em silencio ouvindo a resposta do outro lado da linha – Ela informou que é amiga da senhorita Mills. Não, ela não possui liberação no sistema. – Mais um momento de silêncio e eu batia os pés um pouco nervosa já me arrependendo de ter vindo até aqui.

- Olha desculpa. – Interrompi a recepcionista – Eu só estava conversando com ela no whatsapp e ela me disse que hoje não havia tido tempo nem para almoçar, resolvi trazer um lanche para ela, mas é só vocês entregarem, não precisa de liberação alguma. – A morena apenas me encarou em silêncio provavelmente ouvindo alguma coisa do outro lado da linha.

- Se chama Emma Swan. – Mais alguns segundos de silêncio – Tudo bem então senhorita French. Farei o cadastro dela no sistema para liberar sua entrada. Até logo, tenha uma boa tarde. – Desligou o telefone voltando sua atenção para mim – Perdoe-me senhora Swan, a secretaria da senhorita Mills liberou sua entrada. Ela realmente ainda não almoçou hoje. – Sorriu como se o que eu tivesse dito confirmasse a minha história. – Irei precisar do rg da senhora para liberar no sistema o crachá de acesso da roleta.

- Claro. – Coloquei o saco com o lanche em cima do balcão para pegar meu rg na minha bolsa.

- Andar trigésimo, corredor B – Disse minutos depois me entregando o rg junto com o crachá escrito “Visitante”.

- Obrigada. – Agradeci pegando o saco que estava o hambúrguer e batata em uma mão junto com o crachá e a Coca-Cola em outra.

Uma eternidade para o elevador chegar, já que em todo andar entrava e saia gente, porém, conforme o andar da sala de Regina se aproximava, o elevador foi esvaziando, até restar somente eu.

 As portas de metal se abriram dando visão a um corredor marrom com as paredes pintadas de marrom só que dessa vez com um carpete também de uma cor marrom claro. Havia três largos corredores e eu segui pelo que a recepcionista havia me informado ser de Regina, o B. No fim dele possuía uma espécie de sala de espera onde uma loira de cabelos acima dos ombros digitava apressadamente alguma coisa no computador, mas logo teve sua atenção desviada por minha chegada.

- Boa tarde. – Levantou-se – A senhora deve ser Emma Swan, não é?

- Boa tarde, isso mesmo. Mas é senhorita, na verdade, só você. – Sorri.

- Belle French, perdoe-me o ocorrido na recepção, é que a senhorita Mills esta em uma reunião e eu não pude interrompê-la, somente quando ouvi à senhora falar sobre o fato dela não ter almoçado hoje confirmei que realmente eram amigas.

- Tudo bem, sem problemas. – Sorri.

- Peço só que a senhorita aguarde até a reunião finalizar. Aceita uma água ou café? – Perguntou solicita.

- Não obrigada, estou bem. – Sentei-me na cadeira e fiquei lá cerca de trinta minutos esperando até o fim da reunião. O lanche com certeza estava frio e a Coca-Cola quente. Que dificuldade para conseguir entregar um lanche para Regina.

Por fim, as portas de madeira se abriram e uns seis senhores de meia idade saíram da sala seguidos por Regina que nem se quer me notou, pois estava conversando com um deles e seguiu para o corredor em direção ao elevador.

Meu coração começou a bater de uma maneira frenética. Era muito invasivo eu estar em seu ambiente de trabalho sem ela nem ao menos ter me convidado? Quais as chances de eu pular pela janela que possuía atrás da mesa de Belle e sobreviver? Quando ouvi o barulho de seus saltos se aproximando senti meu estomago revirar. Merda! O que eu vim fazer aqui?

- Belle, eu preciso que você compre alguma coisa para eu comer na minha sala mesmo, se não eu vou matar alguém. – Disse em tom irritado arrumando os cabelos curtos. Ela vestia uma calça social, um scarpin e um blazer preto, quebrando apenas pela blusa de seda social na cor azul.

- Senhorita Mills. – A secretária olhou para mim. O que fez Regina se tocar da minha presença virando seu corpo em minha direção.

- Emma? – Perguntou surpresa – O que? – Gaguejou – O que faz aqui?

- Eu vim trazer o mc donald’s que você disse que estava com desejando. – Levantei pegando o lanche que estava em cima da mesinha de centro junto com a Coca-Cola, indo em direção a ela para entregar.

- E com que permissão você entrou aqui? – Alternou o olhar entre mim e sua secretária.

- Eu informei que era sua amiga na recepção e...

- Então qualquer pessoa chega à recepção informando que é minha amiga e liberam a entrada sem ao menos possuir o nome no sistema? – Regina gritou em direção a Belle – Quero o nome da recepcionista agora!

- Fui eu senhorita Mills, como ela disse que a senhorita não havia almoçado...

- E com que autoridade você libera a entrada de alguém sem a minha permissão? – Disse em tom autoritário, deixando a pobre da secretária sem palavras.

- Regina eu que insisti...

- Lógico que você insistiu não é Emma! Quando é que você não força alguma situação? – Me lançou um olhar seco, suas palavras me incomodaram. Eu não estava forçando nada. – Como você chegou até aqui? Como descobriu onde eu trabalhava? Pois se eu bem me lembro, eu nunca lhe dei esse tipo de informação. – Não era para ter sido dessa forma. Não era para ela achar que eu sou uma maluca.

- Eu pesquisei na internet e... – Gaguejava sem saber como responder.

- Você pesquisou a minha vida na internet? – Perguntou incrédula e sem me deixar responder voltou sua atenção para a loira dos olhos azuis que agora estavam assustados – Senhorita French pode passar no RH no final do expediente, está suspensa por três dias.

- Como? – Perguntou chocada.

- Desse por satisfeita por não levar uma justa causa. – Respondeu seguindo para sua sala.

A mulher a minha frente tremia feito vara verde e seus olhos estavam marejados. Quem Regina achava que era para tratar as pessoas assim? Joguei o lanche em cima da mesa e sai em direção à sala que ela havia entrado.

- Senhorita... – Ouvi a loira dizer atrás de mim, porém já era tarde demais e eu já havia entrado na sala.

- Você não precisa diminuir as pessoas para se sentir melhor. – Falei ao invadir a sala. Regina estava de costas olhando para a janela de vidro que ia do teto ao chão quando virou para me encarar.

- Como eu trato eu deixo de tratar as pessoas é algo que não lhe diz respeito. – Sua voz soou de um tom frio o qual ela nunca havia usado comigo.

A porta voltou a abrir com Belle vindo em minha direção.

- Peço que a senhorita se retire. – Dizia mais como uma suplica.

-Tarde demais para isso não acha? – Interrompeu Regina em tom duro – Pode sair da minha sala Belle. – A moça a olhou envergonhada e somente murmurou um ''com licença'', voltando a fechar a porta atrás de mim.

- Precisa disso? – Perguntei enojada com aquela cena.

- E você hein? Qual é a sua Emma? Como você aparece no meu local de trabalho sem nem ao menos ter sido convidada?

- Eu só quis te trazer um lanche... – Tentava explicar.

- Ah jura? – Ironizou – Você ama falar sobre relacionamentos abusivos e isso que você fez foi o que? Porque é um abuso da sua parte pegar o endereço da minha empresa que sabe se lá como a senhorita descobriu e vir até aqui sem nem avisar ou ser convidada. – Suas palavras me magoaram profundamente. De forma alguma eu pensei em ser abusiva.

- Me desculpe eu...

- Eu não sei para onde você esta levando o nosso relacionamento senhorita Swan, mas vejo que esta confundindo completamente as coisas. – Cruzou os braços me encarando.

- Como? – Franzi o cenho sem entender aquela afirmação – Você não esta achando que...

- Sim senhorita Swan, eu estou achando e caso ainda não tenha entendido é de homens que eu gosto. Somente de homens.– Fiquei longos segundos encarando Regina para ver se era aquilo mesmo que ela estava me dizendo e senti um nervoso enorme ao sentir meus olhos marejarem, merda, maldito signo de peixes. Eu não iria chorar por uma pessoa tão estupida assim.

- A única coisa que eu queria era melhorar o seu dia, com a merda de um lanche do Mc donald’s que você me disse que estava com vontade de comer. – Virei para ir embora, mas senti tanta raiva que não aguentei ficar quieta e voltei a encara-la – No sábado você me confessou que pediu para não ser mais sozinha e eu disse que o problema eram as pessoas e não você. Hoje, eu me questiono sobre isso, você é um tanto quanto desprezível e talvez esse seja o motivo por não ter ninguém. – Nesse momento senti Regina se desarmar, pois sua postura apaziguou e seus olhos mudaram de expressão. Mas eu é que eu não ficaria ali para vê-la desmoronar pelas verdades que eu havia dito.

Sai de sua sala e passei pela coitada da secretária que não merecia conviver com Regina Mills e nem consegui pedir desculpas pelo transtorno que havia lhe causado pois eu sentia meu corpo inteiro tremer de nervoso.

Regina

Assim que eu soltei aquelas palavras e vi os olhos de Emma marejar, eu me arrependi. Quando Emma me disse que eu era desprezível foi como se tivessem me dado um soco no estomago. Merda, qual o meu problema em querer ferir as pessoas com palavras quando eu estou puta com a vida? Sai apressada de minha sala e encarei Belle que estava chorando. Pronto, mais uma para fazer eu me sentir um lixo humano. Com ela eu resolveria depois. Sai andando pelo corredor e encontrei Emma apertando freneticamente o botão do elevador.

- Emma! – Disse me aproximando – Me desculpe, eu não quis dizer nada daquilo.

- Ah você quis sim! – Falou em um tom alto demais para o ambiente em que estávamos – Você acha que só por eu era homossexual, eu não posso querer só a sua amizade? – Dizia nervosa e suas bochechas estavam vermelhas, provavelmente de raiva.

- Lógico que não Emma, eu me expressei mal. – Falava em um tom baixo tentando manter a calma.

- É o cacete! – Voltou apertar o botão que chamava o elevador.

- Emma, eu sei que eu fui uma estúpida lá dentro, mas vamos até a minha sala conversar. Eu tive um dia estressante, clientes cancelando contratos, tudo nas minhas costas...

- E isso te dá o direito de tratar as pessoas igual lixo? Porque pasme só, Regina – Dizia em tom de deboche – O mundo caga e anda para os seus problemas. O mínimo que você pode fazer é tratar as pessoas bem.

- Eu sei Emma, realmente me excedi. Eu só fiquei um pouco assustada por não ter lhe passado meu endereço e...

- Eu não sou nenhuma psicopata Regina! Sei que eu errei e fui inconveniente, mas se você não sabe, é isso que as pessoas fazem quando se importam com as outras. Se esforçam para tentar fazer o dia delas melhor. – Cuspiu aquelas palavras e talvez eu não soubesse disso porque ninguém nunca tentou fazer isso por mim.

- Emma, vamos até a minha sala... – Pedi novamente pegando em seu braço com delicadeza.

Fomos interrompidas pelo elevador se abrindo e a última pessoa que eu queria ver nesse dia de cão saindo dele.

- O que está acontecendo aqui? – Cora retirou seus óculos escuros fitando o rosto vermelho de Emma e logo em seguida levando seus olhos em minhas mãos que estavam em seu braço.


Notas Finais


Vocês são team Emma ou Regina? Hein? Hein?
Não me apedrejem :p até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...