História Finalmente livre do segundo inferno - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Jimin, Sobrenatural
Visualizações 11
Palavras 1.432
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


B o a l e i t u r a (\__/
( ^~ ^)
/> ❤️

Capítulo 2 - Qual é o verdadeiro motivo de EU estar saindo do Norte


4/03/2017 5:30 da manhã 

Após Mia sair do quarto ela encontra seus Pais no sofá – minúsculo – a sua espera. O senhor Kim tentava consolar sua querida esposa que derramava lágrimas de seus olhos marrons escuros – que agora deveriam estar avermelhados por conta do choro da mesma – a Senhora Kim sussurrava coisas em capazes de se ouvir provavelmente ela sussurra mais pra si do que para os demais – que no caso eram seu marido e sua filha e a mesma não tinha notado a presença da jovem no cômodo – mais cando a-nota se-levanta e enxuga as lágrimas que insistiam em descer – percorrer – seu rosto.–

Sr Kim: melhor irmos, temos exato uma hora pra sair daqui antes que os Militares estejam nas ruas.–falava o Senhor Kim se dirigindo a porta para sair pela mesma, mais antes que acontece-se isso Mia se pronuncia pela primeira vez ao chegar no cômodo.–

Mia: Mais e as malas....–falou olhando sobre o ombro para ver a porta de madeira que possuía a coloração branca assim como o resto da casa. Era também uma das leis do país que todos os cidadãos não pudessem pintar suas casas de outras cores a não ser branco e preto, os cidadãos só conheciam a cor banca, preta, dourado e vermelho, pois os líderes do país adoravam o dourado e o vermelho, sendo eles os 
Kim Jong-un o líder supremo e o
Kim Yong-nam presidente supremo da assembleia popular e também quem gostava dessas cores era
Kim II-soung presidente, mais este já se encontra morto. Essas cores tem um significado para a população ou pelo menos para eles. O dourado significa uma nova era e esperança. O vermelho significa as guerras vencidas e muitas que viram pela frente. O branco significa a paz para aqueles que não ousassem a desobedecer e não quebrar nenhumas das regras sitiadas pelos superiores e o preto significa um aviso para aqueles que ousassem a não seguir as regras, eles nunca iriam ver a luz e sim a escuridão eterna e não terão passagem para o plano espiritual –no caso o céu – por isso os líderes e comandantes adoravam essas cores, já os habitantes não, eles não gostavam das duas cores – vermelho e dourado – pois em suas cabeças o vermelho lembrava o sangue de seus familiares que tiveram a morte trágica, e o dourado os lembravam dos dias de sol que nunca teriam em suas vidas de agora, e se tivessem seria um milagre.–

Sn Kim: Filha lá vc terá roupas novas, não precisará levar suas roupas. Agora vamos estamos perdendo um tempo precioso.–após esse comentário da Senhora Kim a família sai de casa, primeiro os pais da jovem, mais antes de Mia sair ela percebe uma coisa, para ser mais específica uma carta com a coloração vermelha escondida em um buraco pequeno na parede em sima da porta, curiosa resolveu pegar.–

Cando a mesma pegou viu que não era uma carta "comum" e sim uma carta enviada de um dos comandantes do país, pela quantidade de pó presumiu estar ali a muito tempo, mais antes de abri-lá ouviu seus pais a chamarem na base de sussurros, a jovem olhou e virou-se e escondeu a carta de baixo da blusa e depois prossegui seu caminho fechando a porta de casa cando se encontrava a mesma fora dela.

 


Após isso sua família entraram no carro para dirigir-se até o local do combinado. Cando Mia entra no carro ao invés de se sentar no banco ela se-senta no chão do veículo – que começou a se mexer – para não ser vista por ninguém que ousasse sair de suas casas antes do alerta de recolher acabar. Seus pais – assim como a jovem – não queriam quebrar o silêncio, não era um silencio constrangedor muito pelo contrario era um silêncio bom e aceito pela família.

Encanto o Senhor Kim e Senhora Kim prestavam atenção na rua isso deu uma oportunidade de Mia ler o conteúdo escrito na carta, ela presumiu que seus pais não quisessem lhe contar o que estava escrito na carta pois a jovem notou que o envelope estava solto – isso significava que alguém já avia lido o conteúdo escrito nela – então a mesma abriu com muito cuidado para que seus pais não ouvissem e tirou o papel de dentro do envelope para não fazer barulho e colocou ao seu lado, mais cando foi abrir o papel – que estava dobrado – fez um pequeno barulho, a mesma fechou seus olhos esperando que seus pais perguntassem o que estava acontecendo, mais pela surpresa da jovem os mais velhos não ouviram então a jovem se pois a ler –mentalmente – para saber do que se tratava a carta que seus pais esconderam para a mesma não ficar sabendo.

 

"Prezados Kim's, estou escrevendo essa carta para saber sobre sua filha, os mesmos falaram que a jovem tinha morrido a oito anos atrás após o acidente que a jovem viu o corpo morto de uma pessoa, vcs me-disserem que a mesma si suicidou depois que se passou um ano após o acidente, mais um militar da tropa viu uma jovem garota na janela de sua residência aparentando ter 16 para 17 anos de cabelos castanhos escuros ondulados e de olhos verdes como uma Esmeralda, queria saber se era filha de vcs ou de parentes, mais se for filha adotiva de vcs meu filho quer pedir a mão dela em casamento, pois pedi para um dos melhores pintores da cidade para que desenha-se seu rosto e após isso meu filho passou-a desejar ter essa moça em suas mãos, e sabe que um pai não nega nada para seu filho, e ele irá te-la de todos os jeitos. E se a jovem não for sua filha e sim de algum parente ou amigo passe os dados da família

Asinado: Kim Jong-un."

Após a jovem ler isso, fica paralisada e com medo, como seus pais não contaram isso para ela, isso era um assunto que ela precisava saber, e não ser escondido. Ela perguntava se eles tivessem trocado mais cartas debatendo esse assunto, ela não podia acreditar que entre tantas jovens moças o filho de Jong-un iria se interessar por ela, o que ela tinha que chegou atrair o filho de Jong-un, em sua cabeça não formava nada para ele "gostar" dela, ela prejulgou ser seus olhos verdes, já que era raro nascer uma coreana que possui-se olhos claros, já que a mesma herdou isso de nascença por parte de mãe vindo de sua bisa vó.–

Sr Kim: Já estamos chegando Filha só mais uma meia horinha.–falou o Senhor Kim não tirando a atenção da estrada. Mia olhou para os mais velhos e sua mãe notou o olhar de sua filha, e se-pôs a virar-se para olhá-la, cando a mais velha fez isso deu um sorriso para reconfortar a filha, prejulgou a Senhora Kim que sua filha só estivesse com medo de deixá-los sozinhos nesse país horrível que era mais um inferno.–

Sn Kim: Filha.... Onde consegui isso.–cando viu o que tinha nas mãos de sua filha desmanchou o sorrio, e sua expressão que era calma se tornou preocupada e aflita. Mia não mantinha contato visual, seu olhar era só mente a carta que estava em suas mãos ela apertava a carta com medo que desaparece-se de suas mãos.–

Mia: Omma Appa... Qual foi o verdadeiro motivo pra eu estar saindo do Norte.–perguntou ainda encarando o objeto em suas mãos. Agora tudo fazia sentindo em sua cabeça, era por isso que sua mãe pedia para que ela não ficasse na janela. Cando Mia fala tais palavras seu pai para o carro e vira-se para vê-la.–

Sr Kim: O que vc disse filha.–seu pai pergunta sorrindo mais esse sorriso vai embora cando vê e percebe o motivo dela ter falado daquele jeito, e por sua esposa estar estática sem saber o que fazer.–Mia onde achou isso.–sua fala soou autoritário mais não aumentou o tom de sua voz. O quebra cabeça agora estava resolvido e com todas as pesas, o por que de sua mãe a-não querer que ela fique na janela, O seu pai dizendo os lados bons de se casar, O noticiário que passou na TV falando que o filho do Kim Joun-un estava a procura de uma esposa, tudo se-encaixava só precisava confirmar se o quebra cabeça estava realmente certo, então Mia ergue seu olhar e olha para os mais velhos e respira fundo e fala.–

Mia: Irei perguntar de novo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Qual foi o verdadeiro motivo de EU estar saindo do Norte.....

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


E eu quero uma resposta muito convincente para isso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Continua???


Notas Finais


Comentem o que acharam

Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...