História Find Your Sugar - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Hong Jisoo "Joshua", Jeon Wonwoo, Junghan "Jeonghan", Kim Mingyu, Lee Jihun "Woozi", Seungcheol "S.Coups", Wen Junhui "JUN", Xu Ming Hao "THE8"
Tags Cheolsoo, Gyuhui, Jihan, Jun8, Jungyu, Junhao, Junhui, Meanie, Mingyu, Minhui, Seventeen, Wongyu
Visualizações 118
Palavras 1.192
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Slash, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Self Inserction, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


nossa, quanto tempo! SAUDADES

Enfim, voltei e agora é pra valer *fogos*
Eu ia postar esse cap inteiro com os dois daddies rs. mas achei melhor separar e colocar um em cada cap

Este capítulo é ponto de vista do Joshua
(no último, joshua conheceu os dois no app e contou pro mingyu.
agora, eles vão se encontrar)
eh isso

bjs

Capítulo 12 - Daddy Jeonghan


[Joshua]

 

Alguns dias após eu e Jeonghan — agora sabia o nome do daddy “10angel04” — determinarmos a data e local onde ocorreria nosso primeiro encontro, aguardei ansiosamente pelo dia chegar.

O daddy optou por uma lacuna em sua agenda cheia para encaixar nosso encontro. Disse que estaria muito ocupado e todos os seus horários seriam assim. Desculpou-se por não encontrar momento específico para mim, mas eu pouco me importava. Como descobrira que ele era exibido, esperava que surgisse num automóvel caro e saísse pela porta como um galã dos filmes de Hollywood, com os cabelos ao vento, em câmera lenta e tudo.

A imagem me fez sorrir, embora eu não soubesse como ele era ainda. Estranho. Por ser exibido, sua galeria deveria estar repleta de fotos suas, mas não era assim. Talvez, Jeonghan seja mais confiante do que narcisista propriamente. Não seria de muita ajuda criar hipóteses quando estou prestes a encontrá-lo.

Por sorte, era meu dia de folga na sorveteria. Irônico era Jeonghan sugerir uma incrível e luxuosa gelateria italiana, a melhor de Seoul, para nosso encontro. Era como se ele estivesse indiretamente humilhando a mim e ao meu trabalho. Engraçado.

O sol estava forte àquela hora da tarde, queimando minha pele e fazendo com que a jaqueta em meu corpo parecesse feito de um louco. Ninguém em sanidade perfeita usaria tal roupa, exceto quem havia passado o dia anterior fazendo o controle de estoque de sorvete no freezer, como eu.

A enxaqueca ainda estava presente devido ao longo período de frio, mas meu nariz não mais escorria e meus músculos já estavam bem.

Suspirando e pego de surpresa, encarei — como todos os transeuntes mais próximos — quando uma Lamborghini prateada estacionou numa vaga da gelateria. O ronco grave do motor era extrema e inexplicavelmente satisfatório. Devia ser mais um dos ricaços de Gangnam parando para tomar algo gelado naquele calor do verão em seu início.

Colocando uma mão em viseira, estreitei os olhos e encarei o homem aparecendo pelas portas gaivota do carro. Seus cabelos eram loiros e estavam presos num rabo de cavalo. Ele certamente não era alguém comum, devia ser mais uma daquelas celebridades de nariz em pé — mas que todo mundo morreria para pôr as mãos ou, quem sabe, outras coisas —, a julgar pelos óculos de sol absolutamente escuros.

Inegavelmente, o homem era deslumbrante. Ele tinha uma aura brilhante e chique, vestes visivelmente caras e postura imponente. Por um momento, pensei estar babando, mas logo me recompus e acompanhei com os olhos a figura do homem andando para dentro do estabelecimento até ele sentar-se a uma mesa na área interna da gelateria.

Chamando minha atenção, o celular vibrou em minha mão e eu automaticamente tornei a cabeça para baixo, desbloqueando o aparelho e vendo a mensagem na tela.


 

Find Your Sugar

10angel04:
shua, já estou aqui
onde você está?


 

Ligeiramente desconcertado, suspendi a cabeça e encarei a figura loira que observara antes.

— Só pode ser brincadeira. — murmurei, de olhos arregalados e boca aberta.

Colocando os pés dentro da gelateria, tentei ser discreto e passar despercebido até chegar à mesa onde Jeonghan sentava-se. Porém, nada corre como nos meus planos e a atendente que me dirigiu um animado “Boa tarde! Já conhece a casa?” parecia saber bem disso.

Ignorá-la me parecia extremamente errado e eu não assumiria o risco de mostrar uma falsa descortesia ao daddy. Um baby devia ser bem educado, no mínimo. Ademais, ninguém deseja se relacionar com pessoas rudes. Portanto, sorri-lhe brevemente enquanto assentia, logo retomando o trajeto inicial.

Ah, aquele loiro de ares arrogantes precisa valer a pena! Não estou muito disposto hoje para lidar com decepções, ainda que das mais leves.

Suspirando, anunciei minha presença com um aceno de mão. Nenhuma outra pessoa naquele estabelecimento tinha o perfil de um daddy e, se eu estivesse errado, teria a chance de me expor para alguém novo e possivelmente incitar o interesse alheio. Dois coelhos com uma cajadada.

Por sorte, a flecha atingiu o alvo.

— Shua? — o loiro se pronunciou. Que voz!

Não sou muito bom com descrições e, mesmo que fosse, duvido que pudesse descrever tal timbre. A voz do daddy era como mel no limão. Havia uma acidez, mas esta era sobreposta por um tom doce.

Perdido em meu divagar, deixei que meus olhos passeassem pela figura da pessoa em minha frente. Calça preta aparentemente feita de algum tecido caro, vincos e corte moderno, camisa azul bebê de mangas médias com discretas aplicações de filetes em relevo trançado, colarinho como manda a etiqueta, dentes brilhantes num sorriso perfeito, pele claramente muito bem tratada e de aparência macia, cabelos impecáveis, sapatos que vi na última fashion week... Ele não é nadinha mau. Nada mau mesmo. É claro que me refiro a sua conta bancária. Sua estonteante beleza? Bem, a considero um bônus. Se eu estivesse atrás de aparência, não teria aceitado sair com um usuário sem foto no perfil. Se ele for tão amigável pessoalmente como sugere em suas mensagens, já fico feliz.

— É um prazer poder conhecê-lo! — estendi a mão para o homem, sorrindo e deixando que meus olhos formassem as típicas meias-luas fofas.

— O prazer é todo meu —  Jeonghan apertou minha mão, frisando cada palavra, e seus olhos reluziram à luz — Por favor, sente-se.

Assim que tomei o assento, o daddy sinalizou para que uma funcionária viesse nos atender. Não pude deixar de reparar na fragrância cítrica que emanou dele quando se moveu. Perfume caro. No mínimo, um eau de perfum, que me fez ter pena de minha colônia.

— Prontos para pedir? — tirou uma caneta e bloquinho do bolso da saia azul.

Sem pousar o olhar no menu, Jeonghan fez seu pedido — no qual não prestei muita atenção, já que estava mais preocupado em escolher o meu — e a atendente esperou que eu dissesse algo.

Os gelatos disponíveis tinham os mesmos sabores com os quais trabalhávamos na sorveteria, o que foi bastante decepcionante para mim. Não que eu quisesse tomar algo gelado, para começar. Porém, checar a concorrência não custa nada.

— Indico o Petit Gateau — Jeonghan deslizou seus dedos pela mesa até alcançar meu menu, onde ele indicou um número na lista — É muito bom e você me parece um pouco... Acanhado para pedir algo gelado.

Eu entendi o que ele quis dizer. Interessante escolha de palavra para se referir ao fato de eu vestir roupa de outono no verão. Só espero que ele não me ache um esquisito.

— Vou acatar sua sugestão — sorri para o daddy e assenti para a atendente, que rapidamente rabiscou no papel e, com alguns dizeres, foi embora com nossos pedidos.

Continuei sorrindo timidamente enquanto esperava que ele terminasse de passar os olhos por mim. Sua análise silenciosa criava arrepios em minha pele.

— Hm, você é mesmo muito bonito — ele sussurrou para que somente eu ouvisse e seu tom baixo me surpreendeu.

Pego de surpresa, demorei mais segundos do que o normal para agradecer.

— O que fará depois daqui? — ele levou uma das mãos para perto de onde eu deixava as minhas e, com um dedo, acariciou muito lentamente um dos meus.

Sutil. Mas eu não precisava mais do que isso para compreender o que ele queria dizer.


Notas Finais


o que acharam do daddy?
aliás, o que acharam da fic?

logo posto mais um!
calma galera, em breve eu pego o fio da meada e vamos no fluxo rs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...