História Fire Game - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), G-Friend, Got7
Personagens Daehyun, Eunha, JB, J-hope, Jimin, Jin, JR, Jungkook, Nayeon, Rap Monster, Suga, V, Yugyeom, Yuju
Tags Ação Comédia, Bts, Bts Criminal, Bts Gfriends, Bts Got7, Fire Game, Jikook, Lab Segunda Temporada, Letybobbie, Namjin, Taekook, Twice, Vkook, Yaoi, Yoonmon
Exibições 20
Palavras 4.409
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá 0/ vim com surpresa o capitulo acampamento 0/ Sei que esse capítulo vcs vão gostar, e tem YoonMon :v viu a capa ne?!

BOA LEITURA

Capítulo 8 - Acampamento


Fanfic / Fanfiction Fire Game - Capítulo 8 - Acampamento

 

CAPÍTULO ANTERIOR

Yugyeom procurou por JB para pedir ajuda e lhe entregou imagem de um carro para descobrir o dono do carro.

Namjoon dormiu melhor por causa da música que Yoongi tocou.

Já na fazenda do Dr. Jin; quando o Kook virou a folha do jornal, descobriu a foto que ele nunca imaginara ver. A sua mãe como vítima do incêndio em uma casa.

==xx==

~ Algumas horas antes, na mansão do Jungguk ~

Na mansão do Jungkook; Yoongi, depois de ter tocado o piano, já dormia sonhando com carneirinhos pulando cercas. Jin, se mexeu e o agarrou; nesse estante, o bombeiro acordou e se chateou com o mais velho tentando o beijar enquanto chamava pela Kelly.

Sim, Jin estava sonhando; revelava que os dois haviam dormido juntos.

Yoongi, egocêntrico, empurrou o médico para o chão fazendo o mesmo acordar.

–– Ah! Apa (dói) Hum? Yoongi? Por que me empurrou?

O bombeiro apoiou seu braço para olhar o rosto do outro que estava no chão, estava indignado.

–– Por acaso eu tenho cara de Kelly? Vocês transaram? Ah Não!–– suspirou e antes que o outro pudesse explicar, continuou –– Não quero saber! Vá dormir no chão. –– se deitou novamente e virou de costas para o mais velho.

–– Ei, eu não vou conseguir dormir aqui.

–– Aqui você não volta. Aish, dormir agarrado por um macho, me poupe! –– na verdade ficaria feliz dormir agarrado por Namjoon, mas por Jin, nem pagando.

O mais velho se levantou, pegou sua coberta, pois cada um dormia com a sua. Pegou travesseiro e foi dormir no sofá da sala maior.

Namjoon, acordou no meio da noite. Sentiu que não havia mais alguém tocando piano. De fato a musica mexeu com seu coração e logo adormeceu; uma tranquilidade para seu espírito.

Levantou e caminhou até a sala maior com intenção de fazer alongamento no corpo, já que perdera sono. Mas ao chegar, percebeu o Jin dormindo no confortável sofá. Se aproximou e sentou na sua frente. Não podia ignorar o como lindo estava o seu amado, dormindo.

Temendo lhe tocar, foi aos poucos aproximando a costas de seus dedos no rosto dele, mas ao tocá-lo o mesmo não se mexeu, um alivio. Continuou acariciando o rosto do mais velho, sorrindo amorosamente até aparecer os dentes.

O sorriso do agente de segurança... É lindo! Pena que o Jin, nunca reparou nisso; um desperdício!

Felizmente o Jin não acordou, ele nem se mexeu, estava no quinto ou no sétimo sono; claro, é medico e trabalha muito.

De tanto acariciar o seu amado, chegou ao ponto em que queria tocar seus lábios no dele; haja coragem para tudo, até para levar um tiro; mas beijá-lo, suas mãos suam e seu coração ameaça sair pela boca.

Se aproximou seu rosto, atentando a coragem, mas parou ao perceber a hora que passava. Isso seria uma desculpa sendo que na verdade, o médico poderia acordar.

Como o mesmo ainda dormia, Namjoon, resolveu se arriscar. Aproximou novamente seus lábios e tocou no dele; seu coração queria sair, batia rápido demais, podia ser felicidade por enfim beijá-lo.

Percebeu que o Jin se mexeu e infelizmente acordou:

–– Namjoon?

Rap, na mesma hora, fingiu estar em sonâmbulo; deixou seus olhos como um adormecido e acariciou o rosto do mais velho:

–– Na Yeon... –– disse Namjoon, fingindo estar sonhando com ela. Jin, levantou seus olhos, era novidade o outro estar sonhando com a tal “coelha”. Se surpreendeu, pois nunca imaginara que o agente, possa sonhar em beijá-la.

NaYeon, geralmente persegue o Namjoon, mas o mesmo não percebia suas ações, mas seus amigos sim.  Talvez Namjoon pudesse estar fingido não perceber o sentimento dela.  

O agente se levantou:

–– Nayeon... –– se virou e foi em direção a cozinha.

Jin ainda surpreso, tocou seus dedos em seu próprio lábio e pensou alto:

–– Ele gosta da Nayeon? Eles já se beijaram?

Quanta inocência, Jin, mal sabe que Nam, nunca beijou uma mulher, e também não sabe que ele é apaixonado por você.

Então... Boa noite para eles também!

==

Quando chegaram à parte da manhã na fazenda do Dr. Jin, que pela distancia levaria horas ao destino; ficaram a vontade na casa. Esses são seus amigos que foram para a fazenda: Jimin, Hoseok, Sinb, Júnior, Anna, Yoongi, Yoonha, Sowon, Bonhae, Namjoon, NaYeon, Taehyung e Jin. 

Kook e Jin se aproximaram do Suga que estava no sofá, vendo o jornal, a foto de seu pai.

Então, durante a conversa, Kook, descobriu que sua mãe foi mencionada na notícia como vítima de chamas.

–– Mas a sua mãe não morreu no acidente? –– perguntou o Jin, pois o Yoon permaneceu calado pensando o mesmo que o médico.

Kook, virou a folha e descobriu a foto da tal vítima senhora Song; ficou em choque. Sentiu seus olhos lacrimejarem além do coração partido.

–– Não pode ser... Essa mulher aqui... É a minha mãe!

–– Impossível –– disse o bombeiro e pegou o jornal pra ver a foto da mulher.

–– Eu não entendo mais nada, me disseram que minha mãe morreu no acidente de carro. 

–– Não, isso está muito estranho. E se não foi essa mulher que meu pai tentou salvar?

–– Está realmente estranho mesmo –– disse o Jin.

–– Minha irmã pode ter acessos ao arquivo de 2008, vou pedir a ela que nos faça esse favor. –– disse o bombeiro.

–– Realmente, e se não for ela? –– perguntou Kook, se referindo a sua mãe.

–– E se for ela? –– perguntou o Min, sendo mais realista.

Kook, ficou pensando.

–– Kookie, talvez você esteja se confundindo.  –– disse o Jin –– Talvez fosse coincidência a foto da sua mãe ou talvez seja uma mulher bem parecida com ela.

–– Uma mulher parecida com minha mãe poderia ter o mesmo nome que ela? –– pausaram –– Tudo bem, eu terei a certeza com o favor da Yoonha.

–– Certo, vamos mudar de assunto, isso parece pesado pra vocês dois –– pediu o mais velho e outros concordaram.

Yoongi, guardou o jornal no bolso, se levantou e foi ao quarto. Apareceu em um dos quartos, flagrando o Nam, apenas de calça, vestindo a camisa.

O agente parou e o observou:

–– O que foi? –– Yoongi não queria responder um: “você está sexy com esse ABS”

–– Nada, só estou procurando meu celular que deixei por aí. –– na verdade, havia deixado seu pertence na sala.

–– Yoongi-ah, eu... –– Rap começou um assunto, mas talvez não valesse a pena se abrir com ele. Talvez espere o Taehyung chegar da caminhada para conversar. 

–– Diga –– pediu e fingiu procurar algo no quarto.

–– Ah... –– suspirou como um cansado –– Deixa pra lá.

Yoongi, olhou para o Rap e percebeu o como o tempo passava, o tempo passava pra ele por não se confessar direto a ele.

Indignado, deu passos para a porta e fechou, para conversarem em privado. Disse:

–– Preciso conversar com você Namjoon. –– Nam sentiu calafrios no estomago, imaginava que o mais velho começaria o assunto de mais cedo, sobre beijar o médico, se caso tenha visto.

–– Fa-falar o quê?

–– Cara, eu não aguento mais. Eu sei de quem você gosta e tenho observado isso! –– Nam, engoliu o seco. Yoongi já estava chateado.

–– Do-do que você esta-ta falando?

–– Eu te conheço Nam, olha o como você gagueja! –– passou a mão em seu próprio cabelo enquanto suspirava com falta de coragem.

–– Está bem –– admitiu –– Certo, vai jogar na minha cara? Comece agora!

–– Na verdade você vai é jogar na minha cara, idiota! Não percebeu?

–– Agora quem está sendo idiota aqui é você! Percebeu o que? Que o Jin não me nota? Isso eu sei!

–– Então por que insiste?

–– Não insisto nada! Aliás, não tenho culpa se gosto dele!

–– E eu não tenho culpa se gosto de você! –– revelou, deixando o agente, sem palavras.

–– O que... O que disse? –– bombeiro suspirou; virou seu rosto para os lados pensando se continuaria com o assunto.

–– Infelizmente... Meu coração é voltado pra você. Foi isso que eu disse! Agora vai jogar na minha cara que isso é errado?

Nam, sentou na beirada da cama, ainda surpreso.

–– Juro... Nunca... Nunca imaginei isso.

–– Pense bem! Há alguém que corresponderia você! –– concluiu e o deixou sozinho no quarto.

O agente ficou pensando.

-- --

Taehyung estava na sala segurando seu livro, pronto para se sentar e ler; Yoonha também estava. Mas durante a caminhada até o sofá, se assustou com uma barata que passava. 

Ele pulou e gritou:

–– AH! Barata!

Yoonha que estava sentada riu do mais velho e se levantou; foi até a barata e a esmagou com seus tênis.

Tae, fechou os olhos aliviados, odiava a nojenta do inseto.

–– Você parece ter coragem pra tudo –– disse a jovem Min –– Menos pra barata!

–– Como você é corajosa em! –– sorriu e se aproximou dela –– Merece um premio.

–– Que prem... –– parou por receber um beijo dele em sua bochecha. Ficou paralisada.

–– Obrigado por matar a barata pra mim –– sorriu de forma fofa para ela.

Ela piscou e tentou disfarçar suas bochechas coradas.

–– Ah... Eu vou pegar a vassoura. –– disse sem olhá-lo e saiu da sala.

-- --

Anna, de cabelos presos banhados de creme, usando roupas de verão; passou pela sala sendo notada por Taehyung, que lia um livro. Pouco depois, V, ouviu um grito dela e um barulho estranho; pode ser que ela tenha levado um tombo.

Preocupado, deixou seu livro no sofá e correu até encontrá-la; ela estava no banheiro, no chão, sentido dores nos braços. 

–– Se Yeon! –– a chamou e ela o notou.

–– Taehyung-ssi.

–– Você está bem? –– ela tentou se levantar, mas seu braço doeu.

Taehyung, se aproximou dela e pegou na mão machucada dela.

–– Eu escorreguei –– sorriu, admitindo ser engraçado seu tombo. Com ajuda do rapaz, ela se levantou. –– Obrigada.

Ela deu passos para pegar a toalha que estava dobrada dentro de um dos mini armários. Pegou, mas sentiu uma pequena dor do braço.

V que estava a observando, se ofereceu:

–– Precisa de ajuda? –– ela olhou pra ele.

–– Está tudo bem –– sorriu –– Vou só lavar o cabelo cheio de creme –– ergueu os braços, mas sentiu a dor de novo.

–– Seu braço não está bem. –– V, olhou para a banheira, notando uma mangueira do chuveiro, ao lado. –– Vem cá. Eu posso lavar o cabelo pra você.

–– Não quero te incomodar, eu posso chamar a Sinb.

–– Ela está namorando, deixa ela pra lá –– sorriu. –– Você deita em cima do apoio que uso a mangueira pra escorrer a água em seus cabelos.

Ela fez o que ele pediu.

Tae, ligou torneira e lavou os cabelos dela. Por dentro estava gostando no que estava fazendo; era um meio de tocá-la; amava estar perto dela.

–– Que engraçado –– disse ela –– Como se você fosse um amigo gay lavando meu cabelo.

Ele riu:

–– Quem sabe eu não posso ser esse tipo de amigo pra você?! Se você aceitar, claro.

Ela pensou.

–– Por mim tudo bem, mas o Júnior não vai gostar.

Jin Young... Esse era o obstáculo; não exatamente. Tae, quando “conheceu” Se Yeon, não forçava a barra com ela, por pensar que ela sendo sua namorada, a faria sofrer.

Durante a conversa, Júnior chegou na casa e foi procurar por sua namorada.

–– Anna... –– Seyeon que estava de olhos fechados pelo carinho; pelos dedos carinhosos que mexiam em seus cabelos. Abriu os olhos ao ouvir a voz do namorado.

Tranquila, se levantou; Tae, desligou a mangueira e guardou no lugar.  Júnior, apareceu na porta, de bom humor, mas ao vê-la com rival... Falhou seu sorriso.

Ficou em silêncio; fechou raivosamente suas ambas as mãos fazendo somente o Tae, perceber.

–– Onde estava? –– perguntou ela e se levantou.

–– O que está...

–– Ele estava me ajudando, Oppa. –– sorriu –– Vamos lanchar. –– se aproximou dele ainda sorrindo e saiu do banheiro.

Júnior, estava sério; olhou para o rival que também se levantou. V, parou na frente dele e ambos se encararam. Tae, ia dizer algo, mas deixou isso de lado. Se afastou da porta, mas o rival, o Júnior, o segurou pelos braços e perguntou:

–– O que vocês estavam fazendo aqui?

–– Sua namorada estava de braço machucado, ok? –– tirou o braço da mão do outro e saiu, deixando o Jinyoung, sozinho.

-- --

Mais tarde da noite, chegou a hora deles dormirem.

–– Hanna –– Sinb, junto com Yong Sowon se aproximou da Bonhae –– Você vai dormir na barraca com a gente, cabem três pessoas.

Bonhae, olhou um pouco para Sowon e pensou que seria chato dividir a barraca com as duas, por causa da perícia Yong.

Mentiu:

–– Vou dormir com Nayeon e Anna.

–– O quê? –– Sinb, sem entender –– Mas a barraca delas cabe três pessoas.

–– Me cabe também. Somos magrinhas então está tudo bem.

–– Tem certeza? –– perguntou Sowon que parecia simpática, mas não aos olhos da Bonhae.

–– Sim. Eu vou pegar meu travesseiro e cobertor –– sorriu; foi na barraca da Sinb e pegou seus pertences: Um edredom e um travesseiro.

–– Tudo bem –– se desanimou a psicóloga Eunbi –– Boa noite.

–– Boa noite –– disse Sowon.

–– Até amanhã –– acenou Bonhae e se afastou.

As duas entraram na barraca e fecharam o zíper.

–– Aigoo, onde é que vou dormir agora? –– exclamou para si mesmo. Outros já estavam se preparando pra dormir e o Kook, exausto, entrou primeiro em sua barraca com Júnior e Hoseok.

Esses três ficaram conversando entre as risadas e jogavam no celular para ver quem faria mais pontos. Podiam admitir que a mentalidade deles, ainda seja como jovem de 20 anos.

-- --

Bonhae, que foi criada com o pai que gostava de coisas simples; escolheu uma boa arvore para se abrigar.  

Sorte que sempre gostou da natureza e aprendeu com um grupo da igreja e de escoteiros de como sobreviver em uma floresta.

Subiu e deitou se em um galho grosso e seguro. Colocou travesseiro e uma parte do edredom por baixo de si e cobriu com o resto. Com o conforto, deitou.

Assim ficou a divisão dos meninos na barraca:

Kook, Júnior e Hoseok

Jin e Taehyung

Namjoon, Jimin e Yoongi

Nayeon, Yoonha e Anna

Sinb e Sowon

Bonhae e árvore.

Namjoon, não conseguiu dormir de tanto pensar na conversa reveladora do Yoongi; suspirou e notou que ao seu lado dormia o Jimin... De novo. Estranhamente o lado do Jimin, estava vazio. 

Nam, levantou-se e saiu da barraca para encontrar o bombeiro em algum lugar e terminar a conversa. Quem sabe depois disso, pode aliviadamente dormir?

Assim que caminhou mais um pouco, encontrou o mais velho com mãos no bolso da calça de pijama; pensativo, olhando para estrelas do céu, no horizontal.

Yoon, ouviu passos e olhou para trás.

–– O que foi, não consegue dormir? –– perguntou de modo seco.

–– Yoongi... Eu não consigo dormir por causa da nossa conversa mais cedo –– confessou.

O que adiantava esconder? Pra sofrer mais? O que eles tinham de fazer era aproveitar que são melhores amigos e se abrir.

Yoon, hesitou.

–– Sinto muito por dizer aquilo.

–– Aquilo que me disse, de gostar de mim, é verdade? –– Yoon, pensou o que responder.

–– Sim. O mesmo que você sente por Jin, é o mesmo que sinto por você.

Após alguns minutos de silêncio, Nam, se aproximou e parou ao lado do amigo.

–– O que acha da gente tentar se dar bem a partir de agora? –– disse o agente.

–– Se dar bem em que sentido? –– confuso.

–– Temos que descobrir o que você sente por mim e o que sinto.

–– Ah ta, fala sério. –– sorriu debochando do outro.

–– Estou falando sério.

–– Quer que eu acredite em alguém que fala mais e faz menos? –– o desafiou sem perceber o ato.

–– Não sou esse tipo de pessoa. –– arqueou uma de sua sobrancelha; se aproximou do mais baixo, virou seu rosto e tocou seus lábios no dele.

Ele tomou esta iniciativa, para descobrir se o outro gosta mesmo dele.

Yoon, se surpreendeu e afastou.

–– Idiota, o que está fazendo? Estamos quase ao lado da barraca.

–– Ah então teme que alguém veja? Somos homens, seu idiota!

–– Não me chame assim outra vez. –– estava prestes a espancá-lo.

–– O quê... Idiota? –– arqueou novamente sobrancelhas.

Yoongi, sem paciência fez o mesmo que o outro; também pegou seu rosto e o beijou.

Era isso que o bombeiro esperava, seu corpo inteiro levou um choque de emoção como se seu coração pedisse isso a muito tempo, muito tempo mesmo.

Nam, ainda confuso, queria ter a certeza correspondendo o beijo dele. Isso o Yoongi, não sabe.

–– Ei –– o agente desfez o beijo –– Aqui não dá, vamos pra lá.

Os dois se afastaram das barracas e pararam próximo de uma grande árvore. Eles sentaram no chão gramado e se beijaram. Um clima estranho de desejo aumentou sobre o ser deles; queriam sentir o outro.

Não seria estranho assim de repente?

Sim, mas isso era o clima.

Nam, maliciosamente, moveu uma de suas mãos para o volume da calça do mais velho.

–– Ah –– exclamou baixo o bombeiro. –– O que está fazendo?

–– Yoongi, larga de ser idiota, estou fazendo o nosso clima aumentar.

–– Achei que você era todo certinho. –– Nam, o olhou com cara de bobo desentendido. –– Aish, esquece.

–– Só não faça barulho, se não alguém vai nos ouvir.

–– Sou retardado não!

Eles continuaram com o beijo e baixos gemidos por “brincar” com o volume íntimo do outro.

De repente... Bonhae ouviu um barulho de pessoas e acordou.

“Hum? O que está acontecendo?”

Pensou tentando enxergar através de sua visão embasada que acabara de acordar.  

Ao olhar para o outro lado, descobriu dois homens se pegando. Intrigada, abriu mais seus olhos e ficou boquiaberta ao testemunhar a cena, embaixo de si. Ela estava aproximadamente a 03 metros de altura, o único galho mais grosso que lhe acomodava. A sorte foi que eles não tiraram a roupa, mas podia notar que cada um colocava a mão dentro da calça do outro.

“Não acredito nisso. Namjoon, Yoongi? Eles são gays? Nem parece!”

Continuou olhando até ignorá-los. Virou a cara e deitou novamente em seu travesseiro. Isso era novidade, mas queria dormir. Pouco depois ouviu novamente os gemidos.

“Aish! Por que tinha que ser aqui?”

–– Calma cara. Não precisa apertar tão forte. –– disse o Suga. 

–– Foi mal, minha mão é assim mesmo.

–– Aish! –– ele abriu o zíper pra por pra fora, o membro do outro.

–– Idiota, o que está fazendo? –– perguntou o Nam, bloqueando a ação do outro

–– Ninguém está nos vendo!

Eles continuaram com o beijo e pegando no membro do outro.

–– Ah –– um deles gemiam baixo, mas ainda sim a doutora Tak os ouvia. Os dois nem imaginaram a presença da garota em cima da arvore.

Bonhae tapou sua boca segurando seus risos.

“Mas estou vendo”

De fato ela foi a única que testemunhou a cena, mas resolveu ficar quieta para não ser percebida. Por um momento ficou chateada, mas depois achou engraçado ouvir conversa do “casal” e seus gemidos. 

Continuou deitada, ignorando a cena constrangedora; aos poucos fechou seus olhos para dormir. Isso era o que ela esperava: Dormir.

Pobre Bonhae, mal conseguiu dormir!

Outro dia de manhã, Bonhae despertou com a sensação de que a pegariam dormindo na árvore. Rapidamente se levantou percebendo o sol nascendo. Estava um frio, não, um gelo!

Se enrolou na coberta abraçando o travesseiro e caminhou até a barraca da Nayeon, Yoonha e Anna.

As mais novas dormiam profundamente, um alivio para não perceber a chegada da mais velha.

Por um pequeno espaço, coube a médica e tirou um cochilo quase em cima da Nayeon.

-- --

No café da manhã na casa do Dr. Jin, ainda nesta fazenda, seus amigos perceberam a olheira da médica Tak.  

–– Bonhae-ya –– Sinb se aproximou –– Dormiu bem?

–– Han? Ah... Claro, acho.

Jungkook se aproximou da quase namorada e sentou ao seu lado.

–– Dormiu bem? –– ambos sem ter noção que deixava o cantor Jimin, super sem graça, sorriram.

–– Sim.Você dormiu bem?

–– YA! –– Hoseok, chamando atenção da Sinb, se aproximou. –– Por que não fui a primeira pessoa a você me dar bom dia?

Nayeon que se aproximava com copo de café, riu da frase do agente Jung. Ela andou até a mesa em que o outro agente, Namjoon, sentava.

–– Trouxe café pra você –– sorriu.

O mesmo não havia dormido bem esta noite, ainda estava confuso; não sabe se arrepende no beijo que dera no amigo bombeiro. Também não sabe se Yoongi, tem gostado da noite.

–– Obrigado –– sorriu ele e pegou o copo. Pegou biscoito de cacau integral que estava no pacote e a ofereceu –– Meogeulie? (Quer comer?)

–– Sireo (Não quero) –– respondeu e se sentou ao seu lado.

Bonhae se lembrou da cena desta madrugada e começou a rir baixo. Hoseok, se sentou e abraçou sua namorada de lado.

–– Está rindo de quê? –– perguntou a Sinb.

–– De uma coisa que lembrei aqui, não é nada demais.

Era a cena que viu, nesta madrugada!

==

Na empresa de jornalismo, Yoonha (irmã do Suga) discretamente foi aos arquivos de noticias do ano de 2008 procurar por um documentário completo do ano, a pedido de seu irmão mais velho. Teve que ser rápida antes de alguém aparecer. 

Assim que estava quase desistindo, conseguiu encontrar um jornal do arquivo com noticia:

“Esposa do presidente do grupo Songdo e as chamas”

De fato a tal Song Hye Kyo foi vítima de uma casa em chamas no dia em que fora acidentada junto com seu marido Jeon Dong Won. 

Para terminar de ler, fechou o gaveta do armário de arquivo e saiu com o jornal.

Deu a hora e saiu da empresa de jornalismo. Pegou um táxi e ligou para o Jungkook.

Assim que combinaram de se encontrar em alguma cafeteria por perto, Yoonha sentada de frente do herdeiro, deu o jornal para o próprio.

–– Foi difícil, mas encontrei. –– Kook pegou o jornal e suspirou indeciso. –– Não vai querer ler em casa? É muita coisa.

–– Tudo bem. –– pausou e suspirou –– Yoonha-ya, pra qual caminho você está indo?

–– Voltarei pra empresa.

–– Te dou carona, de qualquer modo meu caminho é por lá.

–– Tudo bem.

Ambos se levantaram e foram para fora. Yoonha puxou assunto com ele por perceber o como cabisbaixo estava; ele prometeu que estava tranquilo e abriu a porta do passageiro da frente para ela.

Mas o que o herdeiro não sabe, é que ele e sua amiga, estão sendo fotografados.

Assim que ele fechou a porta pra ela, deu voltas e entrou na direção de seu carro.

-- --

Já em seu quarto, na mansão, abriu o jornal e leu do começo ao fim. 

A história contou que o presidente Jeon Dong Won e sua família sofreram um acidente de carro, mas apenas sua esposa Song Hye Kyo e seu único filho sobreviveram. Assim que ela se recuperou no hospital, foi levada para casa por sua cunhada Park. Mas algo aconteceu o inesperado; a casa pegou fogo e o bombeiro Min, o único bombeiro que se arriscou para salvar esta vida que ficara, não tivera sucesso da sua missão, portanto apenas senhora Park que pela sorte, não estava em casa, sobreviveu.

Jungkook, descobriu que sua mãe havia sobrevivido no acidente, ao contrario de que todos de sua família lhe contaram.

Desde que perdeu seus pais, ele foi levado para o hospital, mas lá, estava ansioso para vê-los ou curioso de saber se estavam bem. Sem ser informado o que aconteceu com sua família, se perdeu no prédio até se ver andando na rua. Isso ele foi se lembrando aos poucos. Inacreditável.

Assim que foi encontrado por algum desconhecido, foi levado para o orfanato.

Seu coração se apertou e percebeu que já chorava. Estranho se sentir culpado pelo o que aconteceu; sentiu que algo estava errado; chorava pela saudade.

Olhando a foto de sua mãe no jornal, viu gotas de lagrimas no papel; não se importou; queria mesmo era tomar o conhecimento desse caso e descobrir o porquê sua família lhe disse que ela a sua mãe, sua própria mãe, não resistiu ao acidente.

==

Jimin e Se Na estavam andando pela rua, à noite; distraído nas conversas. 

–– Realmente, eu queria tanto acabar com isso –– disse se referindo ao rumor dele.

–– Isso vai passar; uma hora a verdade será revelada. –– disse sua amiga SeNa.

–– Não vai... A vítima não quer ser entrevistada.

–– Aquela garota... Um dia ela vai dizer a verdade.

Jimin, ficou em silêncio pensando em seu problema, não se importou pelas confirmações da amiga pensando que nenhuma diferença faria.

Assim que estavam andando, apareceram três homens de pretos, denunciando se perigosos para esta noite.

Eles acabaram de sair de um carro importado, que também era preto.

Se Na, tremeu. Jimin, se aproximou para ficar ao seu lado, ambos preocupados com o que poderia acontecer.

Os homens que usavam paletó sorriram maliciosos para os dois. Ajeitaram o conjunto desabotoado, sendo suspeito de estar os esperando para provocá-lo ou fazer alguma maldade.

–– Se Na-ya... Fique atrás de mim –– ordenou o Jimin. SeNa parecia estar com medo e ficou atrás dele.

–– Viemos te pegar... Mini Park –– brincou sarcasticamente um deles que poderia ser o “chefe” por estar no meio.

–– Fique longe de nós! –– ordenou o rapaz, sentindo ameaça.

–– Por quê? Vai nos matar e chamar a polícia? Ou pedir ajuda do papai? –– gargalhou, tirando onda com a cara do cantor.

Eles podiam pensar que Jimin, era idiota, mas para o cantor, envolvendo seu pai no meio podiam ser daqueles homens que queriam o pegar por algo que seu próprio pai fez. A primeira pista que lhe fez pensar assim, foi por tê-lo chamado de “mini Park”.

–– Será que devemos levar essa bonequinha com a gente? –– deu passos para se aproximar da mulher.

–– Saia da frente bastardo louco! –– bradou o cantor, confiante de si que deixaria o local depois de usar sua especialidade do Taekwondo.

–– Ou você... Ou ela! –– pegou no braço da mulher e ela, tremendo, soltou um grito de susto.

–– NÃO! Não toque nela! –– o homem arqueou ironicamente suas sobrancelhas olhando para o garoto. –– Eu vou, mas a deixe, se estava me procurando por causa do meu pai, eu vou!

–– Hum –– o ‘chefe’ atuou impressionado e bateu palmas. –– Você é bem esperto. Não tem ideia no que seu pai fez no passado –– riu pouco ironicamente e tentou pegá-lo junto com seus dois capangas.

Jimin, usou seu conhecimento de luta taekwondo contra eles, e a luta foi tensa, pois esses homens também sabiam lutar. Se Na ficou mais afastada observando confusa a luta, sem poder fazer algo por seu “peguete”. Ela se escondeu perto do carro.

Faltava pouco para o sucesso do Park na briga, mas um deles o pegou por trás e espancou sua cabeça com a própria mão, causando a tontura. Após isso, o pegou e o colocou no porta-malas do carro. Antes de fechar, o homem que o colocou, riu.  

Depois que o homem riu, fechou o porta-malas.  Jimin, apenas viu o escuro e perdeu a consciência.

==

 

08


Notas Finais


'0' e agora? o que vai acontecer com Jimin? Não percam o próximo dorama de Fire Game.

Atualização do dia, do instagran do Hopezinho sz
https://www.instagram.com/p/BCRUS1qyblK/

Gostaram? Comentem <3 obrigado por lerem, e continuem acompanhando.
Até esta semana (sex ou sab) bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...