História Flecha Bumerangue - Jikook - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Kookmin, Namjin, Taeseok, Vhope
Visualizações 551
Palavras 1.678
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


CHEGUEI,
TO SENTINDO QUE VAMOS CHEGAR A 200 FAV HOJE,
5 FLECHINHAS?
Então gente, eu n trouxe o video,
Quem vê JS sabe que foi a semana da saúde e eu nem respirei nesses dias...
O video era ideal que saisse antes desse cap, mas né...
Vcs n iam esperar kkkkk

Boa leitura!

Capítulo 22 - A verdade dói


-Lembra do dia em que te conheci? –Jeon perguntou, rindo nasalado. –Eu fui um idiota com você, e aquela nem foi a última vez... admito, naquele dia a culpa foi toda da minha infantilidade, eu não sabia separar as coisas. –Seus olhos se perderam como se lembrasse de todos os momentos que passamos.

-Oi, você é o aluno novo, certo? –Perguntei com meu melhor sorriso, mas ele simplesmente me ignorou.

O mesmo continuou guardando o material como se não fosse com ele.

-Ei! – Tentei chamar a sua atenção e ele finalmente olhou para mim. –Estou falando com você. Meu nome é Jimin, Park Jimin, você é Jeon JungKook, certo?

O mesmo bufou.

-Se sabe tanto sobre mim, porque está perguntando? –Ele me olhou sem expressão, seus olhos eram escuros como jabuticabas, e então continuou guardando o material.

Eu sentia minhas bochechas queimarem, não sei se foram suas palavras malcriadas ou o jeito que ele me olhava, me fazia se sentir idiota.

-Não precisa agir como um idiota com todos que falam com você! –Tentei me recompor, porém minha voz saiu mais fina do que eu queria, eu soava como uma menininha.

-“Não precisa agir como um idiota com todos que falam com você! ” –Ele imitou minha voz e começou a gargalhar.

Sabe aquela vontade de sair correndo?

-Eu só queria ser educado, falar com você, perguntar de onde veio, mas já vi que não será possível. –Respondi com a voz mais grossa dessa vez.

Ele soltou um risinho cínico.

-Eu te respondo se quiser. – Ele pegou a mochila e colocou nas costas. –Eu vim da minha casa, e é para lá que eu estou afim de voltar agora que conheci um imbecil como você.

 

-Eu senti uma pequena raiva, de um pequeno ser. Uma das minhas lembranças favoritas de você, foi quando você me enfrentou na sala do diretor. – Ele dizia com um sorriso tristonho. –Naquele momento eu mesmo sem admitir, te achei fantástico, e tudo começou logo naquele primeiro dia. Você me tirava do sério.

 

-Você não sabe com quem está mexendo, garotinha. –Disse ele ficando sério de repente.

-Com um cara que não é nada, mas se acha o gostosão. – Eu sorri. –Eu gaguejei agora, Jeon?

Ele fez algo que me surpreendeu, me empurrou com força na parede, me fazendo chocar contra a mesma e o barulho ecoar por toda a sala. Ele segurou meus pulsos com força, seus olhos mostravam a raiva que ele tinha de mim, raiva que eu não sabia de onde tinha tirado. Afinal, ele havia me conhecido hoje, certo?

-Vai me bater? Vamos lá, bata em mim. –Desafiei sem quebrar o nosso contato visual. Ele estava tão perto que eu podia ver como sua pele parecia algum tipo de porcelana sem nenhum defeito, mas por que tão bonito por fora e tão feio por dentro?

Suas expressões se suavizaram, e ele olhava para mim com algum tipo de... arrependimento, talvez? Ele soltou meus pulsos e então eu o empurrei e sai andando pela porta na maior velocidade que conseguia.

Me lembrar dava um aperto no peito, já fazia muito tempo, tudo tinha mudado, e ao mesmo tempo, parecia que foi ontem.

-Sabe qual foi o momento que senti mais medo? – Continuou. –Por incrível que pareça, não foi quando você estava quase sendo estuprado no beco, ou quando há semanas, foi sequestrado. Eu senti medo, quando estávamos na sua casa, assistindo filmes e até nos divertindo, eu toquei em sua mão sem querer quando fui pegar pipoca, e droga, eu senti algo estranho. Não fui só eu quem percebeu isso, tem um motivo para eu ter ido embora naquele dia, e é o mesmo motivo de eu ter te magoado todas as malditas vezes. Eu senti tanto a sua falta esses dias.

 

De repente JungKook olha em seu celular e fica sem piscar por alguns segundos.

-Quem morreu, Kook? –Perguntei e ri da sua cara.

-Ah, ninguém, hyung. –Ele bloqueou o celular. –Eu tenho que ir Jimin. Eu tenho que ir...

-Já está tarde! Você disse que ia ficar! –Exclamei infelizmente com uma voz manhosa.

-Eu não posso ficar mais, eu tenho que ir. –Ele calçou os sapatos.

-Então deixa eu te levar em casa, ou chamar um táxi...

-Não Jimin! Eu disse não! –Ele saiu do meu quarto sem ao menos dizer tchau, desci as escadas atrás dele, mas já era tarde demais, ele tinha saído pela porta.

 

Aquela foi só a primeira vez...

-Por que está falando essas coisas?! –Indaguei e limpei uma lágrima que caía em meu rosto.

-Porque eu quero que saiba, que nunca fiz o que fiz, para te magoar. Quero que saiba que eu me importo com você, e me importei dês do maldito primeiro instante em que você apareceu na minha frente. – Murmurou com os olhos marejados, fixos nos meus. –Jimin, você acredita em agentes secretos?

Não. Não era possível. Mas era muito provável.

-Você...? –Eu não conseguia formular a frase.

-Não sou do FBI, nem da CIA. – riu sem humor. – Yoongi quando saiu do orfanato, foi achado por uma empresa secreta, ninguém sequer sabe que ela existe. Os órfãos são perfeitos para ela, afinal, alguém que vive de identidades secretas e vidas duplas, ter família não é bem um bom negócio; então Yoongi conseguiu fazer com que eles me pegassem como agente; inventaram uma papelada, e conseguiram me tirar de lá, então eu vim para meu primeiro caso, que por ironia do destino, era no mesmo lugar que você estava.

-Você... você está me protegendo daqueles caras? –Aquelas foram as únicas coisas que saíram da minha boca.

-Sim e não... não posso contar meu caso para você, não insista... Só que eu precisava me aproximar de você, para conseguir fazê-lo...

-Você me usou. –Debati. –Todo esse tempo, você só queria coletar informações! –Eu dizia isso com dor.

-Jimin, não leve para esse lado. –Fechou os olhos com força.

-Então me diga, JungKook. Diga que você não se aproximou de mim só para fuçar na minha vida, que não mexeu nas minhas coisas, e que não se aproximou de meus amigos para descobrir mais informações sobre mim! Diga, JungKook! Você está brincando, não?!  - Eu me sentia de um jeito que nunca me senti antes... traído, e isso doía amargamente. –Diz JungKook!

O mesmo começou a chorar.

-Desculpe Jimin. –Meu coração acelerado falhou. –Não vou mentir mais para você. Só que isso foi só no começo, eu juro...

-Não termine! Não tente amenizar a minha dor, não use pena ou sei lá o que... você sempre gostou de Yang Mi, não? O que ela tem a ver com tudo isso? –Perguntei entre lágrimas.

-Ela é filha do meu patrão, por isso é tão rica. E eu e ela podíamos estar bem, se você não tivesse entrado na história...

-Então a culpa é minha? –Ri irônico.

-Droga, Jimin! Eu não posso ficar com você, é perigoso, e toda essa droga está acontecendo é por um motivo bem lógico! Eu... eu me apaixonei por você!

Eu sempre sonhei em escutar uma coisa assim de Jeon, mas aquilo soava somente como uma grande mentira do garoto, ele era apaixonado por mim? Ou só não queria perder sua fonte de informações?

Eu queria acreditar, mas não dava mais.

-Nunca mais diga isso, você não sabe nem gostar de alguém. –Levantei do sofá, mas ele me puxou me fazendo cair no mesmo novamente.

Ele ficou em cima de mim, segurando meus braços com força no sofá, parecia muito a cena da sala do diretor, a diferença é que estávamos deitados, mas a distância de nossos rostos eram a mesma.

-Não seja infantil, Jimin!

-Eu que estou sendo infantil? –Debati na mesma altura, olhando em seus olhos.

O mais novo saiu de cima de mim, chorando e cobrindo o rosto, encostando na parede.

Namjoon apareceu no recinto, no qual, eu e Jeon chorávamos.

Ele já estava limpo e sem sangue, usava outras roupas, e nos olhava com culpa.

-Não chorem, vocês não têm culpa. –Murmurou o mais velho, e eu me levantei, indo até ele e lhe dando um empurrão.

-Por que fez isso com o Jin?! Por que meus amigos também?! Por que, seu idiota?! –Indaguei com raiva.

-Não conte nada a ele... –Começou, mas o cortei.

-Não vou contar! Pode ter certeza que ele vai te esquecer, nem que eu seque lágrima por lágrima dele! Vocês dois, se acham que podem usar as pessoas, estão enganados! –Namjoon abaixou a cabeça, se recusando a olhar para mim. –E você Jeon, pare de chorar! Não quero mais fingimento... e não se preocupe, seu segredo está a salvo comigo.

-Jimin, eu amo vo-

-NÃO! –Brandei. –Amor é algo muito especial, que você deve dizer para só uma pessoa na vida, aquela que faz seu coração acelerar, e logo parar, que você pensa antes de si mesmo, e que a felicidade dela, se torna a sua. –Fiz uma pausa. –Eu achei que fosse você. –Sussurrei. –Mas não coloque amor, nesse teatro todo.

Espremi os lábios, me lembrando de outra coisa.

-Naquela noite, no meu quarto... até os toques foram mentira? –Não quis ouvir a resposta.

Fui embora, batendo a porta, e segurando para não chorar no caminho, com aquele elevador que parecia demorar um século.

Cheguei no térreo, berrando para que Jin me seguisse.

-Acho que a surpresa não deu certo. –Escutei o porteiro falar.

Entrei no carro e bati a porta, me permitindo desabar lá dentro, Jin fez o mesmo.

-O que aconteceu, Jimin? Quer que eu vá lá? –Ofereceu-se.

-Não! Eu descobri tudo, e nenhum de nós vamos chegar perto deles! Não faça perguntas, só me leve para casa. Por favor.

 

Jeon JungKook POV.

-Ele só estava de cabeça quente. – Disse Nam me consolando pela 20º vez. –Ele vai pensar melhor.

-Não, não vai, ele é cabeça dura. –Murmurei negativo.

-Mas ele é maluco por você, como você é por ele. –Suspirou. –E eu sou pelo Jin. –Riu nasalado. –Eu estou tão gay...

-Você sabe que quando ele descobrir todo o resto, a reação dele vai ser ainda pior, não?


Notas Finais


AINDA TEM COISAS ESCONDIDAS AÍ, GALERA!

Muitos de vcs acertaram o que JK era... mas perguntinha: O que Jeon ainda esconde de Jimin? JM vai perdoar ele?

Gostaram? FINALMENTE, NÃO?
Obg por acompanharem até aqui, amo muito vcs... de vdd

COMENTEM SE GOSTARAM DA REVELAÇÃO!

AAAAAAAAAAAAAAAAAH
Vou tentar soltar o video entre domingo e segunda, aí aviso quando terá att

AMO VCS
BEIJÃO
COMENTEEEEEEEEEEEEEEEEEEM
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...