História Flower Road - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Apink, BtoB, Girl's Day, Gugudan (GX9), HyunA, I.O.I, Jung Joon-young, Pentagon (PTG), Seventeen, Trouble Maker, TWICE
Personagens Chaeyoung, Changsub, Dahyun, E'Dawn, Hansol "Vernon" Chwe, Hyuna, Hyunseung, Ilhoon, Jung Joon-young, Kim Do-yeon, Kim Nam-joo, Kim Se-jeong, Lee Chan "Dino", Minah, Minhyuk, Park Cho-rong, Sungjae, Tzuyu, Wen Junhui "JUN", Yoon Bo-mi
Tags Amigos, Amizade, Btopink, Changrong, Comedia, Friends, Hoonmi, Kpop, Mistério, Musica, Romance, Twiceteen
Visualizações 20
Palavras 3.695
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura ~

Capítulo 5 - A Apresentação


Fanfic / Fanfiction Flower Road - Capítulo 5 - A Apresentação

Era segunda de manhã, e o tempo estava gelado, por conta disso Chorong e Changsub ainda estavam de roupão e meia, enquanto tomavam seu café da manhã no apartamento de Chorong. O silêncio que ali reinava foi interrompido por uma Namjoo alterada que entrou ali. Ela mal olhou para os dois; apenas ficou parada, encostada na porta quando subitamente fez uma cara de choro e sem motivo, empurrou propositalmente a caixa de cereal em cima da mesa.

– Cereal Killer – Changsub comentou com uma risada fraca enquanto levava mais uma colher de cereal a boca

– Cereal Killer? – repetiu Chorong como se desejasse nunca ter ouvido isso

– Eu falo mais besteira antes das 10hrs – Changsub se defendeu

– Eu perdi minha paciência – exclamou Namjoo se sentando junto com os dois

–Quer a minha emprestada? Eu nunca a uso – disse Changsub meio irônico

– É sério. Aconteceu uma coisa terrível

– O que houve? – indagou Chorong

– Meu vestido. Eu o queimei sem querer

– Não me diga que o vestido da peça – falou Changsub

– É sim – confessou de cabeça baixa

– Você tá ferrada – retorquiu o mesmo enquanto engolia seu lanche

– Sério? Obrigada Changsub, se não tivesse me dito eu não perceberia – respondeu sarcástica e irritada ao mesmo tempo

– Talvez eu possa ajudar. Fiquem calmos e esperem aqui - disse Chorong indo para um quarto

– Como se ela achasse que fossemos sair correndo daqui desesperados – Changsub riu e ao olhar pra Namjoo percebeu que era exatamente o que a mesma pensava em fazer – Mas é claro que você pensou nisso

– Eu sabia que ainda tinha essa maleta – Chorong voltou do quarto carregando algo – Vamos Namjoo, vá pegar seu vestido

A mesma assentiu ainda cabisbaixa e foi para seu apartamento. Quando voltou de lá com o vestido na mão, encontrou Bomi e Sungjae na sala, ensaiando suas falas. Sem animo entregou seu vestido pra Chorong, que agora usava um óculos, e tinha em volta de si várias agulhas, linhas e tecidos para costurar.

– Sabe, você tá parecida com minha avó – comentou Changsub, sentado do lado de Chorong; a mesma que estava com uma agulha na mão, espetou rapidamente uma coxa de Changsub, que com um pulo se afastou dela

– Desde quando sabe costurar? – Sungjae indagou, agora com sua atenção voltada pra Chorong

– Todo mundo precisa de um hobby – disse ela concentrada no vestido de Namjoo

– Achei que os hobbys eram pra ser divertidos – riu Bomi

– Quer ganhar uma espetada também? – perguntou no mesmo momento Bomi parou de rir

O telefone tocou e Sungjae foi atender.

– Claro. Ele está sim... okay, eu vou passar pra ele – tirou o telefone do ouvido e ergueu pra Changsub – É pra você... sua mãe – sussurrou essas últimas palavras

– Oi, mãe – pegou o telefone da mão de Sungjae e atendeu, ainda passando a mão na coxa direita; sem que percebesse Sungjae havia colocado a conversa em voz alta e deste modo todos ouviram a conversa dos dois

– Oi filho. Eai, tudo bem com você?”

Sim, tá tudo bem sim. E com você?

– Tá tudo ótimo. Escute, eu gostaria de saber se você pode vim jantar aqui em casa hoje?

Na verdade, eu não posso não. Hoje a noite vai ser a apresentação das meninas... – ao dizer isso Sungjae o perfurou com os olhos e ele acrescentou rapidamente – E do Sungjae

– Não tem problema, não. E almoçar, você pode?

Posso sim. Eu dou uma passada ai mais tarde

– Okay... er... filho, eu quero te convidar pra almoçar por um motivo....

Comer – respondeu como se fosse óbvio e sua mãe deu uma risadinha

– Sim, comer também. Mas tem outro motivo... quero te apresentar alguém... meu namorado

O QUE?

– E a filha dele

Filha?

– E talvez você possa apresentar a cidade pra ela depois

Cidade?

– Por favor, filho, não haja como uma criança

Criança?

– Filho, apenas venha para o almoço e eu te explicarei tudo. Agora vou deixar um tempo pra você digerir isso

Digerir?

– Tchau, filho – despediu-se e desligou o telefone

Changsub ainda estava com o telefone na orelha, paralisado e com os olhos arregalados. Todos hesitaram um pouco, mas logo Bomi tomou coragem e o chamou:

– Changsub!

– Changsub?... espera, esse é meu nome

– Você vai nesse almoço?

– Não! – colocou o telefone no lugar e se sentou no sofá

– Precisa ir

– Não preciso não

– Você vai

– Não vou

– Changsub, aceita logo! – Chorong disse mais firme

– Oh, pronto, me convenci – ironizou

– Você vai!- finalizou

– Ah, tá bom, eu vou – e fechou a cara

– Você tá bem?

– Não! Minha mãe tem um namorado

– E o que tem de tão horrível nisso?

– Nunca imaginei que ela beijaria outros homens além do meu pai

 – Tem 27 anos, já devia ter superado a separação dos seus pais

– Não. Quero voltar a ser criança. Quero ter 12 anos de volta onde eles eram juntos e felizes e não descobriam que eu ficava até de madrugada jogando vídeo game

– Changsubbie, para de drama – Chorong implorou

– Eu não to fazendo drama. Agora vou pro meu apartamento, ficar preso no meu quarto e chorar até a hora do almoço – se levantou e foi até a porta – Se eu não voltar é porque morri – e saiu de lá

– Ah, claro, sem drama nenhum – Namjoo ironizou

As horas se passaram e chegou o momento do almoço da mãe do Changsub com seu novo namorado e sua filha. Changsub se vestiu da pior maneira possível, todo de preto. Disse pra Sungjae que o preto era pra combinar com sua vontade de viver. Foi o mais lento possível, deixou até um ônibus passar só porque não tinha lugar pra sentar, mas logo desistiu disso, usando seu único pensamento feliz “Quanto mais rápido eu ir, mais rápido eu volto”

– Vamos logo com isso! – disse assim que sua mãe abriu a porta

– Por que demorou tanto? – indagou dando passagem pro filho passar, e fechou a porta atrás dele – Achei que tinha desistido

– Ah, isso nem passou pela minha cabeça – respondeu sarcástico, tirando o capuz da cabeça

– Lee Changsub, que roupas são essas?

– As minhas

– Filho, sei que não aceita, mas... você não quer me ver feliz?

– Era feliz com o meu pai

– Changsub, você já devia ter superado. Tem 27 anos

– Por que todo mundo fica me lembrando minha idade? Eu sei quantos anos eu tenho! – bradou indignado

– O que está havendo? – perguntou um homem alto vindo da porta do fundo

– Changsub, esse é...

– Tá, tá, sei quem é ele. Vamos logo com isso – respondeu impaciente indo em direção a cozinha, e sua mãe e seu namorado vindo atrás; porém para sua surpresa viu alguém lá que não gostaria de ter visto – Dahyun?!

– Olá Changsub! – disse sorridente, sentada a mesa

– Por favor, alguém me diz que isso é um pesadelo

– Não é tão ruim assim – respondeu a mãe ansiosa, chegando atrás dele

– Tá, oi Dahyun! – Changsub tentou se acalmar; se virou para o namorado de sua mãe – Agora, cadê sua filha?

– Bem ali – apontou pra Dahyun

– Amor, me ajuda a buscar a comida?

– É uma coincidência incrível! – Changsub foi até Dahyun quando sua mãe e seu namorado saíram dali – Temos que... Temos que separar os dois. Sei que pode ser egoísta, mas seria muito estranho a gente continuar saindo com os nossos pais namorando e...

– Changsub – o interrompeu já não tão feliz assim – Não foi uma coincidência, e não podemos separar eles. Precisava os ver na semana passada. Estavam muito felizes...

–Você sabia? É claro, não é? Você sabia o tempo todo e não me contou

– Sua mãe e meu pai começaram a namorar na semana passada... eu a conheci e ela me mostrou uma foto sua. Achei legal a idéia de ter um irmão mais velho – ao dizer isso Changsub grunhiu – então eu te procurei e depois te convidei pra sair, só pra gente se conhecer melhor antes de você saber toda a verdade... eu me diverti tanto ontem, mas... eu não sabia que você ia me beijar

– Não me lembra disso – silabou furioso – Eles sabem?

– Sim

– E do beijo?

– Não, eu não me atreveria a contar. Meu pai é muito ciumento e ficaria bravo com você

– Jura? – perguntou sarcástico

– Changsub, eu...

– A comida! – anunciou o pai de Dahyun trazendo uma grande panela e logo atrás a mãe de Changsub com uma garrafa de refrigerante e alguns copos empilhados

Eles se sentaram e se serviram. Changsub se recusou a comer, então sua mãe colocou comida pro mesmo. “Ela mentiu pra mim” pensou Subbie enquanto não tirava os olhos de Dahyun que parecia se divertir com seus pais. Ele estava tão absorto em seus pensamentos que nem percebeu que o almoço já tinha acabado. Agora estavam todos bebendo refrigerante enquanto falavam de algo divertido, que Changsub não estava com o mínimo de interesse de saber o que era.

–... você não acha, filho? – perguntou sua mãe e o mesmo se surpreendeu de ter sido adicionado na conversa

– S-sim – respondeu vagamente

– Dahyun também é ótima em esportes. Quando estava na escola ganhou até uma medalha como a melhor em corrida – disse o pai

– Que legal Dahyun – disse a mãe de Changsub – Campeã na corrida. Como todos na família

– O que é que eu sou? Filho do vizinho? – indagou Changsub de repente, se lembrando que é o único em sua família que não ganhou uma medalha por algum esporte; na verdade ele odiava qualquer coisa que envolvesse cansaço físico

Nesse momento todos olharam pra ele. Sua mãe tinha um olhar de súplica, mas o mesmo não deixou se sentir penalizado por aquilo. Ele apenas se levantou e falou:

– Obrigado pelo almoço mãe. Agora eu preciso ir. Tenho que me arrumar pra apresentação dos meus amigos. Tchau para todos vocês

Ninguém tentou o impedir e no fundo Changsub ficou incomodado por isso, mas no ônibus logo se sentiu aliviado de estar voltando pra casa. Não conseguia acreditar naquilo. Podia parecer precipitado, mas estava realmente gostando da Dahyun e até pensou que futuramente eles poderiam virar algo mais que amigos. Só que agora a mesma tinha virado sua irmã. Não era de sangue, claro, mas mesmo assim... Seria muito estranho ele pensou.

Ao chegar a seu apartamento, pra sua infelicidade estavam todos lá. Queria ficar sozinho agora mais do que nunca. Ele entrou e se sentou ao lado de Chorong no sofá. Minhyuk e Bomi se divertiam com algo no celular enquanto Namjoo e Sungjae repassavam a cena pela milésima vez. Ninguém notara que ele estava lá triste. Ninguém, exceto Chorong.

– Tudo bem? – perguntou preocupada e ele balançou a cabeça – O que houve?

– Dahyun virou minha irmã

– O que? – todos se viraram rapidamente pra ele e o mesmo foi obrigado contar o que tinha acontecido

As reações foram como esperadas: caíram na gargalhada

– Parem! – ordenou Chorong – Não percebem que ele está triste?

– Não fique assim – consolou Bomi

– É logo você esquece ela – disse Sungjae

– Afinal só tiveram um encontro – finalizou Minhyuk

– A beijei nesse encontro – confessou  

– Você fez o que? – Namjoo indagou indignada

– Foi por impulso. Eu a levei pra casa e PAH, a gente tava se beijando – tentou se defender

– Alô – disse Chorong de repente, atendendo ao telefone – Okay. Beijos! – desligou – O diretor quer a gente lá uma hora mais cedo

– Então é melhor a gente já ir se arrumar – disse Namjoo e todos concordaram

– Amiga, pode me ajudar a me arrumar? – perguntou Chorong e Bomi assentiu

– Eu também vou querer ajuda – falou Sungjae a Minhyuk e o mesmo também assentiu assim todos saíram correndo pra porta

– A propósito eu já estou melhor, obrigado – disse Changsub sarcástico ainda sentado no sofá, sem olhar pra trás; todos começaram a falar palavras de conforto e ele impaciente respondeu – Ah, podem ir – todos pareceram se sentires agradecidos e abriram a porta quando Changsub disse de novo – Você não Sungjae. Você mora aqui

– Ah, verdade... – disse ele entrando e Minhyuk o acompanhou

– Nesse caso eu fico também

 Logo assim todos começaram a se arrumar. As horas passaram de pressa. Quando menos esperavam já era 18hrs. Chorong, Namjoo e Sungjae precisavam chegar lá mais cedo, então partiram na frente. Depois de mais de uma hora, Bomi, Minhyuk e Changsub foram até o teatro. Quando chegaram lá se sentaram na frente e esperaram a apresentação começar.

Era uma peça dramática. Sungjae era o personagem principal, um detetive. Namjoo fazia uma cantora, simples, em que o companheiro de Sungjae se apaixonava. E para a surpresa de todos, Chorong de mocinha passou para vilã da peça. E assim que finalizaram, todos aplaudiram muito forte. Até Changsub parecia ter se esquecido de seus problemas. Os atores agradeceram a platéia e saíram pela porta dos fundos. Alguns saíam do teatro, outros esperaram pra cumprimentar seus respectivos parentes que ali atuaram.

– Eu vou pegar alguma coisa pra comer – Bomi anunciou e saiu do canto onde Minhyuk e Changsub estavam esperando os outros três

– Hey, a Namjoo ali! – Minhyuk apontou pra uma porta no fundo de um corredor, onde Namjoo se encontrava com outro homem; a porta que estava aberta mostrando os dois foi fechada – Fecharam a porta! Não posso ver nada! – exclamou indignado

– E o inventor da porta jaz feliz em seu túmulo – comentou Changsub

– Eu preciso ir lá – disse Minhyuk, parecendo não ter ouvido a piada de Changsub

– Não precisa ir não – o mesmo o parou

– Tem razão, não preciso... – então Minhyuk ficou parado e quando Changsub pareceu inofensivo, saiu correndo até a porta

– Você... não... vai... lá – Changsub disse pulando nas costas de Minhyuk e ficando pendurado nele

– Eu preciso ir – Minhyuk disse fazendo força

– Se gosta dela por que não se declara? – Changsub gritou com dificuldade pra falar

– Eu... eu não sei – Minhyuk confessou parando de tentar correr com Changsub nas costas

– Pense nisso amigão – disse ofegante, batendo no peito de Minhyuk

– Por favor, só sai por um minuto – Bomi apareceu com um churros na mão; Changsub percebeu que ainda estava nas costas de Minhyuk e saiu de lá com um pulo

– Não é o que você tá pensando

– Parabéns! – ela gritou de repente para algumas pessoas atrás de Changsub; eram Chorong e Sungjae vindo em direção a eles

– O que vocês acharam? –Chorong perguntou ansiosa

– Foi demais! – Bomi disse quase pulando de alegria

– Vilã hein – Minhyuk cutucou Chorong que sorriu e respondeu

– Eu sei. Nunca fiz uma vilã, foi incrível

– Vocês foram ótimos! – Changsub sorriu abraçando Chorong, e quando ia abraçar Sungjae, o mesmo pareceu não está prestando atenção na conversa – Tudo bem com você?

– Sim, tá... – respondeu vagamente, parecendo procurar alguém na platéia

– Olá! – disse uma voz feminina atrás dos cincos

– Sejeong?

– Bomi?

– Vocês se conhecem? – Sungjae perguntou curioso

– Não! Elas devem tá brincando de adivinhar os nomes das pessoas – ironizou Changsub – Quer ver? ... Taeyong? – pulou em frente a um homem que passou por eles; o tal homem se assustou e saiu de lá quase correndo – Ninguém precisa ser bom em tudo – defendeu-se – Namjoo?

– Changsub? – disse Namjoo, que agora chegara ali, imitando uma falsa animação de Changsub

– Na verdade eu me enganei. Sou bom em tudo – disse orgulhoso e Sejeong riu

– Oh meu Deus. Ela ri das minhas piadas – e se virou pra Bomi – Podemos trocar ela pela Namjoo?

– Acabou? – perguntou Sungjae; Changsub fez um gesto engraçado com a mão, e falou:

– Agora acabei

– De onde se conhecem? – quis saber Sungjae

– Lembram da minha “pequena aventura”? Então... – começou Bomi e Changsub pareceu muito surpreso

– Você é a Sejeong que fez a Bomi cair no barranco? – e se virou para os amigos – Eu amo essa garota

– Cuidado se não você pode acabar virando a irmã dele – Namjoo disse a Sejeong e todos riram, com exceção de Changsub que fechou a cara

– Não entendi

– Nem queira entender

– Que bom que veio mesmo – confessou Sungjae

– E vocês se conhecem...? – começou Bomi

– Do curso de teatro que fiz há alguns anos

– É e a gente se reencontrou ontem e ele me disse que faria uma apresentação então tive que vim. Já estava com saudades de entrar em um teatro. E a peça foi muito legal, e – apontou pra Chorong – você fez uma vilã maravilhosa

– Obrigada! – a mesma agradeceu contente

– A propósito... Chorong, Minhyuk, Changsub e Namjoo – disse Sungjae apontando para cada um dos amigos

– É um prazer conhecer vocês

– Eai Sejeong, o encontrou? – perguntou uma garota chegando atrás dela junto com um garoto – Ah, Sungjae! – ela exclamou feliz ao vê-lo

– Hey Doyeon, quanto tempo

– Eu a trouxe – explicou Sejeong – Disse que faria uma peça e ela queria vim

– Maravilha! Esses são meus amigos, Chorong, Bomi, Minhyuk, Namjoo e Changsub... e amigos, essa é a Doyeon e... seu amigo

– Ah, esse é o meu namorado. Hyojong – disse o apresentando a eles – Mas preferem que o chamem de E’Dawn. É seu nome artístico. Ele também é ator

– Que legal!

– Obrigado! – disse ele simpático – A peça foi incrível e você fez uma ótima vilã – apontou pra Chorong que sorriu sem graça

– Valeu... Sem piadas – sussurrou pra Changsub que abrira a boca pra falar algo; imediatamente ele a fechou

– Temos que ir – anunciou Doyeon e junto com E’Dawn se despediram de todos e saíram dali

– Precisa ir também? – Bomi perguntou a Sejeong que respondeu

– Na verdade não. Por quê?

– A gente vai comemorar em uma cafeteria. Quer vim?

– Okay!

Assim eles saíram dali, pegaram dois táxis para caber todos e, não muito tempo depois chegaram à cafeteria. Como era segunda feira a noite, lá não estava tão cheia. Ao invés de ficarem em uma mesa, ocuparam os dois sofás que ficavam no fundo.

– Eai, como foi a peça? – perguntou Tzuyu indo até eles e então todos contaram em resumo, como havia acontecido; contaram até sobre Sejeong e as duas se cumprimentaram simpáticas; quando terminaram de contar Tzuyu pareceu satisfeita – Wow, deve ter sido incrível. E você foi uma ótima vilã – apontou pra Chorong

– Okay, você nem viu a peça e não sabe se ela foi boa ou não – disse Changsub impaciente – Por que tá todo mundo falando isso? – então Minhyuk cochichou algo no ouvido de Changsub, que mudou sua expressão de indignado pra surpreso e logo se virou pra Chorong – Meu Deus, você foi incrível!

– E então, o que vão querer? – perguntou ela, com o bloco na mão

– O mesmo de sempre – todos disseram em uníssono e Sejeong pareceu impressionada

– Eu aceito um Moccha

– Okay! – disse Tzuyu anotando os pedidos

– Wow Wow Wow, quem é aquele? – Namjoo perguntou olhando para um garoto que saía de trás do balcão

– Ah, aquele é o Jun – Tzuyu respondeu revirando os olhos – Ele é novo aqui. Garçom e entregador. Não sei o que o Joonyoung viu nele

– Beleza talvez – disse Namjoo ainda sem tirar os olhos do garoto; o mesmo estava atendendo uma mesa, e quando passou os dedos entre o cabelo liso e preto, Namjoo, Bomi, Chorong e Sejeong suspiraram em uníssono

– Ah, parem, ele nem é tudo isso – falou Changsub

– É. Aquele chinesinho intrometido – resmungou Tzuyu

– Ele é chinês? Que garoto perfeito! – exclamou Subbie e Tzuyu saiu de lá bufando

– Okay – disse Sejeong tirando os olhos do garoto, com muita dificuldade – O que vocês fazem?

– Lee Changsub, 27 anos, publicitário – respondeu orgulhoso

– Eu sou atriz, e às vezes trabalho aqui como garçonete quando preciso de dinheiro – retorquiu Chorong

– Talvez eu não tenha falado quando eu te atropelei, mas eu sou vendedora de flores

– Que legal! E você? – apontou pra Namjoo

– Fotógrafa, atriz e cantora

– E eu sou biólogo marinho – finalizou Minhyuk

– Sério? – admirou-se – Eu queria ser bióloga marinha quando tava na escola, mas depois desisti

Então eles ficaram lá conversando, até seus respectivos pedidos chegarem, tragos por ninguém mais ninguém menos que:

– Jung Joonyoung? Meu Deus, eu não acredito, é você mesmo – disse Sejeong surpresa e feliz ao mesmo tempo

– Sim, sou eu. Em carne, osso e documento – brincou e todos riram

– Pode parecer loucura, mas eu sou sua maior fã. Eu até tenho um pôster seu em casa

– Devo ficar preocupado com isso? – perguntou rindo

– Quando você cantou Always do Bon Jovi, eu... eu achei que ia morrer

– Que bom que você gostou! – respondeu sorridente

– Essa cafeteria é sua?

– É sim!

Jung Joonyoung era um rapaz de aparência jovem, mas escondendo quase 30 anos vividos. Tinha a pele um pouco mais morena do que o “normal” e seu cabelo era castanho escuro. Era realmente muito bonito!

– Por que você desistiu da sua carreira?

– Ah, sabe, problemas pessoais – disse meio hesitante – Mas agora o “Rock&Coffee” virou parte de mim

– Seria muito estranho se eu trouxesse meu pôster amanhã pra você autografar?

– Seria, mas como você deve saber “Estranho é...

–... meu sobrenome” – completou animada

– Seja bem-vinda, é...

– Sejeong! – respondeu imediatamente

– Seja bem vinda Sejeong! – desejou Joonyoung

– Meu Deus, eu acho que poderia explodir de felicidade – comentou Sejeong assim que Joonyoung saiu dali – Vocês sabem se tem um apartamento vago aqui perto?

– Pra quê? – perguntou Bomi

– Imagina só, morar perto do trabalho de Jung Joonyoung

– Oh meu Deus – Changsub colocou a mão na cabeça – acho que estou tendo um flashback de três anos atrás

– Como assim? – perguntou ela intrigada

– Quando nos conhecemos Namjoo se mudou pra cá só porque também era fã do Joonyoung – disse Sungjae

– É verdade. E quer saber? Eu não me arrependo

– E como vocês se conheceram?

Antes de responder, os seis se entreolharam até Bomi falar:

– Preferimos não falar sobre isso

– Ah, vamos! É um segredo? Porque se for, saibam que sou ótima com segredos. Guardo há 12 anos o segredo que meu primo beijou um homem em uma boate... Oh Deus – acrescentou ao olhar pra expressão deles – Isso não é mais um segredo, é?

– Maravilha! – exclamou Changsub – Só precisamos esperar 12 anos até ela estragar nossas vidas

– Não deve ser tão ruim assim – tentou convencê-los

 – Porque não foi você que ficou bêbada em uma prisão... ou ficou? – argumentou Bomi

– Meu Deus, ficaram bêbados em um prisão? Me contem como

– Não queremos contar!

– “tchu tchu tchu tchu” Se não falarem, vou ficar repetindo isso toda hora. Vocês escolhem: o modo fácil ou o modo difícil “tchu tchu tchu tchu”

– Okay, e qual é o modo difícil? – perguntou Changsub

– Esse!

– Não é tão ruim assim! – disse, mas isso foi um erro; Sejeong se sentou ao lado de Changsub e ficou repetindo isso no ouvido dele sem parar, até o mesmo ceder, com as mãos no ouvido – Meu Deus, isso é horrível. Faz ela parar

– Tá, a gente conta – Bomi suspirou – Tudo começou quando...


Notas Finais


Espero que tenham gostado <3
Hoje é o aniversário da nossa Bomi *.* parabéns pra minha ultimate mais linda <3 EU TE AMO YOON BOMI
Tentarei postar de três em três dias, então a gente se vê terça (?)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...