História Fomos programados para isso! - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Andrei Soares "Spok" Alves, Bianca Tatto Marques (BIBI), Cauê "BaixaMemoria" Bueno, Malena "Malena0202" Nunes, Marco Tulio "AuthenticGames", Pedro Afonso "RezendeEvil" Posso
Personagens Andrei Soares "Spok" Alves, BIBI Tatto, Cauê Bueno, Marco Tulio "AuthenticGames", Pedro Afonso Rezende Posso
Tags Authenticevil, Impossível, Jazzpok, Lemon, Malepok, Rezende×authentic, Rezenthentic, Romance, Youtubers
Visualizações 138
Palavras 1.983
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Festa, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Vocês pediram e ta ai :v

Capítulo 8 - Ousadia



"Hey garoto, nossa paixão é quando apesar da placa "perigo" o desejo vai e entra."
              Pov's Authentic

   - Marco Tulio, está pronto para cair em tentação?

   Arrepio por completo com suas palavras, e coro encarando seu rosto, que esbanjava de um sorriso descarado, maldito sorriso. Me pego encarando intensamente aquele sorriso que me derrete todo, praticamente babando, ele passa o dedo de leve em meu rosto, limpando a baba que escorria e ri, me fazendo corar mais:

   - N-não r-ria idiota! - falo envergonhado.

   - Desculpa - Ele diz ainda rindo fraco e se aproxima de mim me dando mais um daqueles beijos quentes.

   Retribuo, me entregando por completo para o garoto, não tem como dizer não para ele, é praticamente impossível. Decido deixar aquela timidez de lado, afinal, não sei quanto tempo temos juntos, temos que aproveitar ao máximo ao companhia um o outro, e essa timidez toda iria é atrapalhar. Resolvo provocar o mais alto, mordo o labio e começo a rebolar em seu colo, do mesmo jeito que fiz em sua casa, só que mais devagar, com o objetivo de tortura-lo.
   Logo sinto um volume em minha bunda e solto uma risadinha:

   - Acho que alguém ali de baixo se animou - Falo baixinho e envergonhado pelas minhas palavras.

   - Você está bem ousado pra quem estava morrendo de vergonha alguns minutos - Ele diz sorrindo pra mim enquanto passa a mão em meu corpo ainda com as roupas.

   - Você me deixa assim - Digo ainda com uma voz baixa.

   Ele se aproxima de meu pescoço:

   - As marquinhas saíram, que pena - Ele diz analisando meu pescoço e para a dois dedos na extensão me fazendo arrepiar de leve - Terei que marca-lo de novo, para todos verem que você é só meu.

   Arrepio por completo, ele aproxima a cabeca de meu pescoço e sinto sua respiração quente em minha pele, logo sentindo seus lábios dando um leve beijo na curvatura de meu pescoço, logo ele começa a distribuir beijo e lambidas gulosas por toda região, de lambidas foram pra chupoes e mordidas de leve por todo meu pescoço e ombro,me fazendo soltar arfadas e gemidos aquilo me dava uma excitação inacreditável, uma sensação de perigo, pelo fato de que meus amigos podem chegar a qualquer momento e nos ver daquela forma. Resolvo ser um pouco mais ousado, enquanto ele fazia um excelente trabalho em meu pescoço, começo a desabotuar os botões de sua calça jeans, um por um, de uma forma lenta e um tanto provocante. Logo todos os botões foram desabotuados e era possível ver um pouco de sua box vermelha com um volume um tanto grande, o que me faz pensar. Durante a nossa primeira vez, eu quase nem olhei para seu membro, estava tão concentrado por ser a minha primeira vez e pela dor, que nem olhei pro seu membro e agora o olhando, mesmo que coberto pelo tecido avermelhado de sua box, me sinto um tanto ansioso e envergonhado, parece ser grande, na verdade, é grande, pelo menos pelo que eu me lembro.
   Resolvo fazer uma coisa arriscada, confesso que estou com um pouco de medo dessa ideia que eu tive, mas se eu conseguir executa-la de forma correta, Reh sentira muito prazer. Saio do seu colo e o mesmo me olha confuso:

   - O que foi Tetê? Você não quer mais? - Ele pergunta e sinto uma ponta de medo em seu tom de voz.

   - Calma, eu quero, só que quero testar uma coisa - Digo meio convicto e ele continua a me olhar meio confuso.

   Resolvo tomar logo a atitude e me ajoelho em sua frente, Aproximo de suas pernas e vejo que o maior entendeu quais eram minhas atenções:

   - T-Tetê, não p-precisa fazer isso se não quiser... - Ele fala meio coradinho, tão fofo!!

   - Eu quero! - Falo convicto.

   Confesso que estou com um pouco de medo e nem sei o que fazer, afinal, eu nunca fiz um boquete em ninguém, muito menos receber um, mas a curiosidade pra saber como é esta sendo bem maior. Abro suas pernas e meio que me "encaixo" entre elas, abaixo suas calças, me dando a visão completa de sua box vermelha com um volume bem aparente na mesma, que parecia implorar pra sair. Mordo o labio tentando conter a excitação e meu medo e coloco minhas mãos na borda da cueca, ouvindo Rezende arfar e prender a respiração, parecendo ansioso para o ato, e eu também estou, é uma mistura de emoções. 
   Respiro fundo e abaixo só um pouquinho da box, mas aquilo foi o suficiente para que a cabecinha de seu membro saísse para fora, rosada e pulsante, Lambo os lábios por impulso, ok, agora eu pareço um pervertido, me perdoem. Continuo com as mãos na nossa da box, só que meio trêmulo, e tomando coragem para fazer isso, sinto Rezende acariciar meus cabelos e me olhar meio corado. Sorrio me enchendo de coragem depois de seu olhar a abaixo sua box com tudo, a descendo até seus pés e a tirando, a jogo em qualquer canto e volto meu olhar para seu membro, abrindo minha boca em um "O" perfeito.
   Não era pequeno, estava longe de ser, deveria ter uns 17 centímetros, não é muito grosso, mas tinha algumas veias na extensão, seu membro estava bem ereto, quase bateu em meu rosto quando tirei a box, confesso que estou surpreso, como aquilo coube dentro de mim??? Encaro seu dono que me olhava intensamente, quase implorando para que eu o tocasse. Rio fraco e resolvo fazer isso logo, sem medo.
   Pego meu membro com uma das mãos e a fecho em volta de seu membro, começo a me mexer essa mão por toda a extensão, o masturbando lentamente:

   - Annwww - Ouço ele gemer baixo - N-não me t-torture Authentic.

   Solto uma risadinha maldosa e aumento a velocidade da masturbação, fazendo seus gemidos ficarem mais altos, decido ser mais ousado ainda é aproximo minha boca de seu grande membro, é agora, você consegue Authentic! Ele me olha meio confuso, e sorrio, tudo minha língua pra fora e toco com a pontinha dela na cabecinha de seu membro, somente aquilo foi o suficiente para ele arfar e arquear as costas. Começo a lamber somente a cabecida de seu membro, dando lambidas gulosas, enquanto continuo o masturbando, enquanto me delicio com seus gemidos e pedidos pra mim continuar:

   - Anww a-Authentic, p-põem logo Anww

   Finjo que não entendi o que ele queria dizer com aquela frase e olho Reh de forma inocente:

   - Como assim? - pergunto na maior inocência, Globo me contrata.

   Ele me olha meio indignado ainda gemendo:

   - P-põem meu membro na sua boca Anww - Ele geme mais alto após eu apertar seu membro.

   - Qual é a palavrinha mágica? - pergunto ainda provocando.

   - V-vai logo!

   Rio de saiu desespero, ele estava totalmente entregue à minha pessoa, confesso que um tempo atrás, eu ja imaginei Rezende a meus pés, e implorando pra mim, porém está sendo bem diferente da forma que eu imaginava, confesso que não imaginei que com implorar seria eu pagando um boquete pra ele, mas está sendo bem melhor que aqueles pequenos "sonhos". Resolvo parar a provocação e começo a engulir toda a sua extensão, na verdade, só metade coube em minha boca, porque era meio grande. Lambo boa parte do membro que estava em minha boca, o sugando de leve enquanto masturbo o restante, não tenho tanta certeza se é assim que se faz isso, mas parece que ele está amando isso, gemendo alto e pedindo por mais, ouvir Rezende gemer é como música pra mim, uma música que eu poderia sempre escutar. Continuo ditando o ritmo até ele tira a minha mão de seu membro e coloca ela pra baixo, segura meu cabelo com um pouco de força, ele quer ditar o ritmo agora:

   - Posso ? - Reh pergunta exitante.

   Aceno a cabeca positivamente e fecho os olhos, enquanto o mesmo começa a puxar meu cabelo e "estocar" seu membro em minha boca, até engasgo algumas vezes, sentindo sua extensão tocar minha garganta, mas logo volto ao normal. Depois de alguns minutos daquela forma, faço ele soltar meus cabelos, e começo a chupar intensamente a cabecinha, sentindo seu ápice chegar aos poucos:

   - T-Tetê eu anwww vou.....onwww.

   Sinto a cabecinha inchar em minha boca, que logo é toda preenchida por seu líquido branco e viscoso, hora fiquei com um pouquinho só de nojo, mas logo sinto que o gosto não era ruim, era até meio docinho. Engulo tudo e Lambo os lábios me levantando e o olhando de forma amorosa, ele retribui o olhar e se levanta tirando a camiseta e me abraçando, me dando um beijo um tanto quente e selvagem, começamos a andar até meu quarto, enquanto ele fazia questão de arrancar minhas roupas, uma por uma, e as jogando no chão. Chegamos até o cômodo e nos deitamos na cama, sem nos importar pela quantidade de almofadas, ele me olha de um jeito safado e romântico, me virando de costas pra ele:

   - O que vai fazer? - pergunto meio envergonhado e confuso.

   - Você verá... - Rezende diz num tom sedutor.

   Sinto ele levantar uma das minhas pernas e colocar em cima da dele, e um dedo rodando minha entrada, que se contrai pelo movimento. Solto um gemido baixo e manhoso, mostrando que queria mais daquilo, e como queria aquilo.
   Nem sei bem o que ouve, só que se um rodear de dedos, passou pro Rezende estocando três dedos em mim e eu implorando por mais:

   - Anww R-Rezende anwww m-mais - Gemo manhoso perto de seu ouvido.

   Mordo o labio tentando conter meus vergonhosos gemidos, eu devo estar como um tomate de tão vermelho. Aquilo é muito vergonhoso... Hum, tive uma ideia.

   Arrumo um pouco de força e coragem e tiro seus dedos de dentro de mim, o empurro, fazendo ficar de barriga para cima e subo em seu colo:

   - Você não acha que está um pouco ousado demais senhor AuthenticGames? - Rezende pergunta meio chocado.

   - Talvez - Solto uma risadinha - mas os ousados são os melhores.

   Seguro seu membro e começo a penetra-lo em mim lentamente. Mordo o labio sentindo aquela familiar dor voltar. Rezende segura minha cintura, a acariciando, na tentativa de me acalmar, com sucesso. Começo a rebolar em seu membro de forma lenta, até me acostumar com a dor, que logo foi transformada em um imenso prazer. Aumento o ritmo e me apoio no peito de Reh, que aperta minha cintura e me ajuda a aumentar os movimentos.
   Logo sinto seu membro acertar minha próstata e solto um alto gemido, que tenho certeza que todo o prédio ouviu, mas não importa. Rezende começa a estocar somente naquele ponto, fazendo mais gemidos aumentarem:

   - R-Rezende anwww e-eu vou... - Digo entre gemidos.

   - Anww e-eu também - ele diz entre gemidos roucos.

   Sinto meu ápice chegar e Arqueio as costas, me desmanchando em seu peito. Depois de algumas estocadas, sinto alguma coisa invadir meu interior e solto um gemido manhoso, até perceber que ele tinha ficado dentro de mim, e que não tínhamos usado camisinha:

   - R-reh, n-nós não usamos camisinha - Falo ainda meio ofegante pelo orgasmo.

   - Não se preocupe, não vamos pegar nenhuma doença, ou você está com medo de engravidar? - Ele diz quase rindo e me puxa pra me encostar em seu peito.

   - Claro, até porque eu sou uma mulher esse tempo todo - Falo irônico.

   - Sério? - Ele me olha meio surpreso.

   - Claro que não idiota!! - Bato em sua peito de leve.

   - O idiota que você ama... - Diz acariciando meu cabelo.

   ......

   .........

   - E amo mesmo - Digo soltando un sorrisinho bobo.

   "Vem, desperte os meus desejos mais ardentes.
E satisfaça os meus pedidos, tão urgentes!"


Notas Finais


Tá aí galera

Desculpa se ficou ruim, eu não manjo dos lemons ;-;

Até o próximo cap

Um beijo
Um queijo
E tchau


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...