História For A Thousand Years - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Acnologia, Cana Alberona, Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gildartz, Gray Fullbuster, Jellal Fernandes, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Levy McGarden, Lucy Heartfilia, Mavis Vermilion, Natsu Dragneel, Zeref
Tags Assassinato, Gale, Gruvia, Jerza, Nalu, Passado
Visualizações 125
Palavras 968
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Artes Marciais, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Esporte, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


FINALMENTE EU CONSEGUI
não tava saindo nada que prestasse, mas finalmente saiu, mesmo que tenha ficado curto

Capítulo 7 - Sem remorsos


Estávamos na sala de espera de um hospital, eu batia minha perna freneticamente, Flare estava do meu lado, e dava pra ver o quão irritada estava. Ela olhava pra porta que Jackal foi levado, segundo o médico não foi nada de muito grave, ele só levaria alguns pontos na testa, e claro que aquilo ficaria uma bela cicatriz, e isso só deixava Flare mais irritada. Antes de virmos pra cá ela avançou em Natsu e deu um soco bem no meio do rosto dele, não duvido que tenha no mínimo quebrado o nariz dele, por que sangrou muito.

-Aquele canalha, ele podia ter matado o Jack – Flare falava ensandecida.

-Olha ruiva, sabemos que o Natsu fez foi errado e tudo mais, só que nosso amigo não é assassino, ele não mataria o amiguinho de vocês duas – Gray falou parecendo indignado.

-Eu tenho que concordar, ele podia estar bem puto, mas não acho que.–

-Gajeel tem razão, não importa com quanta raiva ele estava o Natsu nunca mataria uma pes. – Interrompi Erza antes que ela terminasse.

-Quem garante? Ele estava bêbado, podia muito bem mata-lo e no outro dia nem ao menos se lembrar disso, além de tudo, ele estava com muita raiva e provavelmente desorientado, ele podia muito bem não ter medido a própria força e atingido a cabeça do Jackal, oque podia muito tê-lo matado, a questão aqui é que sim, o Natsu poderia ter matado o Jack, sendo proposital ou não.

Depois do que eu falei todos se calaram e voltamos a esperar noticias. Eu fiz com que os amigos do Natsu – e o Gajeel muito provavelmente – refletissem, e percebessem que tudo oque falaram não passavam de uma mentira que contavam a si próprios. É verdade, em sã consciência ele com certeza não mataria ninguém, mas naquele estado que estava: bêbado, com raiva e muito provavelmente desorientado por causa dos socos, não duvidaria nem um pouco que ele seria sim capaz de matar alguém.

-Os acompanhantes de Jackal Harris? – depois de um tempo o médico surgiu falando, oque fez com que eu e Flare nos levantássemos rapidamente – Ele já esta acordado, podem ir visita-lo, mas apenas familiares.

-Eu e ela somos primas dele, podemos vê-lo? Teve alguma coisa muita grave? – Flare mentiu sobre a parte de sermos primas dele, mas não estava nem ai, não era primeira e nem a última vez que faríamos isso.

-Certo, me sigam, o Sr. Harris não teve nada demais, apenas um corte superficial e o desmaio se ocasionou por causa do choque, ele só terá que levar alguns pontos quando estiver mais lúcido, três ou quatro já bastam – falou o médico que devia ter no máximo uns 27 anos, ele estava no período de residência segundo o crachá que usava, oque me acalma um pouco já que isso indica que não foi nada grave como ele mesmo disse.

-Ah graças ao Hobbit, se alguma coisa de grave tivesse acontecido com ele eu com certeza seria presa por homicídio – Flare suspirou aliviada, falando com ironia na voz, mas eu sei muito bem que aquilo era verdade, ela podia muito bem matar qualquer um que fizesse mal a mim ou ao Jackal, e com ele é a mesma coisa.

Entramos num quarto, que eu memorizei como sendo o 345, avistamos um loiro carrancudo sentado na cama, ele ainda estava com o corte aberto, mas estava limpo e estancado. Ele parecia irritado e sonolento ao mesmo tempo, só que mais irritado. Nós três – eu, Flare e Jackal – sempre odiamos hospitais por algum motivo que eu simplesmente não consigo lembrar.

-Lucy, eu juro que eu vou dar no mínimo, uns três socos na cara daquele rosinha maldito – Ele falou assim que me aproximando.

-Sinto lhe dizer, mas você vai ficar pelo menos um mês sem ir a festas ou se meter em brigas e eu vou me certificar que você vai ficar quietinho – Flare falou com os olhos semicerrados.

-Flar, não haja como minha mãe de novo, por favor.

-Jack, a Flar, de algum jeito, tem razão dessa vez, então eu concordo com ela, não se meta em confusão pelas próximas quatro semanas.

-Até tu Lucy? Eu não to acreditando, é serio isso? Fui traído pelas minhas próprias “primas” – ele sabia que havíamos mentido, como eu já disse, não era primeira vez que fazíamos isso.

Conversamos um pouco, mas depois fomos obrigadas a ir embora por que já passavam das três da madrugada, deveríamos estar na cama há muito tempo. Flare dormiria comigo no quarto da Erza junto com as meninas. Elas, mesmo estando chateadas comigo e com Flare, não deixaram a gente dormir no mesmo quarto eu Natsu, e de quebra ainda iriamos fazer uma festa do pijama ou algo parecido.

∞∞∞∞

Eu estava jogado na minha cama, olhando o teto como se ele fosse à coisa mais interessante do mundo. Bom, no momento era, já que a única coisa que eu queria era esquecer que eu quase matei uma pessoa, mas como diabos eu esqueço isso?

O problema maior é que eu não me arrependia por aquilo, eu simplesmente não sentia remorso de ter mandado um cara pra o hospital – não é a primeira vez que acontece, só é a primeira que eu bato em alguém com uma garrafa – a única coisa que eu não gostei realmente foi do olhar de medo que Lucy fez ao me olhar, claro, segundo Laxus ela tem medo de mim, agora vejo que é verdade.

Só é estranho, ela me olhou como se eu fosse algum tipo de assassino, e eu tenho quase certeza de que a vi tremer. Ela não veio dormir aqui hoje, provavelmente isso é coisa das meninas, é quase obvio que elas não querem deixar ela sozinha comigo, afinal aquela problemática pode acabar tendo outro surto. Só me resta esperar até amanhã.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...