História For Always Family - Capítulo 20


Escrita por: ~ e ~atonrodrigues

Postado
Categorias A Origem dos Guardiões, Big Hero 6 (Operação Big Hero), Frozen - Uma Aventura Congelante
Personagens A Fada dos Dentes, Anna, Baymax, Coelhão, Elsa, Hiro Hamada, Jack Frost, Kristoff, Norte, Personagens Originais, Sandman "Sandy", Sven
Tags Frozen, Hiro, Jelsa, Lua, Romance, Segunda Temporada, Therosecolorsnow
Exibições 91
Palavras 2.805
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Gente a imagem abaixo é importante lembrem-se dela heueheuhe
É o colar da Luna agora ehueheue

O que está em Italico é FlashBack.
Esse capitulo não me pertence ehueheu
É todinho da Aton-san :3
Eu só revisei e add umas poucas falas na parte da Luna.

Espero que gostem.
Na minha opinião ficou maravilhoso.
O Capitulo só tem o P.O.V d Andy, não vai ter bugagem de cabeças heueheueh
Ainda tem tanta coisa para contar dos gêmeos Ai Ai Ai.

Capítulo 20 - Holy Problems


Fanfic / Fanfiction For Always Family - Capítulo 20 - Holy Problems

Capitulo 17: Santos Problemas!

️ P.O.V Andy️ 

Depois de andar por alguns corredores chego à enfermaria para ver Luna, mas seus pais já estavam lá dentro. Resolvo passar direto, não estou nas melhores condições para vê-la estou todo sujo e com o lado esquerdo da cabeça sangrando. Uso as sombras e me teleporto para fora do castelo.

Ando ate o porto de Arendelle e me teleporto para San Fransokyo, já está de noite por causa do fuso horário. Fui em direção a uma loja de conveniência, ao lado tem uma escada que leva a minha casa.

 Faz tempo que eu não venho aqui desde que conheci Luna, pois passei a "morar" na base secreta. Vou até a loja compro um antisséptico e esparadrapos na loja, subo as escadas e pego a chave na viga da porta. Abro e entro.

Entro na casa e vou em direção ao banheiro, limpo meu ferimento com o antisséptico e faço um curativo com o esparadrapo, aproveito para tomar um banho e trocar de roupa. Saiu de casa, coloco a chave em cima da viga e ando pela cidade de San Fransokyo. Gosto de andar me faz sentir humano se é que ainda tem algo de humano em mim.

Será que a Luna está bem? Luna, Luna, Luna, Luna. Esse nome não sai da minha cabeça ultimamente, estou sempre me preocupando com ela chega até ser irônico eu me preocupando com outra pessoa, nosso vínculo se tornou muito forte com o passar dos anos pode ser culpa dessa marca também.

Olho para minha mão e sorriu de lado, foi uma das piores/melhores coisas que aconteceu comigo, ganhei uma pessoa super fofa e gentil que está sempre comigo, uma das poucas pessoas que confio na vida. Caramba estou parecendo ela pensando nessas coisas.

Paro em um parque e sento em um banco, vejo um casal feliz de mãos dadas. Será que um dia eu vou ter algum para ser feliz ao meu lado? Ou será que estou condenado a passar o resto da eternidade nas sombras como uma fera enjaulada?

— O que estou pensando? Esse é o meu destino — Digo para mim mesmo.

Pingos de água começam a cair do céu e vão ficando mais fortes. As pessoas começam a abrir seus guarda chuvas e outras correm para se abrigar. A chuva fica mais forte, fecho os olhos e inclino a cabeça para sentir os pingos de água cair no meu rosto.

 

Luna tinha 12 anos novamente e estávamos na floresta da base secreta. Tinha começado a chover e estávamos esperando a chuva diminuir quando Luna de repente sai de baixo da árvore e vai para a chuva.

— O que esta fazendo? — Pergunto irritado.

— Vem — Luna fala animada e começa a rodopiar no meio da chuva.

— Está maluca? Vai pegar um resfriado volta já pra cá — Aviso.

Luna se aproxima de mim e me puxa pelo braço.

— Não é legal? —Perguntou Luna.

— Não, Não é — Respondo tirando as mechas molhadas do meu rosto.

— Fecha os olhos e inclina a cabeça — Luna pede enquanto faz as ações.

Faço o que ela diz e sinto as gotas de chuva no meu rosto.

 

Abro os olhos e percebo uma coisa.

— Eu gosto dela.

  É claro! O único motivo para eu esta fazendo tudo isso e não tirar ela da minha cabeça é porque Eu... Eu... A amo. Como eu pude ser tão imprudente ao ponto de me apaixonar pela filha do meu inimigo? O pior de tudo é que ela vai sofrer com isso. Mesmo que eu não seja a pessoa ideal prometo que vou protegê-la.

Levantei e continuei caminhando sem rumo por San Fransokyo. Passei em frente a uma loja e vi uma coisa tão delicado que me lembrava exatamente ela. Entrei na loja e a atendente veio me atender.

— O que deseja? — A moça perguntou.

— Aquele colar — Digo apontando para a vitrine.

— Ótima escolha, senhor, quer deixa uma mensagem atrás? — Perguntou a atendente sorridente.

— Sim, pode embrulhar para presente? — Perguntei.

— Claro, senhor — A atendente confirmou e foi embrulhar.

Terminei de pagar e sai da loja, fui para um beco e me teleporto para Arendelle.

Chego a Arendelle, vou ate o castelo e os guardas liberam minha passagem. Uau! A namorada do Hiro deve ter avisado sobre mim, passo por alguns corredores e chego na enfermaria. Luna está sentada em sua cama olhando para a janela, quando percebe minha presença ela logo sorri, chego perto e sou recebido com um abraço.

— Onde você estava? — Perguntou Luna me soltando.

— Não importa você esta bem? Já tomou o remédio? — Respondi com outra pergunta.

— Sim, o Hiro disse que daqui a pouco eu vou ter que tomar outro, Will também tomou. — respondeu Luna.

— Onde ele...

— Não sei, eu acabei dormindo e quando acordei ele não estava mais aqui. — Luna deu de ombros, antes que eu pudesse falar algo ela se levantou e segurou minha mão.

—Vem vamos sair daqui. Já estou entediada de ficar dentro desse quarto — Ela sorri calçando as pantufas.

— E quem disse que você pode sair? —Olho para ela ainda vestida de pijama.

Luna parou para pensar.

— Eu disse. Vamos! — Ela respondeu alegre e me puxou pelos corredores até chegarmos ao jardim, ela me guiou ate uma árvore que tinha um balanço.

— Quando eu era pequena costumava brincar aqui com Will e Nilly, aconteceram tantas coisas que nem tivemos mais tempo de vir aqui — Explicou Luna olhando triste para o balanço.

Agora é o momento perfeito. Pego a pequena caixa do meu bolso e entrego a ela.

— O que é isso? —Ela me olhou curiosa.

— É u-um presente —Estiquei as mãos —Você vai pegar, sim ou não?

Luna sorri e pega a caixa abrindo-a em seguida. Seus olhos brilham ao ver o colar com o pingente em forma de borboleta.

— É tão lindo — Ela sussurrou.

Ela faz uma expressão confusa quando vê a mensagem escrita atrás do pingente.

— O idioma dos pauzinhos esta em chinês? — Luna olhou entretida.

— Japonês — Corrijo-a.

— O que está escrito? — Ela me olhou esperando a resposta.

— Aishiteru — Respondo.

— Ah, o que significa? —

— Você perguntou o que estava escrito e não o significado — Aviso nervoso.

— É lindo, mas... Não posso aceitar — Diz Luna me devolvendo a caixa com o colar

— Pode sim, eu já comprei e agora é seu, mas se não quiser eu posso jogar no vulcão mais ativo da terra – Resmungo.

— Nossa que insensível, eu vou ficar com duas condições — Ela me olhou sorrindo.

— Lá vem!

— Primeiro, quero ir ao Japão e, segundo, me diz o significado de Aishiteru — Luna me encarou implorando com o rosto. Como se ela precisasse implorar.

— Okay. Um dia eu te levo no Japão, mas só vou dizer o significado quando colocarmos as esferas no lugar — Respondo feliz por mudar as regras.

— Você é muito mal — Diz Luna fazendo biquinho.

Que fofa! FOCO ANDY.

Pego o colar. —Vai, se vira para eu colocar!

Vejo suas bochechas ficarem vermelhas e enquanto ela se senta no balanço apressada e segura o cabelo. Minhas mãos ficam trêmulas, mas no fim consigo colocar o colar. Assim que termino ela larga os cabelos platinados e antes que seu rosto se vire eu empurro o balanço.

— O que aconteceu com sua testa? — Luna perguntou de costas para mim.

— Ouve um desmoronamento na caverna e uma pedra me acertou, mas já deve ter curado — Continuo a empurrando.

— Não queria que se machucasse por minha causa — Posso imaginar seu rosto triste.

— É o mínimo que eu posso fazer você só esta encrencada com seus pais por minha causa, se eu não tivesse te acertado naquele dia...

Luna parou o balando com os pés e se virou com um pouco de dificuldade e me encarou séria.

— NUNCA MAS REPITA ISSO ANDY BLACK! Foi por causa dessa marca que ficamos amigos e eu não mudaria isso por nada — Luna repreendeu-me, sua testa estava franzida de raiva, mas logo suavizou — O que mais aconteceu na caverna?

— Nada mais — Respondo lembrando do meu descontrole.

— Andy, você não pode mentir para mim. Eu senti — Ela apontou para a mão com a marca. — Meu pai disse que foi tudo bem, mas eu sei que não foi. A marca ficou me incomodando e até ficou vermelha. O que aconteceu?

—Nada demais, sério — Avisei enquanto ela me fitava — Você sabe, o lugar era pequeno e eu tenho claustrofobia, posso ter me descontrolado um pouco, mas está tudo bem.

Maldita marca.

— Ah você ficou assustado — Luna deu um leve sorriso, antes que eu possa contrariar sinto uma presença estranha nos observando. Olho para trás.

—O que foi? — Perguntou Luna preocupada inclinando-se para olhar através de mim.

— Estou com um mau pressentimento —Aviso. O vento esta diferente como se algo ruim fosse acontecer.

—LUNA — Gritou Will de longe.

— Seu mau pressentimento chegou — Brincou luna e foi se encontrar com Will, seus passos estavam hesitantes.

Fui atrás dela, mas antes olhei para frente do balanço no meio da floresta. Não havia ninguém.

— Luna! Por que esta aqui fora e com ele? — Will me encarou irritado.

—Will, a mamãe já explicou o motivo deles estarem aqui...

— Eu sei, eles vão ficar aqui até estarmos curados, mas não que dizer que você pode andar por aí com ele — Disse Will interrompendo Luna.

Isso foi o suficiente para me deixar com raiva

— Escuta aqui...

— Fica quieto Pitch Júnior — Will me interrompeu

— Repete o que você falou!! — Ameacei.

Não importa se Luna está aqui, eu irei acabar com raça desse metidinho.

— Agora ficou surdo? Passou tanto tempo nas sombras que elas entupiram seus ouvidos — Provocou Will

— PAREM OS DOIS — Gritou Luna e ficou no meio nos separando.

— William para de provocar o Andy e o que eu faço da minha vida não te diz respeito, quando você sai escondido para ver a chata da sua namorada eu não fico te seguindo – Luna respondeu ao irmão.

— Será que você não entende que ele é o vilão — Will falou como se fosse a verdade mais absoluta.

Como se ele fosse o mocinho!

— Só porque ele é um vilão não quer dizer que ele não pode ter amigos — Luna respondeu com a postura intacta — E tem mais. Andy não é um vilão, não mais. — Will parecia surpreso com as palavras da irmã.

— Ele tentou nos matar. Você já esqueceu o que tem na sua mão?

— Todos nós cometemos erros e é para isso que serve o perdão para darmos uma segunda chance a alguém – Explicou Luna.

Até eu fiquei surpreso ela está disposta a ficar contra sua família para me defender.

O vento começou a ficar bem forte e violento de repente. Olhei para trás rapidamente e vi uma luz brilhar no meio de galhos. Um monstro feito de galhos escuros saiu do meio das árvores.

— Você! — Will me encarou.

— Não, eu não tive nada haver com isso — Me defendo.

O monstro da um grito bem forte e ensurdecedor em nossa direção.

— HIRO BLACK PARE DE SE ENTROMETER ONDE NÃO É CHAMADO, SE VOCÊ INSISTE EM VIR NOS DESAFIAR AGORA SOFRERÁ AS CONSEQUÊNCIAS — Diz o monstro.

— Ele esta me confundindo com o Hiro?! — Pergunto olhando para Luna.

Olho para o monstro que me lança na parede com o braço feito de galhos, bato na parede do castelo e caio no chão.

— Andy — Ouço Luna gritar e olhar entre mim e o monstro.

O monstro se virou contra ela e se preparou para atacar, mas uma parede de gelo a protegeu.

— SAI DAQUI LUNA — Grita Will. Luna vem até mim e me ajuda a levantar.

— Você esta bem? — Luna procurou por machucados, mas só havia arranhões.

— Já estive melhor — Respondo já de pé.

Will tentava a todo custo congelar o monstro, mas ele e Luna ainda estão fracos, afinal faz pouco tempo que tomaram o antibiótico. O que me torna a única pessoa que pode parar essa coisa.

Hiro no que você se meteu? E cadê você? Juro se você estiver de namorico com a prima da Luna!!!

O monstro urra novamente e tenta acerta Will que desvia e corre para se salvar.

Onde estão os guardas desse castelo? Será que ninguém esta ouvindo esses urros?

Will corre e se atira no chão quando galhos passam raspando sobre ele. Concentro meu poder e lanço uma navalha negra no monstro que esquece Will e vem em minha direção.

— Congela o chão — Aponto para o chão enquanto aviso Luna. Ela acena e se agacha com as mãos na grama.

O chão começa a congelar em volta do monstro envolvendo as pernas deles até onde seriam os joelhos. O gelo se quebra em mil partes junto com suas pernas, mas logo novos galhos voltam a crescer no lugar.

Corro em linha reta ao monstro e antes dele me acertar eu escorrego no gelo por baixo de suas pernas e fico atrás dele, me concentro e meu arco negro aparece no chão. Pego puxo sua corda e uma flecha de sombra aparece, miro em sua cabeça e solto a flecha. A flecha atingi sua cabeça e não acontece nada apenas deixa o monstro mais furioso.

Preparo outra flecha e miro na sua boca tenho que deixa-lo nervoso.

— Ai seu feioso! Sua mãe é tão seca que se colocar ela perto de um monte de Titica ela se camufla— Digo e monstro abre a boca para urrar.

Concentro toda minha força na flecha e a solto dentro da boca dele, na mesma hora o monstro cai no chão e seus braços e pernas explodem. Fazendo-o cair no chão morto.

— Consegui — Comemoro.

Hiro chega ao jardim com Nilly e a família Frost.

— O que aconteceu? — Perguntou Hiro assustado.

Jack analisa o local e seus olhos param em mim não necessariamente em mim, mas no meu arco. Faço o arco sumir e vou em direção a Hiro.

— O que houve? — Perguntou Hiro a mim.

Faço uma bola de sombra e jogo nele arremessando-o no chão. Todos me olham surpresos.

—Andy, o que você fez? — Luna segurou meu braço.

— Atacou o Hiro — Disse Nilly com medo.

Uma das minhas habilidades é sentir o medo das pessoas, mas ao contrário do meu pai não posso me fortalecer com isso. Desvencilho-me de Luna e me aproximo de Hiro e o suspendo pela camisa.

— O que você fez? O QUE VOCÊ FEZ?! COLOCOU TODOS AO SEU REDOR EM PERIGO — Grito sacudindo Hiro que me olha estupefaço.

Eu não queria fazer isso, mas seja lá o que ele fez esse monstro quase machucou a Luna e isso eu não posso perdoar.

— Do que esta falando? — Pergunta Hiro.

Jogo-o no chão. Se fazendo de desentendido.

— Não me venha com essa. Você sabe muito bem do que estou falando. ESSA COISA NOS ATACOU POR QUE ESTAVA ATRÁS DE VOCÊ E ACABOU TE CONFUNDINDO COMIGO. Muita gente poderia ter morrido se isso saísse do castelo — Grito largando a raiva.

Fecho minha mão em forma de punho e quando vou socar Hiro uma mão me impede. Olho para a pessoa e vejo Jack me segurando.

— Me solta — Ameaço.

— Você esta certo, mas soca-lo não mudara nada o que aconteceu e não o fará melhor do que ele. Temos que pensar juntos e descobrir um jeito de resolvermos essa situação — Jack disse e soltou o meu braço.

Hiro se levanta com a ajuda de Nilly.

— Por que estavam atrás de você? — Will pergunta a Hiro.

— Eu não sei, nunca vi essa coisa antes — Meu irmão respondeu.

— Tem certeza? — Perguntou Jack a Hiro.

— Absoluta, Senhor Frost.

 — Ahh — Viro-me em direção ao som e olho para Luna olhando para suas mãos, seus olhos encontram os meus — Andy?

Corro assim que seu corpo tomba para o lado. Seguro-a poucos segundos do chão.

— Pai — Will murmura antes de cair também, mas Jack o segura.

— O que esta acontecendo Hiro? — pergunta Nilly.

— Eles ainda estão fracos e fizeram muito esforço tem que repousarem para o remédio fazer efeito — Explicou Hiro — Sem contar que é um antibiótico, não vai retirar o problema apenas esconde-lo por enquanto.

Levanto com Luna em meus braços, sinto uma mão em meu ombro e vejo a mãe dela.

— Será que eu poderia... — Seu olhar cai em Luna.

— Aqui — Estiquei meus braços e passei Luna para sua mãe.

— Obrigada — Elsa sorri e leva a filha. Todos vamos para a enfermaria. Chegando lá espero acomodarem Luna e Will nas camas e saio do quarto. Hiro me segue.

—Tem alguém mexendo nas esferas e se não descobrimos logo quem é Luna e Will vão ser os primeiros de muitos a morrerem. — Hiro falou com convicção.

— Eles não vão morrer — Luna não vai morrer. Aperto os punhos.

— Não sabemos até quando antibiótico vai funcionar. Só depende do quanto de energia eles perdem. — Hiro explicou.

—O que é esferas?

Viro junto com Hiro e olhamos surpresos para Nicolly a nossa frente com as mãos entrelaçadas sobre o peito e olhando séria para nós.

— Hiro você me prometeu uma explicação e estou cobrando agora.


Notas Finais


Oie de novo.
Gostaram? Não deixem de comentar!

A Luna fala que quer ir pro Japão, mas nem se lembra que já foi heuehuheu.
Afinal, a casa dos gêmeos é no Japão.
heuehueheue

E agora?
Nilly vai descobrir tudo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...