História For Eternity - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Anitta
Tags Anitta, Crossover, Drama (tragédia), Família, Fifth Harmony, Ídolo, Novela, Romance
Visualizações 112
Palavras 3.995
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, FemmeSlash, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ola meus amores..
Primeiro de tudo quero agradecer novamente o carinho que transmitem para mim por comentários, ou mensagens diretas aqui ou no twitter, vocês não sabem o quão feliz me deixam.
Quero avisar aos mandnitta shippers cardíacos que vão devagar com esse capítulo, respirem fundo okay?
Esse capítulo vou dedicar a "~Carollaura100" que andou muito ansiosa nos comentários, aproveite linda..
Link do hot nas notas finais.

Boa leitura,

Capítulo 46 - Decisões


Katherine pov on

 

Para mim era apenas mais um dia comum de trabalho, cheio de relatorios, balanços simestrais da empresa, resultados das aplicações tanto na bolsa como em outras pequenas empresas. Logo tive que leva-los a James, e quando sai de sua sala fui tomada por uma vontade que eu já estava começando a me acostumar, o desejo intenso de ver Amanda, revirei os olhos ao me pegar já caminhando em direção a sala da mesma, cumprimentei a  secretaria, então adentrei naquele local, arqueei as sobrancelhas ao ver quem estava ali, fechei a porta lentamente já que não haviam notado minha presença, me aproximei.

 

-Eu não entendo Amanda, por que esta fazendo isso? Pensei que tentariamos, que tudo aos poucos voltaria a ser como sempre foi.- Reparei no tom da tal Anitta, era pura agonia, porém não senti nenhum tipo de pena dela, afinal a mesma merecia sofrer por tudo que havia feito a Amanda. –Me diz Amanda, eu sei que esta escondendo alguma coisa, abre o jogo, fala logo.-

 

-Larissa..- O tom de Amanda demonstrou sua fraquesa, era melhor interferirantes que ela cedesse.

 

-Você não se cansa de ser expulsa não é?- Questionei, ambas olharam para mim, dei mais um passo, e com meu corpo afastei Anitta de Amanda, me colocando entre elas. –Você ainda não entendeu? Ela não te quer mais, foi só uma noite Anitta, o romance acabou a muito tempo.- Afirmei olhando em seus olhos, ela negou, encarou Amanda.

-Não, eu sei que esta mentindo, sei que me ama.- Soltei uma gargalhada alta, revirei os olhos.

-Ah é? Se ela te amasse faria isso?- Sussurrei, me virei para Amanda, enlacei seu pescoço, seu olhar negro me fuzilou, se tornando todo meu, arranhei sua nuca, então sua boca tomou a minha com fúria, correspondi ao beijo satisfeita.

-Eu realmente pensei que você valesse alguma coisa Amanda..- Sua voz ecoou baixo, o tom de choro era claro, soltei minha garota para encarar Anitta.

-Você perdeu, entenda isso, vai embora, esta passando vergoonha.- Sussurrei, senti o impacto de sua mão em meu rosto, pretendia avançar sobre ela, mas Amanda me segurou, me puxou contra seu corpo, me prendendo com seu olhar, passou a afagar meu rosto como se Anitta se quer estivesse presente.

-Vocês se merecem.- Foi a última coisa antes que ela disse antes de sair batendo a porta, respirei fundo, observei Amanda abaixando a cabeça, acariciei suavemente seus ombros.

-Você estava prestes a contar a ela não é?- Questionei, não ousou me olhar, suspirou, afagou meu rosto novamente. –Fique longe dela Amanda, vai ser o melhor para você pra ela.- Afirmei, tirei sua mão de meu rosto, me afastei.

-Isso é muito dificil pra mim, ela é todo o meu coraç..-

-Não Amanda, ela foi todo o seu coração, não é mais, tem que deixa-la ir.-

- Ela não esta bem, eu devia..-

-NÃO, NÃO DEVIA E NEM VAI, ME OUVIU BEM?- Questionei, ela me deu as costas, pude ver seu corpo tremendo, aquilo era o sinal de que seu controle estava prestes a sumir, porém havia me cansado de correr, fugir, e temer as coisas, tinha me decidido a enfrentar tudo de agora em diante. –ESTOU FALANDO SÉRIO AMANDA.-

-Desde quando você manda em mim Senhorita Lopez?- Se virou para mim, aquela mesma pose arrogante de quando nos conhecemos.

-Foi você quem me pediu ajuda se lembra?-

 

 

56 horas antes...

 

 

-Kathe...- Seu tom foi de partir o coração, terminei de descer as escadas com pressa, abri os braços, e ela me apertou contra si, passando a chorar em seguida.

 

-O que houve?- Questionei, ela não disse uma palavra, seu corpo tremia, o choro forte havia a tomado, passei a acariciar suas costas. –Ela te machucou? Juro que se ela tiver feito alguma coisa eu vou..-

-Não foi ela..-Sussurrou, respirei fundo, lentamente a puxei para o sofá, ela se sentou e me puxou para seu colo, ergueu uma das mãos, reparei em um envelope amassado, o puxei, troquei um olhar rapido com Amanda, sua expressão era puro dessespero. –Eu não sei oque fazer, eu preciso de ajuda.- Implorou, afaguei seu rosto rapidamente.

-Esta tudo bem, vamos dar um jeito amor.- Sussurrei, então dei atenção ao que havia no envelope, meu estomago embrulhou ao ver seu conteudo, joguei aquilo no chão, me ergui.

-Katherine..-

-Não Amanda, não..- Sussurrei segurando as lágrimas, se ergueu, me afastei, ergui ambas as mãos. –NÃO!- Afirmei, ela balançou a cabeça, levou as mãos ao rosto.

-Estou fodida, nós estamos.- Disse abafado, enquanto outra crise de choro a tomava, olhei rapidamente para o envelope no chão.

-Quem te deu isso?-

-Bryan Willians..- Sussurrou, meu corpo tremeu, trinquei os dentes, me xinguei internamente, aquele desgraçado.

-Isso é culpa minha, você o demitiupor minha causa.-

-Não, eu o demitiria de novo se fosse outra pessoa em seu lugar, não suporto machistas.- Afirmou secando o rosto, se sentou novamente, fechou os olhos se encostando totalmente no sofá. –Ele me pediu dinheiro pelas fotos.-

-Oque?  Que cara filho da puta, isso é chantagem Amanda, processe ele.- Afirmei levando as mãos a cintura, ela me encarou parecendo assustada.

-Não posso!-

-Por que não?- Ela não falou, seu olhar se desviou para o envelope e se conteúdo no chão, levei as mãos ao cabelo. –Perfeito, se você tivesse me escutado, droga Amanda.-

-Eu não poderia adivinhar Katherine.-

-Deveria, você é rica, qualquer um que tem a mente corroida pela maldade vai querer estorquir alguém do seu nivel.- Afirmei, ofeguei, pisei naquele envelope com toda a vontade do mundo. –Você já pagou aquele...- Respirei fundo, negou com a cabeça, peguei em seu queixo. –Faça isso agora, e pode deixar que eu darei um jeito no resto.- Afirmei, sorriu falso, me curvei um pouco olhando em seus olhos. –Vou salva-la Amanda, vou dar um jeito de te livrar disso, mas precisa se livrar de outra coisa também.- Fechou os olhos, pegou em meu pulso, me afastou.

-Katherine eu..-

-Amanda, é isso ou nada!- Se levantou, tentou passar por mim, agarrei seu braço, me olhou de cima. –Fique longe dela!-

-Não é tão simples, sabe disso..- Sussurrou, me aproximei o máximo que pude, toquei seu rosto com a mão livre.

-Você esta exagerando, sabe que só precisa se deixar levar.- Disse fiquei na ponta dos pés, puxei suavemente seu rosto para mim. –Deixe-me mostrar como isso funciona.- Sussurrei, selei nossos lábios, não precisou de segundos para ela me apertar contra seu corpo, invadiu minha boca correspondendo ao beijo lento que iniciei, agarrei seus cabelos, desci a mão por seu braço, entrelacei nossos dedos.

-Kathe..-

-Shiu..- Coloquei um dedo sobre seus labios, neguei com a cabeça. –Vamos passar por isso, deposite o dinheiro para aquele merda, confie em mim, me escute e tudo acabará bem.- Ela assentiu, procurou meus lábios mais uma vez se rendendo de vez.

-Tudo bem, eu confio em você.- Observei ela pegar o celular e por aplicativo fazer a transferencia. –Eu poderia fazer outras coisas, mas como sempre você me impede de cometer erros.- Sussurrou, soltei uma risada baixa, passei a puxa-la pela mão.

-Se tem que cometer algum tipo de erro, vamos cometer juntas.-

-Como assim?- Perguntou atrás de mim enquanto subiamos as escadas, continuei puxando-a até chegarmos no meu quarto, a empurrei para dentro.

 

PLAY

 

-Você  resolveu aquele assunto pendente, arrumou um problema que terei que cuidar, bom, não se pode fugir das coisas, nunca se sabe oque haverá no amanhã...- Passei a abrir minha camisa social branca, seu olhar queimou para mim, abriu a boca, neguei com a cabeça. –Não, fique quieta, estou cansada de temer, de negar meus desejos.- Afirmei, me aproximei novamente, agarrei sua nuca, pressionei meu corpo no dela. –Nada mais de esperar, eu quero agora, e não pode negar,seus olhos me dizem que é reciproco.- Não precisei falar mais nada, ela me puxou para seu colo enquanto suspirava, passou a caminhar para a cama.

 

-Tem certeza Kathe, eu nunca menti, você sabe...-

-Você será minha Amanda, eu sei que uma parte já é, logo será completamente.- Sussurrei, me deitou sobre a cama, e passou a beijar meu corpo, descobrindo areas que ninguém nunca havia explorado, sua língua atiçava minha pele, queimando por onde passava me fazendo arrepiar, e gemer baixinho apenas para ela.

-Você é linda, perfeita, droga, me deixa tão quente.- Sussurrou contra minha orelha, me agarrei ainda mais em seu corpo, entregue, tocou meu rosto, afagou minha bochecha, me olhou nos olhos, passou a me masturbar lentamente, esfregando meu clitoris, me contorci, mordi levemente a ponta de seu dedão que desenhava o contorno de meus lábios, então desceu seu toque para minha entrada, tremi, cravei as unhas em seus ombros.

-Amanda.-

-Não tem que dizer, eu sei, conheço esse olhar, esses sinais..- Sussurrou baixo, seu olhar negro era extremamente terno, afagou novamente minha bochecha, um dedo escorregou para dentro, soltei um lamento, beijou minha testa. –Esta tudo bem, não tenha medo. –Fechei os olhos me distraindo com seus lábios roçando em minha testa, seu halito quente me intoxicando, roçou o nariz no meu, voltando a me olhar fixamente. –Você quer?- Arranhei sua clavicula sob a camisa, roubei um selinho, assenti, então mais um dedo me invadiu, meu corpo explodiu em puro calor, gemi longamente, arqueei o corpo, prendeu meus lábios nos dela, desceu a mão para meu cabelo, enrolando os dedos nas mechas. –Não se mexa, me deixe fazer todo o trabalho.- Sua voz era baixa como nunca antes, o tom doce, aquilo era sensual demais para mim, joguei a cabeça para trás quebrando nossos olhares, sua boca veio ao meu pescoço, chupando cada pedaço com precisão e lentidão necessária, ergui o quadril, me contorci, seus dedos foram mais fundo dilatando-me, tomando oque era dela, cada pedaço de mim a pertencia, nunca poderia negar tal fato.

-Amanda..- Agarrei-me a sua camisa com todas as minhas forças, enquanto de certa forma meu corpo se encolhia em uma especie de espasmo, escondi o rosto em seu ombro, ela passou a fazer carinhos em meus cabelos.

-Sim anjo, se entregue, deixe-se levar.- Abafei um gemido em seu pescoço, abri os olhos vendo tudo turvo, mordi seu ombro enquanto meu quadril se remexia sob ela parecendo ter vida propria.

-Eu... OH.. Por favor..- Tentei inutilmente falar, agarrei seu braço quando não resisti e deixei meu corpo voltar contra o colchão, a observei de joelhos ao meu lado, seu sorriso era timido, seus olhos brilhavam como nunca, sua camisa amarrotada tinha perdido alguns botões, aquilo era tão sexy, eu realmente havia ficado maluca, desviei o olhar corando, obsevei minhas unhas cravadas em sua pele, depois o movimento intenso de sua mão entre minhas pernas, aquilo me espantou, estava tão perdida de prazer que se quer havia sentido que seus movimentos tinham se tornado tão freneticos, arranhei seu braço, subindo novamente até seu ombro, voltei a olhar para ela, arqueou uma das sobrancelhas, meu ar faltou, afastei o quadril quando uma pequena porção de dor me atingiu.

-Não anjo, não fuja, não vou machuca-la.- Sussurrou se curvando um pouco mais, seus cabelos cairam em volta de nossos rostos, peguei em seu queixo, ela repetiu o ultimo ato, fiz uma careta, mordi o lábio. –Estou fazendo o certo, você quer tudo não é? Ou prefere apenas começar o trabalho?- Eu sabia do que ela estava falando, certa vez em uma noite, morta de curiosidade tinha perguntado a mesma como uma garota removia  a virgindade de outra, sua resposta foi : “É complicado, é algo que se deve ter cuidado, e uma vez de certa forma não é suficiente, a não ser que você use outra.. coisa, a não ser seus dedos.” Assenti para Amanda sem duvidas do que eu queria, não estava em meus planos deixa-la me iniciar em algo para que outro alguém terminasse.

-F-Faça.- Sussurrei com dificuldade, soltei um arquejo quando seus dedos pressionaram minha entrada e permaceram assim, deixei minhas unhas fincarem em seu queixo, ela fechou os olhos, encostou a testa na minha, senti seu toque internamente, como se massageasse minha intimidade com a ponta dos dedos, por dentro, amaciando-me, abrindo caminho para mais, sim mais, a conhecia bem para saber que a partir do momento que me entreguei seria tomada diversas vezes e sabe se la de quais formas. –Angel, just mine.- Seu olhar se conectou ao meu novamente, a pressão se aliviou, seus dedos se foram, arquejei quando voltaram, tudo oque ela havia feito até agora pareceu não adiantar, afinal seus dedos me causaram outra fração de dor, logo notei que agora eram três em meu interior, prontos para me dilatar um pouco mais, agarrei seus cabelos com a mão livre, meu corpo tremeu inteiro, outro lamento fugiu por meus lábios.

-Não se mexa.- Ordenou, tentei conter meu corpo que se contorcia sob ela, não obtive sucesso, neguei com a cabeça enquanto me observava, meu quadril se erguia e abaixava, minhas pernas se encolhiam como se eu não as comandasse, aquilo de certa forma era assustador, se não fosse tão bom já teria fugido.

-Eu não consigo controlar.- Confessei entre arfadas, seu braço pressionou meu torso contra o colchão, ergui o olhar para ela novamente, sorriu largo, mordeu o lábio, cravei as unhas em sua nuca, joguei a cabeça para trás quando suas investidas se tornaram rudes, os sons de seus movimentos adentraram meus ouvidos, aquilo me fez corar, afinal aquilo denunciou meu real estado, estava completamente molhada para ela, seus dedos me pressionaram mais uma vez, um grito ecoou sem que eu pudesse impedir, meu corpo se arqueou, sua mão soltou meus cabelos, veio para meu pescoço, segurou de forma firme.

-Não precisa se conter, pode me bater, não se acanhe.- Sussurrou, seu tom era pura malicia, observei seu rosto novamente enquanto gemia, seu sorriso era largo, suas sobrancelhas arqueadas, sua expressão era puro deleite em me ver daquele jeito. –Você me deixa maluca me olhando assim anjo.- Tentei imaginar de que forma estaria olhando, mas seus movimentos se  tornaram freneticos me arrancando o ar, me contorci, assenti algumas vezes, fechei os olhos enquanto me agarrava a ela sentindo meu corpo todo formirgar, se tensionar, abri os olhos novamente ao sentir uma pressão estranha no ventre, toquei seu rosto, tentei falar, não consegui e isso aumentou meu dessespero, agarrei seu braço, neguei com a cabeça, bati em seu ombro com a mão livre.

-OH.. A-AMAN.. OH.. GOD!!- Foi o maximo que consegui gritar para ela, aquela pressão passou a aumentar sem parar me tirando todo o folego, passei a implorar por ar, senti lagrimas  virem aos meus olhos, neguei com a cabeça, seu olhar prendeu o meu, seus lábios chuparam os meus, em seguida soltou uma lufada de ar entre eles, foi a vez dela arquejar, seu rosto se contorceu, tentei entender oque poderia causar dor nela, mas um segundo depois eu não era mais capaz de me concentrar ou pensar em nada, foi como se eu estivesse caíndo, todo meu corpo ficou dolorosamente tenso, aquela pressão no ventre chegou a um pico insuportavel, um grito escapuliu por meus lábios, então fui pega por uma especie de convulsão, meu corpo tremeu inteiro enquanto a maldita pressão descia.

-Oh porra!- Foi a última coisa que ouvi antes de tecnicamente perder os sentidos, só tinha certeza de onde estava por estar agarrada em Amanda como nunca antes. Quando abri novamente os olhos, seu rosto foi a primeira coisa que eu vi, secou meu rosto, beijou minha testa, sorriu largo, afagou minha bochecha. –Você é perfeita.- Senti meus olhos transbordarem um segundo depois, negou com a cabeça, me apertou  contra si. –Esta tudo bem...- Repousei minha cabeça em seu ombro enquanto tentava entender oque acontecia comigo, afinal não sabia a razão para estar chorando. –Tão linda.- Me afastou, beijou suavemente meus lábios,roçou o nariz no meu.

-O que há comigo?- Questionei com a voz fraca, sorriu, negou com a cabeça.

-Não perturbe sua mente com perguntas tolas.- Seu tomera divertido, escondi o rosto em seu pescoço.

-Eu sou apaixonada por você.-

 

Agora..

 

Ela fez uma careta, desviou o olhar, caminhei até a porta da sala, a tranquei, fechei as percianas.

-Não precisava me lembrar de tudo Kathe...- O tom de sua voz tinha uma porção de dor, me virei para ela.

-Eu sempre vou te lembrar, nunca vou deixa-la esquecer...- Sussurrei, ergueu o olhar, sorri largo. –Se lembra do que me disse em seguida? Você mentiu?- Questionei, soltei o cabelo, ela se encostou na mesa.

-Não menti Katherine, eu odeio mentiras.- Afirmou, passei a abrir lentamente a camisa.

-Então sabe que esta apaixonada por mim?- Arfou, agarrou a beirada da mesa, assentiu, deixei a camisa cair no chão. –Sabe também que não consegue resistir não é?- Passei a me aproximar, seu olhar desceu por meu busto devorando-me.

-Sei, onde quer chegar com isso?- Agarrei sua gravata, a puxei para trás da mesa, a fiz sentar na cadeira, abri o ziper da saia e deixei que fosse ao chão.

-Vou te ensinar outra lição, vou te mostrar que ela não é mais seu mundo Amanda..-Me sentei sobre seu colo, agarrei seu cabelo, mordi sua orelha. –Eu sou!-

 

 

Anitta pov on

 

Sai daquela empresa com o coração despedaçado, as imagens da minha ultima transa com Amanda não saíam da minha cabeça, e isso me atormentava, afinal agora eu tinha certeza de que só tinha sido sexo, não havia repressentado nada, ela tinha me iludido, me tomado para satisfazer um desejo qualquer, nada alem disso. Assim que entrei em casa se quer falei com minha mãe, me tranquei no meu quarto, passei a quebrar tudo que via pela frente, devia descontar minha raiva, minha decepção em alguma coisa, ou acabaria descontando em mim mesma. Sim, eu estava fraca psicologicamente, e sabia que para a culpa me tomar não seria dificil, o que me faria tomar decisões ruins, haviam tantas formas de terminar tudo aquilo,  de fazer a dor passar.

 

-Anitta.- Uma voz ecoou alta demais da porta, pisquei algumas vezes, larguei um dos enfeites que segurava, me virei na direção do som. –Ani, sou eu, abre essa porta.- Aquele tom doce ecoou novamente, me aproximei da porta.

-Eu não quero ver ninguém.- Sussurrei sem folêgo pela dor no peito.

-Me deixe entrar, por favor.- Encostei a testa na porta, fechei os olhos.

-Eu vou ficar bem, só preciso tirar isso de dentro de mim.- Confessei, pude ouvir quando ela tentou abrir a porta.

-Ani, me deixe entrar.- Sussurrou novamente como se estivesse implorando, suspirei ao me sentir culpada, estava machucando pessoas boas por conta daquela... Mordi o lábio quando a raiva me tomou novamente, destranquei a porta e a abri, não tive tempo de respirar, Ally me abraçou apertado um segundo depois. –Não ouse pensar em fazer algo errado me entendeu, não é por que ela não quer mais que você vai desistir de tudo, não vou deixar que faça isso.- Pisquei algumas vezes antes de abraça-la, Ally era de longe o ser mais lindo e puro que ja havia conhecido, poucas pessoas reconheciam o quão talentosa, amavel e incrivel ela era, mas isso de certa forma era bom.

-Você é tão especial.- Confessei entre lagrimas, observei seu olhar em mim, sua expressão de preocupação. –Não tem que ficar chateada por minha causa, só estou com raiva, eu não ia..-  As palavras me faltaram, ela se afastou mas pegou em uma de minhas mãos.

-Sei bem que a raiva é o estopim para idiotices, e convenhamos que você não esta em um estado psicologico confiavel.- Sussurrou, deu um sorriso torto, a puxei para minha cama repleta de penas, afinal até os travesseiros eu havia rasgado.

-Eu sinto tanto por deixar as pessoas ao meu redor preocupadas.- Confessei me sentando, ela se sentou de frente para mim, tirou seu cabelo do rosto.

-Você não tem que se sentir mal, isso te ajuda, afinal nos alerta de seu real estado.-

-Mesmo assim, estou sofrendo e machucando pessoas por culpa de alguém que só me usou.- Sussurrei desviando o olhar quando as lagrimas voltaram, secou meu rosto.

-Quer falar sobre? Estava feliz quando nos vimos pela ultima vez por que passou a noite com ela,não entendo.-

-Ela esta com Katherine..-

-Como assim?- A encarei, sua expressão era de surpresa, eu também ficaria se não doesse tanto ter visto oque vi, aquele beijo, a forma como Amanda agarrou a tal garota, como cuidou dela como se eu não estivesse presente, como se não me visse, como se eu fosse um nada. –Anitta você tem certeza disso?-

-Elas se beijaram na minha frente Ally, Amanda agarrou aquela garota diante dos meus olhos.-

-Isso não parece ser algo que a Amanda faria..-

-Ela não é mais a garota que um dia conhecemos.- Afirmei, afagou meu rosto, negou com a cabeça desviando o olhar.

-A forma como falou dela da ultima vez, como ela cuidou de você...-

-Isso foi tudo oque eu achei apropriado contar.- Sussurrei, funguei, respirei fundo, voltou a me encarar.

-Houve mais.. conte-me.-

-Ela me torturou..- Confessei, Ally pareceu ficar paralisada, revirei os olhos, encarei o teto quando as lembranças me atingiram com força. – Não que tenha sido ruim, não foi, não exatamente, mas ela me teve na intensão de se vingar.-

-O que ela te fez Anitta?- A encarei pensando em uma forma suave para dizer aquilo, mas não encontrei. –Me diz!- Insistiu, suspirei encarei sua mão na minha.

-Ela me fodeu.. De todos os jeitos possíveis, a não ser que existam mais jeitos que eu ainda não conheça.- Sussurrei, ela ergueu meu rosto, a observei corada, sua expressão era um misto de perturbação e curiosidade.

-Como.. eu não consigo entender.-

-Acredite, eu não posso te dizer como, estava vendada, algemada.-

-Ela prendeu você?- Questionou parecendo realmente assustada, assenti, levou a mão livre a boca.

-E ela fazia tão bem, era tão, enlouquecedor, uma mistura perfeita entre a dor e o prazer, em um nivel tão alucinante...- Sussurrei perdida em pensamentos, fechei os olhos. –Eu a sentia sobre mim, tensa, se movendo,  ouvia o som perfeito de nossos quadris se encontrando em uma sincronia perfeita.-

-Eu não consigo acreditar no que estou ouvindo, quer dizer, não querendo ser puritana, mas há coisas que não me imagino fazendo.- Sussurrou, a encarei, seu rosto estava vermelho como um tomate, neguei com a cabeça, soltei uma risada baixa.

-Entendo isso Ally, eu também não gostava de certas coisas antes dela, se quer me permitia tentar de novo...-

-Pode me contar mais sobre?-

-Depende, terá que ser especifica sobre oque quer saber.-

-Como ela, quer dizer..- Se perdeu nas palavras, ri daquilo, ofeguei.

-Como eu te disse, eu não pude ver, mas sei que ela estava dentro de mim totalmente, me tomando completamente, tudo ao mesmo tempo...- Molhei os lábios, fechei os olhos deixando as lembranças me guiarem. – Eu sentia seus seios nos meus, sentia seu quadril se movendo, quando me soltou, a primeira coisa que quis fazer foi arrancar a venda de meus olhos, mas seu pedido para que eu não o fizesse foi tão doce.-

-Você acha que ela usou algum daqueles...-

-Provavelmente.- A interrompi antes que passasse a gaguejar, ela respirou fundo.

-Mas ela cuidou de você depois, demonstrou carinho... Não faz sentido.-

-Tornar a ilusão maior, para depois causar meu tombo, já ouviu o ditado quanto maior a altura, maior a queda?- Questionei rindo por pura ironia, ela assentiu.

-E agora, oque pretende fazer? Que decisão vai tomar?-

-Não vou mais procura-la, eu entendi que perdi, e depois do que vi hoje, da prova de que ela foi capaz de se vingar de mim, oque mais sinto é ódio...- Confesse, removi alguns fios de cabelo do meu rosto, olhei nos olhos de Ally.-

-Ainda me lembro da conversa que tive com você e as meninas, aqui mesmo, nessa cama, o meu mundo, minha vida não pode parar por ela, por alguém que foi tão baixa a ponto de me torturar dessa forma..-

-E então?- Questionou, sequei meu rosto pela última vez, respirei fundo, sorri largo.

-Acabou, de hoje em diante Amanda esta morta pra mim!-


Notas Finais


Iniciem a Música quando indicado: https://www.youtube.com/watch?v=Q1oNpoEhW1Y

Bom meus amores, foi isso por enquanto, paciência, calma na alma, respirem direitinho, cada um com sua bombinha.
Vocês já sabem do esquema não é? Comentem, me mandem mensagens, ou mandem DMS no Twitter, usem todas as formas para se expressarem, fico super feliz de ler suas ideias, conversar e receber esporro.
Até a próxima. Amo vocês.

https://twitter.com/myeternalchild


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...