História For you - Consequências de um erro (Mpreg) HIATUS - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens Jackson, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Mark, Rap Monster, Suga, V
Tags Appa, Drama, Jikook, Markson, Mpreg, Namjin, Omma, Vhope
Visualizações 444
Palavras 2.220
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - O seu omma tem razão


Fanfic / Fanfiction For you - Consequências de um erro (Mpreg) HIATUS - Capítulo 8 - O seu omma tem razão

Pov’s Jimin

 

-Minnie, você está bem? -Jungkook peguntou, aparentemente preocupado. Eu seguia sentado no chão, mas agora envolvia (com os braços) as minhas pernas, enquanto mantinha os joelhos cruzados. Eu estava assustado, o meu corpo inteiro seguia tremendo e eu me esforçava para não deixar nenhuma lágrima cair. Apoiei meu queixo nos meus joelhos enquanto observava fixamente qualquer ponto da sala. Ouvi a voz do Jin hyung, ele se ajoelhou ao meu lado e acariciou minhas costas.

-Você está bem, Minnie? -Assim que ele perguntou… não contive o choro.

-O-o Namjoon hyung não aceita o meu bebê…

-Não é bem assim, Minnie. Ele está um pouco confuso com todas as novidades e acabou agindo por impulso. Tenho certeza de que mais tarde ele virá se desculpar com você e o seu bebê. -Ele disse, sorrindo fechado e me ajudando a levantar.

-D-desculpa, Jin hyung… eu molhei o tapete. -Ele se surpreendeu, mas assim que percebeu o meu desconforto desviou do assunto.

-Não tem problema, depois limpamos isso. O que acha de tomarmos um banho? Você se sentirá melhor. -Assenti repetidas vezes, concordando com a ideia. Ele me acompanhou até o banheiro, pediu para que eu me sentasse no sanitário fechado, se curvou um pouco e me abraçou. Abracei-o também, ficamos por alguns instantes em silêncio e ouvimos o choro manhoso do bebê que estava com Taehyung.

-O que acha de tomarmos banho com o Seungy? Ele está carente hoje.

-P-pode ser. -Respondi, ainda soluçando um pouco. Jin saiu do banheiro mas não demorou para voltar, agora com o filho. Seungy parou de chorar, agora ele observava as coisas ao seu redor enquanto escorava a cabecinha no peito do hyung.

-Dá oi para o Minnie, Seungy. Dá oi. -Ele pediu e o bebê lhe respondeu com uma risada fofa e infantil.- O que acha de tomarmos banho com o Minnie hoje? -Jin perguntou, olhando para o bebê que agora tentava firmar os bracinhos eretos no peito do hyung. Ele estava com a boquinha entre aberta, olhando curioso para o hyung, já que provavelmente não estava entendendo o que era dito. Jin beijou o seu rostinho e mordeu sem força a sua bochecha, esta que era um pouquinho rechonchuda. Ele entregou Seungy para mim e começou a se despir. Seungy fez um bico e ameaçou chorar. Assim que o hyung ficou completamente nu, voltou a segurar SeungYeon.

-Você planeja tomar banho de roupa? -Perguntou para mim, tirando a fralda e camisetinha no bebê. Jin entrou no box e ligou o chuveiro.- Vem, Minnie. -Me chamou, enquanto conferia a temperatura d’água. Tirei as minhas roupas e entrei no box. Era estranho tomar banho com hyung, nunca tivemos tanta intimidade para isso. Estava frio, eu me encolhia enquanto Jin e Seungy aproveitavam a água quente.- Eu não mordo, sabia? -Me aproximei um pouco mais dos dois, logo SeungYeon notou minha presença e tentou se voltar para mim. Jin ajeitou melhor o bebê no seu colo, de forma que ele ficasse de frente para mim. Ele sorria banguela, intercalava entre olhar para mim e o seu omma. Por fim, Seungy riu baixinho e seguiu sorridente. Jin o voltou para si, beijou sua testa e o abraçou. O hyung não parecia tão contente como normalmente fica quando Seungy sorri. Percebi que na sua mão não havia mais a aliança que Namjoon lhe deu. Desde que ele ganhou este anel, nunca o vi sem.

-Jin hyung, você e o Namjoon hyung…

-Nós não estamos mais junto. -Arregalei os olhos quando ele me contou. Estava em choque, me perguntando se era culpado por isso ter acontecido.

-M-me desculpe, hyung. Eu não queria…

-Não se desculpe, Jimin. Você não fez nada de errado. O que aconteceu só me fez perceber um detalhe muito importante no Namjoon. -Me perguntava se ele se referia a agressividade, impulsividade do Namjoon. Mas acho que isso não seria motivo para os dois se separarem.

-Qual? -Perguntei, um pouco apreensivo. Antes de me responder, o hyung suspiro pesadamente, fechou os olhos e abraçou SeungYeon, que estava com a cabeça sobre o ombro de Jin enquanto era poiada por uma das mãos do mesmo.

-Quando ele nasceu… Namjoon disse que cuidaria de nós. Eu lembro bem das palavras dele.

 

Flashback on

 

-Oi, Seungy. Você não precisa chorar, o omma vai cuidar de você… pra sempre.

-E o appa também vai cuidar de você. De você e do seu omma.

 

Flashback off

 

Mas eu acabo de descobrir que as prioridades do Namjoon são outras, que não cuidar de nós. -O hyung parecia realmente abatido. Meio a tantas gotas d’água, as suas lágrimas seguiam sendo evidentes. Não sabia dizer ou sequer imaginar a dor que ele sentia, mas a sua tristeza era notável. Afinal, eu sei que ele ama o Namjoon hyung. Abracei Jin e ele logo retribuiu, me envolvendo com um dos braços, já que com o outro segurava SeungYeon.- E-eu o amo tanto… não queria que fosse assim.

-Eu sei, hyung… talvez ele mude. Ainda há tempo, não é?

 

~Tempo depois~

 

Assim que saímos do banho, o hyung secou e vestiu primeiro o seu filho. Seungy já estava sonolento, vê-lo de tal modo era muito fofo. Quando saímos do banheiro, me deparei com Jungkook. Ele estava preocupado, era evidente.

-Minnie, me desculpe… você está bem? O bebê está bem?

-Estamos bem, Kook. Mas me deixe descansar um pouco, ok? -Ele fez um bico, estava chateado. Provavelmente por causa de Namjoon. Jungkook assentiu em resposta, saiu do meu caminho e ficou me observando, cabisbaixo. Por alguns minutos, fiquei sozinho no quarto, refletindo sobre o ocorrido. Eu realmente irritei o Namjoon… eu sabia que não era um bom momento para ter um bebê, mas a sua reação foi exagerada. Não que eu o condene pelo que fez comigo. Entendo que talvez ele esteja confuso e por isso se precipitou um pouco. Mas mesmo que o meu cérebro diga o que é mais racional, o meu coração insistem em permanecer ferido. Ouvi baterem na porta, não demorou e vi o Jin hyung entrar no quarto.

-Nós precisamos conversar sobre este bebê, não é? -Assenti em resposta e me sentei na cama. Jin se sentou ao meu lado e por alguns instantes apenas observou o meu rosto.- Há quanto tempo você está…?

-3 meses e meio. -Ele sorriu fechado e aproximou uma das mão do meu abdômen.

-Posso? -Perguntou, antes de tocar no pequeno volume. Assenti em resposta e levantei minha camisa até a altura do meu peito. Jin tocou com delicadeza, acariciou minha barriga com o polegar e sorriu.- Ainda não está pesando? -Neguei com a cabeça.- Aproveite esta fase, Minnie. Ela é importante para você e principalmente para o seu bebê.

-Me pegunto se isso não foi um erro, hyung. Eu o amo… mas não quero que essa criança venha ao mundo para ser rejeitado por quem conviverá com ela. Imagine só se o Namjoon hyung tiver rancor do meu bebê mesmo que a culpa seja toda minha.

-Namjoon não terá rancor nenhum, Minnie. Nem por você e muito menos pelo seu bebê. E a culpa não foi só sua, não esqueça de que você não o fez sozinho. Jungkook teve participação, não é por que o bebê está dentro de você que toda responsabilidade é sua.

-Eu sei, hyung. Mas…

-Conceber uma vida nunca é um erro, Jimin. É claro que agora não era o melhor momento, mas se ele já está a caminho… então que venha, e com muita saúde. Saiba que apesar das circunstancias, eu apoio a vinda dessa criança. Mas se prepare, Minnie. Muitos apontarão o dedo na sua cara e dirão que você fez tudo errado. Nessas horas, lembre-se pelo que, ou melhor, por quem você está passando por isso. Um filho vale muito mais que criticas, não se esqueça disso. Quando você ficar triste pelos comentários maldosos, lembre-se de que você tem a mim, Jungkook… e independente do que acontecer, não se coloque em situações de risco, lembre-se de que as consequências não afetarão só você.

 

~ * ~ * ~ * ~

 

Pov’s Namjoon

 

Eu ainda estava em choque, não conseguia acreditar. Me levantei da cama e peguei a aliança que ele deixou sobre a cômoda. Observei tanto o anel que agora estava na palma da minha mão quanto o que estava no meu dedo. Saí do quarto e vi Jin trocando a fralda de SeungYeon, que estava sobre uma toalha em cima do sofá. Me aproximei dele e coloquei uma de minhas mãos nas suas costas, na tentativa de chamar sua atenção.

-O que você quer?

-Jin… eu não quero me separar de você. Eu te amo. -Ele se voltou para mim e observou o meu rosto por alguns instantes.

-Eu também, Namjoon. Mas as suas prioridades são outras que não amar a mim e o seu próprio filho. Sei que não conseguirei manter um relacionamento em que a prioridade do meu parceiro é a fama e não as pessoas que convivem com ele. É difícil para mim aceitar que você prefere a sua carreira do que ele. -Jin pegou SeungYeon no colo.- Olha para ele, Namjoon… não é o bebê mais fofo do mundo? -Perguntou, sorridente enquanto olhava para o bebê. Jin beijou a sua testa e acariciou às suas costas. Ele estava sonolento, apoiava a cabeça no peito de Jin e mantinha os olhos semicerrados por causa do sono. Por fim, ele bocejou e cerrou os olhinhos. Jin suspirou pesadamente, voltou seu olhar para mim mas ficou um tanto cabisbaixo.- Como você pode…? -Perguntou, negando com a cabeça.

-Jin… -Antes que eu tentasse argumentar, ele saiu de perto de mim.

 

~Tempo Depois~

 

Todos já estavam em seus quartos, e provavelmente dormindo, já que era tarde da noite. -Eu não quero dormir na sala. -Disse, ajeitando os lençóis na cama.

-Eu durmo então. Você sabe que o Seungy não costuma chorar à noite, mas caso ele chorem me chame.

-Eu posso acalmá-lo também, Jin. Você não precisa se preocupar. Descanse essa noite.

-Tudo bem… mas caso não consiga, apenas me chame. -Antes que ele saísse do quarto, chamei-o.

-Jin, você não quer mesmo dormir comigo hoje? -Ele se voltou para mim e negou em resposta.

-Talvez eu deva me afastar um pouco de você. Nós dois precisamos entender que não estamos mais juntos, Namjoon. -Tais palavras apertaram o meu coração. Eu queria poder ter os dois, a fama e a minha família. Não entendia por que Jin insistia que a minha família deveria vir em primeiro lugar. Eu lutei muito para chegar onde estou, foram anos de trabalho árduo para conquistar o que tenho. Jin deveria entender o meu lado, já que passou pelo mesmo que eu. É claro que eu amo o meu filho, mas Jin quer me forçar a deixá-lo no topo de minhas prioridades. Antes de me deitar, olhei SeungYeon no berço. Talvez eu não tenha dedicado tanto do meu tempo a ele e por isso Jin está chateado comigo. Acariciei a sua bochecha com o polegar e fui até a minha cama, onde me deitei. O espaço vazio ao meu lado me incomodava, mas consegui dormir depois de alguns minutos me virando de um lado para o outro. No meio da noite, me acordei com o choro fino e esganiçado de SeungYeon. Me levantei da cama e fui até o seu berço, o observei por alguns instantes, estava bêbado de sono então demorei um pouco para assimilar a situação. Peguei-o no colo e quase que instantaneamente ele diminuiu o choro aos pouco, até parar. Ele segurava com firmeza o tecido de minha camisa, como se não quisesse se separar de mim. Seungy escondeu o rostinho no meu peito, parecia querer o contato mais próximo possível comigo. Neste momento eu percebi que sequer segurá-lo corretamente eu sabia. Mesmo sendo um desastrado, eu deveria ao menos saber segurar o meu próprio filho. Mas nesses três meses nem me interessei em saber como fazer isso. Senti culpa. Era visível que o meu filho queria mais contato comigo, contato este que eu não ofereci.

-Me desculpe… eu sou um péssimo pai, não é? Eu falo dos outros mas talvez eu seja o mais imaturo nessa casa. -Disse, afagando os seus ralos cabelos. Me dei conta de que o que Jin me falou era verdade. Nós somos tudo para ele… eu realmente deveria amar mais o meu filho do que a minha carreira. Afinal, a minha carreira nunca me segurou com tanta firmeza como ele está me segurando agora. A minha carreira não tem vida, já ele tem. Eu segurava uma pequena vida nos meus braços, a vida do meu filho. Deveria valorizá-lo mais, eu sei. Afinal, uma vida vale muito mais que uma carreira, a de um filho então… beijei a sua testa e em vez de colocá-lo de volta no berço, levei-o para a enorme cama em que eu dormia. Coloquei-o bem próximo de mim e acariciei o seu rostinho até ele adormecer.- O seu omma tem razão, você é o bebê mais fofo do mundo. -Conclui, depois de observá-lo por alguns instantes. Apesar de ser pequenininho, a cama não parecia mais tão vazia com ele ali. Talvez o que esteja vazio não seja a cama… mas sim o espacinho que Jin preenchia no meu peito. Depois de alguns minutos, consegui dormir, agora com Seungy ao meu lado.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...