História For You - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Kookmin, Vhope
Exibições 38
Palavras 2.360
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi gente voltei ♥ Desculpe pelos erros estou chapada de café kkk
Desculpa pelo atraso de capitulos, estou cheia de trabalhos e provas para fazer e to ocupada também e minha mente parece um fone todo amontoado kkk
Fiquem com o capitulo e até o proximo beijinho ♥

Capítulo 3 - Obrigado por existir


Fanfic / Fanfiction For You - Capítulo 3 - Obrigado por existir

E lá estava eu acordando com a luz do Sol, como sempre não sonhei nada, faz um bom tempo que não sonho com algo, o dia estava frio, muitas pessoas gostam do tempo ensolarado, mas eu gosto do tempo frio, ele é perfeito assim.

- Posso entrar? – pergunta Mi-Cha batendo na porta e abrindo a mesma. – Olha se não é meu garotinho, como você está? Dormiu bem?

Mi-Cha é uma senhora que me adotou quando eu tinha onze anos, sempre tratou muito bem e um dia quero a chamar de mãe, é difícil...

- Oi Mi, eu estou bem, dormi sim, e você dormiu bem?

- Sim, eu sinto tanto sua falta lá em casa meu pequeno. – diz Mi-Cha e logo senta na poltrona ao lado da minha maca e começa a afagar meus cabelos.

- Eu também sinto falta de casa...

- Estou entrando. – diz SeokJin, o medico que me trata a um ano. – Como está você Jungkook?

- Estou bem eu acho. – sorriu fraco.

- Filho, tenho uma noticia boa. – sorri. – Hoje vamos ir até o shopping se divertir.

- Serio? – pergunto surpreso.

- Sim, como os resultados dos exames estão indo bem, você merece sair um pouco, mas não faça artes. – diz SeokJin.

 

Eu realmente não acredito depois de um ano eu sairei do hospital, finalmente eu irei ver pessoas e respirar o ar da cidade.

- Posso levar um amigo? – perguntei.

- Você tem um amigo aqui Jungkook? – pergunta Mi-Cha.

- Sim tenho...

- Então me apresente ele. – diz Mi-Cha animada.

- Vamos até o jardim ele deve estar lá. – sorriu e levanto-me apoiando-me no criado mudo.

- Jungkook, você só pode ir se você usar elas. – Aponta para a cadeira de rodas.

- Aish... Tá bom. – Faço bico e vou dando paços curtos até a cadeira de rodas.

- Okay, agora, Jungkook qual roupa você quer usar? – Vai até a mim e me leva até o guarda roupas.

- Hmm... Essa camiseta listrada e a calça jeans. – digo apontando.

- Está frio lá fora, use o seu cachecol azul, você gosta muito dele não é? – diz Mi-Cha.

- Sim o cachecol... – sorri fraco. O cachecol azul que mamãe fez para papai e papai deu para mim...

- Okay... Agora vamos até o banheiro tomar um banho e colocar as roupas. – sorri e me leva até o banheiro.

 

 

Já de banho tomado e vestido, estava eu e Mi-Cha indo até o local onde encontrei Jimin pela primeira vez.

- Como esse seu amigo é? – Pergunta.

- Ele é bonito Mi-Cha, ele é misterioso e cheio de segredos e legal também. – sorri.

- Estou curiosa para saber quem é. – ri.

 ...

- É aqui. – digo.

- Okay.

- Me espere aqui. – digo.

Ela assentiu e se senta no banco de madeira.

Vou até o lago onde Jimin estava na primeira vez e olho ao redor.

- Jimin? Jimin?!

- Oi... O que foi?

- Jimin! – sorri. – Eu e Mi-Cha vamos até o shopping, vem com a gente?

- Okay... Mas porque estas em uma cadeira de rodas?

- Ah... SeokJin disse que eu preciso usá-la, mas sei lá, ele disse que eu estava melhorando... – digo confuso.

- De qualquer forma, tudo bem... Vamos.

Jimin estava com as mesmas vestimentas de sempre, o tempo estava frio, e aquelas roupas aparentavam não esquentar...

- Mi-Cha voltamos. – sorri.

Mi-Cha se levanta rapidamente e olha para Jimin.

- Ele é seu amigo Jungkook? – pergunta sorrindo.

- Sim, Jimin essa é Mi-Cha e Mi-Cha esse é Jimin.

- Prazer Jimin. – sorri e estende a mão.

- Ele não pode apertar sua mão Mi-Cha. – digo.

- Prazer Mi-Cha.  - Diz Jimin.

- Por quê? – pergunta confusa.

- Nada... – olho para Jimin e ele retribui o olhar. – De qualquer forma... Vamos.

 

 

 

Já no shopping, Jimin olhava ao redor das lojas e Mi-Cha me levava e dizia algo em que eu não estava prestando atenção.

- Jungkook, que tal vermos um filme? – Diz Mi-Cha.

- Okay...

- Qual filme vocês querem ver?

Olho para os cartazes e Jimin faz o mesmo.

- Que tal vermos aquele ali? – Diz Jimin apontando.

Assenti e Mi-Cha fez o mesmo.

 

Já na sala de filme, eu, Jimin e Mi-Cha esperávamos o filme começar, algumas pessoas conversavam e comiam pipoca e bebendo suas bebidas.

- A Culpa é das Estrelas... Uma boa escolha Jimin. – diz Mi-Cha.

Jimin sorri fraco e olha para o telão em que estava passando os trailers.

Jimin estava com o cabelo loiro, era incrível como ele mudava as cores do seu cabelo, o olhava atentamente e observava cada linha de expressão e cada imperfeição de seu rosto, ele era bonito, um anjo.

O filme começou e Jimin olhava atentamente para o telão, eu só conseguia observá-lo. Jimin me olhou e corei, e desviei meu olhar para o telão.

 

 

O filme estava quase acabando e não deixei-me olhar para Jimin, estava com tanta vergonha...

Mi-Cha já estava chorando enquanto comia a pipoca doce, era até engraçado a sua expressão e o jeito que ela comia a pipoca.

 

O filme acabou e eu levantei-me e fui até a cadeira de rodas me sentar, Jimin e Mi-Cha levantaram-se e Mi-Cha me levou até a saída da sala de filme e Jimin nos seguiu.

- Gostou do filme Jungkook? – pergunta Mi-Cha.

- Sim...

- E você Jimin?

- Também.

- Vamos comer algo, quais vocês preferem Mc Donalds ou Burger King?

- Mc Donalds. – Digo

- Seu nutricionista vai me matar, mas tudo bem, não mata se comer apenas uma vez. – ri.

- Fiquem sentados ai irei fazer os pedidos. – diz Mi-Cha.

 

 

Tinha varias pessoas passeando, todas muito bem agasalhadas, algumas crianças felizes e que davam pulinhos e gargalhadas e os pais gargalhavam e sorriam.

Sem perceber meus olhos já estavam marejados só de observar o casal com o filho tão felizes.

- Você está chorando Kookie? – pergunta Jimin.

- Ah... Eu... Desculpe.

- Não fique assim, porque observa aquela família? – diz Jimin e puxa uma cadeira e se senta ao meu lado.

- Eu queria ser aquela criança...

- Não fique assim okay? Estou aqui com você. – sorri e começa acariciar minhas bochechas.

- JIMIN! – O olho e os seus dedos brilhavam ele sorria e continuava a caricia.

O seu brilho era lindo, o seu sorriso acolhedor me passava segurança e paz, sua caricia me fazia sentir-me tão bem. Fechei meus olhos para aproveitar sua caricia.

Abro meus olhos rapidamente e vejo uma lagrima percorrer sobre o rosto de Jimin, ele ainda sorria.

Desvio meu rosto dos seus dedos e o vejo segurar seus dedos com força com a outra mão.

- Desculpa... Jimin... Eu...

- Está tudo bem Kookie... Você está bem?

- Sim...

- Ufa...

Tirei o cachecol do meu pescoço distribuo um beijo no mesmo, e envolvo o cachecol no pescoço de Jimin.

- Não quero que sinta frio, talvez você se sinta melhor assim. – sorri.

- Obrigado Kookie...

 

- Atrapalho? – Diz Mi-Cha se sentando a minha frente e coloca a bandeja na mesa.

- Não...

- Vamos comer certo?

Assenti e Jimin fez o mesmo...

 

 

Agora nos passeávamos pelo shopping olhando para varias vitrines e comendo coxinha.

- Essas coxinhas são as melhores, eu poderia morrer comendo isso. – diz Mi-Cha.

- Sim. – ri.

Olho para Jimin e o cachecol azul o deixava tão bonito, sua expressão era calma, ele olhava atentamente para as pessoas, permite-me sorrir apenas por observá-lo.

- O que foi Kookie? – pergunta Jimin e me olha.

- Nada... – sorri.

Senti uma fraqueza pelo meu corpo e o liquido vermelho escorrer das minhas narinas.

- Jungkook?

Meus olhos foram fechando lentamente, até que só ouvia vozes altas...

 

 

♥-♥

 

 

Abri meus olhos lentamente e eu não estava no meu quarto eu estava em outra sala, ouvi o barulho do aparelho que mede meus batimentos cardíacos e olhei para o lado e vi o remédio caindo lentamente no tubinho até ir até a minha veia.

Quimioterapia era ruim aquilo, ficar em um lugar por um bom tempo apenas ouvindo o barulho dos aparelhos.

 

 

Já era noite e já estava entediante estar ali, realmente queria que meus tsurus estivessem aqui para fazê-los.

Olhei ao redor do quarto e Jimin me observava sentado em um banquinho.

- Então você acordou. – diz Jimin.

- Como você entrou aqui?

- Eu não sou humano Jungkook.

- Ahh...

- Você está bem?

- Não sei...

- Entendo.

- Jungkook... Por que você chorou no shopping?

- Ahh... Eu...

- Se você não quiser não precisa contar.

- Tudo bem eu conto...

 

FLASHBACK ON

*Era dia vinte e quatro de dezembro eu tinha apenas oito anos, mamãe e papai estavam felizes, e eu também, embora mamãe estar em uma cadeira de rodas ela sorria e cantava Karaokê e papai batia palmas e eu fazia o mesmo, era véspera de natal, estava nevando e as luzes com cores vermelha e verde piscavam, então papai se levanta e pega o gravador e mamãe começa a cantar aquela mesma musica que ela cantava sempre.

Ouvia atentamente mamãe cantar, ela era tão linda cantando, então mamãe para de cantar e deixa o microfone cair, papai se levanta rapidamente e vai até ela.

Logo vi vários homens entrando em casa levando a mamãe para uma ambulância, papai chorava e eu sem saber o que estava acontecendo eu chorava também.

Já no hospital papai parecia mais preocupado ainda, vi um medico se aproximar de papai e falar algo para ele, e papai chorar muito, e cair no chão, eu já assustado ainda chorava muito.

Papai se aproximou de mim e me deu um abraço apertado.

- A mamãe se foi meu amor... – diz papai distribuindo selares em minhas bochechas.

Depois disso eu e papai dormimos no hospital e no dia seguinte fomos ao enterro de minha mamãe, minha avó chorava e outros parentes também, papai chorava muito, alguns familiares abraçavam papai e eu não agüentava mais ver tudo aquilo, sai de lá e me escondi no parquinho do cemitério.

- Por que está chorando? – pergunta.

Levanto minha cabeça e estava um garoto de terno, com os cabelos tingidos de laranja me olhava com o cenho franzido.

- Eu não sei... Papai diz que mamãe se foi...

- Entendo... Meu tio também se foi... – diz o garoto.

- Pra onde eles vão?... Jungkook não entende.

- Um dia você vai entender... Alguns dizem que é o paraíso, e outros temem esse paraíso.

- Paraíso?

- Sim...

- Um dia eu e você vamos para esse paraíso, você o teme?

- Jungkook, não sabe o que é paraíso.

- Hmmm...

- Qual é seu nome? – pergunto.

- Não direi, mas pode me chamar Foxy.

- Foxy? – franzo o cenho.  

- Sim, raposa, todos me chamam assim por causa do meu cabelo.

- Meu nome é Jeon Jungkook, mas pode me chamar de Kookie ou Jungkookie. – sorri.

- Ok Jungkookie, talvez nos nós encontramos mais vezes...

 

- Jungkook, o que está fazendo ai? – pergunta vóvó.

- Jungkook está falando com Foxy. – digo.

- Foxy? Quem você estava conversando?

- Deixa pra lá...

 

Passou-se um ano, e papai não era o mesmo de antigamente, ele fumava e bebia, mas nunca chegou a ser rude comigo, ele contava historias para eu dormir, e deixava a musica que ele gravou da mamãe cantando sempre quando eu ia dormir.

 Foi até que entrando em casa, vi garrafas de bebidas no chão na sala fui até a cozinha, e papai estava deitado, e sua cabeça tinha um buraco onde escorria sangue com abundancia.

Corri até papai e ele parecia morto, chorei muito e me deitei ao lado de papai sujando todo o meu uniforme branco da escola, envolvo meu braço na cintura de papai e o abraço e durmo ali.

Até que acordo com vovó me chamando e varias pessoas dentro da casa.

- MEU FILHO! – gritava vóvó.

Afastaram-me de papai e levaram o corpo dele, vóvó era segurada pelo meu tio, ela chorava muito e gritava.

Encolhi-me ali e cobri meu rosto com as minhas mãos e deixei-me chorar.

- FOI SUA CULPA! – Disse vóvó raivosa. – FOI POR CAUSA DE VOCÊ QUE ISSO TUDO ACONTECEU. – disse ela indo à minha direção e segura meus braços com força.

- Você nunca será meu neto e nunca foi. – cuspiu as palavras e eu á olhava assustado.

 

Foi até que lá estava eu novamente no cemitério, e no mesmo parquinho e chorava muito.

- Por que está chorando? – Pergunta uma voz familiar.

Levantei a minha cabeça e era ele, Foxy.

- Foxy...

- O que aconteceu?

- Papai se foi... E é culpa de Jungkookie.

- Sua culpa?

- Vóvó disse que papai se foi por causa de mim...

- Calma Jungkookie, não foi sua culpa tudo ficará bem...

Ele se aproxima de mim e me abraça apertado e afaga meus cabelos e enterro meu rosto no seu ombro e deixo-me chorar.

 

- Essa é sua nova casa Jungkook. – diz Mi-Cha.

- UAU!

- Eu te amo meu pequeno, espero que você me ame também...

 

Já no meu quarto vou até o radinho no criado mudo e coloco o CD pra tocar e a voz da mamãe ecoava pelo quarto, fui até a minha cama e deitei-me e deixei as lagrimas saírem e adormeci.”

 

FLASHBACK OFF

 

- Jungkookie...

- Tudo bem eu já me acostumei...

- Eu sinto muito...

- Está tudo bem...

Jimin se aproxima de mim e me abraça, e seu brilho logo em seguida apareceu...

- Tudo ficará bem Jungkook, você é a pessoa mais forte que eu conheci, obrigado por ser assim... Obrigado por existir.


Notas Finais


Essa historia do Jungkook ;-; E quem vocês acham que é o Foxy? Gostaram? Odiaram?
kk Até o proximo capitulo beijinhos ♥♥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...