História For You -Camren - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Drama, Família, Romance
Exibições 408
Palavras 1.632
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!
Qualquer erro ortográfico, perdoem!

Capítulo 15 - Minha razão


Fanfic / Fanfiction For You -Camren - Capítulo 15 - Minha razão

Pov Lauren

Tudo que eu menos precisava agora era encarar Dinah e explicar isso pra ela, sim ela ainda não sabia, desde aquele dia no meu quarto do hospital ficamos combinados de não tocar no assunto outra vez, ainda mais agora que eu tava fazendo tratamento com psicólogo, sempre que eu melhorava passava um tempo eu lembrava de algo e ficava péssima.

-Acho que mereço uma explicação não é Lauren? Que droga, prometemos sempre contar tudo e agora parece que eu sou a única que não sabe absolutamente tudo que estava acontecendo com vocês. -olho pra ela e ela está com uma mista expressão de brava e de mágoa, não é pra menos.. mas.. já estava irritada por ter me sentido atraída pela keana, já estava irritada por querer minha mulher e não poder porque ela nem sequer respira sozinha, isso me dói tanto, está tudo em minhas costas, Henri sai hoje e o que vai ser de mim? Tenho meus pais, meus sogros, mas que droga…

-Que porra Dinah, depois de tudo eu ainda tenho que encarar minha melhor amiga e dizer que meu casamento havia acabado? E que a mulher que eu sempre amei assim que olhei pra ela só tinha pena por eu estar acabada porque descobri que ela não me amava mais? É isso mesmo? -eu gritei, chorando, eu quero socar algo, eu queria quebrar alguma coisa ou simplesmente sumir. Sempre fui fechada e mesmo com a psicóloga eu não me abria totalmente, tinha um peso enorme em cima de mim e lembrei de tudo agora e está doendo… a expressão de brava da Dinah mudou pra triste, preocupada e assustada… -Ally, fala pra ela, não suporto falar disso outra vez, será que pode pedir a keana pra ficar com meu filho um pouco? Preciso de ar. Preciso descontar tudo isso que estou sentindo, droga porque tem que ser assim? -olhei pra ela que tinha lágrimas nos olhos e murmurou um “Desculpa” sem som pra mim, neguei com a cabeça limpando as lágrimas que tinham escorrido em meu rosto, sai dali e fui pra minha sala. Assim que cheguei joguei a porcaria daquela bengala longe, derrubei minha estante de livros no chão e algumas coisas da minha mesa. Chorei, chorei muito de bruços na minha mesa. Eu não consigo sem ela, e porque diabos eu pensei que quando ela acordar ela iria voltar pra mim? Porque eu pensei que seríamos uma família linda de comercial de margarina quando ela não me amava mais? Quando ela só estava comigo por causa do nosso filho? Porque todas as noites que eu venho dormindo no corredor do quarto dela eu pensei que um dia ela saberia disso e seria muito pra ela ver como eu a amo e ela falaria que queria se casar comigo? Porque eu fui tão burra? Perguntas e mais perguntas rondavam a minha cabeça, peguei um whisky que tinha em minha mini adega embutida na parede.Me joguei no chão, estava tudo jogado, esparramado, folhas por todo lado, livros pelo chão, minha estante caida, minha poltrona estava do outro lado da sala. Depois de um tempo, estava deitada no chão, a garrafa vazia, estava tudo parado, meu rosto dormente, eu já não tinha mais forças pra nada, o que me fez pensar que eu fazendo tudo por ela enquanto ela está em coma a fará me amar quando ela acordar?

Ouço batidas na porta e não respondo, não tô afim de ver ninguém, muito menos alguém desse hospital, ainda mais nesse estado no chão e bêbada. Ouço a porta se abrindo, já estava preparando pra xingar quem quer que fosse. Dinah aparece, com o rosto vermelho, parece se assustar ao ver tudo daquele jeito.

-Lauren, o que foi isso?

-você ainda pergunta? -disse embolado devido o álcool.

-não acredito nisso, Laur você está bêbada? Nao acredito.

-da pra… pra cala a boca? Me deixa em paz.. -ela se aproxima e dá pra reparar, ela estava chorando?

-de maneira nenhuma, Laur eu não sabia, me perdoa, por favor, ela vai acordar e vai ver como você a ama e o que você está fazendo por ela, não faz isso com você não, vocês têm um filho mais lindo Laur, ela não vai querer destruir a família perfeita de vocês, ela só estava confusa. Acredita em mim. -senti ela sentar ao meu lado no chão

-você não sabe… não sabe como ela tava olhando pra mim Dinah. Não existia amor. O que me fez pensar que dormir no corredor do quarto dela toda noite a fará me amar quando acordar? -falei ainda deitada no chão, não queria encará-la, era doloroso demais.

-Você faz o que? Você dorme aqui Laur? No corredor?

-não fala pra ninguém, eu não consigo dormir sem ela Di, por favor. E dormir colada no quarto dela me faz sentir ela mais perto. -ficamos um tempo em silêncio

-acho que eu preciso chamar a Ally. -levantei rápido senti uma tontura mas continuei tentando encarar ela.

-não fala nada por…

-ela tem uma surpresa pra você Lo, onde tem água aqui? -mostrei e a vi pegar dois copos cheios, ela ajoelha na minha frente e joga toda a água gelada de um copo na minha cara, foi como uma tapa na cara, puta que pariu..

-Dinaaah filha da puta… -ela gargalhou

-levanta, sei que tem camisas aqui, pega outra, pega seu filho que esta com a enfermeira Marie e vai falar com a Ally porque ela quer te falar da Camz. -foi como se todo o álcool sumisse agora, ela me falaria do caso dela? Será que ela está melhor? Pooorra e se ela acordou. Levantei rápido, quase cai, Dj me segurou, pegou minha bengala , lembrei que minha camisa estava molhada, abri uma porta no meu armário, vesti outra e saímos da sala, fui mais rápido que consegui pro berçário, keana estava conversando com meu filho, logo vi Ally e Dj ficarem ao meu lado, keana não nos viu ainda. Ela tem muito jeito com criança. Chegamos perto e ela nos viu, sorriu corada, Henri estava com a mãozinha na gola da sua blusa e olhando pra ela, meus olhos se encheram de lágrimas, ele deve estar pensando que ela é a mãe dele, peguei meu filho e algumas lágrimas escorreram..

-Lo, não chora.. tenho uma notícia tão boa pra você.. -Ally, me virei rápido pra ela e sorri triste. Eu só queria minha Camz. Assenti e ela olhou pra Dj que sorriu largo. -A Mila deu um grande avanço e está conseguindo respirar sem aparelhos Lo. -meus olhos se arregalaram, sorri e comecei a chorar de novo, não acredito..

-Isso.. Ally isso é maravilhoso. Meu Deus… então ela pode não demorar muito pra acordar não é? -parecia uma boba falando, até parece que não estudei medicina, mas eu queria ouvir dela..

-Sim Lo, e a surpresa é que você vai vê-la, vou estipular algumas horas por semana pra você falar com ela, ficar com ela, isso pode ser bom, vamos começar com você, e se ela começar a reagir a você levaremos o Henri, queria que você fosse a primeira, mas eu tive que avisar sobre isso aos pais dela, e você sumiu e...

-imagina Ally, você nem sabe como eu a encontrei, precisamos conversar bastante com essa aí, e depois pedir alguém pra ir arrumar a sala dela, ta uma zona ela jogou tudo pra todo lado. -Dj e sua boca grande, revirei os olhos e vi quando recebi um tapa na cabeça, Ally.

-Gente desculpa interromper, mas Lauren quando você embora me procura vou tirar um pouco de leite pra você levar se ele quiser durante a noite, e se antes de você ir ele tiver fome pode me procurar okay? -Keana fala e da um beijo na cabeça do meu filho, quando dei por mim eu segurava seu rosto com uma mão e a olhava.

-Muito obrigada pelo que você está fazendo ke. Vou ser grata sempre por isso.-cheguei mais perto e deixei um beijo em sua bochecha, a olhei sorrindo e ela estava com um sorrisinho tímido.

  //

Estava no corredor do quarto da Camz, Dj ficou com meu baby, os pais da Camz estava no hospital e Dj levaria o Henri pra eles verem.. eu estava nervosa, em dois meses vou ver minha pequena de novo, já imaginei ela de tantos jeito.. dei alguns passos e parei em frente à porta do quarto dela, respirei fundo e coloquei a mão na maçaneta, girei, respirei fundo fechando os olhos e fui abrindo a porta devagar.. dei um passo pra entrar, estava com um nó na garganta, entrei, fechei a porta devagar atrás de mim, lá estava ela, com uma camisola de hospital, deitada na cama, um edredom branco até na cintura, fio e mais fios em seu peito, soro em sua veia, o cabelo sobre o travesseiro, os olhos fechadinhos, os lábios pálidos entreabertos, me aproximei e ela não estava quente como eu me lembro, eu era a gelada e ela a quente, eu a lua e ela o sol, que ilumina a minha vida, os meus dias, agora ela está aqui, sem se mover, seu peito sobe e desce lentamente, coloquei a cabeça em seu peito, seu coração batendo devagar, lágrimas corriam pelo meu rosto, tentei abraçá-la como dava, sentei na lateral da cama e deitei sobre ela, e pela primeira vez em meses eu me senti calma, me senti em casa, me senti bem..

-Eu estava com tanta saudade minha razão.. -beijei seu pescoço, maxilar, bochechas, e dei um selinho nela. Mesmo ela assim, meu peito se encheu de alegria, ela estava aqui, em meus braços mais uma vez. E eu sei.. que logo ela vai acordar e tudo vai dar certo. Nós pertencemos, pela primeira vez eu tive fé, eu olhei e vi que poderia sim ter um lado bom nisso tudo..



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...