História Fora de controle - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Exibições 93
Palavras 2.051
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Bom dia... Como vão?? Feliz dia das crianças a nós... 💚😘
Boa leitura.

Capítulo 7 - Represália


Lauren

Fomos chamadas para recolher a mesa, mas já não havia ninguém na suíte, para alivio da Alexa e decepção minha. Não vi mais a Camila naquele dia, nem no outro. Fiquei sabendo, na segunda, que sua mãe havia ido embora no domingo á tarde e que ela não voltou para dormir no hotel a noite. As duvidas me atormentavam. “ Onde dormiu? Com quem?”

Fui vê-la novamente na quarta a tarde, quando eu estava recolhendo os copos na recepção. Ela chegou, me viu e veio na minha direção, segurei firme a bandeja, achei que ia derrubar.

- Você pode ir até meu quarto daqui a pouco? – Falou baixinho.

- Sim, senhora, posso. – Respondi no mesmo tom.

- Esperarei por você. – Virou-se e caminhou em direção ao elevador.

Fiquei olhando a porta fechar sem conseguir me mover, a forma imperativa como falou, ao mesmo tempo que me causou um furor, me deixou indignada.

“ Afinal! O que ela quer? E se ela quiser me beijar de novo? Não posso ceder as vontades dela. Ela não vai me usar...E se eu quiser?” Em menos de meia hora, bati na porta da suíte. Ela abriu.

- Demorou. – Falou calmamente.

- Desculpa, é que... Precisei atender um cliente e...

- Pare de se desculpar, por favor! Entre. – Disse e saiu da minha frente me dando passagem. Entrei.

- Pois não, senhora. – Falei olhando para ela.

- Pare com isso! – Puxou-me para ela e senti seus braços no meu pescoço. Tentei e empurra-la e afastá-la.

- Por favor...Não! – Consegui dizer, mas ela não me deu ouvidos.

Beijou-me. Tentei afastá-la, porem minha boca correspondia. Ela riu lindamente.

- Afinal, decida-se, ou me empurra, ou me beija. – Falou sem me soltar. Empurrei-a.

- Por que está fazendo isso?

- Pelo mesmo motivo que você! – Tentou me beijar novamente, me afastei.

- Por quem me toma, senhora, Camila. – Falei decidida.

Ela balançou a cabeça como se negasse, como se minhas palavras não fizessem sentido para ela.

- Não consegue ver que queremos a mesma coisa? Por que negar? Sentimos desejo uma pela outra, não consigo parar de pensar em você e sei que você me deseja. Vem aqui... – Aproximou-se para me tocar. – Vamos resolver isso logo, quero você nem que seja só uma vez...- Colocou a mão em minha cintura, empurrei-a com força.

- Me solta! É assim que você vê as pessoas, senhora Camila? Vem cá, resolve esse meu problema, depois manda ir embora? Assim? Pois saiba que não como essas vagabundas que você está acostumada a levar para cama. – Falei com raiva. Ela queria me usar.

- Que é isso garota? Não desrespeitei você! Não te dei o direito de falar assim comigo! – Ela demonstrou uma alteração que eu ainda não tinha visto.

- Ah, me deu algum? – Respondi sem medo.

- Não fiz nada que você não quisesse. Não admito que você fale assim comigo. Quem você pensa que é? Você é...é apenas... – Não completou.

- Sua empregada?

- Devia ter deixado te colocarem na rua! – Respondeu furiosa. Ela já não era mais a mesma pessoa.

- Não te pedi nada. – Fui direta, já não estava mais preocupada com o emprego, falei sem constrangimento. – Não te devo nada! Achou que eu iria pra cama com você só porque não me mandou embora, pra garantir meu emprego? Engana-se! Alias, por motivo algum iria pra cama com você.

- Saia daqui agora! – Foi em direção a porta e abriu.

- Por mim, eu não estaria aqui. Foi você quem me chamou, lembra?

- Sai! – Ela gritou. Passei pela porta e senti a batida em minhas costas. Corri para o banheiro, me tranquei no reservado e chorei.

Narrador

Camila deu um soco na porta. E machucou a mão...

Lauren

Fui para casa com a certeza de que no outro dia minha demissão estaria assinada por ela. Estava arrasada. Ela queria resolver isso logo, foi isso que disse. Definitivamente vi quem era Camila Cabello. Mas não conseguia odiá-la. Queria. Mas não conseguia... Fiquei triste só de pensar que não a veria mais... Antes de chegar em casa, vi as luzes na frente. Era a policia, fiquei assustada e corri. Ao chegar ao portão, percebi que estavam dentro de casa, revirando tudo. Uma bagunça, moveis virados, sofá rasgado, gavetas pelo chão. Entrei e o policial na porta me viu e me puxou pelo braço, me empurrando contra a parede. Uma mulher se aproximou e me revistou.

- O que está acontecendo? O que é isso? – Estava aflita.

- Temos um mandado de busca para sua casa, senhora. – Respondeu a mulher e me mostrou o papel.

- O que? Como assim? Onde está Luís?

- Preso. A senhora deve nos acompanhar até a Dp, lá o delegado vai explicar. A senhora precisa depor. – Disse já me levando para o carro.

- Mas como? Eu...eu...Estou sendo presa?  

- Não, senhora! – Respondeu e bateu a porta do carro.

Cheguei a delegacia e me conduziram para sala do delegado. Respondi a inúmeras perguntas sobre minha vida e a do Luís. Não sabia de muita coisa do que ele fazia.

Depois de duas horas, o delegado me disse que ele havia sido preso em flagrante por trafico de drogas e o carro que dirigia era roubado e estava cheio de maconha. Ele faria uma entrega. Minhas lágrimas escorriam, não conseguia imaginar Luís preso. Próximo a meia noite eles me levaram. Não consegui entrar, liguei para um táxi e fui para casa de Alexa, que me recebeu assustada.

- Eu disse para você sair de lá. Olha só o que houve. Você quase foi presa! – Abraçou-me. – Amanhã a noite vamos buscar suas coisas. – Concordei.

Tomei um banho e Alexa me emprestou roupas para dormir. Adormeci no sofá e então me lembrei que talvez, no dia seguinte eu não tivesse mais emprego.

Narrador

Naquela manhã, Camila não atendeu os telefonemas de ninguém. Nem de Dinah, que ligou quatro vezes, nem de sua mãe. Tomou duas garrafas de vinho e dormiu no sofá da sala. Acordou no outro dia dolorida, sua cabeça latejava e o cheiro de vinho derramado no tapete era insuportável. O telefone tocava insistentemente. Atendeu.

- Senhora Cabello, a senhora Dinah está na recepção. Pode subir?

- Pode! Droga!

Caminhou até a porta, abriu-a e foi para o banheiro. Tirou a roupa e entrou no chuveiro. Dinah entrou e, ao olhar ao redor não acreditou. As garrafas jogadas no chão, o cheiro de vinho...

“ O que aconteceu aqui?” Pensou.

Foi até o quarto e entrou no banheiro. Viu Camila com a testa encostada na parede, olhando para o chão e a agua caindo...

- O que aconteceu com você? – Perguntou assustada.

-Nada! – Respondeu sem forças.

- Ah! Não pense que vou me contentar com isso, vou sentar aqui e você vai me contar. Vou pedir o café.

- Não quero aquela mulher aqui! – Camila disse ainda do banheiro.

- Nossa!

Dinah pediu o café, e pediu para que Alexa o levasse. Juntou as garrafas e viu as enormes manchas de vinho no tapete.

- Então, Camila? Com quem você esteve ontem? Não me diga que foi com a Taylor novamente, falei pra você que ela está namorando...

- Ninguém veio aqui ontem, Dinah. Por favor!

- Você fez tudo isso sozinha? – Perguntou sem acreditar.

Camila suspirou e começou a contar o que havia acontecido. Foram interrompidas por Alexa que levou o café. Pediram que o deixasse e saísse. Camila continuou, Dinah ouviu e, no final do relato.

- Camila... E você ficou assim porque ele te rejeitou? Não acredito que um “não” te deixou assim! – Levantou-se de onde estava e sentou do lado de Camila. – Está apaixonada por ela, Camila?

- Apaixonada? Tá louca, Dinah? Nem a conheço, e ela é... – Silencio.

- Sua funcionaria? Uma camareira? Pobre? Qual dessas palavras vai usar, Camila?

- Todas elas! Mas na verdade ia dizer que ela é casada, vi na ficha de admissão dela. – Falou, se levantou e foi até a varanda.

- Você foi vasculhar a vida da moça? – Camila não respondeu. Dinah continuou. – E agora? Vai demitir ela?

- Não! Ela vai engolir as palavras que disse, vai ter que me pedir desculpa. Ah, vai sim!

Dinah suspirou e levantou.

- Desculpas pelo quê? Por resistir a você? Não seria mais fácil demiti-la, Camila?

- Jamais! Ela vai saber com quem se meteu. Quero faze-la sofrer. – Virou-se para Dinah e completou. – E vai começar hoje! – Caminhou em direção ao telefone e ligou para a recepção. – Peça para a camareira Lauren vir até a minha suíte, e que traga o material de limpeza. Agora! – Desligou e olhou para Dinah que balançou a cabeça numa negativa.

- Você quer humilha-la, Camila? Pra quê isso? – Camila não respondeu e Dinah se dirigiu a porta. Olhou mais uma vez para ela. – Não vou ficar aqui para ver isso. Quando quiser conversa, me liga. Tchau!

Lauren

Eu e Alexa chegamos alguns minutos atrasadas. O senhor Joaquim olhou para nós, mas não disse nada. Pediu que nos dirigíssemos a cozinha, pois tínhamos minitos perdidos e clientes para atender. Eu estava passando as camisas de um cliente e pensando no motivo pelo qual estavam demorando para me chamar e me mandar embora...E o que faria, com Luís.

Meus pensamentos foram interrompidos por Hanna.

- Lauren, recebemos um pedido na suíte da senhora Cabello. Ela solicitou que você fosse até a suíte dela com o material de limpeza agora. Deixa que eu continuo aqui.

- Ela pediu o que? Mas eu não faço a limpeza de quartos...

- Falei que eu iria, mas ela pediu você. Não demore, menina. O senhor Joaquim disse que ela está com pressa, acho melhor você ir agora. – Olhou-me com ternura.

Suspirei. “ O que ela quer agora? Já não bastou me torturar com aqueles beijos? “

Empurrei o carrinho de limpeza até a suíte e fiquei alguns segundos parada na porta. Respirei fundo, eu já imaginava que ela não deixaria barato o que eu tinha dito a ela. Provavelmente me faria ver quem ela era e depois me mandaria embora... Eu estava resignada com os últimos acontecimentos, a única coisa que eu lamentava era ter me deixado envolver por ela. Ela abriu a porta e me olhou. Quase não conseguia ver as pupilas naquele olhar. Seus olhos estavam mais escuros. Virei as costas e entrei.

- Quero que você limpe esse tapete e tire as manchas. Derramei vinho ontem. – Falou e se dirigiu ao quarto sem me olhar.

Empurrei o carrinho até o tapete e olhei as manchas.

“ Como vou tirar isso? Vou ter que esfregar o dia todo”...

Era mais fácil mandar lavar o tapete, mas não tive coragem de falar. Comecei e, depois de alguns minutos ela saiu do quarto com uma pasta. Olhou para mim. Eu estava de joelhos no chão. Levantei os olhos, ela desviou o olhar e foi em direção a varanda. Entendi o que ela queria, me mostrar o meu lugar, me humilhar. Estava conseguindo. Senti vontade de chorar, não porque estava limpando, nunca tive vergonha disso, mas por me sentir inferiorizada por ela. Vi a distancia que existia entre nós. Era o que ela queria. Segurei as lagrimas, mas uma insistiu em cair...Apanhei-a rapidamente, não podia chorar ali, mas meus olhos insistiam em encher. Com o canto dos olhos, percebia que ela me olhava. Seus olhos iam da tele do celular para mim. Depois de um tempo, meus joelhos doíam. Ela levantou e veio em minha direção, pensei em levantar, mas ela chegou antes e parou na minha frete. Fiquei olhando para seus sapatos.

- Vou almoçar agora, e você pode ir depois que terminar. Quero isso limpo logo, pois a noite vou receber uma pessoa.

Ficou ali parada. Acho que era o que ela queria, me ver assim, de joelhos aos seus pés. Devagar levantei os olhos, não me importei se ela os visse marejados. Sentia raiva e respondi com ironia.

- Sim, senhora. – E continuei a limpar. Ela hesitou, deu um passo para trás. Achei que ia falar algo, mas saiu em direção á porta. Ouvi a porta bater e longos segundos se passaram até que ouvi os passos seguindo em direção ao elevador. Deixei as lagrimas caírem. Estava limpando para ela receber alguma de suas convidadas, com certeza! Isso doeu mais do que qualquer coisa.


Notas Finais


Obrigada pelos favoritos e comentarios 💚💙💜💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...