História Fora de controle - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Exibições 102
Palavras 1.661
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa noite... Como vocês estão?
Obrigada pelos favoritos e comentarios, vocês são muito lindos.
Boa leitura.

Capítulo 9 - Abismo escuro


Narrador

Naquela noite, Dinah e Normani não convenceram Camila a sair, então decidiram ir até o hotel e arrancaram dela os últimos acontecimentos.  Ouviram em silencio e desta vez Normani não fez piada. Dinah falou primeiro:

- Camila, tenho que te dizer isso. Você errou, não devia ter humilhado a moça desse jeito. E, além do mais, como você disse, ela é casada. Esquece!

- Vou esquecer, Dinah. Cometo um erro ao me aproximar dela dessa forma. Só preciso de um tempo. Tenho que sair daqui, vou procurar uma casa. Preciso sair desse hotel!

- Eu te ajudo, quando você quiser podemos visitar algumas imobiliárias, e construtoras... – Completou Dinah. Normani continuou em silencio...

- Acho que vou começar na semana que vem. Já vi alguns anúncios. Quero alguma coisa próximo ao escritório, assim evitarei o transito. – Olhou para Normani, e Dinah também.

- Normani? Não vai dizer nada? Faz quase uma hora que você não fala nada! Isso é inédito. – Brincou Dinah.

Normani olhou para Dinah, depois para Camila.

- É que isso é...É inacreditável. Você teve todas as mulheres que quis até hoje. Mas nunca se apaixonou por nenhuma e, quando isso acontece, é justamente por uma que você não pode ter. – Falou.

 - Podia ter sido mais útil, Normani! – Dinah a reprendeu.

Camila se calou. Suspirou e, enfim respondeu.

- Eu já disse que não estou apaixonada! Parem com isso. – Disse irritada.

Foi a vez das duas suspirarem.

Antes de irem embora, combinaram de jantar no dia seguinte. Despediram-se e Camila apagou as luzes, aconchegou-se no sofá. Não conseguia esquecer as palavras de Lauren.

- Prefiro limpar o chão do que...

“Na certa ia dizer que preferi isso do que fazer qualquer coisa para mim. Ela me odeia. Mas porque correspondeu?

Decidiu que se afastaria dela, mas a chamaria uma ultima vez em sua suíte, sabia que havia exagerado e iria pedir desculpas, e daria a ela a possibilidade de algum acordo ou algo parecido caso ela preferisse sair do hotel. Até a indicaria para outro hotel, ou empresa, caso ela quisesse.

No outro dia, Alexa chegou ao hotel e foi diretamente falar com o senhor Joaquim. Explicou a ele que Lauren não estava se sentindo bem, e que haviam trocado a folga. Ele compreendeu e completou:

- Se ela precisa de algo, me avise. – Alexa concordou com a cabeça e saiu.

Chegou a cozinha e viu que havia um pedido para que Lauren levasse o café na suíte de Camila. Ela avisou na cozinha que atenderia o pedido, pois Lauren não estava trabalhando. Pegou o carrinho e se dirigiu ao elevador. Na porta, bateu e Camila abriu. Percebeu o olhar de decepção e resolveu falar:

- Bom dia, senhora Camila! – Hesitou, mas continuou. – Lauren não está trabalhando hoje, por isso vim atender ao seu pedido.

Camila não resistiu.

- Aconteceu alguma coisa com ela? – Perguntou, querendo demonstrar indiferença, mas Alexa percebeu o disfarce e sentiu-se segura para falar.

- Sim, senhora. – Não completou, queria ver se Camila perguntaria mais. Começou a organizar a mesa lentamente.

Camila sentou e esperou que ela continuasse. Como ela não falou nada, foi quase ríspida:

- O que houve, afinal?

Alexa conteve o sorriso e começou a contar:

- Ela está com problemas com...Com o marido. – Lançou e ficou esperando, olhando de canto.

Camila se mexeu na cadeira. A menção da palavra “marido” a deixou inquieta. Sentiu algo que a fez respirar fundo. Precisava de ar. Levantou-se e foi até a varanda, queria perguntar mais, mas se conteve. Alexa terminou e perguntou:

- Posso fazer mais alguma coisa pela Senhora?

Camila respondeu sem olhá-la.

- Obrigada!

Alexa saiu, no corredor riu sozinha.

“ Ela ficou...Abalada.”

Camila não tomou café. Sentou-se na varanda e ficou olhando o mar.

“ Ela tem um marido e não veio trabalhar por causa dele. Dorme todo dia com ele, faz amor! Sou uma idiota.”

Tinha que tirá-la do pensamento! Não a chamaria mais, precisava se afastar. Resolveu ir no escritório, mas antes passou na sala do senhor Alfredo e pediu a senha para entrar no arquivo dos funcionários do hotel. Ele atendeu prontamente.

Não durou muito a vontade de se afastar... Camila queria detalhes da vida de Lauren que não estavam na ficha dela. Chegou ao escritório e entrou no programa, digitou o nome dela e apareceram todas as informações referentes a vida de Lauren Jauregui. Viu que não tinha família, era órfã. Viveu até os dezoito anos em um orfanato. Sentiu-se incomodada com isso. Vivia com Luís há cinco anos, não eram casados. Viu que tinha vinte e quatro anos. E viu também o endereço.

Á noite saiu para jantar com Dinah e Normani.

- Se era para ficarmos caladas assim, por que não ficamos em casa? – Perguntou Normani olhando para Camila.

- Desculpa, não estou sendo boa companhia. Eu avisei, vocês insistiram...

- Camila, porque não me diz o que está sentindo? Somos suas amigas, nunca vi você assim. Nem quando terminou com Taylor. – Disse Dinah.

- Se eu soubesse... Também não sei o que está acontecendo comigo.

- Eu sei. – Falou Normani. – Você está apaixonada Camila. Pela primeira vez você sente algo por alguém, diferente de atração física.

- Como sabe? Quem disse que não é só atração? – Rebateu Camila, jogando-se para trás na cadeira.

- Camila! Olhe para você! Tenho que concordar com Dinah. Tá sofrendo porque ela não te quer. De repente, daqui a pouco você vê que não é nada disso, mas agora vejo nos seus olhos o que sente. Completou Dinah.

- Você tem que se aproximar dela, Camila! Conquiste-a. – Falou Normani.

Camila riu.

- Depois do que eu fiz, ele deve sentir raiva ou ódio...E além do mais, ela é casada.

Dinah respondeu segura.

- Essa informação já basta. Afaste-se então. Esqueça!

- Ah! Entendi. – Falou Normani. – Está com ciúmes! Depois diz que não está apaixonada?

- Normani, não piora as coisas. – Dinah pediu gentilmente.

Camila não respondeu, limitou-se a serviu-se de mais vinho.

Terminaram o jantar em silencio.

Lauren

Acordei tarde, aproveitei o dia livre e arrumei o apartamento de Alexa. Almocei e resolvi ir até a imobiliária confirmar se o que eu queria alugar estava disponível. Fiquei feliz que estava e dei entrada nos papeis para me mudar na próxima semana.

Alexa era minha amiga, mas não podia invadir o espaço dela dessa forma. Depois fui até em casa e arrumei a bagunça que a policia tinha deixado. Separei os moveis que venderia e que levaria. Arrumei as roupas de Luís e coloquei elas numa sacola. Fui até a delegacia, haviam dito que ele não poderia receber visitas, mas que eu podia deixar as roupas. Logo ele seria transferido para deixar o presidio e aguardaria o julgamento. No final do dia voltei para casa de Alexa. O ônibus passou na frente do hotel e senti uma pontada no peito de vontade de ver Camila.

“ Como posso sentir falta dela? Me humilha, esfrega na minha cara que pode ter a mulher que quiser. E ainda assim, quero vê-la? Deveria dar o que quer... Ou o que eu quero. Quem sabe assim ela me deixa em paz. Ou quem sabe consigo tirá-la da cabeça...”

Esse pensamento me assustou.

“ Ceder aos desejos dela? E, claro, aos meus! Mas nem sei se ela quer mesmo. Depois do que disse...”

Eu não via a hora de chegar o outro dia. Mesmo com o sofrimento que ela me impunha, queria ficar perto dela.

A noite contei a Alexa o que fiz durante o dia. E ela me contou sobre o dela. O que tinha feito na suíte de Camila.

- Eu vi que ela ficou abalada! Tenho certeza!

- Você vê demais, Alexa. Ora...Camila Cabello com ciúmes e, ainda por minha causa? Imagina! – Falei, mas gostaria que fosse verdade.

De manhã acordamos cedo e fomos trabalhar. Assim que chegamos, nos encaminhamos ao vestiário.

- Vamos ver qual a tortura que ela vai me impor. – Falei baixinho para Alexa.

- Dar banho nela! Gostaria? Daí não seria tortura, né? – Falou e caiu na risada. Olhei-a com censura e respondi.

- Prefiro passar o dia de quatro limpando o chão.

- Podia passar o dia de quatro sim, mas limpando o chão é só porque você quer... – Falou e saiu, rindo sozinha, antes da minha resposta.

Na cozinha, vimos os pedidos e fiquei surpresa Camila não informou o nome de ninguém, apenas pediu que levassem. Alexa me olhou e, antes que Hanna pegasse o carinho para levar, me adiantei.

- Pode deixar, você não gosta dela mesmo, né? – Falei olhando para Hanna.

- Você é louca? Por mim pode ir. – Respondeu e pegou outro.

- Vai. – Alexa disse para mim.

- Acha que não devo? – Respondi.

- Deixa de ser burra. Anda logo! – Falou empurrando o carinho para frente. Fui.

Estava pronta para ser novamente humilhada. Mas minha vontade de olhar para ela era maior do que qualquer tortura que ela me impusesse, queria vê-la. Parei na porta, bati, esperei. Ela abriu. Não se moveu me olhando.

- Bom dia...Se..Seu café, senhora. – Não se moveu. – Quer que eu deixe aqui? – Perguntei sem entender o olhar dela.

- Pode entrar...e deixar na sala. – Afastou-se.

Comecei a arrumar a mesa. Sabia que ela me olhava e então levantei os olhos e a vi parada no mesmo lugar. Seus olhos me fitavam intensamente, não desviei o olhar. Ela se aproximou e, á medida que se aproximava eu me afastava, até que senti a parede em minhas costas. Seu corpo encostou no meu...Sua boca a centímetros da minha. Quase a beijei. Ela falou com a voz suave.

- Não consegue imaginar a vontade que estou de você... De beijar você...Mas não vou. - Encarei aquele olhar que me tirava o folego. Fechei os olhos e baixei a cabeça. Ela segurou meu queixo e me fez olhar para ela. – Só faria novamente se você quisesse. Me perdoa, tenho agido de forma estranha ultimamente.

Eu queria entrar naquele abismo escuro...


Notas Finais


Acabei numa parte ruim, eu sei... Mas é que minha mãe ficava Pri, Pri venha tomar café.. .O tempo todo e tive que postar logo, ou só postaria amanhã. Beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...