História Forbidden Love - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Jaxon Bieber, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Amor Proibido, Justin Bieber, Padrasto, Romance
Visualizações 3.367
Palavras 2.762
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey hey!
Acho que dessa vez não demorei tanto >.< Era para o capitulo ter saído bem mais cedo e maior, mas minha mãe não ajuda, então, vão xingar ela!
Eu estava em um momento mega inspirador e ela me tirou dele, depois esqueci td e saiu essa merda de capitulo. Ele ficou pequeno e chatinho, mas serve como introdução para próximos capítulos.

Ahh, eu tbm comecei a postar minha nova fic, então, caso queiram ler, lá embaixo terá o link...

OBRIGADA A TODOS OS COMENTÁRIOS!

BOA LEITURA A TODOS '-'

Capítulo 29 - Paparicada...


Fanfic / Fanfiction Forbidden Love - Capítulo 29 - Paparicada...

 - Tudo bem, desde que continue comigo. - deu de ombros.

  - Desculpe isso deve ser horrível, mas eu não quero te iludir. - falei acariciando seu rosto.

  - Tudo bem Anne, tudo tem seu tempo. - sorriu, selando nossos lábios em um selinho carinhoso.

Ele pediu passagem e eu cedi, dando inicio a um beijo calma e sereno.

....

 

  - Você precisará descansar. Nada de ensaios ou esforços físicos, e se alimente de três em três horas, beba muito liquido e... - e eu parei de ouvir.

Aff, ninguém merece ficar escutando medico falar! Quero ir embora logo. Após mais recomendações, finalmente, nos livramos daquele cara. Mellanie também recebeu alta, pois havia melhorado bastante, e eu e Justin a levaríamos embora.

  - Anne! Biebs! - gritou animada.

  - E ae, pronta para sair daqui? - perguntei vendo a arrumada.

Ela vestia um vestidinho azul, com algumas florzinhas super fofas, uma sapatilhazinha rosa clara, usava um brinquinho de joaninha, que eu lhe dera no seu aniversario, e uma tiarinha com um grande laço claro. Era a coisa mais fofa do mundo.

  - Sim, quelo brincar. - falou embolado e rápido.

  - Não, não, Dona Mellanie. Descansar. - Sophie a repreendeu e ela bufou.

  - Então, vamos? - Justin perguntou e nós assentimos.

Mellanie pulos da cama e correu para os braços de Justin, esquecendo que eu existo.

  - Vai indo, eu vou ali pagar. - falei, virando para ir à recepção.

  - Eu já fiz isso, Anne. - Justin disse sorrindo.

  - Como? - virei-me para ele.

  - Eu já paguei. - falou me olhando esquisito. - Algum problema? - perguntou confuso.

  - Err, sim...? - falei como se fosse obvio, e era. - Você não deveria ter pagado. Eu a trouxe, eu passei mal, eu pago. - falei. - A Mel é minha responsabilidade, minha quase filha.

  - Agora também é minha. - sorriu, beijando o rosto da garotinha, que sorriu abertamente, me fazendo bufar. - Anne, você está com ciúme? - perguntou segurando o riso.

  - Eu...? Aff Justin, claro que não! - falei irritada. - Apenas não queria que gastasse seu dinheiro. Eu te pus nessa, eu pago. - falei seria. Mellanie observava tudo atenta.

  - Anne, você sabe que dinheiro não é problema para mim. Isso não foi nada. - ótimo, agora joga na minha cara que eu sou um Zé ninguém, senhor Bieber.

  - Ok Bieber. Não quero brigar com você. - falei saindo na frente.

  - Mas não era isso que nós já estávamos fazendo? - ele gritou rindo, enquanto eu saia pela porta do estacionamento.

Velho, como ele é idiota! Eu odeio isso, parece que fica jogando na cara que é rico e não depende de ninguém.

  - Você está brava? - senti suas mãos agarrarem minha cintura, me fazendo parar.

  - Não Bieber. - falei sem me virar para ele.

  - Isso é excitante, sabia? - falou de maneira sexy no pé do meu ouvido, me fazendo morder o lábio inferior. - Eu te adoro ver brava, gostosa. - sussurrou mordendo o lóbulo da minha orelha e acariciando minha cintura e eu fechei os olhos.

  - Para Justin. - pedi com a voz fraca.

Ele tem muito poder sobre mim, e pior, ele sabe disso e se aproveita. Não é certo isso.

  - Parar com o que Anne? - perguntou, fingindo-se de inocente. - Eu não estou fazendo nada. - falou colando mais nossos corpos bruscamente, me fazendo arfar. - Eu te amo, sabia? - subiu um pouco suas mãos por cima da camiseta que eu usava. - Amo seu corpo. - beijou meu pescoço e puxou a pele de leve com os dentes. Ok, isso está me excitando, ele sabe que não deve fazer isso.

  - Justin, para, por favor. - pedi quase sem voz. - Estamos em publico.

  - Eu não me importo. - escutei-o rir fraco. - Anne, você me deixa louco. - murmurou chegando com as mãos perto de meus seios. - Por mim, eu te fodia aqui, agora, na frente de todos. - falou apertando forte meus seios me fazendo gemer baixo.

  - Para caralho. - tentei me afastar, mas ele me prendeu mais em seu corpo, se é que fosse possível.

  - Então diz que não está brava. Diz que me perdoa. - chupou meu pescoço.

  - Filho de uma... - me segurei para não xingar a coitada que pos esse traste no mundo.

  - Você não me perdoa Anne? - apertou meu seio novamente, só que mais forte, e eu soltei um gemido um pouco mais alto.

Inferno, ele não entende que estamos em publico?

  - Eu... Não estou brava com você... Justin. - murmurei de olhos fechados, sentindo suas caricias e beijos. - Eu... Eu te perdoo.

  - Que bom. - falou se afastando de mim sorrindo abertamente.  - Sabia que não ficaria brava comigo.

  - Tarado. - dei um tapa estalado em seu braço. - Se alguém visse íamos presos, e eu falaria que você me molestou.

  - Uai, eu estava apenas conversando com você. Do nosso jeito, do jeito que a gente se entende. - sorriu malicioso me puxando pela cintura. - Eu te amo. - murmurou selando nossos lábios rapidamente.

  - Gosto de você. - falei corando e ele riu me beijando.

  - Já tão de bem? - Mel perguntou, batendo em nossas pernas.

Separamos-nos rindo e olhamos para ela, que estava sorrindo olhando para cima.

  - Já sim. - peguei-a o colo.

  - Que bom. - falou sorrindo para nós. - Anne, seu cabelos está lindo. - falou pegando uma mecha e enrolando em seus dedinhos. - Você é perfeita. - sorriu apertando minhas bochechas entre as mãos, fazendo-me fazer biquinho e beijou o mesmo. - Te amo. - abraçou meu pescoço.

Eu estava extasiada. Ela nunca havia falado para mim isso. Eu me senti tão... Viva, tão amada. Estava sem reação, apenas a apertei em meus braços e beijei sua bochecha, murmurando que também a amava. Justin e Sophie encaravam aquilo sorrindo, e eu? Eu acho que estava chorando. Estava na lua, nem sabia o que estava acontecendo, apenas estava curtindo o momento com a minha menina. Senhor, como uma simples criança pode me fazer tão bem? Acho que talvez por Mel não ser uma simples criança, e sim A CRIANÇA. A criança dos meus olhos, por quem eu faria o possível e o impossível.

Após um tempo ali, apenas absorvendo tudo, seguimos em direção ao carro. Mel quis ir “dirigindo” com Justin, o que foi muito fofo. Eu tirei algumas fotos, para guardar de lembrança. Aqueles dois ficavam ainda mais fofos juntos. Passamos na farmácia, para comprar os antibióticos do tratamento de Mel, e depois a levamos até o orfanato. Lá aproveitei para mostrar a Justin o resto da criançada, pó quem eu sou apaixonada, e eu conheci a tal Ludmila, que havia ficado com Mellanie e não perceberá que ela estava com febre, uma loira aguada, magricela e falsa, que pelo jeito não queria estar ali. Ficou o tempo todo secando Justin, e eu me segurando para não enfiar a mão na cara dela a cada vez que ela abria a boca para espalhar bosta no mundo.

  - Ai Justin, você leva jeito com crianças. - ela disse, passando a mão no braço dele, que sorriu um pouco forçado para o meu gosto.

  - Eu as adoro. - falou e ela assentiu.

  - Eu também adoro essas... - os olhou de um jeito nojento. - Coisinhas lindas. - completou voltando a olhar para Justin sorrindo.

  - Tanto, que nem percebeu quando Mellanie estava doente. - falei me intrometendo na conversa e puxando Justin para perto de mim.  - Percebi que leva muito jeito, não é? Já tem experiência? - sorri falsa e ela me encarou cm nojo.

  - Ahh, sim, muita. - falou.

  - Percebi, e o que te ensinaram do matadouro da onde veio? A como quase matar uma criança? - falei entre dentes, com vontade de voar para cima dela.

  - Não, isso eu aprendi com você. - falou sarcástica e eu respirei fundo.

  - Preciso ir embora daqui. - falei á Justin, que assentiu. - E, olha aqui vadia, se você chagar perto do que é meu, eu arranco esse seu cabelo oxigenado, ok? - falei, tentando ser assustadora, e ela arregalou os olhos.

  - Melhor irmos amor. - Justin falou me tirando dali.

  - Eu quero matar aquela cachorra! - falei tentando voltar lá, mas ele me impediu. - Me solta.

  - Anne, pra de ser ciumenta.  - falou rindo.

  - Só cuido do que é meu. - falei irritada e ele riu. - Não ri idiota. - falei rindo junto com ele.

  - Ótima maneira de me fazer parar de rir. - falou rindo ainda mais.

  - Nossa chatice passou por você e resolveu não abandonar né? - falei e ele revirou os olhos.

  - Vamos pivetinha. - falou passando seu braço com minha cintura.

Seguimos até Sophie, que se encontrava na frente do casarão e nos despedimos, depois despedimo-nos das crianças e seguimos para o carro. Durante o longo percurso de volta, eu e Justin fomos em silencio, apenas escutando as musicas calmas que tocavam no radio, enquanto ele fazia desenhos abstratos e minha coxa a acariciando. Eu m sentia tranquila, em paz. Tudo aquilo parecia um sonho bom, no qual eu morria de medo de acordar. Esse era o ponto... Acordar. Todo sonho em um final, certo? Nunca conseguiremos viver uma vida assim, apenas de sonhos e isso me assusta.

  - Pensando no que anjo? - ele perguntou carinhosamente, me fazendo sorrir.

  - Em nada e em tudo. - respondi vaga.

  - Isso significa...?

  - Ahh, sei lá... - dei de ombros. - Sabe... Presente, futuro, passado. - deixei minha voz vacilar ao me lembrar de Patrick.

  - Tudo ficará bem. - falou sorrindo de lado, aquele sorriso que me passa confiança.

  - Sim. - sorri assentindo.

Encostei minha cabeça na janela, vendo a paisagem passar borrada pela janela, e ali foi todo o resto da viagem.

  - Anne, vai se trocar. - Justin mandou, assim que adentramos o apartamento. - Vou preparar algo para você comer.

  - Jus, não precisa. - falei.

Eu não sentia fome, como nos dias anteriores. Parecia estufada, como antigamente.

  - Por favor, você escutou o médico. - pediu e eu assenti.

Dei-lhe um selinho e subi. Coloquei um short e uma batinha, e peguei meu celular. Havia algumas mensagens de Jullie, e ligações perdidas. Resolvi retornar, fazia dias que não falava com ela direito. Nem contei sobre eu e Justin ainda.

  - Hey vadia! - gritei assim que ela atendeu.

  - Awwn, lembrou que tem uma amiga? - perguntou sarcástica.

  - Foi mau anjo, mas acontece que ando ocupada. - falei calma.

  - Andou trepando né? Muito calma pro meu gosto. - falou e eu ri.

  - Quem sabe... - falei deixando algo no ar.

  - Ai, fala logo que ta dando uns pega no gostoso do Bieber e para de frescura! - falou e eu ri.

  - Chaz?! - perguntei rindo.

  - O Justin contou para ele, todo feliz, que você aceitou dar uma chance para ele, mas que está o enrolando. - ela disse.

  - Não estou o enrolando! Apenas indecisa. - me defendi e ela riu.

  - OK. Agora me conta tudo, desde o princípio.

Contei a ela todos os detalhes e acho que ficamos mais de uma hora no telefone, pois Justin veio bater na porta.

  - Amor, já ta pronto. - falou entrando no quarto.

  - Awwn, amor, que fofo Bieber! - Jullie disse o fazendo revirar os olhos rindo.

O telefone estava no viva voz.

  - É, sei que sou fofo, gostoso, delicioso, não precisa falar. - ele disse convencido, beijando meu pescoço.

  - Então casal, me deixa desligar, não quero escutar os gemidos escandalosos da puta da Anne. - ela disse e eu ri.

  - É, tchau, ta atrapalhando. - Justin disse, me deitando na cama.

  - Nossa, que amor.

  - Até algum dia Jullie. - falou entre beijos e desligou.

  - Justin. - o repreendi rindo.

  - Aff, ela tava empatando Anne. - ele bufou fazendo bico e eu ri mais.

  - Vamos comer? - perguntei tentando levantar.

  - Prefiro ficar aqui. - olhou-me sugestivo.

  - Justin, você anda viciado, precisamos parar com isso anjinho. - falei o empurrando.

  - Anne, eu pensei que você tivesse espelho. - falou levantando. - Fica difícil resistir a você.

  - Para de ser idiota. - falei rindo. - Vamos logo que ta dando para sentir o cheiro daqui. - falei correndo para fora do quarto.

Desci as escadas pulando os degraus, parecendo uma criança faminta, e o cheiro bom da comida de Justin intensificou-se, fazendo minha barriga se revirar.

  - O que você fez? - perguntei curiosa, indo até o fogão e abrindo uma panela. - Strogonoff! - gritei batendo palmas. - Cara, eu amo strogonoff. - falei animada.

  - Que bom. - sorriu.

Passei o dedo no creme, o levando até a boca.

  - Bieber, isso está perfeito! - exclamei e ele sorriu. - Onde aprendeu a cozinhar assim?

  - Tive que me virar por um tempo. - deu de ombros. - Vamos comer? - perguntou e eu assenti.

Sentamos-nos a mesa e ele trouxe dois pratos. Comemos em meio a risadas e piadinhas sem graça da parte dele, e fatos irônicos escolares da minha parte.

  - Justin, você realmente é nerd. - falei rindo. - Quem é o otário que gosta de matemática e química?  - perguntei.

  - O otário que não quer depender dos pais para nada e se tornar alguém na vida. - falou.

  - Wow, essa doeu. - falei, fingindo levar um golpe, e ele riu. - Foi mau ai, milionário antes dos 25.

  - Sou foda, sei disso. - gabou-se.

  - Menos gostosão.

Terminamos de comer e fomos para a sala assistir. Estava passando O Homem de Ferro 2. Eu ficava vidrada na tela, só observando meu coroa gostoso. Gente que homem é aquele? Eu suspirava sempre que ele aparecia e Justin reclamava.

  - Justin, cala a boca, eu estou vendo o meu futuro marido.

  - Anne, quando você estiver com idade para casar ele vai estar de fraudas. - falou.

  - Já sou maior de idade querido, posso me casar com quem quiser inclusive essa delicinha mais experiente. - falei mordendo o lábio, apenas para irrita-lo.

  - Quer alguém experiente? - assenti sem desviar o olhar da TV. - Que tal... Eu? - perguntou vindo para cima de mim e me derrubando deitada no sofá.

  - Não. Você é uma criança perto dele meu anjo. - apertei suas bochechas.

  - Quer testar? - falou sorrindo sugestivo.

  - Não. - falei o empurrando e voltando a sentar. - Quero ver o filme. - sorri meiga e ele bufou assentido.

Logo começou outro filme, e eu fiquei lá, jogada no sofá, vendo. Justin se levantou e seguiu para a cozinha. Dei de ombros voltando a prestar atenção na enorme TV a minha frente.

  - Anne. - Justin chamou e eu levantei o vendo com uma bandeja e varias coisas dentro.

  - O que é isso?

  - Você tem que comer de três em três horas. - falou sentando ao meu lado.

  - Justin, não precisa fazer isso. - falei olhando a mesma.

  - Precisa sim, anda come.

  - Não quero. - fiz bico.

  - Olha, só um pouco. - falou pegando uma torrada e colocando geleia. - Abre a boca. - neguei. - Vai Anne. - bufei e abri, e ele enfiou o pedaço da torrada em minha boca. - Agora mastiga, e engole. - debochou e eu sorri falsa. - Vai, mais um pedaço. - falou enfiando mais.

  - Ta bom né?

  - Não. Aqui oh, fruta. Isso é ótimo, o medico disse que você deve comer bastantes frutas. - falou pegando um mamão e uma colher. - Abre a boca.

  - Jus... Por favor, não. - falei manhosa.

  - Ok, toma um pouco de leite e eu paro. - falou e eu assenti.

Tomei um gole de leite e devolvi o copo, porem ele não aceitou.

  - Tudo Marie. - falou e eu bufei virando tudo de uma vez. - Ótimo.

Ele colocou a bandeja na mesinha de centro e sentou do meu lado. Deitei com a cabeça em seu colo, e aos poucos fui adormecendo, o sentindo afagar meus cabelos enquanto cantava Kiss Me, do Ed Sheeran. Sua voz me acalmou de uma maneira sem igual, me fazendo sorrir e ter doces sonhos.


Notas Finais


E ae?! O que acharam? Eu sei que não ficou legal ou grande, coisa, mas espero que aceitem!

A minha nova fic está ai: http://animespirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-idolos-justin-bieber-common-denominator-761643 LEIAM PESSOAS LINDAS DO MEU HEART!

Eu realmente os espero lá >.<

Então, boa noite a vcs, pq eu já estou quase caindo no teclado de tanto sono, e até o próximo capitulo =)

AHHHHHHHH' LEMBREM-SE DE LER COMMON DENOMINATOR ENH?! ESPERO VCS LÁ MEUS ANJOS!

XOXO Saah~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...