História Forbidden Love - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Jaxon Bieber, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Amor Proibido, Justin Bieber, Padrasto, Romance
Visualizações 3.187
Palavras 3.890
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá mis amores! Bom, mais um capitulo para vcs!
Desde já deixarei um aviso para vcs: Caso eu atrase um ou dois dias para postar mais capítulos, fiquem sabendo que a culpa é do meu computador. Ele está lotado de vírus, o pior é que ele começou a travar qnd eu ainda tava sem internet, e eu nem entrei em sites desconhecidos ultimamente, então não posso saber onde peguei cavalo de troia, mas, enfim, a questão é que ele esta travando pra caralho e o word esta uma verdadeira bosta( para digitar só Deus).
Estão avisadas, mas não se preocupem, eu postarei!
Ahh e mais uma coisinha, alguma de vcs vai no show do Jus em SP? Minha mãe disse que só vai deixar que eu vá no show (nem certeza deu) caso eu conheça alguém, o que não é o caso pq eu sou tímida e não consigo interagir com as pessoas, então, se alguma de vcs for, converse cmg, ou por aqui ou pelo twitter (@BieberSwag_FC_)!
Esse capitulo é apenas um capitulo base, para ajudar no desenvolvimento da fic...

Capítulo 36 - My paradise


Fanfic / Fanfiction Forbidden Love - Capítulo 36 - My paradise

  - Isso é loucura, eu não deveria ter aceitado. - me martirizei, enquanto subia no avião, e continuei quando nos sentamos. - Imagina a cara da sua mãe ao descobrir que eu sou filha da sua namorada.

  - Anne, fique tranquila... - beijou minha bochecha - Minha mãe nem sabe quem é Tracy Winks. - sorriu sapeca e eu arregalei os olhos.

  - Como?

  - É que tipo, eu não sabia como contar que estava namorando alguém pouco mais nova que ela. - explicou-se, mas mesmo assim continuei achando que é uma pouca vergonha.

  - Você está com a minha mãe há um ano, como escondeu por tanto tempo?

  - Ué, só não mencionei Tracy em nenhuma de nossas conversas.

  - Você não presta Justin.

  - Discordo. - sorriu. - Mas não discutirei.

  - É, é bom não discutir mesmo.

E mais uma vez aquele merda começou. O piloto avisou que iríamos decolar, e logo eu senti aquela sensação horrível e agarrei a mão de Justin, apertando os olhos. Em minutos o avião se instabilizou e eu pude me tranquilizar. Porem não soltei a mão de Justin. Ele me transmitia segurança.

...

Acabei dormindo durante todo o voo e em vi as horas passarem, acordei apenas quando já estávamos perto de pousar. Viagem de avião era algo que, realmente, me cansava. Eu estava ansiosa para chegar logo e, ao mesmo tempo, queria que esse encontro com a família de Justin fosse adiado. Eu não me sentia segura, e odeio me sentir assim. Tinha medo de que algo acontecesse, ou que eles me odiassem e não me achassem boa o suficiente para ele. Sei lá, era cada coisa que passava pela minha mente. Coisas assustadoras.

...

  - Bem vinda. - Justin abriu a porta do apartamento para que eu entrasse.

  - Pensei que você ficasse na casa da sua mãe. - falei entrando no apartamento simples.

  - Lá está muito lotado. Meus tios estão hospedados lá.

  - Ah. - dei de ombros. - Gostei do apartamento, é aconchegante, mas não faz muito a sua cara. - ele riu.

  - Por que não faz minha cara?

  - Ah, sei lá! Sabe, você me parece ser alguém que gosta de luxo, dinheiro e essas coisas... E esse apartamento é bem simples.

   - Ta vendo! Você não me conhece tão bem assim. - o olhei em duvida. - Eu não sou um cara que gosta de ostentar.

  - Justin, você tem duas Ferrari. - ele riu.

  - Significa que eu gosto de carros, não que gosto de luxo. - falou. - Eu até que gosto de luxo, afinal, quem não gosta? Porem, eu nasci nessa cidadezinha, cresci sem luxo, sem coisa chique e de marca, sem milhares de brinquedos... Eu não ligo para tudo isso. - sorri.

  - Que bom. - selei nossos lábios rapidamente.

  - Vamos tomar banho, porque eu to cansado, e depois vamos á casa da minha mãe. - falou e eu assenti meio nervosa.

Subimos com as minhas malas e as deixamos em um cantinho do quarto.

  - Banho, finalmente! - murmurei.

Estávamos entrando no banheiro quando a campainha tocou.

  - Vai entrando e eu já vou. - Justin falou e eu assenti.

Ele me deu um selinho e desceu para ver quem era.

Justin POV.

  - Já vai! - gritei vendo que a pessoa estava desesperada.

Só podia ser a Jazmyn.

Abri a porta e me surpreendi vendo aquele ser ruivo parado ali sorrindo.

  - Oi amor. - me roubou um selinho e entrou em casa.

  - Amor é o caralho, sai da minha casa. - mandei irritado limpando minha boca, que deveria ter ficado suja de batom.

  - Justin, porque não me avisou que foi viajar?

  - Porque você não é nada minha, agora vai embora. - mandei com medo de que Anne descesse.

  - Não podemos aproveitar? - perguntou vindo até mim.

  - Não, sai logo. - peguei em seu braço e a empurrei para fora. - Não volte mais na minha casa. - falei nervoso e fechei a porta na sua cara.

Caralho, como essa mulher é irritante!

Subi correndo e Anne já estava debaixo do chuveiro, para a minha sorte. Peguei meu celular e resolvi ligar para Jazzy.

  - Caralho, o que você quer? - ela atendeu, educada como sempre.

  - Ta em casa?

  - Não, fala logo o que você quer que eu to ocupada. - falou rude. - Para Brian.

  - Você ta fazendo o que Jazmyn? - perguntei desconfiado.

  - Nada Justin, fala logo ou eu vou desligar.

  - Se a ruiva aparecer lá em casa, não a deixe entrar, eu vou pra lá com a Anne daqui a pouco.

  - Vocês já chegaram?

  - Já sim.

  - OK, nós já estamos indo para lá.

  - Nós quem?

  - Ahh, ninguém não, pode deixar, tchau. - desligou na minha cara.

Dei de ombro, ainda pensando nesse tal de Brian, eu preciso saber quem é esse cara. Entrei no banheiro e tive a visão do paraíso. O meu paraíso. Anne lavava os cabelos, com os olhos fechados e a cabeça inclinada para trás, deixando seu corpo perfeitamente desenhado totalmente a mostra e vulnerável a mim. Sorri malicioso e me despi silenciosamente, apenas a observando e escutando-a cantarolar uma musica que eu nunca escutei. Abri o Box, que pra a minha sorte é silencioso, e a agarrei por trás, colando nossos corpos.

  - Ai que susto seu idiota! - ela exclamou rindo e eu beijei seu pescoço. - Justin, você disse que estava cansando, sossega esse facho ai. - tentou se soltar, porem eu a segurei mais forte e ela riu. - Me solta, tenho que terminar meu banho.

  - Relaxa meu amor. - a prensei na parede violentamente, fazendo-a arfar.

Comecei a beijar seu pescoço e fui descendo calmamente, afinal, a casa da minha mãe não vai sair do lugar mesmo.

...

Anne POV.

  - Ta feliz? - perguntei a Justin que assobiava alguma melodia.

 - Tem como não ficar depois do que aconteceu no banheiro? - respondeu-me com outra pergunta, me fazendo rir.

  - Bobo. - murmurei pegando minha bolsa. - Acho melhor colocar outra blusa de frio. - falei indo até minha mala.

  - É para você que não está acostumada com esse frio, é melhor mesmo.

  - Pronto. - coloquei meu casaco mais grosso que o do Mickey.

Saímos do apartamento, e segundo Justin, íamos andando mesmo, porque a casa da sua mãe era a menos de um quarteirão, e hoje não estava nevando. Aquela foi a pior coisa que eu aceitei fazer em toda essa viajem. Eu quase congelei. Justin estava tranquilo, nem parecia que estava no meio daquele monte de neve.

  - Da próxima vez, eu te deixo vir sozinho caminhando e pego aquela Ferrari na sua garagem. - falei e ele riu, apertando mais meu corpo junto ao seu.

  - Mas a noite esta perfeita, não esta? - perguntou e eu assenti rindo fraco. - Viu, e além do mais, você esta na minha companhia, isso compensa tudo. - ri.

  - Só que, infelizmente, não, Bieber. - murmurei o abraçando mais forte.

  - Ae, nem demoramos muito. - comemorou parado em frente a uma casa pequena, porem linda.

  - Que graça. - falei contemplando a casinha a minha frente.

  - Minha mãe tem um ótimo gosto para comprar e reformar casas, não é a toa que ela é decoradora, e uma das melhores. - falou orgulhoso.

  - Eu percebi. Seu apartamento em Nova York é perfeito. - concordei.

  - Vamos entrar? Eles devem estar jantando.

  - Justin, e se sua família não gostar de mim? - perguntei olhando diretamente para ele, que riu.

  - Anne, você é perfeita, eles vão te amar. Fique tranquila. - selou nossos lábios em um demorado selinho.

  - Hey! Vão ficar ai mesmo? - escutei a voz da minha cunhadinha e ri me separando de Justin. - Anne! - gritou correndo até mim e pulou em meu colo.

  - Jazzy! - a imitei, e nós duas rimos.

  - Que saudade cunhadinha. Vem, vamos entrar, estão todos esperando por vocês. - falou me puxando. - Eu pensei que viriam mais cedo, o Justin me ligou já faz quase uma hora. - comentou. - Eu até interrompi minha... - parou antes de se entregar.

  - Sua que, Jazzy?

  - Tarde de beleza - sussurrei em seu ouvido.

  - Minha tarde de beleza, Justin. - sorriu vitoriosa a ele.

  - Não ajuda Anne. - ele falou e eu ri.

  - Família! - Jazmyn gritou assim que adentramos a casa.

Tudo era arrumadinho e bonito. Simples, porem elegante. Aconchegante ao máximo. Eu adorei aquilo. Logo varias pessoas apareceram na sala.

 - Justin. - uma mulher, morena de olhos azuis, falou sorridente.

  - Sua amiga, Jazmyn? - um menino alto, moreno e bem branquinho perguntou, em tom malicioso, a Jazzy que sorriu falsa e negou.

  - Essa é a minha namorada, Arthur. - Justin se intrometeu me tirando de perto de Jazzy e se pondo ao meu lado.

  - Ahh. - sorriu malicioso. - Muito bonita.

  - Eu sei. - os dois soltavam farpas pelo olhar, o que me fez ficar super constrangida.

    - Anne, Justin falou muito de você para mim. - a morena falou simpática, tentando quebrar o clima estranho que se formou. - Prazer, Pattie, mãe do Justin. - apresentou-se.

  - Prazer. - sorri.

Ela, de forma alguma, parecia ser mãe do Justin, aquela mulher era jovem, bonita, elegante. Nunca daria idade o suficiente de ser mãe á ela. Pelo menos não de Justin.

O resto da família veio logo em seguida cumprimentar-me, e apresentar-se, menos uma menina, morena também, e que pelo jeito, é prima de Justin.

  - Não liga não, ela se acha mesmo. - Jazzy falou e eu assenti.

  - Venham, juntem-se a nós á mesa. - a avó de Justin, Diane, convidou-nos.

Seguimos todos para a sala de jantar, aonde uma mesa farta nos esperava.

A família de Justin é muito unida, o que dá até gosto. Minha família nunca se reúne assim, apenas no natal, quando todos os meus tios vão para Paris, onde eles comemoram o natal e ano novo, porem nunca são tão unidos como aqui. Achei totalmente incrível o modo carinhoso com o qual se tratam menos os primos de Justin que são super estranhos.

Após o jantar, os homens seguiram para a sala, parece que passaria um jogo de hóquei, um dos esportes mais tradicionais aqui, e o preferido de Justin. Já as mulheres, foram todas para a cozinha. Lá estavam: eu, Jazmyn, Luna - a prima do Justin-, Pattie, Martha - Tia de Justin-, e Diane. Elas me perguntavam todo tipo de coisa, desde a minha idade, até a minha profissão. Eu acho que elas ficaram um pouco surpresa ao saber que tenho 18 anos, porem deixaram não transparecer. Pattie foi super simpática comigo, incentivando-me na carreira de estilista e tudo mais. Eu já conseguia me sentir da família.

Ajudei-as a arrumar a cozinha, assim como Jazzy, e logo estávamos no sofá, junto aos homens, ao que parece todos ali gostam de hóquei e torcem para o mesmo time. Como eu não sabia nada sobre nada ali permanecia quieta, tentando entender o que acontecia. Justin me explicava algumas coisas, mas eu sempre fui uma negação para esportes em geral, a única coisa que sempre pratiquei foi natação, e mesmo assim não meu dou muito bem com as piscinas.

  - Nosso time é foda! - Justin comemorou animado com a vitória.

  - Nós somos invencíveis. - Jaxon falou e todos concordaram.

...

  - Já está tarde, vamos amor? - Justin perguntou após uma comemoração geral e mais algumas cervejas.

  - Você que sabe. - dei de ombros.

Eu passei a noite, e parte da madrugada, conversando com Jazmyn.

Ela me contou algumas coisas que aconteceram depois da sua volta, a pouco mais de um mês, e depois ficamos conversando sobre nada. Exatamente nada. Eu havia a tomado como uma irmã, realmente. Acho que nunca gostei tanto de uma cunhada como gosto de Jazzy.

  - Já vão? - Pattie perguntou a Justin, que assentiu. - Ah! Porque não ficam conosco essa noite? - perguntou.

Pattie é uma mulher tão educada e fina. Sua fala é algo impecável, suas roupas elegantes. Mas, mesmo assim, não deixa de ser engraçada e humilde.

  - Tudo bem para você, Anne? - Justin me perguntou e eu assenti sorrindo.

  - Claro.

  - Ótimo, mas acho que terão que dormir no quarto da Jazmyn. - entortou o nariz e eu ri.

  - Não tem problemas. - dei de ombros e ela sorriu.

  - Jazzy, empreste uma roupa a ela, eu já subo para arrumar o colchão. - falou e Jazmyn assentiu, pegando na minha mão e me puxando escada acima.

  - Ai que máximo, vamos passar a noite conversando e vendo filmes. - falou animada.

  - E o Justin?

  - Ah, ele fica no chão mesmo. - deu de ombros entrando em uma das portas do corredor. - Ali é o closet. - apontou para uma porta branca com notas musicais pretas como decoração. - Fique a vontade para pegar o que quiser.

  - Seu quarto é lindo. - falei olhando ao nosso redor.

  - Eu e Justin que decoramos. Eu o fiz passar horas arrumando cada detalhe.

  - E deve ter gastado bastante né?

  - Não tanto quanto ele gastou no de Jaxon. Acho que Justin quis dar tudo o que não teve ao irmão e o encheu de mimos. - comentou e eu ri.

É bem a cara do Bieber mesmo. Ele tem um coração enorme, e parece querer dar tudo do bom e do melhor a família. Acho que isso é o que mais me atrai em Justin, tirando os olhos, o físico, e tudo mais. Seu coração é enorme e eu adoro isso nele.

Abri o closet de Jazzy, e aquilo era muito legal, nem eu tinha algo tão avançado. Era como um computador, aonde você ia vendo as peças que queria e, do nada, elas apareciam penduradas em cabides, do jeito que aparecia nas fotos. Eu não sabia como aquilo funcionava, mas sabia que queria um para mim. Aquilo era incrível. Após ficar brincando ali, escolhi um pijama de frio e me troquei.

Pattie subiu e nos ajudou com o colchão no chão.

  - Anne, me desculpe por não ter quarto disponível para vocês. Justin também estava dormindo junto ao Jaxon, pois seus primos ficaram com o seu quarto. Geralmente nossa família fica em hotéis, mas dessa vez não conseguiram vagas. - explicou-se.

  - Pattie, tudo bem, mesmo. - sorri a reconfortando. - Eu não ligo para isso.

  - É que, como você cresceu em uma família rica, esta acostumada com luxo, deve ser desconfortante dormir no chão. - Jazmyn falou.

  - Eu nunca liguei para essas coisas, minha mãe pode até ser, agora eu não. Acho que é até mais legal. - rimos.

   - Acho que daqui a pouco Justin sobe. - avisou. - Boa noite meninas

  - Boa noite, Pattie. - beijei seu rosto.

  - Boa noite, mãe.

Ela beijou nossas testas e saiu do quarto. Minha mãe nunca beijou minha testa depois que cresci. Na verdade, ela se quer deseja boa noite quando não esta na frente de alguém.

  - Filme? - Jazzy perguntou e eu sorri assentindo e correndo para a sua cama enorme.

  - Acho que nessa sua cama dá para dormir umas quatro pessoas. - falei me esparramando toda.

  - É eu sempre gostei de camas enormes, assim podia dormir com os meus bichinhos de pelúcia e minhas bonecas. Isso parecia um mar de animaizinhos de pelúcia. - falou rindo. - Eu era tão idiota.

  - Eu adoro bichinhos de pelúcia, são a coisa mais fofa do mundo. - falei e ela riu.

  - Pronto, vamos ver Possessão. - falou correndo até mim com dois controles em mãos. - Fechar janelas. - apontou o controle menor para a janela e logo ela estava fechada, e uma cortina percorria o quarto inteiro sozinha. - Desligar luzes. - apertou outro botão e tudo ficou escuro, iluminado apenas por luzes roxas bem claras no teto, saindo da parede ou algo assim. - E iniciar filme. - Agora apertou o botão do controle maior.

  - Caralho, acho que vou me mudar para o seu quarto. - comentei rindo. - Isso aqui é incrível.

  - Eu sei, fui eu que planejei. - gabou-se.

Acertamos-nos na cama e puxamos o enorme cobertor preto peludo.  Estava um frio do caramba, e eu não sou nem um pouco acostumada com isso, pelo contrario, nunca se quer passei o inverno em Nova York. Sempre estou em Paris ou outros pais quentes, é difícil eu ficar no frio, por mais fascinante que ela seja para mim.

  - Ahh! - Jazzy gritou se agarrando a mim, eu ainda nem tinha prestado atenção no filme. - Cara, esse filme é horrível, eu vou tirar. - ela disse se soltando de mim.

  - Ah, deixa, eu ainda nem consegui me assustar. - falei e ela me olhou indecisa. - Vai, não vou deixar nenhum bicho te pegar. - zoei e ela mostrou a língua.

  - Ta, mas se eu me assustar de novo tiro essa porra. - assenti e ela voltou a agarrar-se em mim.

  - Cadê o Justin? - perguntei sentindo falta do meu loirinho.

De repente nossa coberta foi arrancada com fúria, nos fazendo pula e gritar. Uns barulhos esquisitos tomaram conta do quarto e a TV foi desligada.

  - Anne, fica junto comigo. - Jazmyn pediu se agarrando a mim.

  - Jazzy, que merda de filme foi esse que você colocou? - perguntei quase me cagando de medo. - Eu quero sair desse quarto. - falei tentando sair da cama, mas ela me puxou.

  - E me deixar aqui sozinha? Ah, mais não vai mesmo.

  - Ta louca? - perguntei e as cortinas começaram a se mover sozinha. - Eu não fico mais nem um minuto. - falei saindo da cama e correndo para a porta. - Jazmyn Bieber, por que você trancou essa porra?

  - O que? - ela gaguejava de medo. - Mais eu não tranquei nada não.

  - Caralho, liga essa merda de luz! - mandei irritada.

  - Cadê o controle? - ela perguntou com a voz vacilante.

  - Como eu vou saber? - perguntei tremendo. - Ótimo, já tenho medo de escuro, agora vou ficar aterrorizada. - falei tentando achar alguma coisa iluminada no quarto.

  - E cadê os nossos namorados numa hora dessas? - ela perguntou irritada e eu não pude evitar rir.

  - Acho que o Justin sairia correndo e nos deixaria para trás. - comentei e ela começou a rir junto comigo. - Cara, agora eu to imaginando isso. - falei tentando parar de rir. - Ah velho, ia ser hilário.

  - O Justin é muito marica, ele com certeza sairia correndo. - Jazmyn concordou.

Senti algo agarrar meu pé e parei de rir na hora.

  - Jazmyn, socorro! Os espíritos estão me agarrando, me ajuda! - gritei desesperada me debatendo, mas acabei caindo de bunda no chão. - Ai caralho! Jazzy, se eu for levada pro inferno volto para te assombrar, me ajuda! - gritei histérica tentando me soltar. - Ahh socorro! - gritei quando senti meu corpo começar a ser puxado. Uma risada fraca e baixa soou perto de mim e na hora eu entendi. Com certeza aquele viado estava tentando nos assustar.

  - Anne, onde você está? - Jazmyn perguntou desesperada, e parecia que queria chorar. Velho, o Justin não ta fazendo isso com a própria irmã.

  - Jazmyn, eu to sendo levada! - gritei fingindo desespero. - Se eu morrer fala pro Justin que... - fiz suspense e minha perna foi puxada novamente, me fazendo ser arrastada por mais alguns segundos. - Fala para ele que eu...

  - Anne! - Jazmyn gritou mais alto. - Alguma coisa puxou minha perna. - ele não estava sozinho.

  - Fala para ele que ele é um idiota, e que se continuar com essa babaquice vai ficar sem pinto. - falei nervosa e ameaçadora, tentando soltar a minha perna. - Anda Justin, acende essa porra! - mandei nervosa, conseguindo levantar, e logo a risada dele e de alguém ecoou pelo quarto, e as luzes foram acesas.

  - Ahh socorro, to sendo levada! - me imitou e eu parei com a mão na cintura, olhando para casa dele, que ria feito idiota, junto a Jaxon.

  - Acabou? - Jazmyn perguntou, e ela estava vermelha.

  - Anne, cadê você? - Jaxon a imitou, se contorcendo de tanto rir.

  - Cara, você são tão medrosas! - Justin exclamou rindo, mas parou assim que viu minha expressão nada amigável.

  - Acabou com a putaria? - perguntei irritada e ele riu sem graça. - Quem você pensa que é para me assustar desse jeito seu idiota, babaca, sem escrúpulos! - gritei distribuindo tapas pelo seu peito.

  - Seu pirralho mal comido! - Jazmyn começou a bater em Jaxon. - Cara, eu vou acabar com a raça de vocês. - ela disse irritada.

  - Foi só uma brincadeirinha de boas-vindas. - Jaxon falou rindo.

  - É inofensivo. - Justin concordou.

  - Inofensivo? - Jazmyn perguntou incrédula. - Isso aqui é inofensivo. - falou e chutou as partes baixas de Jaxon que se ajoelhou gemendo de dor. - Viado, olha o meu estado. - falou mostrando a mão que tremia. - Se fizer isso de novo eu te mato. - falou e Jaxon assentiu murmurando coisas sem nexo. - E você... - aportou para Justin.

  - Fica tranquila, dele eu cuido. - falei sorrindo maldosa para ela. - Me acerto com você depois. - falei séria, no pé do seu ouvido e ele assentiu sorrindo malicioso. - Vem Jazmyn, você precisa tomar água. - falei a puxando pela mão. - Cadê a chave dessa merda? - perguntei olhando para eles.

  - Aqui. - Jaxon tirou do bolso e jogou em minha direção. Peguei no ar.

Desci com Jazzy até a cozinha e lhe dei um copo d’água. A coitada tremia.

  - Cara, como eles são crianças. - falei irritada com Justin.

  - É sempre assim. - ela disse mais calma. - É só o babaca do Justin vir para cá que os dois se juntam para me atormentar, mas dessa vez vai ter troco. Ohh se vai! - falou sorrindo.

  - Vai com calma, ok? - ela assentiu.

  - Obrigada. - murmurou.

  - Nada. - sorri. - Agora vamos subir?

Subimos e Justin já estava deitado o colchão olhando para o teto. Assim que me viu sorriu de lado, me deixando derretida. Droga, não era para ser assim.

  - Vem deitar amor. - falou, batendo a mão ao seu lado no colchão.

  - Hoje você dorme ai sozinho. - falei e segui para a cama com Jazzy.

  - Vai me deixar sozinho nesse frio? - perguntou incrédulo. - Isso é injustiça.

  - Injustiça é o que você fez com a sua irmã. - rebati me aconchegando debaixo das cobertas com Jazmyn, que ria da cara pidona dele. - Boa noite, Jazzy.

  - Boa noite, Anne. - falou apertando o botão e a luz se apagou.

  - Mais... Nem boa noite vai dar? - perguntou e nós o ignoramos. - Ta bom então, suas ingratas. - falou nervoso e nós rimos fraco.


Notas Finais


capitulo apenas para descontrair um pouco... Merece comentários? Obrigada por cada um no capitulo anterior!
Beijos meus amores, até o próximo!
ROUPA ANNE: http://www.polyvore.com/sem_t%C3%ADtulo_145/set?id=83135654


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...