História Forbidden Love - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Selena Gomez, Zayn Malik
Personagens Luke Hemmings, Selena Gomez, Zayn Malik
Tags Zaylena Suke
Exibições 99
Palavras 2.342
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hi peoples!

Capítulo 5 - Chapter 5: Não odeia não!


Fanfic / Fanfiction Forbidden Love - Capítulo 5 - Chapter 5: Não odeia não!

Amanheceu. Os raios de sol ultrapassavam as cortinas escuras, dando um pouco de luminosidade ao quarto. Meu corpo estava quente, e o suor estava começando a escorrer por minha testa. Olhei para Zayn, que tinha seus braços e pernas em volta de mim. Sua cabeça estava deitada em meu peito. Vocês dormiram juntos. E de roupa, inacreditável. Meu inconsciente sussurrou. Zayn estava dormindo tão adoravelmente, que me fez ficar quieta apenas para não acorda – ló. Dormindo ele é um anjo, acordado ele é o próprio inferno.

Levei minha mão esquerda a seus cabelos pretos, fazendo um carinho agradável que só o fez soltar seu peso em cima de mim. Porém, eu não me importo. Eu poderia ser capaz de dormir com ele todos os dias. Se ele não fosse tão grosso, é claro. Eu tenho que ir embora. Antes que meu pai chame a polícia. De novo! Pensei. Tirei os braços dele de cima de mim, o ouvindo resmungar alguma coisa. Não dei ouvidos e afastei suas pernas de cima das minhas. Ah fala sério, ele é um puto de um gostoso! Meu inconsciente disse, me fazendo sorrir.

Me levantei sem fazer barulho, caminhando nas pontas dos pés para não acorda – ló. Abri a porta de seu quarto calmamente, saindo dali. Céus! Me escorei na porta, puxando o ar com força. Nem tinha percebido que estava ofegante. Entrei no quarto aonde eu havia dormido na outra noite, me vestindo. Assim que terminei, desci as escadas com a blusa de Zayn em mãos. Mas uma pra coleção! Sussurrei, agarrando a blusa. Peguei minha mochila, abrindo a porta da sala saindo de sua casa.

Tirei meu iPhone do bolso da calça jeans, discando o número de Harold. Ele atendeu no segundo toque.

- Sel. – Sua voz estava rouca de sono. – O que houve? – Perguntou num tom preocupado.

- Estou bem. Só preciso ir para casa. – Disse, chutando as pedrinhas do asfalto.

- Aonde você está?

- Hum... na porta da casa de Zayn. – Era possível ver seus olhos se revirando. – Poderia me buscar?

- Não saia daí. – Disse e desligou.

Depois de uns 20min mais ou menos, um Audi R8 preto se aproximando de onde eu estava. Harold abriu a porta de seu carro, me fazendo entrar logo em seguida.

- Você sabia que hoje é sábado? Dia de dormir até mais tarde? – Disse ligando o rádio.

A música que tocava era Look After You do The Fray.

- Desculpe. – Ri fraco.

- Sério Sel, são sete e meia da manhã. – Riu também. – O que é isso? – Perguntou apontando com a cabeça para a blusa em meu colo.

- Ah... isso? – Suspirei. – É minha. – Menti.

- Hum. – Concordou com a cabeça, olhando fixamente para a rua.

- Harold. – Sussurrei.

- Diga, Sel. – Sorriu de lado, mostrando suas covinhas que eu nunca tinha reparado.

- Suas covinhas são lindas. – Sorri, o fazendo corar. – Pode me deixar na street 9?

- Claro. Vai falar com a Sarah? – Murmurei um “sim” em resposta.

Harold parou na frente da casa de Sarah. Desci do carro, pedindo para ele me esperar por que eu não iria demorar. Bem, eu acho que não.

Toquei a campainha, esperando pacientemente que a porta abrisse, revelando uma mulher loira dos olhos incrivelmente claros. E foi o que aconteceu. Ele usava um roupão de cetim na cor creme, olhos bem acordados assim como seu sorriso bem vivo. Sorri de volta para ela. Me virei para trás, acenando para Harold que acenou de volta. Respirei fundo e entrei.

Depois que eu contei tudo o que havia acontecido, estava aberta a ouvir sermões.

- Eu disse para você ficar longe dele, Selena. – Me repreendeu, enquanto preparava algo para eu comer.

- Eu sei que disse. – Puxei a cadeira, me sentando. – Acontece que ele me prende de alguma forma. E algo aqui dentro, diz que ele não é tão infernal como ele faz todos pensarem.

Ela se virou, me olhando atenta.

- Perto dele eu me sinto segura, como se ele fosse a minha ancora. – Encarei meus pés. – Ontem ele teve um pesadelo, Sarah eu nunca na minha vida tinha visto uma criatura tão vulnerável igual ele ficou. – Me levantei a olhando. – Ele é bom. Só não quer dar ouvidos a isso.

- Sel, você está ficando cega por ele. – Disse, me fazendo se sentar novamente. – Meu amor, você está cega de amor por ele. – Sorriu. – É bom te ver assim, mas toma cuidado com ele. Ele pode ser assim no começo, mas depois pode te machucar. E essa ferida, pode ou não se cicatrizar.

Falou, me empurrando uma maça.

- Eu também sei disso. Mas, ele disse que não quer me machucar. Eu acho... – Parei de falar, balançando a cabeça. – Nada.

- Continue. – Segurou minha mão, acarinhando ela com seu polegar.

- Eu acho que ele gosta de mim. Se não gostasse, já teria me feito algum mal. Certo? – A olhei.

- E o garoto bonito te esperando no carro. Você não acha que pode estar confundindo as coisas? – Neguei com a cabeça. – Selena. – Se levantou, ficando atrás de mim. – Zayn não parece ser uma boa pessoa. – Massageou meus ombros. – O garoto do carro, sim. Ele nunca te levou a lugares estranhos, ou te entregou a pessoas desconhecidas. Ele nunca é rude, ou grosso. Pense menina.

- Sarah... – Me levantei, me virando. – e se eu me entregar para o Zayn, e ele me dar um pé na bunda?

Quando eu menos esperava, Sarah me escondeu em seus longos braços, me envolvendo em um abraço reconfortante e apertado. Acho que eu já sei a resposta de minha pergunta.

 

[...]

 

Voltando para casa, finalmente. Harold e eu não conversamos muito, como de costume. E algo dentro de mim, diz que ele não está nem um pouco feliz por ter dormido com Zayn. De novo. E se Sarah estiver certa? Que Zayn não é para mim, mais Harold sim? Ah, droga! Ela só confundiu mais e mais a minha cabeça.

- Entregue! – Me olhou sorrindo.

- Só te conheço a alguns dias, mais eu sei quando seus sorrisos são verdadeiros, e quando são falsos... Tipo agora. – O encarei.

- Ok. – Ergueu suas mãos, em forma de defesa. – Não gosto de você perto dele. Ele não é quem parece ser.

- Harold, eu sei me cuidar. – Pisquei.

- Selena, eu me preocupo com você. – Colocou uma mecha de meu cabelo atrás da orelha. – Mais do que você imagina.

- Não precisa se preocupar, Harold. – Assegurei. – Obrigada por ter me trazido.

Me aproximei para dar um beijo em sua bochecha, mas algo em mim disse que ele queria algo mais.

- O que está fazendo? – Perguntei, assim que ele segurou meu rosto.

- Eu não sei. – Sussurrou roçando seus lábios nos meus.

- Mas, eu sei. – Minha respiração estava começando falhar, e quando eu ia fazer o que ele queria... Voltei para a realidade.

Você não quer machucar ele! Pensei, me afastando dele.

- Tchau Harold. – Disse saltando do carro. 

 

Abri a porta de casa, batendo a mesma com força. Me encostei na porta, puxando o ar com força. Entrei em meu quarto, jogando minha mochila no chão junto com a camiseta de Zayn. Me despi, entrando no banheiro ligando a ducha. Um banho quente, era tudo que eu precisava. Na medida que a agua caia sobre meu corpo, meus músculos se relaxavam me tranquilizando.

Sai do banheiro, com a toalha enrolada em meu corpo. Vesti uma saia curta preta, blusa de manga comprida branca e optei por ficar descalça. Prendi meus cabelos em um coque bagunçado e desci as escadas encontrando meu pai na cozinha.

- Bom dia. – Disse.

- Bom dia. – Me sentei na cadeira.

- Com fome? – Se virou, segurando a frigideira. – Fiz panquecas.

- Pode ser. – Dei de ombros, apoiando meu queixo em minha mão.

- E como foi na casa da Alison? – Perguntou colocando as panquecas num prato, me empurrando o mesmo.

- Foi bem. – Peguei um pedaço da comida, colocando na boca. – A casa dela é bem grande. Os pais dela são bem legais. E ela é... adorável. – Adorável? Alison é um monstro!

- Você não sabe o quanto estou feliz por você. – Sorriu, apoiando seus cotovelos na mesa. – Sabe, eu achei que você nunca mais se abriria com ninguém, ou fizesse amigos desde a morte de sua mãe. – Derramou o mel em cima das panquecas. – Até essa Alison aparecer.

Ah pai, se você soubesse da verdade...

- Pois é. – Empurrei o prato. – Vou ficar no quarto. – Me levantei.

- Vou na Sarah, quer vir? – Me virei o olhando.

- Não, obrigada! – Voltei a subindo as escadas.

10:00AM. A campainha tocou. Desci as escadas correndo para atender a porta, rezando para ser Harold. Talvez ele queira alguma explicação, e eu também. Assim que abri a porta, meu coração acelerou, meu corpo estremeceu e eu desejei não ter descido.

- Por que você foi embora? – Entrou, me empurrando para o lado.

- Zayn! – Disse surpresa. – O que faz aqui? Espera, como sabe aonde eu moro?

- Isso não importa agora! – Desci meu olhar por seu corpo, percebendo que ele segurava uma arma em mãos. – Eu pedi pra você ficar, e você simplesmente foi embora!

- Eu... eu, tinha que vir pra casa. Não podia ficar lá com você! – Disse.

- Selena, quem está ai? – Gritou do banheiro. Resolvi não dar ouvidos.

- Se não podia, por que dormiu lá então? – gritou.

- Por que você pediu! – Gritei de volta. – O que céus você faz aqui? – Perguntei afinal.

- Eu não quero que ninguém tire você de mim! Por isso estou aqui. Quero que você fuja comigo!

Soltei uma risada falsa, colocando as minhas mãos na cabeça, girando lentamente.

- Você ficou louco? – Me aproximei dele. – Eu não vou a lugar nenhum com você!

- Se eu fosse você, não falaria assim comigo! – É rude.

- Por que não falaria? Ah, claro... por que você é um “psicopata” doentio que adora matar pessoas indefesas. E talvez, eu seja a próxima pessoa indefesa. Mas olha só, eu não sou. Que triste pra você, não é mesmo...

Me interrompeu.

- VOCÊ PENSA QUE ESTÁ FALANDO COM QUEM SUA VIRGEM DE MERDA? Acha que eu não sei? Eu sinto cheiro de pureza de longe. É evidente perceber isso, só pelo jeito que você fica quando está perto de mim. – Segurou meu braço. – Eu sei que você sonha com o dia em que eu arranque a sua roupa e te jogue na minha cama. Mas olha só, isso jamais vai acontecer! Não com você.

No segundo seguinte, o rosto de Zayn é virado bruscamente para o lado por causa do tapa estalado que eu dei em seu rosto. Ele me olhou, com a mão na cara enquanto as lagrimas que estavam por vir ardiam meus olhos.

- A verdade dói. – Abaixou sua mão. – Não é mesmo, Selly?

Só a sua mãe te chamava assim! Meu inconsciente gritou, me deixando ainda mais nervosa.

- EU TE ODEIO! – Gritei, deixando as lágrimas rolarem. – SAI DAQUI, AGORA!

Meu pai apareceu descendo as escadas, apressado.

- Só saio daqui com você! – Disse grosso.

- Ela não vai a lugar algum. Muito menos com um garoto feito você! – Encarou Zayn.

- Quem vai me impedir de tira – lá daqui a força então?

Quando me dei conta do grau de perigo que eu estava, já era tarde demais. Meu pai estava no chão, com o peito sangrando. Zayn tinha lhe dado um tiro, a sangue frio.

- PAI! – Gritei me jogando no chão. – Pai, fica comigo. Pai, pai por favor não me deixa. – Olhei para o ser infernal a minha frente. – Eu. Te. Odeio. – Disse entre dentes.

- Não odeia não. – Me levantou pelo braço. – Vai pegar suas coisas, antes que eu o mate.

Subi as escadas chorando. O que eu faço? Pensei. Entrei no meu quarto, pegando meu celular ligando para Harold. Assim que ele atendeu eu o expliquei tudo, motivo por motivo o implorando para chamar uma ambulância, acompanhada de um policial.

Abri meu guarda roupas, pegando uma mochila jogando algumas roupas dentro dela. Calcei meus all star pretos e desci as escadas.

- Isso. Vamos. – Caminhou até a porta, que estava aberta.

- Eu não vou! – Olhei para meu pai no chão.

- O que? – Se virou. – Pelo amor do inferno, anda logo antes que eu o mata de verdade!

Me puxou pelo braço, caminhando apressado para dentro do carro. Um Audi R8 preto se aproximou. Assim que vi o carro, deixei minha mochila cair no chão, correndo para Harold que estava saindo do carro.

- Não deixa ele morrer! – Agarrei seu tronco, o fazendo me abraçar da mesma forma desesperada que eu. – Por favor, ele é tudo que eu tenho. Harold, não deixa ele morrer eu te imploro. – Soluçava.

- Eu não vou. – Deu um beijo no topo de minha cabeça. – Se for preciso, eu morro no lugar dele só para não te ver assim.

- Selena, eu não tenho o dia todo! – Disse arrogante como sempre. – Harold, sempre estragando as minhas coisas.

- Qual o seu problema? – O empurrou, assim que me soltou. – Tudo isso por causa do Jace? Fala sério! Já não basta ter matado a m...

Antes de terminar a frase, Zayn deu um murro em seu rosto, o fazendo cair no chão.

- Abra... – Subiu em cima dele, o socando. – a boca... – tentei o parar. – de novo, que eu te mato! – Gritou.

- PARA ZAYN! PARA! – Tentei segurar seus braços. – Para com isso! – Implorei.

Harold estava estirado no chão, com a boca sangrando assim como todo seu rosto. Assim que as sirenes da polícia e da ambulância começaram a ser ouvidas, Zayn me puxou pelo braço entrando dentro do carro cantando pneu.

“Eu disse para você ficar longe dele, Selena.” As lagrimas eram inevitáveis, assim como as palavras de Sarah que ecoavam em minha cabeça. Eu estava com raiva, de mim por ter sido tão burra assim. E olha só, aqui estou eu dentro de um carro, seguindo para a casa do cara que atirou em meu pai.

 

[...]


Notas Finais


Sinceramente... Vcs não desconfiaram de nada sobre esse Zayn "protetor" não? Haha. As coisas só irão piorar, e de alguma forma melhorar. (Eu sempre sou tão confusa nessa fic) Amo vcs! Capitulo sem graça sim! s2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...