História Forbidden love. (larry stylinson!¡) - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Visualizações 31
Palavras 1.280
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


boa madruga meus poderosos e poderosas!!!!

eu quero pedir um milhão de desculpas por demorar tanto a atualizar, eu ando muito desgastada com tudo o que está acontecendo em minha vida.

amo vocês.

xx

Capítulo 4 - {quattro.} Perso?


Em seus vinte e quatro anos, Louis Cottingham nunca imaginou se aliar aos Cummings, ensinado a odiá-los desde pequeno o garoto nunca questionava os mandamentos de seu pai.


Mas, naqueles dias ele questionava a si mesmo o por quê de tanto ódio, os Cummings não eram as melhores pessoas para ter ao seu lado, mas eram pessoas certas e correm pelo certo, — as vezes sim —, Louis não acha Harry uma má pessoa e sempre defendia o cacheado nas reuniões.


Harry não sabia o que sentia por Louis, mas era diferente de qualquer sentimento que já teve por alguém. Gemma tentava a todo custo colocar na cabeça do irmão que não era nada mais que comer e jogar fora, Harry não negava que queria uma boa foda com o moreno, mas não era só isso.


Liam nunca intrometeu no sentimento que seu amigo tinha, era sempre calmo e compreensível. Zayn não gostava da ideia de juntar aos Cummings, era inaceitável e sempre se calava nas reuniões quando Liam falava algo. Louis observava seu amigo em todas as reuniões com os Cummings e Zayn abaixava sua guarda uma vez ou outra.


As reuniões eram frequentes, o plano de Liam foi um fracasso. Nicholas havia tirado as garotas do galpão e levando-as para um hotel, Gemma tentou fugir recebendo uma punição maior. Charlotte havia conseguido um celular depois de ter beijado um dos garotos de Nicholas, informou seu paradeiro e guardou o celular. 


William estava de viagem, depois do ocorrido com Nicholas o mafioso resolveu sair da cidade por "motivos óbvios" segundo ele.


— Zayn, hoje vamos ter mais uma reunião. Charlotte mandou outra mensagem. — Louis encostou no batente da porta do quarto que o amigo estava. 


— Ok, eu não vou. Tenho uns negócios para resolver. — Zayn piscou para o amigo enquanto passava por ele, foi impedido de andar assim que a mão de Louis foi em seu peitoral.


— Onde você vai? Desde que eu saiba, você resolve as coisas de nossa máfia e o único problema que temos, é a Charlotte.

O muçulmano tirou a mão do amigo de seu peitoral e deixou ele sem respostas virando as costas.


William escondia seu rosto no cardápio do restaurante, alguns casais que estava ao seu lado o olhava com desdém e William mostrava seu dedo mediano com um sorriso.


— William, que saudades. — O inglês arrastado da mulher foi ecoado no restaurante, William retirou o cardápio de seu rosto e sorriu para a mulher. Ruiva e sem muita vergonha de dizer que era uma verdadeira investigadora a mulher se sentou a frente do mafioso.


Pistole sul tavolo, amore. / Armas na mesa, amor. — William deixou sua 357 em cima da mesa e a ruiva rolou os olhos, tirou de seu coldre sua 500 S&W e deixou na mesa.


— O que trás você em New York, baby? — Camila indagou o mafioso que chamava por um garçom. 


— Negócios e saudades da minha ruiva.


— O que queres William? Você só aparece quando quer algo. — William estalou sua língua no céu da boca e sorriu. 


— Tenho três coisas para lhe dizer, duas boas e uma não sei definir. — A ruiva arqueou suas sobrancelhas, seus dedos rodeavam a taça de vinho avermelhado. 


Eu escolho a terceira. 


Acendeu um cigarro e esperou que William falasse.


— Sequestraram Charlotte e uma ragazza dos Cummings e bom, meu irmão juntou com eles para tirar as garotas de lá.


William desviou seus olhos azuis para o garçom que olhava em sua direção.


— Charlotte está sendo mantida em cativeiro por Nicholas, o babaca inglês. Harry é uma delícia de pessoa, eu abria as pernas para ele. — William sorriu sem humor, sabia que Camila já tinha meio caminho andado da situação. Relaxou seus ombros e olhou novamente para o garçom, Camila seguiu seu olhar. 


— Conversaremos isso depois, não beba isso. — William apontou para a taça encostando suas costas na cadeira.


Camila optou por sair do restaurante, deixando seu número no guardanapo branco e William a seguiu. O garçom aproximou aos poucos da mesa e guardou o guardanapo em seu bolso e saiu em direção a cozinha.


— Como eu ia dizendo, eu vim aqui pedir sua ajuda. —  William encostou no capô do carro da ruiva, Camila fumava outro cigarro sendo acompanhada pelo mafioso. 


— Estamos no fim do poço, meu amor. Não vou para Veneza  de maneira nenhuma. 


— Sua passagem já está compra, amanhã às dez e meia eu espero você no aeroporto. E Cams, cuidado com aquele garçom.


William virou as costas e sumiu pelos becos mal iluminados de New York. 



— Onde está Liam? — Louis indagou os homens que estavam na sala de reunião improvisada. 


— Não sabemos, saiu bem cedo e não disse o horário que voltaria. — Louis achava tudo aquilo muito estranho, levantou seus ombros e bebericou o uísque gelado. 


O silêncio se instalou no lugar e Louis batucava sem parar o pé no chão, seus olhos azuis foram em direção a porta principal sendo aberta.


— Eu tenho más notícias. — Os olhos inchados de Harry entregava-o, estava chorando. Louis sentiu todo seu corpo arrepiar e respirou fundo.


— O que houve, Harry? — Niall indagou o amigo que meneou sua cabeça. 


— Enzo está morto.


Louis não sabia quem era Enzo, mas deduziu que era alguém de extrema importância. Niall reprimiu um grito fino, andou até Harry e deixou que o amigo chorasse em seus ombros. Josh pediu que todos saíssem da sala e assim fizeram, Nial afastou de Harry e saiu do escritório chorando e Josh o acompanhou enquanto  apertava seus ombros na intenção de reconforta-lo. 



— Harry. — Louis chamou pelo cacheado e não obteve respostas. A única pergunta que Louis fazia a si mesmo, quem era Enzo?


Harry sentou no sofá encolhendo suas pernas, seus braços rodearam as pernas e sua cabeça apoiava nos braços. Louis aproximou do cacheado e acariciou seus cabelos. 


— Enzo está morto, Louis. Morto. 


Harry repetia sem parar essas palavras e eram como um soco no estômago de Louis,  o mafioso não sabia muito bem como reagir a aquela crise de choro e então, envolveu Harry em uma abraço um tanto desajeitado pela maneira que o cacheado estava sentado.


— Shh. 


O abraço foi desfeito, os olhos verdes de Harry foram de encontro com o rosto franzido de Louis. Harry sentia-se como uma criança, sua cabeça doía pelo excesso do choro e queria dormir o mais rápido possível.


— Saía, Louis. Amanhã nós conversaremos sobre nossas irmãs.  — Louis arqueou suas sobrancelhas. 


— Não? — Aquilo havia soado como uma pergunta, o mafioso de olhos azuis sentou ao lado de Harry e cruzou seus braços.


— Harry, quem é Enzo? 


Os olhos azuis se encontraram com os verdes, Harry franziu o cenho. 


— Isso não é da sua conta, agora saia ou eu terei que tirá-lo. — Louis sorriu, não era qualquer sorriso era seu sorriso desafiador. Louis sempre achou que Harry tivesse mudanças constante de humor e naquele momento,  tinha certeza de suas teorias.


— Eu pago pra ver, garanhão. 


A nota de cem euros foi retirada da carteira, Louis deixou na perna do cacheado dando leves batidas. 


— Na verdade, Harry. Eu vou, não aguento essa horrível mudança de humor e eu sinto muito por Enzo. 


Louis não sentia muito por alguém que não conhecia, só queria deixar Harry pior que antes. Virou suas costas e saiu pelos corredores da antiga fábrica de drogas. 


— Eu havia feito uma promessa, nunca mais pisaria em Veneza. — William sorriu de lado ao ouvir o comentário da ruiva. 


— Promessa quebrada, é por uma boa causa. — Camila colocou seus fones de ouvido deixando que as palavras do garoto sumisse no ar. 



Notas Finais


não esqueçam de favoritar e deixar um comentário maroto.

xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...