História Forbidden love (ORPHAN BLACK ) - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Orphan Black
Personagens Alison Hendrix, Antoinette "Tony" Sawicki, Cosima Niehaus, Detetive Arthur "Art" Bell, Donnie Hendrix, Dr. Aldous Leekie, Dra. Delphine Cormier, Elizabeth "Beth" Childs, Felix "Fee" Dawkins, Helena, Kira Manning, Krystal Goderitch, Mark Rollins, Paul Dierden, Personagens Originais, Rachel Duncan, Sarah Manning, Siobhan Sadler "Sra. S"
Tags Cophine
Visualizações 67
Palavras 1.412
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


boa leitura......

Capítulo 17 - COMEÇA A VINGANÇA...


De volta ao quarto de hotel, Cosima mal tinha fechado a porta quando ela e Delphine começaram a se

beijar avidamente.

— Cosima — disse ela entre beijos. — Espero que você não esteja mais aborrecida.

— Shh! — Ela a beijou e a empurrou para a cama. — Há coisas muito melhores que você

poderia estar fazendo com essa boca do que pedindo desculpas patéticas!

Delphine olhou para ela, em estado de choque por um momento, então, perguntou:

— Sério? Algo como isso?

Ela passou os braços ao seu redor e beijou-a com força, de forma dominante e autoritária.

Cosima ofegou.

— Oh, tenho certeza de que você pode fazer melhor do que isso, Sra. Delphine Cormier.

Ela empurrou a e ela caiu sentada sobre a cama.

Del olhou-a com um sorriso impressionada estampado no rosto.

— Você realmente está tentando conduzir isso, não é?

Cosima suprimiu o riso.

— Cale a boca e me beije.

Ela se inclinou e beijou-a com força, então, rasgou as roupas de Delphine. As mãos de seguraram a cosima e ela a puxou para perto. Ela pôde seu coração acelerado, sua pele arrepiada. Isso fez com que ela se sentisse poderosa. Cosima

esfregou-se contra ela desfrutando da sensação e reações do corpo de Del.

Del tirou a camisa de Cosima — ainda abotoada — pela cabeça e jogou-a no chão. Em seguida,

tirou o sutiã e começou a lamber seus mamilos.

Ela permitiu que o prazer a tomasse, sentindo-a enquanto ela a possuía, mas lembrou-se

rapidamente que era ela quem estava controlando aquilo. Ela saiu de cima Del e fez um show para

despir a saia e calcinha. Desfilar nua enquanto ela estava totalmente nua, a fez sentir-se poderosa

e dominadora. Pôde ver em seu rosto que ela a queria desesperadamente, mas hoje ela decidiria

como e quando poderia tê-la.

Desfilou de volta para a cama e ficou entre as coxas dela, exibindo seu corpo nu. Delphine abriu um

sorriso diabólico, estendeu a mão e passou os braços em sua bunda, lambendo seu abdômen e

seguindo para seu clitóris.

— Jesus, você é tão linda — disse Del, puxando-a fortemente para si, enterrando o rosto entre

suas coxas e lambendo gentilmente sua sensível zona de prazer. Ela, instintivamente, apertou os

quadris, controlando o ritmo e a pressão. Os dedos de Delphine percorreram sua coxa e mergulharam

em seu sexo molhado. Ela segurou a cabelo e, lentamente, puxou sua cabeça para trás,

sorrindo.

— Você é uma idiota— disse ela. — E eu preciso me vingar.

Ela inclinou-se para trás.

— Venha, então. Eu mereço tudo que você quiser fazer.

Cosima riu e isso fez seu ato dominante diminuir. Em seguida, ela a jogou na cama, começou a beijar o copo de Del, tão perfeito até chegar em seu sexo,  Cosima desejou chupá-la como nunca ninguém tinha feito, tocou e massageou lentamente. Delphine  gemeu e cerrou os olhos, incapaz de esconder o

efeito que ela tinha sobre ela. Sentindo-se confiante, Cosima a olhou de forma sensual, abaixando-se

para girar a língua sobre a ponta de seu clitóris. Delphine não conseguia olhar para longe dela — era

como se estivesse hipnotizada. Ela manteve o contato, com os olhos ardendo enquanto tomou seu sexo entre os lábios e chupou-o avidamente, fazendo pequenos barulhos cheios de tesão e 

desfrutando da emoção.

Ela parou de chupa-la e sorriu. Ela olhou-a com um sorriso

brincalhão, claramente apreciando esta nova versão de Cosima.

Cosima precionou dois dedos sobre a entrada de seu sexo, intercalando entre o clitóris e a entrada de  seu sexo. Delphine gemeu alto deixando seu sexo muito úmido. 

Delphine a segurou e levou sua mão até seu sexo, mas Cosima segurou firme a sua mão.


— Hoje não  — disse ela, com um sorriso malicioso.

Cosima se afastou e começou a aumentar o ritmo, Cos segurou seu seio e começou a chupar com força, saboreando a sensação de tê-la para si. Delphine lançou sua cabeça para trás perdendo o controle.

— Cos, Assim.... vou gozar.

O carpo de Del começou a reagir e não demoraria a chegar no alge do prazer.

Delphine sufocou um gemido, seu corpo começou a tremer e ela ficou em êxtase.

Cosima saiu de cima dela, deixando a sobre a cama nua e em êxtase pós-orgasmo.

- Tão linda, perfeita, acho que te amo Delphine.

Cosima afastou esses pensamentos preocupantes e permitiu que a felicidade a envolvesse.

A voz de Delphine tirou-a de seus pensamentos.

— Cosima, não sei que tipo de magia negra você colocou em mim, mas não quero que você

volte para Londres.

— O que isso significa exatamente?

— Significa que não consigo parar de pensar em você. Quero estar com você. Quero que você

pertença a mim.

— Pertencer a você?

— O pensamento de qualquer outra mulher tocando em você me deixa fora de mim. Nunca me senti

assim, possessiva. Mas a quero para mim. Quero que tenhamos somente um ao outro.

— Delphine, eu realmente gosto de você. Mas...

— Eu sei. Sinto muito sobre o contrato e as demissões. Mas como eu disse, não vou deixar nada

acontecer com você. Tenho essa necessidade de protegê-la.

— Sério?

— Sim, de verdade. Juro, Cos, não costumamos agir de forma desleal, mas precisamos da

Grafton Techs para realizar os sonhos de Ivan. Espero que você compreenda.

— Eu sei. — Cosima falou,  Ela pegou a camisa do chão e

vestiu-a.

Del estendeu a mão e alisou o colar dela.

— Combina com você.

Ela segurou a mão dela.

- Vou tomar ir Delphine. Cosima estava decidida Delphine merecia o troco.

- ok, disse Del sem entender muito bem no que estava acontecendo.

Preciso esfriar a minha mente e fazer tudo muito bem pensado, Delphine vai pagar a  humilhação que me fez passar.

Cosima saiu do banho, colocou uma roupa e pegou a mala de mão que levou, parou em frente à cama  onde Delphine se encontrava deitada ainda nua sobre ela.

- Adeus, Sra. Cormier meu trabalho já acabou.

Delphine  levantou rapidamente sem entender o que era tudo aquilo.

- você vai pra onde Cos?

--- Pra casa, Londres é o meu lugar.

- Não faça isso, fica comigo Cos? Sei que não deveria pensar assim mas são negócios e em meus pensamentos você não precisaria desse emprego, vou cuidar de você, protege-la. Você não sai do meus pensamentos desde o dia em que nos encontramos na rua.

- --Desculpe, Sra. Cormier esse mundo não me pertence e eu tenho minha vida, como você mesmo disse "sem  amarras"

 O Coração de Cosima apertou depois do que tinha dito, sua vontade era ficar com ela para sempre em seus braços.

Cosima saiu do quarto e foi em direção ao elevador, por um momento quase desistiu de tudo e voltou correndo em direção aos braços de Del, onde se sentia completa, protegida, desejada e alguns momentos amada.

Balançou a cabeça para espantar esses pensamentos, quando o elevador abriu foi até a portaria do Hotel e pediu um táxi, não demorou muito sua  mala estava dentro do táxi e estava indo em direção ao aeroporto.

passou os 40 minutos dentro do táxi, imaginando como estava Delphine, depois que deixou a sem roupa sobre uma cama e de coração partido.

logo deu um jeito espantar esses pensamentos.

---- Ela mereceu tudo o que aconteceu, ela me usou primeiro. Cosima pensou alto.

Quando o taxista informou que ja tinha chego ao aeroporto.



Delphine Cormier

Delphine Levantou rápido, tentando impedi-la de ir, quando percebeu que estava sem roupas, Cosima tinha feito questão de rasga-la.

--- Foi mesmo tudo de caso pensando, não, meiga e inocente como pode fazer isso comigo. Ninguém nunca   fez isso comigo, uma mulher que chegou ontem na minha vida pode me fazer perder a cabeça.

Delphine logo ligou para Rachel, solicitou que fosse ao hotel e levasse uma roupa rápido.

enquanto isso Delphine foi tomar banho e ficou por um bom tempo em baixo do chuveiro, sentindo cada sensação que ainda se encontrava em seu corpo depois de tudo que Cosima  tinha feito.

quando ouviu batidas  na porta, provavelmente Rachel com as roupas, logo foi até a  porta.

- Aqui Dra. Cormier suas roupas.  Rachel olhou para Delphine sem entender o que tinha acontecido com suas roupas.

- obrigada,  Rachel.

Delphine trocou de roupa e foi direto para casa, quando seu telefone deu um sinal de mensagem.

" Dra. Delphine Cormier, espero que nunca mais use as pessoas como você fez comigo, pessoas tem coração e sentimentos deveria aprender um pouco mais sobre esses assuntos , porque você não sabe o que significa essas duas palavras.

Adeus Delphine 

Obs. Paul Diends me contou tudo o que precisava saber, não que eu precisa-se"












Notas Finais


espero que gostem.......
Desculpem qualquer erro.. ...
Deixem seus comentários sobre o capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...