História Forbiden Love - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 15
Palavras 1.502
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Antes de irmos a história gostaria de agradecer ls comentários, eles são o combustível para me fazer seguir enfrente.
Boa leitura e obrigada mais uma vez 😊😘

Capítulo 14 - Capítulo XIV


Pov Ben

O cheiro do bacon fritando recendiou a cozinha meu estômago roncava como se quisesse abrir um buraco, eu não sei a que horas o Devon chegou mas espero queele acorde logo ou vai se atrasar para o trabalho, mordi o lábio inferior me dando conta de que preciso arranjar um emprego afinal não posso deixar o peso de pegar as contas todo nas costas do meu irmão, eu também moro aqui então me sinto na obrigação de ajudar também. 

- Bom dia. 

Olhei por sobre o ombro encontrando um Devon arrumado e pronto pra sair tirei algumas fatias colocando sobre um prato com guardanapo fui até o armário peguei a garrafa térmica dele enchi com um pouco de café e entreguei a ele. 

- Bom dia.  - Respondi um pouco atrasado assim que ele pegou na garrafa se aproximou parando um pouco indeciso encurtei a distância selando meus lábios nos dele. 

- Ontem quando eu cheguei você tava apagado no sofá...  e ainda estava assistindo Mr. Bean, achei que não gostasse muito dele. 

Dei de ombros antes de responder, me virei pegando o prato. 

- Não gosto mas não tinha mais nada pra assistir. 

- Certeza? A série daquelas meninas ja acabou? - Ele bebericou o café da garrafa antes de guardar na lateral da mochila. 

 - Tá falando de Pretty Little Liars? 

-Arrã. 

- Acabou...  quer dizer eles ainda vai lançar mais algumas,aliás acredita que a Alisson não morreu? 

- Uau...  que impressionante. - A ironia vazava de cada palavra pronunciada joguei o pano de prato nele que riu ao pegar e jogar sobre a pia, antes de sair ele depositou mais um beijo em meus lábios assim que me vi sozinho decidi correr atrás de um emprego. 

[...]

O sol queimava meus braços e rosto a cada estabelecimento que eu ia minhas esperanças iam acabando mas não vou desistir de jeito nenhum, caminhei pelo calçadão apinhado de turistas, os moradores nem se importam tanto com a praia uma dupla de corredores passou por mim com fones de ouvido mais a frente um grupo de pessoas na bicicleta corriam como se tivessem pressa de chegar a algum lugar pude notar que suas camisetas estavam encharcadas de suor, olhei para o outro lado reparando em cada estabelecimento pelo menos um estava precisando de garçom ou garçonete atravessei a rua junto  com outras pessoas inclusive um casal brasileiro. Abri a porta de vidro entrando em um museu do Elvis Presley em todo canto tinha fotos, bonecos e até pôsteres a música de fundo era a música Always On My Mind me aproximei do balcão  de madeira onde tinha uma atende com blusa vernelha havaiana, seu cabelo rosa caia liso e reto até abaixo dos ombros tinha feições miúdas e aparentava ter uns vinte e poucos anos. 

- Com licença. - Chamei conseguindo sua atenção ao se virar para olhar pra mim fui preso por belos olhos castanhos chocolate. 

- O que deseja? - Ela perguntou com uma voz doce que parecia pertencer a uma garota de dez anos, Suspicious Minds começou a tocar no lugar da anterior. 

- É eu tô interessado na vaga de garçom. - Apontei para a janela onde o anúncio estava pregado, Ela sorriu mostrando uma fileira de dentes brancos e um pircing na gengiva. 

- Claro vou chamar o Jake ele é o dono daqui. 

- Obrigado. 

Ela sorriu e pegou o caminho até a parte de trás da lanchonete me encostei no balcão observando as pessoas que comiam ali, sorri suavemente ao me lembrar do quanto o pai gostava de Elvis e agora eu me pergunto se eles estão juntos no Céu...  ou talvez e o mais provável meu pai está é ardendo no mais profundo do inferno, tomara que eu nunca diga isso ao Devon ele nunca iria me perdoar. 

- É você que está procurando emprego? - Um senhor gordinho com cabelos grisalhos e com um topete que deveria se parecer com o Elvis perguntou com a voz rouca e grave. 

- Sim, eu trouxe meu currículo também. - Ergui o envelope de cor parda sorrindo ele gesticulou para que eu o seguisse, enquanto caminhava um pouco atrás dele torcia para conseguir o emprego e espero que dessa vez a minha tatuagem no braço não estrague tudo. 

[...]

O resto da tarde passou despercebido para mim pelo simples fato de primeiro ter ficado dentro do mercado comprando as coisas para o jantar e segundo eu estava feliz de mais e ancioso para contar a novidade para o meu irmão, eu só espero que ele fique feliz também. Paguei as compras caminhei até o carro,  a noite estava mais que perfeita,  tirando o calor é  claro guardei as compras no porta malas antes de voltar para casa passei na mãe, tinha uma música do Elvis que o pai sempre escutava em ocasiões especiais e essa é uma ocasião mais que especial. 

Pov Devon 

Eu estava morto não consegui fechar nenhuma venda e o Senhor Morales ainda me deu uma bronca por causa disso, disse que me contratou porque achava que eu era competente e lucraria bastante algo que seria bom para os negocios. ​Estacionei meu carro ao lado do alugado do Ben que insiste em dizer que é dele, peguei minha mochila no banco de trás entrei no elevador peguei meu celular notando que havia uma mensagem dele. 

" Você já tá chegando? "

Respondi dizendo que já estava no elevador depois de alguns segundos cheguei na cobertura caminhei até a última porta e abri, fui recebido com Elvis cantando My Way e o cheiro da minha segunda comida preferida, macarrão com molho Branco bacon, cogumelo e brócolis. 

- Oi. - Ben disse tirando a mochila da minha mão a colocou no chão perto da porta fechada eu podia ver que ele estava feliz mas não conseguia adivinhar ou ao menos suspeitava o motivo. - Eu fiz sua comida preferida macarrão com molho branco. 

- É eu notei. - Falei um tanto desconfiado. - Por que está tão feliz? 

- Te conto durante o jantar e aproveitamos para conversar sobre seu dia... agora vai tomar um banho, trocar de roupa enquanto eu termino de arrumar as coisas tá bom? 

Assenti indo até meu quarto tirei a roupa indo direto para o chuveiro tomei uma ducha gelada, erolei a toalha na cintura e fui até o guarda roupa coloquei uma bermuda Preta e uma camiseta vermelha em seguida passei um creme no cabelo e o meu perfume sai do quarto pronto para conversar. 

A mesa que fica um pouco longe do sofá mas perto da parede de vidro já estava posta a luz baixa e velas por alguns cantos da sala ergui uma sobrancelha encarando meu irmão que voltava da cozinha com uma garrafa de vinho numa mão e na outra duas taças. 

- Vai me dizer o que estamos comemorando?- Puxei a cadeira me sentando ele abriu a garrafa colocando um pouco de vinho nas taças, ele não me respondeu de imediato preferiu jantar primeiro assim que acabamos com a sobremesa,  sorvete de chocolate,  Ben parecia pronto para falar. 

- Hoje de manhã eu estava pensando em uma coisa. -Começou  a explicar se ajeitando na cadeira. - E cheguei a conclusão de que não é certo só você lidar com as despesas da casa então um pouco depois de você sair eu fui atrás de um emprego. 

- E... 

- Consegui. - Gritou pulando no lugar abri um sorriso enorme e o parabenizei, na verdade eu me sentia estranho era como se realmente fôssemos um casal já dividindo as despesas. 

- E onde você vai trabalhar? 

- Em uma lanchonete perto do calçadão...  o lugar não é lá grandes coisas mas vai ser bom...  o salário também não é grande coisa mas vai ajudar. - Ele fez uma pausa levantou da cadeira pegou em minhas mãos me levantando nos encaminhou até uma parte sem móveis da sala colocou minhas mãos em sua cintura enquanto as suas iam para meu pescoço. 

- Não vai se lembrar disso porque era muito pequeno mas quando o pai conseguia algo bom no trabalho ou estava feliz ele dançava com a mãe. 

- Tem razão eu não me lembro. - Deslizei as mãos até a base de suas costas aproximando mais nossos corpos. 

- Mas me diz como foi seu dia? 

- Não quero falar disso agora, na verdade eu quero esquecer pode ser? 

Ele sorriu largamente sua mão brincando com os cabelos molhados da minha nuca sem dizer mais nada ele me beijou, foi um beijo rápido mas cheio de sensações boas. 

- Claro...  aliás eu conheço um ótimo jeito de fazer esquecer as coisas. 

Ao dizer isso ele uniu seus lábios nos meus e nos beijamos enquanto balancavamos ao som de And I Love You So, durante o beijo tive a sensação de que tinha tudo agora e estou feliz e que pela primeira vez não preciso mais da minha antiga amiga lâmina, porque eu tenho ele. 


Notas Finais


Como fiquei muitos dias sem postar fiz um capítulo um pouco maior... espero que não se importem e gostem.
Até o próximo capítulo.
Bjs!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...