História Força do destino - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias Candice Patton, Danielle Panabaker, Grant Gustin, Rick Cosnett, The Flash
Personagens Barry Allen (Flash), Candice Patton, Cisco Ramon, Dra. Caitlin Snow, Eddie Thawne, Iris West, Rick Cosnett
Tags Candice Patton, Crossover, Eddie Thawne, Grant Gustin, Iris West, Rick Cosnett, Romance, The Flash
Visualizações 46
Palavras 2.725
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 34 - Jantar


Fanfic / Fanfiction Força do destino - Capítulo 34 - Jantar

(Candice POV)

Foi um inferno convencer meu pai a se retirar, principalmente porque ele queria ficar debatendo comigo sobre o que o Rick falou sobre o Mike, só que eu disse que falaríamos sobre isso em outro momento e aí ele se irritou e foi embora. Assim que ele bateu a porta, eu me sentei no sofá e a fiquei conversando com a minha mãe que estava segurando a Harlee dormindo nos braços.

- Pelo visto essa conversa entre os dois não foi nada amigável.

- Não. Meu pai ainda continua viajando achando que Mike é o cara certo pra mim e blá blá blá.

- Filha, o que o Rick falou pra ele sobre o Mike que seu pai estava te perguntando?

- Longa história mãe. Acho que não quero falar sobre isso.

- Então é mais sério do que eu imaginava. Eu acho que deveríamos falar sobre isso.

- Eu também acho sogra, a Candy vai te contar sim o que eu falei para o pai dela. - Disse o Rick vindo do quarto, se aproximando.

- Amor? - Chamei a atenção dele e abaixei a cabeça

- Anda filha, fala!

- Ok. Mãe, que eu e o Mike não tínhamos um relacionamento muito bom a senhora já sabia, mas talvez o que a senhora nunca soube é que Mike era um cara extremamente agressivo e me tratava muito mal. Ele me forçava a ter relações com ele e isso me machucava muito.

- Eu não gosto nem de ouvir isso. - Disse o Rick se levantando e indo para a varanda

- Que Candice? Ele abusava de você? Como assim?

- Ai mãe, eu tenho até vergonha de falar isso. Mas é isso, ele simplesmente chegava e me forçava.

- Por que você nunca falou sobre isso?

- Por que dá vergonha, mas o Rick apareceu no momento certo da minha vida e me ajudou a colocar um fim nisso tudo.

- Eu estou em choque. Não sei nem o que dizer. Nem o que sentir. - Me entregou a Harlee nos braços e sentou de cabeça baixa

- Mãe, fica tranquila, isso já passou, já tem muito tempo. Essa ferida já foi cicatrizada, graças ao homem da minha vida, pai da minha filha.

- Isso me deixa mais calma, muito mais calma. Ainda bem que o Rick apareceu na sua vida. Ele é um homem e tanto!

- É mesmo. Por isso que eu disse mil vezes sim pra ele, porque apesar da gente ter terminado por futilidades, eu dei a sorte de ter encontrado esse homem que apareceu quando eu menos esperava.

- Agora eu fico mais tranquila filha, eu não quero nunca mais ouvir o nome desse monstro!

Eu sorri pra minha mãe, levantei, me sentei perto dela e dei um beijo nela. Pelo menos ela sim acreditou que o Mike é um monstro. 

Passado esse momento meio tenso, o Rick se acalmou um pouco mais e nós ficamos na sala e comemos alguma coisa feita por mim. No final da tarde nos fomos deixar minha mãe no aeroporto e a despedida foi dolorida, eu estou acostumada com ela aqui que até me emocionei ao vê-la partir. Depois que deixamos ela no aeroporto nós fomos direto para a casa do Rick e agora tínhamos uma missão, tínhamos que encontrar alguém pra ficar com a Harlee para que pudéssemos sair pra jantar e eu lógico liguei pra Dinah e joguei a "bomba" na mão dela.

Ligação on.

- Oi Candy!

- Oi amorzinho. Preciso de um favor urgente!

- Diga!

- Minha mãe foi embora e eu preciso de alguém de extrema confiança pra olhar minha filha. Hoje é o jantar de aniversário do Rick e não dá pra levar ela. Fala que você conhece uma babá de última hora.

- Conheço!

- Sabia. Você nunca me decepciona. Quem?

- Eu!

- Ah, mas você não vai?

- Não amiga. Eu fiz um procedimento num dente e estou com um leve desconforto pra mastigar, então prefiro ficar quietinha e nada melhor do que a companhia da minha gostosa.

- Jura amiga?

- Juro. Você vem trazer ela?

- Sim. Estou na casa do Rick, vou esperar ele se arrumar e vou me arrumar aí no meu apartamento. Quando estiver saindo, deixo ela aí. 

- Tá bom amiga. Estou esperando.

- Beijo!

Ligação off.

Eu esperei o Rick se arrumar e enquanto ele tomava banho, eu sentei na cama dele e fiquei dando mamar pra Harlee que acordou chorando com fome.

- Conseguiu falar com a sua amiga? - Disse ele saindo do banheiro se secando

- Falei. Ela mesma vai ficar com a bebê. Ela foi no dentista e não quer sair de casa.

- Ah, então beleza. Uma pena que ela não vai poder ir, mas pelo menos eu fico tranquilo em saber que a nossa filha vai estar com ela.

- Eu também e ainda bem que ela está mamada já, daqui 3 horas com certeza já estamos de volta né?

- Sim. Até antes!

- Então tá. Você vai se trocar ou vai ficar aí pelado? Vamos logo a Dinah já está esperando e eu ainda vou me arrumar.

- Vou me trocar rapidinho!

O Rick pra se trocar é pior que mulher, mas sempre vale a pena, no final ele está sempre lindo e perfumado.

(Rick POV)

Eu me troquei e desci com a Candy e fomos para o apartamento dela. Eu arrumei algumas coisinhas pra Harlee enquanto a Candy tomava banho e levei a Harlee eu mesmo até o apartamento da Dinah e entreguei ela nos braços dela.

- Está aqui seu pacotinho. Uma pena que você não vai, mas pelo menos a gente fica tranquilo em saber que ela está com você. Ela já está mamada e provavelmente só vai acordar daqui umas 3 horas.

- Ah tá bom. Mas Relaxa Rick, vão lá e se divirtam por mim!

- Valeu lindona. Beijo!

Eu dei um beijo no rosto dela e subi de volta para o apartamento da Candice. Eu fui direto para o quarto dela e ela ainda estava sem roupa, com algumas roupas jogadas na cama, na indecisão de qual vestir.

- Você fala de mim, mas está igual. Sem roupa, só enrolando. - Agarrei ela e joguei a toalha dela na cama

- Cosnett, nem vem me atrasar mais. Já levou a Harlee?

- Já sim. O que você acha da gente se atrasar só mais um pouquinho?

- Não senhor. Para de graça! - Disse ela tentando se soltar

- Só um beijinho então!

- Só um beijinho!

Ela segurou meu rosto com as duas mãos e começou a me beijar e eu fui levando ela pra parede, Segurei uma perna dela e comecei a beijar seu pescoço, mas ela logo cortou o meu barato.

- Era só um beijinho, vai, deixa eu me trocar!

- Saco!

Ela se soltou e eu me deitei na cama dela e fiquei vendo ela se trocar. Quando ela terminou, nós descemos, entramos no meu carro e fomos para o restaurante que eu escolhi e chegando lá a mesa já estava cheia e todos os meus amigos já estavam lá. Eu recebi os abraços de todos e logo me sentei junto com a Candy. O clima era de descontração, nós pedimos nossos pratos, comemos e depois eu e os homens da mesa ficamos no uísque. Enquanto eu tomava o uísque eu pedi pra Candy ligar pra amiga dela pra saber se estava tudo bem com a Harlee.

- Amor, liga pra sua amiga pra saber da bebê.

- Ai que papai mais preocupado! - Apertou minha bochecha

- É serio. Dá uma ligada! 

- Tá bom. Vou ali fora!

- Ok!

Ela saiu pra ligar pra amiga e logo voltou dizendo que estava tudo bem com a nossa filha e eu fiquei tranquilo e nós continuamos a aproveitar a noite. Nada como estar na companhia dos que a gente mais ama, essa família que nós construímos é simplesmente muito importante pra mim.

(Grant POV)

O jantar do aniversário do Rick até que conseguiu me divertir bastante e apesar de não conseguir tirar o olho um só minuto da Dani. Até quando eu não queria olhar nossos olhares se cruzavam. No final do jantar, todo mundo resolveu ir embora junto e agora eu vou colocar meu plano em ação. Eu fiz questão de vir com o meu carro sozinho porque faz parte do plano. Eu parei meu carro perto do da Dani e assim que ela saiu, eu dei partida no meu e segui ela. Quando estávamos quase perto do condomínio dela começou uma chuva terrível, mas não tem problema, eu não vou desistir. Assim que ela entrou na rua do condomínio dela, eu acelerei meu carro e bati propositalmente atrás dela, depois que eu bati, eu pisquei o farol duas vezes pra ela encostar o carro e ela encostou e eu estacionei atrás dela e assim que ela saiu do carro debaixo d'agua mesmo e viu que era eu, ela tentou voltar para o carro, mas eu consegui segurar ela a tempo e encostei ela no carro dela.

- Que palhaçada é essa explica pra mim. Como é que você bate no meu carro?

- Eu fiz de propósito. Só assim pra chamar a sua atenção.

- Deixa de ser ridículo, larga o meu braço e me deixa embora.

- Eu vou largar sim, mas eu vou junto.

- Você tá louco!

- Não estou não.

Eu peguei ela pelo braço, levei ela pra dentro do próprio carro, coloquei ela no banco do passageiro, dei a volta rapidamente, entrei e fiquei disputando a chave do carro dela que ela conseguiu tirar do contato, mas eu logo consegui pegar da mão dela e dei partida no carro, sai acelerando e graças ao cartão de identificação que estava pendurado no espelho retrovisor interno entrei tranquilamente dentro do seu condomínio. Eu parei na vaga dela e no estacionamento ela começou ameaçar a gritar se eu não fosse embora.

- Grant, vai embora e para de loucura, eu vou gritar se você não for embora.

- Que gritar que nada. Anda Danielle, entra. - Coloquei ela pra dentro do elevador e apertei seu andar

- O que você vai fazer? Você está maluco?

- Sim. Estou!

- No meu apartamento você não vai entrar!

- Vou sim. Desce! - Desci com ela segurando em seu braço 

- Grant, vai embora e dá a chave do meu carro.

- Depois. Primeiro eu vou abrir a sua porta. Ainda bem que você não perdeu essa mania de deixar a chave do seu apartamento junto com a do carro.

- Eu vou fazer escândalo Grant!

- Vai mesmo. Não tenho dúvida disso!

Eu abri a porta, entrei com ela, tranquei, encostei ela na parede e depois de alguns olhares ela se rendeu e nós nos beijamos. Eu mais do que depressa fui tirando a roupa dela molhada e ela foi tirando a minha e quando eu me dei conta já estávamos em seu quarto completamente nus. Eu fui pelo meio das pernas dela, comecei a beijar seu pescoço e em seguida desci para os seus peitos e enquanto beijava um, acariciava o outro. Um tempo depois, eu olhei pra ela, coloquei meu membro dentro dela e comecei com as estocadas. Ela jogou a cabeça pra trás e começou a gemer bem baixinho e conforme eu fui acelerando ela foi gemendo mais alto. Depois de um tempo ela trocou comigo e começou a sentar em mim com vontade me levando a loucura. Eu levantei, coloquei a mão por dentro do cabelo dela, puxei pra trás e voltei a beijar seu pescoço, dessa vez com muito mais vontade a ponto de deixar marca. Eu joguei ela na cama, com um dedo fiz um sinal pra ela se virar e quando ela ficou de quatro pra mim eu fui colocando meu  membro nela bem devagar e quando coloquei tudo comecei com as estocadas devagar também e só acelerei quando ela pediu.

- Ahhhh... Mais rápido!

- Então geme mais alto pra mim!

Eu comecei a acelerar e ela começou a gemer bem alto. Enquanto eu penetrava nela, eu dei alguns tapas em sua bunda e alguns puxões de cabelo, deixando ela louquinha de tesão. Depois eu coloquei ela de lado, fui por trás, apoiei a perna dela na minha e continuei com as estocadas, tocando ela ao mesmo tempo e em questão de minutos acabei gozando e ela logo em seguida fez o mesmo. Não tem como explicar, sentir essa mulher é algo de outro mundo!

(Dani POV)

E ele conseguiu. Fez tudo de caso pensado e eu caí na tentação e não resisti a ele. Nós fizemos amor com paixão e toda a raiva que eu sinto dele naquele momento foi esquecida. Depois que fizemos amor nós ficamos num absoluto silêncio. Eu fiquei deitada de bruços e ele ficou passando a mão nas minhas costas acariciando. Depois de um bom tempo, já na madrugada eu quebrei o silêncio entre nós.

- Satisfeito? - Me virei, sentei e encostei na cabeceira da cama 

- Eu não fiz tudo isso só pra me satisfazer, eu fiz tudo isso pra te mostrar mais uma vez que eu te amo e que eu não vou desistir de você.

- Hum. Pois saiba que esse teu show, todo esse seu espetáculo foi completamente inútil. Olha bem pra mim e escuta, eu não vou voltar pra você. Eu me rendi? Me rendi, confesso. Mas nada, escuta bem, nada mudou entre a gente, continuamos separados, não tente fazer isso outra vez.

- Essa é a sua ultima palavra Danielle?

- Sim!

- Ok!

Eu ainda não sei como eu aprendi a ser tão forte assim, eu só sei que eu disse tudo isso com o coração despedaçado por dentro. Eu me levantei enrolada no lençol, fui até a porta do meu quarto e ele entendeu a mensagem, colocou a cueca e foi pra sala e eu fui atrás. Lá ele colocou o restante da roupa molhada, eu abri a porta e ele desceu. Assim que eu fechei a porta, eu sentei no sofá enrolada no lençol e desabei a chorar. Eu preciso esquecer esse homem, enquanto isso não acontecer a minha vida não vai andar, vai continuar parada. Depois que eu parei de chorar, eu fui para o chuveiro, tomei um banho relaxante e deitei, mas nada do sono vir então fiquei mexendo no celular e quando estava vendo algumas fotos, o Peter me deu um “oi” e eu já logo liguei pra ele pra dar uma desabafada.

Ligação on.

- Respondeu meu “oi” me ligando é porque algo não está bem.

- Acertou. Acabei de fazer uma super besteira.

- Ai meu Deus. O que você fez?

- Acabei de transar com o Grant.

- E isso não é bom? Voltaram?

- Não. É péssimo. Ele fez o “louco” hoje a noite. Bateu na traseira do meu carro e quando eu desci pra ver, vi que era ele, ele me colocou pra dentro do meu carro, entrou, ligou o meu carro e me levou para o meu próprio apartamento e subiu comigo e me encostou na parede e aí eu não resisti e o resto você já sabe que aconteceu.

- Uau. Que delicia Dani!

- Delicia Pe? Eu estou aqui arrasada. Me entreguei, mas estou arrependida, me sentindo péssima, eu não posso voltar pra ele.

- Que história mais complicada né? Mas se você fosse um tantinho menos orgulhosa e soubesse perdoar vocês se resolviam. Dani, perdoa o Grant e volta pra ele mulher, para de ficar sofrendo aí a toa.

- Não é tão fácil assim.

- Não é porque você não quer que seja. Simples assim!

- Enfim. Eu vou dormir, é o melhor a se fazer agora!

- Tá bom. Mas vê se pensa um pouco melhor em relação a tudo. Se cuida e dorme bem. Um beijo!

- Ok. Outro!

Ligação off.

O que mais me mata é saber que o Peter tem razão, tudo se resolveria se eu fosse menos orgulhosa, mas pra mim as coisas não são tão simples e enquanto não me provarem que essa traição não aconteceu de fato com provas realmente concretas e convincentes, eu não volto pra ele.


Notas Finais


💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...