História Forensics - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Ino Yamanaka, Kabuto, Kakashi Hatake, Kankuro, Karin, Kiba Inuzuka, Naruto Uzumaki, Orochimaru, Rock Lee, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Temari, Tsunade Senju
Tags Crime, Forense, Forensics, Naruto, Policial, Sakura, Sangue, Sasuke
Exibições 54
Palavras 2.197
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Gente, estou tão feliz pela quantidade visualizações da história. Pensei que não teria tantos, ainda mais pelos horários que posto cada capítulo. Enfim, o próximo capitulo é todo narrado pelo Sasuke. Eu vou dividir os acontecimentos pela visão da Sakura e dele.
Espero que gostem <3

Obs: eu amei escrever essa visão do Sasuke, e espero que vocês curtam também!

Capítulo 3 - Sasuke


Não estava nos meus planos ser transferido do meu batalhão policial, mas parece que tem outro lugar que não está conseguindo solucionar os problemas que encontra. Gente incompetente. Não suporto pessoas que não dão seu máximo e são perdedores. Acabam só por atrapalhar o caminho, e principalmente o meu.

Eu me formei na academia com as melhores notas e condecorações. Comecei atuando na força tarefa especial no meu primeiro ano de profissão. Então, odeio me deparar com pessoas que não vão além de seus limites. Afinal, meu trabalho é minha vida e o que mais importa para mim.

Esse foi um dos motivos do meu casamento ter acabado. Pode ser porque eu acabei casando muito cedo também, com 20 anos eu já não morava com meus pais e vivia como um adulto que tem uma casa para sustentar. Pouca maturidade para muitos problemas. Então, agora com 25 anos volto a morar na casa dos meus pais com o peso da separação e me sentindo novamente um adolescente. Essa situação é extremamente frustrante.

Não sei o que me frustra, morar com os pais ou ter que trocar de departamento. Espero que o meu novo parceiro seja dedicado e comprometido com seu trabalho, porque eu odeio trabalhar em conjunto. No meu antigo batalhão minha única exigência era realizar as investigações sozinho, sem precisar lidar com outros policiais ou aqueles peritos criminais. Tenho horror aqueles ratos de laboratório. Não passam de uns nerds que não me ajudam em nada e somente atrapalham.

Fiquei sabendo que houve um crime nessa madrugada e foram enviados os policiais que pertencem ao departamento de Konoha, meu novo emprego, e resolvi verificar a investigação da qual farei parte. Chegando ao local, logo notei que se tratava de um condomínio de luxo.

Consegui encontrar a delegada responsável e me apresentei. Esta me pareceu ficar bastante animada ao me conhecer, parece conhecer meu histórico como policial. Não é para menos que fique dessa forma tendo Sasuke Uchiha em sua força policial. Arrogante? Sou e não tenho problema em assumir, para muito é um defeito, no entanto para mim é uma qualidade. Pedi permissão para verificar a situação da cena do crime e me foi concedido o livre acesso ao local.

Quando cheguei ao segundo andar da casa, ouvi vozes e levei minha mão para a parte de trás das costas, onde levo a minha arma escondida sempre quando estou à paisana, presa a barra da calça. Um policial precisa estar preparado para se defender em qualquer momento de seu dia, por lidarmos com bandidos eles sempre buscam a vingança. Aprendi isto da pior forma.

Observando da porta notei que se tratava apenas de uma perita criminal. Nem é meu primeiro dia e já tenho que tratar com esse tipo, que não dá nem para chamar de policiais. Ela parecia um pouco assustada com a situação que o corpo da vítima se encontrava e ainda estava falando com a mesma. Perita e maluca. E ainda tinha os cabelos pintadas de rosa. Perita, maluca e sem noção. Que péssima combinação.

- Você sabe que ela não vai te responder, não é? – Resolvo me pronunciar para ver se ela percebe a quão ridícula está. Parece que acabei a assustando.

- Sim. – Ouço sua resposta e ela se vira em minha direção. E parece me avaliar com olhar.  – A cena de crime está sendo analisada, peço que se retire agora.

- Eu sei. – Entro no quarto de vez, para provocar mesmo, olha a forma como essa peritazinha fala comigo. – Você é policial? – Faço a pergunta para avaliar se ela prepotente o suficiente para pensar ser igual a mim.

- Não, sou analista de sangue. Perita criminal. – Hm. Interessante, então ela não se considera uma policial. Seu tom de voz demonstra o orgulho que ter em sua profissão. – Vou pedir novamente que saia do quarto. Você vai acabar contaminando e alterar o resultado da análise final.

- Certo. – Falo e fico em silêncio a observando. Medindo o quanto vai ser insuportável ficar próximo dela. – Você não é muito educada, sabe?

Saio do quarto antes que ela possa responder algo. Não estou com paciência para lidar com uma discussão a essa hora da manhã. Desço para o primeiro andar. A delegada Tsunade acena mostrando que deseja falar comigo.

- Então, Sasuke, queria lhe apresentar seu novo parceiro. – Ela fala e aponto para um loiro de cabelos espetados. – Esse é o Naruto, o policial mais capacitado que temos em nosso batalhão.

- Muito prazer, Sasuke. – Cumprimenta o loiro enquanto me estende a mão.

- Prazer. – Aperto sua mão com mais força do que usual, para que ele saiba que serei o líder dessa dupla. O loiro me surpreende e aperta de volta minha mão com maior força ainda. Ficamos nessa situação até ouvir um barulho de móvel sendo arrastado. – O que aquela maluca está fazendo?

- Sakura? – Naruto aponto em sua direção. – Ela não é maluca. Ela é uma das melhores pessoas que eu conheço, dedicada e muito querida com todos seus colegas de trabalho. – Parece que achei uma ferida. Quando será que ela deu uma fora nele?

- Hum. – Respondo isso apenas.

Tsunade vai em direção a perita criminal e acabo a seguindo. Com certeza iria advertir a tal de Sakura para não mexer na cena do crime. Que erro de principiante. Ao olhar na direção da Tsunade ela me olha e parece não estar feliz com minha presença. Você não tem ideia do quanto o sentimento é reciproco. E para minha surpresa a delegada acaba pedindo permissão para enviar os outros peritos para o andar de cima. Qual é o problema desses policiais? Se submetendo as ordens de profissionais inferiores.

Naruto também parece se interessar pelo que a perita procura embaixo daquele sofá. Fico em silêncio para ouvir a conversa dos dois.

- O que você está procurando? – O loiro pergunta enquanto se abaixo para ficar ao lado de Sakura. – Encontrou alguma pista?

- Tem uma macha de sangue ali. – Ela responde sem parar de fitar o chão. – É fácil notar que os espirros de sangue das paredes e no chão tem um padrão. Ela não foi assassinada nesse andar. – Me surpreendo com a análise que ela faz. – Só que essa macha...

- É diferente das outras. – Corto sua fala e respondo o que ela estava pensando.

- Sim. Pensei que poderia ter algo aqui. – Ela me fita incomodada com minha intromissão. Parece nervosa. – Mas não há nada.

- Sakura! – Naruto grita e vejo o que ele está apontando. – Olha para isso.

Para minha surpresa começa a aparecer uma mensagem no chão. A perita maluca deve ter borrifado luminol sem querer no local. Ela era sortuda sem dúvidas. Se não fosse sua falta de jeito ao segurar os produtos que utiliza não teríamos visto isso.

- Inveja. – Ela fala e fica em pé ao meu lado. – Inveja?

- O criminoso escreveu isso. – Coloco os meus pensamentos em voz alta e vejo que um sorrio se forma no rosto de Sakura. – O que foi?

- Parabéns, Capitão Óbvio. – Fico perplexo com a petulância dela e demonstro isso. – Desculpe, mas não resisti ao comentário.

- Hum. – Me aproximo dela e falo próximo ao seu ouvido. – Você é realmente mal-educada.

Acabo esbarrando nela ao ir em direção a saída da casa. Não vou permanecer no mesmo ambiente desses dois. O idiota do meu parceiro ainda ficou rindo da piada infeliz que essa perita fez. Quando começar a trabalhar nessa delegacia muita coisa vai mudar. Em primeiro lugar, vou exigir respeito desses peritos e não quero ter contato com nenhum deles.

Encontro, novamente, Tsunade antes de sair do condomínio. Informo que vou para minha casa antes de ir me apresentar em seu batalhão. Preciso pegar meu uniforme, porque acabei vindo sem ele, e ainda tenho que tomar café da manhã. E se não for fazer essa refeição dona Mikoto, minha mãe, vai acabar me matando. Fazendo milhares de ligações até que eu me alimente corretamente. Entendem quando digo que me sinto um adolescente de novo?

Ao chegar em casa, não faço muito barulho, pois ainda era um pouco cedo e todos estavam dormindo. Vou para o meu quarto e deito na cama. Fico relembrando a cena do crime e a mensagem que o criminoso deixou. Algo me diz que esse não será seu único delito. Parece que estamos tratando com um assassino em série e que está procurando por atenção. A forma que expos a vítima, deixando apenas de lingerie em posição semelhante a uma cruz. Não é apenas mais uma execução comum. O ato foi premeditado e calculado em cada detalhe.

E aquela mensagem? O que ele quer nos dizer com a palavra inveja? E ainda deixar em um local escondido, parece que está nos testando para notar a capacidade. Estudando os seus inimigos e vendo quais são seus limites. Não posso dizer que não o achando inteligente, se estivesse nessa situação faria a mesma coisa. E por este motivo eu vou começar a tentar entende-lo e vou pegar esse desgraçado.

- Oh querido, já está acordado? – Vejo minha mãe de pé me observando da porta do quarto.

- Sim mãe. Eu estava acompanhando a análise de uma cena de assassinato. E voltei para pegar meu uniforme, daqui a pouco vou para delegacia.

- Que horror! – Ela responde assustada. – Essa cidade está ficando a cada dia mais perigosa. Se foi o tempo em que me sentia segura vivendo em Konoha.

- Não precisa se preocupar, dona Mikoto. – Levanto e a abraço. - Eu vou pegar o filha-da-puta que anda cometendo esses crimes. – Recebo um tapa na cabeça e me afasto confuso.

- Controla essa sua boca suja, menino. – Ela vai para cozinha resmungando. – Parece que não te dei educação.

- Desculpa. – Reviro os olhos com a situação. – Precisa de ajuda?

- Pode fazer o café. Por que é a única coisa que você não vai queimar ou salgar se fizer. – Ela ri.

- Obrigado por confiar nas minhas habilidades culinárias.

- Falo isso porque conheço suas habilidades. – Coloca a mão no meu ombro. – Você tem muito jeito em dominar armas, mas de fogão não entende nada, meu filho. – Dou de ombros.

Nunca me preocupei muito em aprender a cozinhar. Me viro bem fazendo algo que só precise esquentar ou assar no forno. Prefiro dedicar meu tempo desenvolvendo minhas capacidades com armas e lutando jiu-jitsu. Será que foi por isso que minha ex pediu o divórcio? Talvez, até porque esse tipo de trabalho acabava ficando por conta dela.

Mas agora tanto faz, o estrago já foi feito e não tem como voltar atrás. Não que eu me interesse em voltar com ela. Longe disso. Só queria ter a sensação de que não fui o único culpado pelo fracasso do nosso relacionamento. No entanto, cada vez que reflito sobre isso parece reforçar mais essa ideia.

Acabo realizando a primeira refeição do dia apenas na companhia da minha mãe, não poderia esperar meu pai acordar. Precisa me arrumar para sair ao trabalho. Coloquei minha farda azul e ajeitei o cabelo. Ou melhor, acabei o bagunçando mais. Não importa o que eu faço ele sempre fica arrepiado. Peguei as chaves do carro e saí de casa.

Ao chegar na delegacia, perguntei para o responsável pelo atendimento onde ficava a sala da delegada Tsunade. Este me informou que ela estava na sala de reuniões e iria apresentar os novos reforços da corporação. Me explicou o caminho e achei com facilidade o lugar.

Na sala identifiquei com facilidade as pessoas que eu já havia conhecido na noite anterior. Naruto estava sentado ao fundo, enquanto Sakura se encontrava na primeira fileira de cadeiras. Típico de nerds. Notei que ela se virou e olhou na direção do loiro, que agora era meu parceiro, esse deu um sorriso, aberto de mais na minha opinião, e acenou para ela. A perita responde dando um sorriso, bastante tímido, e ficando com as bochechas coradas. Qual é o lance desses dois, hein?

Como ela não pareceu me notar ali, resolvo sentar na fileira de trás da sua. Na cadeira que fica na mesma linha vertical dela. Logo, Tsunade começa a se pronunciar sobre o quanto nossa cidade anda atolada de atos criminosos e que seu batalhão não estava dando conta de tudo que estava acontecendo. Ainda comenta que todos serão divididos em equipes e essa é a pior notícia que eu poderia ter no dia. Com quantos idiotas, além do Naruto, eu teria que lidar?

Apresenta outra perita criminal que será integrada na corporação. Observo a mesma, parece bastante interessante loura e de seios fartos. Se não fosse pela minha regra de não me envolver com colegas de trabalho até poderia lhe dar uma chance. Sou um cara difícil de conquistar. Ouço a delegada pronunciar o meu nome, saio de meus devaneios, me coloco de pé e aceno com a cabeça para os outros.

Então a veja, Sakura deixa transparecer o quanto está incrédula por eu estar aqui. Sua boca está aberta e as sobrancelhas franzidas. Não posso deixar de achar engraçada a forma que ela me olha e acabo sorrindo um pouco. Parecia que ela tinha certeza que nunca mais me veria na vida. Surpresinha, querida!


Notas Finais


O que acharam? Sei que não teve acontecimento surpreendentes, mas eu precisa fazer isso antes de dar continuação.
Adoro escrever sobre a Mikoto, às vezes, eu acho que ela ficou esquecida no anime. :/

Provavelmente vou demorar para postar a continuação, por que vou ter uma semana de provas agora e ainda apresentar meu TCC. Então... Me desejem sorte! Hahaha :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...