História Forever And Always - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, Suga
Tags Bts, Jungkook, Sugakookie, Yoongi, Yoonkook
Visualizações 34
Palavras 3.590
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Antes de começar, recomendo a música Forever and Always, da banda Parachute, porque foi por causa dela que essa fic saiu.

Espero que gostem!

Capítulo 1 - I'll always love you


Min Yoongi entrou na cafeteria apressado. Correu para se abrigar ali dentro porque, embora vestisse várias camadas de casacos, uma touca, cachecol e luvas grossas, estava com um frio de gelar até os ossos e por conhecer o lugar tão bem, sabia que li dentro estaria quentinho. A estação do ano é inverno, um dos piores que ele já viu. Se dependesse do Min, chegaria em casa o quanto antes, tomaria um banho bem quente e gostoso até ficar com as pontas dos dedos enrugadas para depois se enfiar embaixo das cobertas e nos braços do namorado, seu melhor abrigo. Porém, o namorado em questão pediu para que se encontrassem naquele estabelecimento, é caminho da casa onde moram juntos há quase três anos e fica próximo ao local onde Jungkook trabalha.

 

Quando Jeon pediu para Yoongi o esperar antes de ir para casa, o Min reclamou um pouco ao telefone, disse que queria ir logo para o conforto do seu lar, estava cansado e com frio, era seu último dia de trabalho antes das tão sonhadas férias. O outro apenas riu e insistiu para que se encontrassem ali, Jungkook implicou com o mais velho dizendo que o clima nem estava tão frio assim e que as reclamações do outro eram exageradas e dramáticas demais. – Por favor, me espera, baby. Ok? Eu prometo que vai valer a pena, eu quero te fazer uma surpresa e sei que tudo fica melhor quando você toma um bom café. A bebida vai te esquentar enquanto eu não estiver por perto, prometo não demorar.

 

Jungkook falou com a voz animada e o Min não precisava ver: sabia que ele estava sorrindo. Imagina-lo com aquele sorriso de coelhinho já era o suficiente para Yoongi sentir o coração mais aquecido e completamente rendido. É o sorriso mais bonito que já viu na vida e é capaz de fazer qualquer coisa para ver o namorado sorrindo cada vez mais. – O que eu não faço por você? Pare de sorrir desse jeito, eu não consigo resistir – Ele falou de um jeito manhosamente emburrado. Jungkook riu do outro lado da linha e Yoongi o acompanhou porque é simplesmente impossível não rir junto com ele, ao som daquela risadinha gostosa que o mais velho tanto conhece e ama.

 

- Como você sabe até o jeito que estou sorrindo? – O mais novo perguntou e ouviu o mais velho responder um “eu te conheço” de uma forma natural. – E eu te amo – Jeon respondeu de um jeito fofo e meloso que fez as bochechas de ambos corarem. - Me espera, chegarei logo, prometo! – E o mais novo finalizou a ligação após ouvir um “também te amo” e voltou aos seus afazeres do trabalho. E agora Yoongi se encontra sentado perante uma pequena mesa, próxima à parede de vidros da cafeteria, vidros que vão do teto até o chão, dando-lhe a visão completa da rua, o lugar favorito do casal.

 

Ambos conhecem bem a cafeteria, foi onde se conheceram em um dia aleatório quando os dois estavam passando por problemas e estavam quase desistindo de qualquer coisa parecida com felicidade ou amor. Eles se encontraram ali, se conectaram, e agora um pertence ao outro. Yoongi retirou o cachecol e pendurou na cadeira, junto com a touca e um casaco, retirou as luvas quando o café chegou e esquentou as mãozinhas de dedos longos quando segurou a caneca com as duas antes de tomar um gole do liquido. Como Jungkook bem garantiu, o corpo do Min ficou quentinho, mas ele ainda queria que Jeon estivesse ali.

 

O Min se distraiu um pouco olhando as redes sociais, olhou e-mails do trabalho embora não estivesse mais no expediente, e checou pela milésima vez o roteiro que preparam para a viagem que se iniciaria em três dias, quando Jungkook entrasse de férias também. Se trata de uma viagem minuciosamente planejada e estavam ansiosos. Mas depois de quase dez minutos esperando achou estranhou Jeon não chegar. Ele nunca se atrasa. E ele prometeu que não atrasaria. E Jeon nunca quebra uma promessa. Yoongi sentiu um frio percorrer sua nuca de repente e sentiu uma sensação estranha passar por si, como algo ruim. Ele buscou Jungkook entre as pessoas que passavam na calçada ou atravessavam a rua, mas nem sinal. Yoongi tentou ligar para o namorado, mas o telefone caiu na caixa postal todas as vezes.

 

Yoongi finalizou a segunda caneca de café e levantou para pagar a conta. Quando estava voltando para a mesa para pegar suas coisas, foi quando sentiu o telefone vibrar em sua mão, minutos depois de tanto tentar ligar para Jeon. O mais velho já estava se preparando para sair e ir até o trabalho de Jungkook, arrasta-lo pelos cabelos e reclamar da sua demora, mas obviamente não conseguiria brigar com ele de verdade. Entretanto, Yoongi viu aquele número desconhecido aparecer na tela do seu telefone e, ao atender, ele desejou muito não estar recebendo aquela ligação. “O senhor está como contato em caso de emergência de Jeon Jungkook. Conhece ele?” disse a voz feminina e urgente do outro lado da linha. O corpo de Yoongi gelou, não por causa do frio, mas por causa do medo, o pavor que lhe tomou tão de repente.

 

Uma memória invadiu sua mente de maneira intrusa e completamente repentina. Yoongi foi até o passado, em um dezembro não muito distante, onde estavam passando as férias em uma casa que alugaram próxima à praia. Foram dias inesquecíveis, eles se amaram tanto, deram risadas e se encheram de carinhos a cada minuto passado naquele lugar mágico. E em um dia antes de voltarem para casa o Min viu Jungkook se ajoelhar diante de si, em frente ao mar, e oferecer um anel. Romântico incorrigível, como Yoongi sempre o chama, Jeon quis oficializar a relação deles de qualquer maneira que fosse possível e lhe pediu em casamento.

 

“Eu quero você para sempre, independente do que vier, seja bom ou ruim. Vamos envelhecer juntinhos? Para sempre?” Jungkook pediu com um sorriso apaixonado e apaixonante ao mesmo tempo, olhando para cima para encarar o Min. E Yoongi sentiu os olhos ardendo e se permitiu chorar e rir ao mesmo tempo enquanto assistia um Jeon nervoso colocar a aliança em seu dedo. Ele aceitou, claro que aceitou, e aceitaria mais mil vezes se Jeon pedisse. Yoongi nunca se importou em rotular a relação, ele não é do tipo que te leva para um restaurante chique e contrata músicos para uma serenata para te pedir em namorado, mas Jeon é assim, ele gosta que tudo seja à moda antiga: pedidos oficiais, rótulos, símbolos de união e essas coisas formais. Ele gostava de ser “namorado” e depois passou a gostar de ser “noivo” ainda mais.

 

Foi uma lembrança maravilhosa, pena que veio no pior momento.

 

A voz ao telefone disse para Yoongi que algo havia acontecido à Jeon e que ele precisava ir até o hospital da cidade. Yoongi não lembra exatamente como fez o caminho tão rápido, mas ao chegar no hospital correu para a recepção. Foi levado por um longo caminho, percorreu corredores que para ele pareciam intermináveis, enquanto o tempo passava e dentro do peito seu coração se exprimia tanto que chegava a doer. Durante o caminho a enfermeira que acompanhava Yoongi explicou o que havia acontecido, mas ele não deu ouvidos, apenas não conseguia prestar atenção no que estava sendo dito e só desejava encontrar o namorado.

 

Min Yoongi precisava encontrar Jungkook, logo, o mais rápido possível. Seu coração estava doendo demais, seu corpo inteiro tremia de medo e seus olhos estavam ardendo tanto como nunca antes. Ele estava tentando não pensar no pior, mas estava apavorado. E quando chegou ao quarto onde indicaram ser de Jungkook, o Min se segurou como pôde antes de entrar. Ele, que havia feito o percurso até ali praticamente correndo, caminhou devagar até a cama. Uma aparelhagem parecia ligada à Jeon, fios saiam das máquinas, que emitiam alguns sons característicos, e estavam presas ao corpo do mais novo, estirado na cama.

 

O pouco que entendeu, que fora dito pela enfermeira, foi que a situação de Jungkook era das piores. Lhe disseram para ser forte e aguentar firme, mas o que exatamente queriam dizer com aquilo? Indiretamente estavam dizendo que o amor da sua vida estava morrendo, era isso? E que ele deveria aguentar firme? Como? Como Yoongi poderia se manter firme diante uma tragédia como esta sendo anunciada? Ele não sabia também, mas tentou se concentrar em dar amor e carinho ao namorado quando sentou ao lado dele na cama e segurou uma de suas mãos com força, bem apertado.

 

Jungkook resmungou e abriu os olhos devagar e lhe sorriu, foi um sorriso fraco, mas o suficiente para iluminar o ambiente, como só ele sabe fazer. – Desculpa, eu me atrasei para nosso encontro – Jeon falou baixinho e Yoongi apenas balançou a cabeça assentindo, sentindo no peito um misto de dor e amor. Ele tocou o rosto do namorado com uma das mãos e lhe fez um carinho na bochecha com o polegar, bem devagarzinho, se demorando de proposito, para depois afastar os cabelos dele que estavam na testa. – Sabe... Sabe o que eu estava pensando? Não precisamos decidir nada agora...  Mas eu acho que seria legal termos um filho ou dois. – Jungkook falou devagarzinho, parecia cansado.

 

O mais novo é filho único e perdeu os pais há dois anos por conta de um acidente de carro. Ele sempre diz que Yoongi é a única família que tem, apesar de ter outros parentes espalhados pelo país, mas não tem ligação alguma. Yoongi, bem diferente, tem mais três irmãos e sempre passa dadas comemorativas com a família, toda reunida: a irmã mais nova, os dois irmãos mais velhos e os pais. Jeon sempre achou muito bonita a ligação do namorado com os parentes, a casa cheia quando se reúnem, conversas calorosas e animadas, e já conversou com o Min sobre ter uma família só deles. Jungkook chegou a pesquisar sobre adoção e eles fizeram alguns planos, mas nada concreto, e dizia que queria ter pelo menos quatro filhos enquanto Yoongi parecia enlouquecer só com essa ideia. Vez ou outra ele volta nesse esse assunto.

 

O Min sorriu para o que ouviu de Jeon e lhe deu um beijo no rosto, um beijo demorado e com gosto de medo e preocupação. – Podemos fazer o que você quiser, meu amor – Disse bem baixinho, próximo ao ouvido do outro, e deixou um beijinho nos lábios do mais novo. Jungkook fechou os olhos e sorriu. – Podemos comprar uma casa... Uma casa longe da cidade, sabe? Que tal perto daquela praia, onde passamos as férias? – Ele falava de um jeito sonhador e contagiante, mas Yoongi sentia vontade de chorar por tristeza. Estava vendo que seu namorado, seu noivo, seu parceiro, cumplice, protetor e protegido, seu mundo inteiro, agora machucado, em um leito de hospital, ligado à vários aparelhos que emitiam sons irritantes, e correndo risco de não sobreviver.

 

Min Yoongi sentia-se quebrado, mas Jeon Jungkook parecia estar aguentando por ambos.

 

Jeon nunca foi de desistir. Mesmo na pior condição, ele está sonhando com uma vida à dois com o Min. – Podemos ficar lá para sempre, vamos atravessar os momentos bons e ruins juntos. Vamos envelhecer juntinhos, lembra? – Jungkook fez uma pausa, sentia dificuldade em falar por ter dificuldade para respirar e Yoongi aguardou pacientemente - E não importa se estaremos ricos ou pobres, nós vamos nos amar... Vamos amar um ao outro, para sempre. – Jungkook manteve os olhos fechados e um sorriso bonito e ainda fraco no rosto enquanto falava. Yoongi estava fazendo um esforço descomunal para não chorar, não podia chorar, tinha que se manter firme, como lhe disseram. Ele assentiu mais uma vez com a cabeça quando viu Jeon abrir os olhos. O Min evitou usar as palavras pois temia vacilar, sentia um nó enorme na garganta.

 

Precisava se expor, mas não conseguia transformar seus conturbados sentimentos em palavras, Yoongi queria gritar seus medos e desespero; ele queria também dizer o quanto ama Jungkook, o quanto precisa dele porque não pode viver sem tê-lo por perto, não faz o menor sentido uma vida de um Min sem um Jeon. Como será dormir sozinho naquela cama enorme que Jungkook insistiu em comprar? E acordar sem os beijos dele em seu rosto, como acontece todas as manhãs? Quem vai amar Yoongi, abraça-lo, ajuda-lo a ser uma pessoa melhor como só Jeon consegue? A casa vai ficar extremamente vazia sem Jungkook andando de um lado para o outro inventando alguma coisa mirabolante para construir com as próprias mãos, ora fingindo ser um mecânico ora fingindo ser um marceneiro, e no final apenas destruindo alguma coisa.

 

- Obrigado por me amar – Jeon continuou, sua voz vacilou um pouco e o coração de Yoongi falhou uma batida. Ele apertou a mão de Jungkook com mais força e respirou fundo acariciando os cabelos dele. Queria abraça-lo, precisava sentir o corpo de Jeon bem juntinho do seu, mas ele parecia tão frágil, algo que Yoongi nunca imaginou que veria, e tinha medo de machuca-lo. – Obrigado por me aceitar – O mais novo fez um carinho leve na mão de Yoongi. O mais velho viu quando o olhar de Jeon entristeceu e marejou aos poucos. Ele suspirou e seu sorriso morreu. Ambos os sorrisos morreram. Yoongi viu quando Jungkook percebeu que, talvez, aqueles planos não fossem se tornar reais. O mais novo puxou a mão de Yoongi até seu rosto e deu um beijinho certeiro sobre a aliança de compromisso que o mais velho nunca mais retirou do dedo.

 

Eles tinham planos de casar, não com uma cerimônia para 500 convidados como a mãe de Yoongi planejou fazer uma vez, mas algo simples e bonito, para eles dois e a família de Yoongi; talvez alguns amigos, mas provavelmente não porque eles não queriam fazer nada demais. Desejavam apensar algumas testemunhas para acompanhar o acontecimento, Jungkook inclusive já havia começado a preparar os votos para a ocasião. Não marcaram uma data, não precisava, iria acontecer quando chegasse a hora, no momento certo, então iriam se declarar mais uma vez e trocar alianças. Jungkook, o romântico incorrigível, era o responsável por cuidar dos detalhes e Yoongi o acompanhava, feliz por poder ter a oportunidade de estar ao lado de alguém tão especial como Jeon, um homem com cara de menino, cheio de amor e carinho, atrevido, às veze malcriado, um amante excepcional e maravilhosamente apaixonante.

 

Mas e agora... Não poderia mais haver casamento?

 

Naquele instante, então, Yoongi teve uma ideia, maluca até, mas mesmo assim quis e precisava colocar em prática. Seria como uma maior demonstração de todo o amor que sente por Jeon, uma prova de que, independente do que aconteça, ficarão juntos para sempre. – Vamos nos casar – Ele falou com Jeon, sorrindo para o namorado de um jeito convidativo, o chamando para embarcar naquela ideia. Não precisou muito, Jungkook disse um “sim” fraco, mas sincero e confiante. – Me dá um minuto, eu prometo, prometo, que volto já. – Ele deixou um selinho nos lábios do outro e se levantou, correu para fora do quarto e andou um pouco até encontrar o que precisava: Yoongi chamou um casal que esperava o elevador ali perto, duas enfermeiras que estavam passando, e um rapaz que atravessou o seu caminho.

 

O mais velho arrastou as pessoas consigo e quando voltou para o quarto, Yoongi pediu emprestado as alianças do casal e, mesmo sem entender nada, lhe cederam. – Vocês, todos vocês, serão testemunhas, ok? Por favor, nós precisamos disso – Falou com os “convidados” e virou-se para Jungkook. O mais novo sorria tão lindamente que Yoongi desejou congelar o momento e ficar nele para sempre. – O que você está fazendo? – Curioso, Jeon quis saber o que o Min estava aprontando e ficou sem reação quando ouviu o namorado repetir “vamos nos casar” como se fosse tão obvio. Era seu sonho, desde o primeiro instante em que colocou os olhos naquele menorzinho de pele tão branquinha, e Yoongi estava preparada para realizar o sonho de Jeon.

 

Jungkook olhou para as pessoas que estavam ali, elas deram risadinhas cúmplices e sorrisos curiosos. Voltou a olhar para Yoongi quando o mais velho se aproximou da cama novamente, sentando ao seu lado e com o corpo levemente inclinado para ficar mais próximo. Então o mais velho começou a declarar os votos, olhando nos olhos de quem tanto ama: - Eu... Eu quero você para sempre. – O Min começou, nervoso – Vamos envelhecer juntinhos, na felicidade ou na tristeza, no bom ou no ruim. Seja o que vier... – Enquanto falava, bem devagarzinho, Yoongi fazia carinhos na mão de Jungkook, olhando-o com amor, deixando toda sua paixão transbordar pelas beiradas e inundar a todos ali dentro, porque era tanto amor que não cabia no peito e poderia contagiar a qualquer um. E contagiou, embora todo o coração de Min Yoongi fosse de Jeon Jungkook, assim como o do mais novo pertence ao mais velho, o amor estava notável aos olhos de todos, palpável, e os presentes estavam testemunhando o quão era grande aquele sentimento que um nutria para o outro.

 

Então, sorrindo e sentindo lágrimas rolando pelo seu rosto, o Min começou a deslizar a aliança que pegou emprestada pelo dedo anelar da mão esquerda de Jungkook, selando o compromisso definitivo. Eles ouviram quando algumas pessoas que estavam ali dentro fungaram baixinho, provavelmente segurando o choro também, algo que Yoongi não conseguiu fazer. – Nós vamos amar um ao outro – Sua voz estava quebradiça, mas ele insistiu em continuar. – Nós vamos nos amar para sempre, meu amor. – O Min segurou o rosto de Jeon com as duas mãos, com todo cuidado e carinho que pode reunir naquele momento, e lhe deu um beijo calmo e pressionado nos lábios. Por causa do choro, agora de ambos, o beijo ficou com um gostinho salgado, mas não se importaram.

 

Quando soltou os lábios de Jungkook, Yoongi ainda lhe beijou a ponta do nariz, a testa, as pálpebras fechadas e ambos os labos do rosto. Eles deram risadinhas e Jeon suspirou. Ele suspirou tão lentamente que deixou Yoongi mais assustado e apreensivo. O mais novo estendeu a mão e pediu a outra aliança. Ele fez movimentos lentos e calmos ao segurar a mão do namorado, noivo, e deslizar a aliança pelo dedo anelar da mão esquerda de Yoongi. – Eu vou te amar para sempre, para todo o sempre – E seus olhares se encontram por uma eternidade dentro de alguns minutos. – Por-por favor... – A voz de Jeon se tornou mais baixa e Yoongi instintivamente se inclinou para ficar mais perto, como se pudesse protege-lo do mundo todo.

 

Seu corpo inteiro estremeceu quando ele percebeu que o seu Jungkook estava enfraquecendo. Os barulhinhos das maquinas acompanharam e ficaram mais baixos também, e mais lentos, o mundo estava girando lentamente, quase parando. O Min pediu para Jeon não falar nada, se poupar, mas ele é teimoso e insistiu em continuar mesmo sabendo que talvez fossem suas últimas palavras: – Por favor... Lembre-se mesmo que eu não esteja aqui... Lembre-se que eu te amo e vou te amar, eternamente – E no final, sua voz saiu como um sussurro quase inaudível em um último sopro, mas Yoongi se agarrou à aquelas palavras com todas as forças que pôde reunir momento.

 

Jungkook não conseguiu colocar a aliança no dedo de Yoonhi, seus braços ficaram moles e soltos sobre o corpo. Seus olhos se fecharam e ele parou de falar, e de respirar. Uma das maquina emitiu um som continuo, um bip eterno e Yoongi não quis acreditar no que estava acontecendo. As enfermeiras ali correram em ação, uma foi até Jeon, iniciou os procedimentos para trazê-lo de voltam, enquanto a outra correu para fora do quarto para chamar ajuda de médicos. As outras testemunhas estavam paralisadas e chorando no cantinho, enquanto Min Yoongi segurava a mão de Jungkook com tanta força, desejando dar sua vida pela dele. Em um ato de desespero, o Min se debruçou sobre Jeon, precisava abraça-lo mesmo que o corpo dele não correspondesse.

 

O abraço de Jeon sempre foi o melhor, o mais acolhedor e quentinho. Porém Yoongi não o sentia mais e temia descontroladamente nunca mais sentir os braços firmes ao redor do seu corpo. Lembrou da última vez que se abraçaram, foi na manhã daquele dia, antes de saírem para o trabalho. O Min se culpou por tão ter aproveitado mais aquele tempo, o abraço foi rápido, estavam atrasados, e agora não havia mais tempo algum para abraça-lo. Quando os médicos chegaram pediram para ele se afastar, mas o mais velho não estava ouvindo. Ele chorava compulsivamente sem perceber, com o rosto afundado no peito de Jeon.

 

Um enfermeiro chegou e o puxou pelos ombros para que saísse dali e deixasse os médicos trabalharem, e também sem tomar consciência dos próprios movimentos, Yoongi se debatia gritando que precisava ficar com o seu amor e não entendia porque as pessoas estavam o afastando de Jungkook. De qualquer maneira, foi levado para fora do quarto e última visão que teve foi de um médico sobre a maca, massageando o peito de Jeon com força, antes da porta se fechar. Min Yoongi ficou completamente fora de si, precisou ser sedado a força e foi colocado em uma maca na enfermaria quando simplesmente apagou por causa do sedativo. Quando acordou, sem noção do tempo, sentiu um objetivo preso em seu punho fechado.

 

Era a aliança que supostamente Jeon teria que colocar em seu dedo para finalizar o casamento, mas a vida foi injusta demais e não permitiu que realizasse o sonho de Jungkook completamente.

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Eu não devia nem tá aqui, era pra eu estar lá atualizando Problemas e Sentimentos, ou Beijos Secretos (pq faz tempo né), mas semana passada comecei essa fic por causa da musica que citei lá em cima e hoje resolvi finalizar. Dói o coração escrever coisinhas tristes pra esse OTP lindo e gostoso, mas aconteceu.

Espero que tenham gostado e, sinceramente, não sei se coloquei os gêneros corretos cabíveis à essa história, mas tem de tudo um pouco (ou quase tudo), então se alguém discordar de alguma coisa ou achar que tá faltando um gênero ou outro, podem me avisar por favor pq eu sou meio(completamente) tapada pra isso! HAHAHAHAHA

Qualquer outro erro também, podem me avisar. E ah, a capa saiu meio bosta, mas eu fiz correndo com pressa de postar logo, me julguem :3

Acho que é só...

Por favor comentem sobre o que acharam, eu quero melhorar cada vez mais e isso só vai acontecer com sua ajuda, é você aí mesmo, ow!

Bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...