História Forever Yours - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Thor
Personagens Anthony "Tony" Stark, Clint Barton, Dr. Bruce Banner (Hulk), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Jane Foster, Loki, Natasha Romanoff, Nick Fury, Odin, Pepper Potts, Personagens Originais, Steve Rogers, Thor, Visão
Tags Drama, Lemon, Romance, Shipper, Slash, Thorki, Yaoi
Exibições 173
Palavras 1.631
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Lemon, Magia, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiii! Que vergonha! Tô sem postar a um mês! Podem me trucidar se quiserem. Nem ligo. Eu peço mil desculpas e não vou colocar a culpa na falta de tempo ou na falta de criatividade. Ela até vem quando eu concentro bastante, mas eu tava morta de preguiça esses dias então enrolei mesmo. Aí tive que rever alguns capítulos para me situar de novo na fic.
Mudando de assunto, sinto que ela está chegando ao fim 😞. Mas não se preocupe que eu continuo com a outra, Ok?
Bem é isso.
Esse capítulo tá mais ou menos. Mas acho que ele é necessário.
Boa leitura...
Beijinhos doces...

Capítulo 37 - Reféns


Fanfic / Fanfiction Forever Yours - Capítulo 37 - Reféns

Pov Ofélia On

Ouço um estalo de couro cortando a pele e sorrio antes de entrar pela porta de metal escuro. Fantôme estava de frente para um homem de meia idade quase inconciente e segurando uma tira de couro com pequenas pontas de metal.

Os hábitos e desejos daquele homem era absolutamente incomuns. E em poucos dias de convivência eu percebi que ele não era apenas um criminoso psicótico. Ele era cruel em cada ação que realizava. Seu desejo por sofrimento e sangue chegavam a ser doentios. Tudo o que Fantôme queria era torturar qualquer um desavisado que lhe aparecesse no caminho até que estivesse morto.

- Já acabou com isso, chérie? - Perguntei o abraçando por trás e dando um beijo em sua nuca.

- Ainda non, mon cher. Ele está sendo persistente. - Sorriu maldoso.

Sorri e olhei para aquele pedaço de nada coberto de sangue. Era tão nojento quando o mundo onde habitava.

- Tenho uma surpresa pra você. - Disse desviando minha atenção daquilo.

Fantôme apenas me olhou e ergueu uma sombrancelha. Seu rosto estava metade coberto por uma máscara em formato de caveira e seus olhos castanhos tinham um brilho assassino constante.

- Temos um convidado lhe aguardando. - Disse sorrindo cúmplice.

- Oh, sim! - Disse enquanto se virava e pegava um empalador em sua mesa de "ferramentas". - Creio eu que não devemos deixá-lo esperando, sim?

- De modo algum chérie. Seria muita falta de educação. - Fantôme atravessou a garganta do homem com o empalador e depois tirou as luvas pretas que usava para não se contaminar com o sangue daquela gente.

- Vamos mon cher? - Perguntou me estendendo a mão.

- Sim chérie. - Sorri e a aceitei.

Estava na hora de acertar as contas com aquele príncipe.

Pov Ofélia Off

Pov Autora On

Ofélia não era idiota. Talvez uma mulher apaixonada pode se tornar uma idiota com o tempo, mas Ofélia não. Ela tinha sempre a certeza de que amor é um sentimento inexistente em seres como ela. Cobras não amam nem seus filhotes. Quando uma cobra ovula ela apenas os deixa lá. Se sobreviverem, ótimo. Se não, o que importa. Ninguém nunca ouve falar de um clã de cobras ou coisa parecida. Elas são criaturas frias e solitárias.

Então amor foi algo à qual Ofélia nunca experimentou. Nem pelos próprios irmãos. Pobre Fenris, ele era um lobo. Tão sentimental e apegado quanto um lupino comum. Já Hel era a deusa dos mortos, mas, ao invés de ser inatingível como Ofélia, ela tinha sentimentos bons e ruins na mesma proporção. Sendo que sua vocação primordial era ser justa com todos e ouvir à todos.

Enfim, esse era o universo. Fenris eram os sentimentos, Hell a razão e Ofélia a crueldade. Esse era o primeiro traço daquele pedaço de nada. Mas então vieram as transformações. Primeiro os monstros: gigantes, ogros, chitaures, elfos negros e daí por diante. Depois, as divindades: elfos da luz, anões, duendes, espíritos e deuses.

Os homens nasceram depois. Ninguém nunca soube de onde. Acreditava-se serem estrelas caídas. Os povos estelares transformados em humanóides depois de perderem sua pureza.

Ah, as "estrelas". Ofélia se contorcia de raiva daquele povo. Eles eram tão perfeitos em tudo. Tão amáveis. Tão puros e justos. Essas eram as histórias que ouvia. Claro que nada era tão perto no branco como nos boatos. Afinal, o último deles tinham uma longa lista de erros ao decorrer dos séculos e até milênios.

Caçar aquele príncipe e tentar destruí-lo era cansativo. Principalmente considerando-se a presença constante de Thor. O loiro cometia vários erros também, mas sempre conseguia salvar a pele do moreno.

Aquela caçada era um ciclo vicioso. Ofélia se soltava de sua prisão, os encontrava, os ameaçava, os atingia e quase conseguia destruí-los, mas logo eles davam um jeito de fazer o jogo virar. E reiniciavam tudo antes do game over. Maditos! Mas isso vai mudar dessa vez.

- Chegamos amor. - Ofélia disse arrastando a porta pesada de ferro e revelando uma pessoa presa por grossas e compridas correntes. Os cabelos loiros cobriam o rosto cabisbaixo e ele estava de joelhos. Era tão bom ver o deus dos trovões daquela forma totalmente inofensivo e indefeso.

- Ora, ora. - Fantôme disse entrando na sala e chamando a atenção dele. - Pensei que seria mais difícil convencê-lo à vir. Espero que esteja aproveitando a estadia.

Dois dias jantes...

Pov Loki On

- Beth, não se preocupe eu vou cuidar bem dos meus filhos. - Disse enquanto ainda ouvia Bethany que falava qualquer coisa sobre os horários que deveriam ser seguidos para os remédios de Dilan e também as refeições.

- Eu sei que você é cuidadoso. É que eu... - Vi um brilho à mais nos olhos dela e as lágrimas se acumulando.

- Ei, tudo bem. - A abracei passando uma mão em suas costas. - Mas eles vão ficar seguros comigo. Não se preocupe.

- Eu sei. E eu não posso reclamar. Finalmente vou ir pra Inglaterra. Minha casa. - Sorriu. Ela é Drew decidiram que iriam para lá procurar alguma coisa que eu não fazia ideia do que era.

- Vocês vão ficar bem?

- Sim. Vamos. Mas vou sentir saudade. - Disse voltando a chorar no meu ombro.

Enquanto isso eu via Thor já no carro e interagindo com as crianças de uma forma tão espontânea que era incrível. Olhei bem para os três e me impressionou que Dilan fosse tão parecido com ele. Tinha o mesmo tom de cabelo e quase os mesmos traços. Já Olivia era um pouco parecida comigo. O rosto fino e delicado e os olhos inteligentes.

Eu nem os conhecia tão bem assim, pelo menos não lembrava tanto quanto queria, mas pude ver minha família naquele carro. Acho que foi por isso que não reparei na figura estranhamente familiar que surgiu bem do outro lado da rua. Um nome se formou na minha mente e na mesma hora eu corri em direção ao automóvel.

Thor viu meu desespero e olhou para onde meus olhos estavam grudados. Na mesma hora ele pagou uma arma que estava presa em sua cintura e fechou a porta de trás do veículo falando qualquer coisa para as crianças. Se posicionou de maneira protetora na frente do carro e eu parei do seu lado. Eu tinha um sentimento de ódio me percorrendo naquele momento.

- Ora, ora. Que bela recepção. - Disse se aproximando.

- O que você quer aqui? - Beth disse quando ficou do meu lado com uma espingarda na mão.

- Não se preocupem. - Sorriu. - Só queria ver isso com meus próprios olhos. Tão bonitinho. A família enfim reunida. Deve estar se sentindo completo agora não é Loki. - Seus olhos amarelos estavam letais e aquele sorriso cruel era lançado em minha direção. Maldita cobra.

- Então quer falar sobre insatisfações não é? Pois bem. Você deve estar terrivelmente desesperada para se juntar aquele louco. Porque eu acredito que você seja esperta o suficiente para ver que ele vai chutar sua bunda quando você menos esperar. Fantôme e um homem como qualquer outro Ofélia e homens falham, traem, mentem...

- Sua tentativa de me fazer ficar contra Fantôme é inútil Loki. Eu não sou tola. Sei muito bem com o que estou lidando. - Sorriu. Mas eu podia ver que ela estava incomodada.

- Não quero que fique contra ele Ofélia. Pelo contrário. - Joguei. Minha mente estava trabalhando à mil por hora.

Eu conhecia Ofélia de outros tempos. Ela parecia se lembrar de tudo, vantagem para ela, mas eu estava reconhecendo certos pontos. Eu não tinha grandes lembranças do passado, mas uma era importante. Nossa falha ao lutar contra aquela mulher era sempre a mesma. No meio do caminho havia um motivo para que eu me entregasse.

Olhei para o lado. Thor estava pensativo também. Geralmente meu motivo era ele. Sempre ele. Nosso carma era estarmos juntos. Então para nos vencer, éramos separados. As brigas, as mortes, os planos até os sequestros. Tudo que acontecia no final me tirava dele e tirava ele de mim.

Peguei na mão dele e ele olhou para mim. Dessa vez eu dei um passo para frente.

- Acredito que exista outro motivo para estar aqui. - Voltei a olhar Ofélia.

Ela sorriu e um bando de criaturas feitas de fumaça negra surgiram ao nosso redor. Ela fez um floreio com a mão e eu vi algo totalmente estranho. Era uma esfera prateada que parecia um espelho, mas logo a superfície se contorceu e mostrou Tony, Jane e Bruce estavam presos em um lugar escuro e parecia pequeno. Eles estavam muito pálidos e até um pouco transparentes.

- Está aí seu motivo. Jane Foster, Antony Stark e Bruce Banner. Todos estão na prisão de Hel. Ela costumava colocar as almas perdidas lá. Eles não estão mortos. Vocês chamam aquilo de coma. Jane foi difícil de pegar. Eu tive de esperar aquele idiota sair do lado dela no hospital. Bruce se entregou mais rápido. Ele veio e o Hulk ficou no lugar. Ele deve estar se divertindo sendo um monstro verde por tanto tempo. Talvez ele vire um bom bichinho de estimação. Já Tony Stark, foi maravilhoso usar nosso bom Capitão América para pegar a alma daquele homem insuportável.

- Solte os meu amigos, sua cobra! - Tentei avançar contra ela, mas Thor segurou meu braço.

- Eu vou soltar. Mas não antes de ter o que eu quero.

- Diga logo o que você quer! - Rosnei.

- Não vai funcionar assim querido. Primeiro vamos fazer um joguinho. Vocês têm que estar na Suécia daqui a três dias. Nem mais, nem menos. Nós encontre na reserva florestal no final da tarde. Boa sorte em conseguir!

Ela fez outro floreio e sumiu.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...