História Formation - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Chouji Akimichi, Deidara, , Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hidan, Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Naruto Uzumaki, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Suigetsu Hozuki, Temari
Tags Ino, Lobos, Narusaku, Romance, Sasuhina, Shikatema, Shino, Shinoino
Exibições 86
Palavras 2.992
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leitura!!

Capítulo 4 - Capítulo 4


Fanfic / Fanfiction Formation - Capítulo 4 - Capítulo 4

 

Por um momento Ino apenas ficou ali, encarando aquele pedaço de pecado. Tentava falar algo mas quando finalmente reunia as palavras elas não conseguiam sair. A loira percorreu cada parte daquele peitoral, abdomen e braços musculosos com os olhos, e quando deu-se por si já era tarde.

 

- Posso ajudá-la em algo? - perguntou Shino, com uma de suas sobrancelhas erguidas. Estava achando graça de vê-la naquele estado.

 

A loira reuniu todo o seu autocontrole para não deixar-se corar de vergonha.

 

- Pode. - responde ela, colocando as mãos na cintura. - Que tal desocupar o banheiro? - resmungou, o encarando.

 

- Só se você pedir com jeitinho. - zombou o rapaz, esboçando um enorme sorriso.

 

- Você não tinha que estar no trabalho? - perguntou a Yamanaka, fazendo o moreno revirar os olhos. 

 

- Você não perde uma, não é mesmo? - disse ele, já sério.

 

- Pode apostar que não. - respondeu a loira, ácida.

 

- Pois fique sabendo que o meu turno só começa às 10 horas. - falou Shino, se aproximando da garota. E mais uma vez ele a deixou sem palavras. Maldito lobo.

 

- Que foi Ino, ficou sem ação? – perguntou o moreno, rindo, ainda próximo da Yamanaka.

 

Em um impulso ela agarrou-lhe o rosto com a mão direita o colocando a centímetros do seu.

 

- Não pense que por eu ser mulher eu não saiba me impor. - ameaçou Ino, pingando veneno, enquanto o Aburame se mantinha impassível a sua frente. - Porque eu sei. E eu vou sempre que precisar. - completou, aproximando mais ainda o rosto do dele, fazendo com que seus narizes se tocassem.

 

XxXxX

 

Shino podia sentir a tensão de cada músculo de seu corpo quando Ino fez aquilo. Aquela mão ao mesmo tempo delicada e firme em seu rosto fez com que ele pousasse sua atenção totalmente nos olhos verdes e intensos da loira a sua frente. 

 

- Não pense que por eu ser mulher eu não saiba me impor. - ameaçou Ino. Se manteve imóvel, perdido naqueles olhos. - Porque eu sei. E eu vou sempre que precisar. - completou, aproximando mais ainda o rosto do dele, fazendo com que seus narizes se tocassem. Pode sentir novamente o cheiro inebriante que ela emanava.

 

Aquele último movimento foi a deixa para que ele retomasse a consciência e se desenvencilhasse brutamente dela.

 

- Já te falei para me respeitar, garota. - sibilou o moreno, rosnando.

 

- Ou o quê? - perguntou Ino, o enfrentando.

 

- Você quer mesmo descobrir como eu ajo por mal? - respondeu Shino, trincando os dentes e se aproximando novamente da loira.

 

- Poupe-me de suas ameaças. - disse Ino, o encarando firmemente. - Eu não tenho medo de você Shino. - se aproximando ainda mais dele. - Você é como todos os homens. - debochou.

 

- Não Ino. - disse o moreno, prensando o corpo da garota na parede do corredor. - Eu sou o único homem que você já conheceu. - sussurrou o Aburame, ao pé do ouvido da Yamanaka. E depois disso, se distanciou do corpo quente e convidativo dela, recolheu seus pertences que estavam no banheiro e se dirigiu ao seu quarto.

 

XxXxX

 

- Aquele maldito... - resmungava Ino, para si mesma enquanto terminava de arrumar a casa. 

 

Mais uma vez sua mente se encheu de imagens do que ocorrera mais cedo. Aquele corpo firme e másculo pressionando o seu. A respiração acelerada do moreno próxima a sua nuca, arrepiando-a inteira. O cheiro amadeirado e cítrico que ele emanava. 

 

- Mas que droga! - exclamou, jogando as duas almofadas de qualquer maneira no sofá. Se sentia uma idiota ao pensar em um homem daquele jeito. Ela era Ino Yamanaka, e nunca fraquejava por nada. 

 

- Tudo bem Ino? - perguntou Sakura, com o cenho franzido, enquanto entrava na sala da casa carregando uma cesta cheia de ingredientes. 

 

- Porque não estaria? - perguntou Ino, espantando as imagens para longe de sua mente e sorrindo para a rosada.

 

- Sabe... os dois lobos que lutaram hoje acabaram de chegar. - comentou Sakura, fitando o chão. Ino sabia o quanto aquilo a sensibilizava. - Um deles está em péssimo estado.

 

- Meu deus... - murmurou Ino, sentindo um aperto imenso no peito. - Eu vou até lá ajudar. - comentou, já correndo em direção a porta sem esperar por uma resposta da prima. 

 

XxXxX

 

Suor pingava do rosto de Shino enquanto ele trabalhava no motor de uma das viaturas dos humanos. O dia estava extremamente quente e o local de trabalho também não ajudava muito. Limpou o suor com as costas da mão direita e continuou.

 

- Shino. - chamou uma voz masculina atrás de si.

 

- O que foi, Shikamaru-san? - perguntou Shino, sem se virar para encará-lo.

 

- Os Tributos chegaram. - murmurou, o que fez o corpo do moreno enrijecer.

 

Tributos eram os lobos forçados a batalharem nas arenas. Havia um sorteio em cada uma das vilas do Japão e cada lobo que era escolhido em uma vila tinha de lutar com outro escolhido de outra vila. Eram 12 vilas no total. Raramente ocorriam lutas entre lobos de uma mesma vila.

 

Silêncio.

 

 - Eles estão mal. - comentou Shikamaru, tentando chamar atenção do moreno.

 

- O que podemos fazer? - perguntou Shino, se desencostando do veículo. - O quê?! - exclamou, jogando o pano sujo de graxa na mesa de ferramentas.

 

- Nós pod...

 

- Nada! - exclamou o moreno, com raiva.- Esses malditos jogos continuarão sempre e não há nada que possamos fazer para impedi-los. - completou, soltando um longo suspiro.

 

- Você sabe que está errado, Shino. - disse Shikamaru, sério. - Mas por enquanto, se ficarmos juntos, conseguiremos sobreviver. - e dizendo isso, se afastou, deixando o Aburame sozinho com seus pensamentos.

 

XxXxX

 

- Onde eles estão? - perguntou Ino, com a respiração entrecortada.

 

A enfermeira apenas apontou para os dois corpos estirados no canto esquerdo da pequena tenda hospitalar.

 

Ino sentiu o aperto em seu peito aumentar quando se aproximou das duas macas.

 

"Mas eles são apenas crianças..." pensou, enquanto lágrimas se formavam em seus olhos.

 

Um deles estava imóvel o que fez a loira desviar o olhar, enjoada. Aquele pobre adolescente teve o corpo mutilado e provavelmente não aguentou. A dor deveria ser muita. 

 

Lágrimas caiam quentes pelo rosto da loira. Ino pousou sua atenção no outro adolescente, o que ainda estava vivo, mas parecia estar por um fio.

 

O menino respirava com dificuldade, os únicos movimentos que fazia eram o de sua respiração e os lábios torcidos em uma careta de dor.

 

"Pobre criança..." pensou Ino, pousando a mão sobre a testa fervendo do adolescente. Não devia ter mais que 15 anos.

 

- Me ajude. - murmurou o garoto, gemendo de dor. - Dói tanto...

 

- Você vai ficar bem. - disse a Yamanaka, delicadamente.

 

A enfermeira se aproximou de ambos e injectou uma dose de morfina no braço do menino. Minutos depois ele caiu no sono.

 

Ino pegou um pano limpo e começou a limpar o corpo sujo e ensanguentado do adolescente enquanto ele murmurava palavras desconexas durante o sono.Após terminar verificou se ainda havia algum corte grande para ser suturado. Nada. Permitiu-se respirar fundo e voltar para casa. Precisava vender a sopa que Sakura preparou durante a tarde.

 

- Quem é você? - perguntou o menino, quando viu que a loira deixava a tenda.

 

- Ino. - respondeu a Yamanaka, se virando para encara-lo.

 

Ele parecia um pouco melhor, pelo menos não corria mais risco de vida. 

 

- Konohamaru. - falou ele, tentando esboçar um sorriso, mas falhando no processo - Obrigado por cuidar de mim. - disse, com emoção no olhar.

 

- Não foi nada. - falou Ino, lançando a ele um meio sorriso. - Se cuida, ok? - pediu, antes de se virar e sair da tenda, sem deixar de ouvir o fraco "Ok" de Konohamaru como resposta.

 

XxXxX

 

- Porque demorou tanto? - perguntou Sakura, preocupada quando observou sua prima entrar pela porta da frente. - Estava quase mandando Naruto procurar por você.

 

-  relaxa, são apenas 18 horas. - respondeu Ino, andando em direção à cozinha. - A sopa já está pronta? - perguntou.

 

- Esteve preparada desde as 16 horas. - falou a Uzumaki, seguindo a loira.

 

- Então é melhor eu ir vende-la rápido. - disse a Yamanaka, colocando a sopa em pequenos potes iguais dentro de uma cesta. - Já está quase na hora do jantar.

 

- Tem certeza que não quer que eu faça? - perguntou a rosada.

 

- eu consigo. - respondeu a loira, já caminhando em direção a porta da frente.

 

- Só não demore muito. - pediu Sakura, mas Ino já havia saído.

 

XxXxX

 

Shino se sentou à mesa aquela noite para comer com a cabeça latejando. Cumprimentou Sakura, Naruto e Ino e comeu silenciosamente. Escutou Ino falar ao casal de lobos do tributo que ajudara a salvar essa tarde. Escutar aquilo só fez com que o desconforto interno que sentia aumentasse. Terminou sua sopa logo e pediu licença para se retirar.

 

Caminhou em direção a seu quarto, entrou, fechou a porta e se jogou na cama. Seus pensamentos rapidamente se ligaram ao que Shikamaru, o cara da oficina, lhe falara aquela tarde, mas seu raciocínio foi interrompido com uma batida em sua porta.

 

- Entra. - murmurou, incapaz de mover um músculo se quer de seu corpo exausto.

 

Ouviu a porta se abrir, alguém entrar e logo depois fechar a porta.

 

- Está tudo bem? - perguntou uma voz feminina atrás de si.

 

- O que você quer, Ino? - disse o moreno, finalmente a encarando.

 

- Você é surdo ou o quê? - resmungou a garota, carrancuda. - Queria saber que bicho te mordeu.

 

- Nenhum - respondeu ele, cansado demais para brigar. - Só estou cansado e minha cabeça dói, então, por favor, saia. - completou, passando a mão direita pelo rosto.

 

- Quer que eu prepare um chá? - perguntou a loira, não se dando por vencida. - É bom para curar a dor de cabeça, já que não temos dinheiro para comprar remédios aqui.

 

- Não é necessário. - respondeu ele.- Apenas, me deixe sozinho.

 

 

 

Quando se preparava para deixar o quarto observou a pequena fotografia em cima do gaveteiro. Era uma mulher.

 

- Quem é? - perguntou Ino, sentindo um aperto sem sentido no peito. Ela realmente se importava?

Ninguém. - resmungou Shino. - Agora, será que você poderia por favor me deixar em paz?

- Só saio daqui quando você responder minha pergunta, Aburame. - respondeu Ino, o encarando com um olhar fulminante.

- É só alguém que eu deixei pra trás. - respondeu ele, finalmente a fitando. - Não importa mais. – disse, soltando um muxoxo.

- É uma humana. - comentou Ino, pousando os olhos novamente na foto que exibia uma linda mulher de cabelos preto azulados,olhos num tom lilás claro e pele branca como a neve. - Você realmente acreditava que daria certo?

- Você não sabe nada sobre isso! - exclamou o moreno, se levantando da cama e tirando, com brutalidade, a foto das mãos da Yamanaka.

- Posso não saber sobre tudo, Shino. - respondeu ela, se aproximando dele, séria. - Mas eu sei de uma coisa: Humanos e Lobos não se misturam! Nunca!

- Já chega! - bradou Shino, furioso. - Não suporto mais ouvir a sua voz hoje! - completou, enquanto arrastava a loira para fora de seu quarto.

Ino sentia a dor do aperto em seu braço mas não ousava dizer mais nada. Deixou o moreno arrasta-la pra fora e depois fechar a porta com força. Suspirou, sentindo o cansaço se apoderar de seu corpo, e depois seguiu para o seu quarto.

XxXxX

- Ino! - exclamou Sakura, empolgada. - Acorda! A loira se sentou em sua cama, coçou os olhos e fitou o rústico relógio pousado em seu criado mudo.

- são 7 horas da manhã. - resmungou Ino, se deitando novamente.

- É importante. - falou a rosada, ainda com os olhos brilhando.

- Seja lá o que for pode esperar até as 9 horas. - disse a Yamanaka, se ajeitando na cama.

- Estou grávida. - comentou a Uzumaki, de supetão, fazendo a loira pular na cama.

- Você o quê?! - exclamou Ino, surpresa.

- Estou grávida. - respondeu Sakura, com doçura. - de quase dois meses!

- Oh, Sakura... - comentou Ino, abraçando a rosada. - Estou tão feliz por você.

- Você nem imagina como Naruto ficou quando soube.

- Não me diga que ele desmaiou. - comentou Ino, fazendo com que ambas rissem.

Um dia com começo feliz era tudo o que Ino precisava.

XxXxX

Eram nove horas da manhã quando alguns policiais humanos bateram na porta da casa de nº 58.

Shino, Ino, Naruto e Sakura gelaram. Essa repentina visita, com certeza, não era algo bom. 

- O que desejam? - perguntou Sakura, receosa, ao abrir a porta.

- Viemos buscar um Tributo. - disse o humano, sério.

Os tributos eram sempre escolhidos por sorteio.

Ino gelou com a revelação. “Por favor que não fosse Sakura, por favor que não fos-...”

- Sakura Uzumaki. - falou o policial.

- Não! - exclamou Naruto, quando viu sua esposa se aproximar dos policiais para que eles a escoltassem. - Sakura, não!

- Está tudo bem, amor. - comentou a rosada, com um fraco sorriso.

- Eu me voluntario! - exclamou a Yamanaka. - Eu me voluntario para tomar o lugar de Sakura.

- Ino, não. - sibilou Sakura, chorosa.

- Prosseguiremos então, Yamanaka. - comentou o humano, enquanto fazia sinal para que os outros policiais escoltassem a loba.

- Naruto, cuide de Sakura. - pediu Ino, lançando ao casal um olhar afetuoso.

- Ino. - chamou Shino, o que fez a loira encará-lo. - Espero que consiga o que merece.

Aquelas palavras duras a acertaram em cheio no peito. Realmente sua vida era miserável.

XxXxX

Tudo que Ino via a sua frente não passava de um borrão. Foi escoltada até uma das viaturas da vila para que fosse levada até a arena.

Pensar naquele lugar asqueroso a arrepiou. Podia sentir novamente o cheiro de sangue e carne putrefada. Um nó havia se formado em seu estômago. Aproveitou o ambiente escuro da viatura para reflectir. Se sobrevivesse, poderia acompanhar a gestação de Sakura e garantiria que ninguém da casa 58 fosse convocado como tributo novamente esse ano. Por um breve instante pensou em Shino. Em como ele a encarou com repugnância. 

- Chegamos. - murmurou um humano, enquanto abria a traseira da viatura e puxava a loira para fora.

Arena de Konohagakure. Como a Yamanaka suspeitava.

- Hoje, a luta será entre você e uma moradora da Vila do Sunagakure - aonde um dia tinha sido Okinawa.

 

Ino se manteve em silêncio. Odiava ter que lutar contra alguém de sua espécie.

- O combate se iniciará as 14 horas. Alguma pergunta?

- Não. - murmurou Ino, desgostosa. Seu semblante permanecia impassível.

- Bem vinda a sua sala de espera. - disse o humano, cheio de sarcasmo, enquanto abria uma das celas asquerosas da arena e jogava a loira dentro. - Espero que se mantenha confortável até a hora da luta. - completou, rindo debochadamente.

Ino tremia de raiva ao escutar o humano nojento trancá-la atrás de grades. Essas celas só pioravam seu estado. Uma lembrança dolorosa invadiu-lhe a mente. 

- flashback -

- Oi docinho. - chamou um humano jovem, que fora encarregado de tomar conta do Tributo naquele dia de Inverno. 

Ino o encarava cheia de ódio. Ele a observava com interesse, prendendo o olhar em cada curva de seu corpo. Aquele olhar a invadia. O estômago da loira revirou-se, enojado. 

- Sabe, se você não fosse uma cadela imunda, eu até fodia você. - comentou, o que fez a loira rosnar alto e tentar atacá-lo, mas sendo impedida pelas grades da cela.

Um sorriso maquiavélico se formou nas faces do homem.

- Calma, meu bem. - disse, presunçoso. - Tenho certeza que os de sua espécie se aproveitam dignamente de você. - completou, rindo.

O corpo de Ino tremia diante da acusação do homem. Jamais permitiria que alguém se aproveitasse dela. Mesmo que isso lhe custasse sua vida.

- Não! - exclamou a loira, cerrando os dentes. - Nunca!

- fim do flashback -

Fechou os olhos com força, tentando fazer com que a lembrança fosse embora. Respirou fundo, sentindo o cheiro tão característico das arenas. O cheiro da morte.

XxXxX

Quando Shino parou para o almoço, percebeu que já era quase a hora da luta. 

Os humanos exibiam as lutas em uma enorme tela no meio da vila. Cada vila tinha uma tela daquelas. Só que, a maioria das pessoas das vilas, ou estavam cansadas de ver tanto sangue ou estavam ocupadas demais tentando não morrer de fome. 

- Você vai vê-la lutar? - perguntou Naruto,aparecendo de repente na oficina.

- Não. - comentou, abrindo o pote da sopa que Sakura havia preparado aquela manhã. - Não estou interessado em ver uma loba se vangloriando por algo tão doentio. 

- Sabe... Sakura-chan está grávida. - comentou o loiro, ainda encarando o moreno. - Minha prima tomou o lugar dela para protege-la. - completou, o que fez Shino, largar a sopa na mesa da oficina. 

- Então ela não fez aquilo para mostrar o quão forte é… - concluiu o Aburame, em um sussurro.

- Acho melhor, você rever seus conceitos. - disse o Uzumaki virando as costas e saindo da oficina.

Shino nunca se sentira tão arrependido. Como ele pôde ser tão insensível e tão cego? As palavras que havia dito a ela. Estava tão furioso da discussão que tivera com ela na noite anterior que nem se deu ao trabalho de observar nada. Céus! Ele era um completo idiota. 

Com o coração batendo forte no peito, ele partiu em direção ao meio da vila, deixando a sopa fria para trás. 

Continua...

 


Notas Finais


espero que tenham gostado do capítulo e que tenham ficado super curiosas para saber o que vai acontecer no proximo !Tenho que admitir nesse capítulo fiquei com raiva do Shino! Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...