História Fotografias - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bangtan Boys, Bts, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, K-pop, Rap Monster, Suga
Exibições 13
Palavras 3.625
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá gente!
Saudades de escrever! Como eu sempre digo, tudo é mais difícil quando se é uma vestibulanda, hahaha
Leiam as notas finais!!! Obrigada por acompanharem! E não se esqueçam de comentar <3

Capítulo 4 - Adeus, Yang Mi.


P.O.V Lola

"Papai, o que tá acontecendo?"

"Eu...bem... olha o que o papai trouxe: Burger King!"

​"Tá mudando de assunto! Porque você tá chorando? Porque Carter tá chorando?

​"Filha... é a mamãe... ela está machucada....Está sendo tratada"

​"Mas ela vai ficar bem! Não vai?"

"..."

​"Papai...?"

"É claro que vai. Ela sempre fica."

​"Papai, sem ela eu não consigo!!!"

"NÃO!"

NÃO!!!!

— Calma, Unnie! Foi só um sonho ruim! — Sunhee diz ao meu lado, tremendo de nervoso.

— Meu Deus... que pesadelo! — Digo, colocando a mão na boca.

— Quer conversar sobre? — Ela indaga, levantando uma sobrancelha.

— Eu... não, não quero falar sobre isso.

— Tudo bem... Lola Unnie, você me perdoa? Eu quase sem consegui dormir pensando nas coisas que eu te disse sobre... — Ela abaixou a cabeça, corando. —... sobre o seu trabalho. Você é uma profissional e tanto! Adoro as suas fotos, melhor paparazzi que você não tem! — Ela diz, esbaforida, e eu tenho que rir.

— Obrigada, Sun. Você me faz muito feliz! — Eu digo, abraçando-a. Nossas cabeças se encostam um pouco forte demais, e ´sinto uma pontada na cabeça. — Ai!

— Nossa, o que houve?

— Porra, tem um galo imenso na minha cabeça! Acho que foi na hora em que eu esbarrei no Jungkook.

Sun pareceu congelar ao ouvir aquele nome. Depois de uns cinco minutos em transe, ela pareceu voltar ao normal.

— Por favor, não se irrite comigo! Você sabe como eu sou Bangtan stan... Eu amo muito os meninos, jamais gostaria de vê-los em situação desconfortável ou constrangedora. Yoongi Oppa é muito precioso... — Eu levanto uma sobrancelha e ela cora — Bom, eu não o conheço pessoalmente, mas ele aparenta ser bem transparente, como todos os outros!  Eles são ótimos, Unnie!

— Eu entendo, Sun. Você tem razão. Seria errado expor ele da maneira que eu ia expor. Mas é o que eu faço... parece horrível, mas tenha certeza que eu preferia estar na China... com o meu estúdio... sem ter que lidar com famosos e correrias. Mas o papai estava muito sobrecarregado, ele tem o próprio estúdio dele... — Eu digo, sentindo meus olhos umedecerem.

— Olha... se não fosse por você, eu nunca teria conseguido a minha selca com o Sehun... — Sunhee diz, abrindo um sorrido tímido.

— E nem a selca com a Sunny, Irene e Choa! — Eu digo, rindo.

— Meu Deus, a Choa! Ela é linda, não? — Ela diz, nas nuvens.

— Eu não acredito que a Choa inventou o cabelo platinado! — Eu digo e Sun solta uma risada alta, incomum pra ela.

— Está vendo, Unnie! O seu trabalho só nos proporcionou coisas boas. É você quem paga quase todas as nossas contas, além de viver perto de famosos!

— Eu também consigo descolar umas festinhas em que eles quase sempre estão! Kat se aproveita, pena que ela não liga muito pros idols... Você poderia ir com ela na próxima, Sun! Deixa de bobeira! — Eu digo, dando uma batidinha em suas costas, fazendo-a desvencilhar.

— Eu sou muito... desengonçada pra isso. — Ela diz, meio cabisbaixa.

Sun frequentemente enfrentava problemas de autoestima, de forma silenciosa. Depois de muito pressionarmos, ela contou como era zoada na escola, como uma menina, da qual eu esqueci o nome, proibia outros alunos de sentarem junto com ela. E tudo por que Sun simplesmente mostrava-se desapegada com relação a bens materiais e aparência.

Extremamente simples, até hoje ela pouco se importa em ostentar celulares e uma aparência perfeita, algo que me assusta um pouco nos coreanos. Por ter sido criada com a avó e mais ninguém, ela não havia tido muito contato com maquiagens e roupas da moda. Preferia passar a noite jogando buraco com as amigas da avó a ir para uma baladinha e encher a cara, como muitos jovens daquele país amavam fazer. Esse estilo de vida sossegado causava repulsa nos outros adolescentes, que faziam questão de excluí-la e magoá-la constantemente.

 — É nada! Você é tão poderosa quanto essas idols aí! — Eu digo, e seu rosto ilumina. — Ei, por que não vamos ao BK do quarteirão ao lado para esquecermos o fracasso das fotos?

— Burger King de novo, Unnie? Por que você é tão viciada nessa porcaria? — Ela diz, indignada.

— Culpa do meu pai! Anda, eu vou te arrumar. — Eu digo, e ela pisca lentamente, como se não tivesse entendido.

— O quê?

— Aposta quanto que consigo te transformar numa k-idol? Meu amor, as trainees da S.M. vão parecer o Shrek perto de você!

— Unnie, eu acho melhor não...

— Você precisa acreditar mais em si mesma! Se você deixar eu fazer você ficar toda barbiezinha, eu conto... — chego perto dela, como se eu soubesse a verdade sobre o universo — ... sobre a conversa do Suga com a garota misteriosa.

Os olhos dela se arregalaram tanto que pareciam que iam sair do rosto.

— Ok, só não passe muita maquiagem... — Ela diz, e eu começo a rir.

P.O.V Yoongi

Acordo lentamente, com um feixe de luz passando por uma frestinha da janela aberta e pousando direto no meu rosto. A Caixa ainda está do meu lado, entreaberta, e eu fecho rapidamente, com medo de que talvez algum dos meninos pudesse ficar curioso demais. Mas sei que não fariam isso, por que se eu descobrisse... Alguém morreria.

Sento na cama meio tonto de sono, ainda sem acreditar que estávamos de folga. Eu estava tão cansado que tive até dificuldades pra fechar a Caixa. Namjoon provavelmente diria que era exagero, pois, segundo ele, eu estava SEMPRE cansado. Mas não era verdade! Nós tínhamos trabalhado tão duro na China que eu pouco sentia minhas pernas. Durante o fanmeeting uma fã, inclusive, havia me oferecido uma massagem completa e que se não fosse pelos códigos de conduta da BigHit, eu teria aceitado e ela estaria me massageando até agora.

— Ei, Yoongi! Já está acordado, em? — Jin Hyung diz, entrando no meu quarto.

— Bater na porta não existe mais, né?

— Me respeita que eu sou seu Hyung! — Ele diz, atirando uma almofada em mim. — Aliás, por que causa, razão ou circunstância você dormiu SOZINHO nesse quarto que deve ser maior do que a casa dos meus pais?

— Ué, eu entrei aqui e me instalei. Ninguém veio me procurar... — Eu digo, me fazendo de desentendido.

— Aham, sei! E eu dormi empilhado com o Taehyung e Jimin assistindo Naruto Shippuden pelo tablet! — Ele diz, cruzando os braços.

— Engraçado que essa casa tem uns setecentos metros quadrados e você dormiu "empilhado" com eles. — Eu digo, levanto uma sobrancelha.

— Os outros quartos estão lotados com a galera da staff, roupas nossas e outras coisas que eu nem sei!

— Dormi sozinho, trouxa! — Eu digo, e ele finge me estrangular.

— Vou te matar! Vim aqui te buscar! Anda, coloca uma roupa aí e vamos descer!

— O quê? Tá maluco? Hoje eu vou dormir até de noite! Me chama na hora do jantar! — Eu digo, me cobrindo com o edredom e virando para o outro lado.

— Mas será possível que você só sabe dormir! Temos que nos despedir de Yangmi, ela está indo embora! — Ele diz.

— Yangmi vai embora? Pra onde? O que aconteceu? — Eu digo, sentando-me na cama de novo.

— Se você descer e se despedir dela adequadamente, talvez você descubra! — Ele diz e eu bufo. Odeio quando Jin Hyung parece minha mãe. — Ela está arrasada.

— Ahn... claro, já vou. — Eu digo, e ele sai do quarto, batendo a porta delicadamente.

Visto um conjunto da Puma qualquer que eu acho na minha bolsa, já que tenho vários desses, e dou uma bagunçada no meu cabelo, que ainda está perfeitamente ajeitado por causa do último show que fizemos em Xangai. Haviam passado tanto produto nele que estava perfeitamente igual. Não encontro nenhum sapato que caiba em mim, já que os meus não estavam ali. Provavelmente foram jogados em um dos quartos que Jin Hyung disse estar ocupado. Pra não ficar descalço, já que a nossa saúde é muito valorizada e o chão estava muito gelado, sou obrigado a usar um par de pantufas ridículas de ursinho que Taehyung havia me emprestado quando ainda estávamos na China.

Desço as escadas lentamente, ainda desejando não ter saído da cama. Ao chegar na grande sala principal, no primeiro andar, vejo uma cena bizarra. Yangmi está chorando tanto que sua pele está vermelha, e seu rosto parecendo uma bola de basquete, de tão inchado. Jeongguk está ao lado dela, sua cabeça apoiada no ombro da Noona. Ele parece igualmente triste. Taehyung está fazendo massagem nos pés dela (????) e está a ponto de chorar. As pessoas que trabalham conosco todos os dias estão em volta dela, com cara de enterro. Jin tenta consolá-la, com um prato de comida na mão.

— Noona, não fique assim! Olha o que eu preparei pra você! — Ele diz, com o prato na mão.

— É... Tóquio não fica tão longe assim! Duas horas de avião bastam! — Taehyung diz, sorrindo grande.

— Ahn... o que aconteceu, noona? — Eu digo, e todos olham para o pé da escada, onde estou.

— Jesus, Yoongi! Como vou sentir falta desse menino! Venha cá me dá um abraço! — Yangmi diz, e eu vou ao encontro dela.

Kang Yang Mi é a nossa diretora de fotografia. No auge dos seus quarenta e cinco anos, é ela quem, junto com Hitman, o manager e algumas outras pessoas, escolhe as nossas poses, os melhores ângulos de cada um na fotografia, as roupas que ficam adequadas. Ela basicamente coordena os nossos photoshoots. E ela á muito boa, diga-se de passagem. Eu não sabia basicamente nada sobre como tirar fotos. Eu nem gostava muito, na realidade. Depois que aquele outro farofeiro nos abandonou, ela entrou e simplesmente arrebentou.

— Noona, você está quebrando minhas costelas! — Eu digo, e ela me solta.

— Me desculpa, querido! É que eu simplesmente não acredito que não vou mais trabalhar na BigHit!

— Mas por que? — Eu digo, balançando a cabeça.

— Vou me casar mês que vem! Meu marido é japonês. Vou com ele para Tóquio. — Ela diz, se debulhando em lágrimas.

— Eu nunca gostei muito de japoneses! — Diz Xiaoli, uma das nossas maquiadoras.

— Xiao!!! — Taehyung diz, arregalando os olhos.

— É isso mesmo! Ele está tirando de nós a Noona! — Xiaoli diz, abraçando Yangmi.

Eu não acreditava que a Noona finalmente ia se casar. Eu nunca fui um desses caras que achava que antes dos trinta, a mulher deveria estar casada. Para mim, casa quem quer e quando quiser. Infelizmente, nem todos pensam assim. Yangmi sofria constantemente com sua família, pois não era casada aos quatenta e cinco anos. Apesar de ser uma mulher bonita e forte, ela não namorava mais do que cinco meses, e isso a deixava muito frustrada.

— Mas... isso é legal, não? Encontrou o cara certo. — Eu digo, sorrindo.

— Sim, Hisashi é perfeito, mas... Como vou ficar sem meus sete escoteiros a prova de balas? — Ela diz, caindo no choro.

— Somos adultos, Noona. — Eu digo, sentando-me ao seu lado. — Você já fez muito por nós! É uma fotógrafa sensacional. Os japoneses tem sorte! — Eu digo.

— Que gentil, Yoongi... — Ela diz, sorrindo e limpando o nariz em lenços de papel dados por Taehyung.

— Eu sei que provavelmente não vamos encontrar alguém com a sua habilidade comas câmeras... mas saiba que aprendemos muito com você! Vamos ensinar seus macetes direitinho para o novo diretor! — Eu digo, e todos concordam.

— Abraço, Abraço, Abraço! — Xiaoli diz, dando gritinhos.

— Vamos tirar uma selca em homenagem a Noona! — Zhou, outro maquiador nosso, diz.

— Espera, onde estão Jimin, Namjoon e Hobi? — Jeongguk pergunta.

— Foram comprar ingredientes para eu fazer um belo almoço! — Jin comenta.

— Almoço? Queridos, eu tenho que ir para casa preparar minhas malas! — Yangmi comenta, confusa.

— Não tem problema, noona! — Eu digo, me virando para Xiaoli e Zhou. — Eles podem ir até a sua casa e arrumar suas coisas. Se você e seu marido permitirem, é claro!

— O quê???? — Os dois ficam indignados, mas eu cerro os olhos, encarando-os, e eles mudam de ideia rapidamente. — Acho que podemos sim... se a senhora permitir, claro! — Zhou diz.

Xiaoli e Zhou, os gêmeos chineses, me pentelhavam sempre que podiam. Eles eram um dos nossos melhores maquiadores, mas, quando se juntavam com Taehyung e Jimin, aprontavam com a staff o dia todo, escondendo coisas e fazendo cócegas quando alguém cochilava em meio a nossa rotina cansativa. Eles estavam em dívida comigo, desde que Xiaoli escondeu algumas coisas minhas, das quais eu tinha deixado bem claro que queria todos eles distantes. A minha reação àquilo foi bem pior do que eles esperavam, visto que eu acabei fazendo um escândalo por causa do nosso acordo descumprido. No final, acabei ficando com pena dos dois, pois eles são novos como Jeongguk e acabei sendo duro demais com eles. Mas ainda me deviam uma.

Após os gêmeos saírem com destino à casa de Yangmi Noona, o clima tornou-se descontraído na casa onde estávamos, alugada pela BigHit para descansarmos antes de irmos para a sede da empresa em si. Para esperar os meninos retornarem com os ingredientes de Jin, relembramos os  momentos mais marcantes do BTS, das turnês, shows mais impactantes, momentos alegres e difíceis... Yangmi emocionava-se ao lembrar das fotos que tirou, nossas.

— Noona, lembra quando tiramos nossas primeiras fotos para a promoção do 2 Cool 4 Skool? Yoongi Hyung não sabia lidar com câmeras! — Taehyung diz, e todos riem. Inclusive eu. Ele tem razão.

— Ele parecia um bicho das cavernas, nem conseguia olhar para a câmera direito! — Jin Hyung diz.

— Tá bom, tá bom, já entendi, eu era um fodido desajeitado! — Eu digo, e todos riem ainda mais.

— Nós te amamos, Hyung! — Jeongguk diz, me abraçando.

Sinto meu celular vibrar no bolso na calça. Imaginando ser Namjoon pedindo ajuda para carregar as compras, quase caio pra trás ao ver o verdadeiro responsável pela mensagem.

Número desconhecido: Oppa, não acredito que consegui seu celular! ​Por favor, quero conversar com você. Não me ignore, ok? Se você soubesse como sinto sua falta... Responda quando puder! Hea.

​Puta que pariu, ela descobriu meu número novo! Mas como? Eu NUNCA daria meu celular para alguém que ela conhecesse. Nem meus pais sabem desse número! Quando queriam falar comigo (quase nunca, ainda bem) ligavam para a sede da BigHit. Isso é surreal. Ela pratica alguma magia negra, não é possível!

— Yoongi... está bem, querido? — Yangmi provavelmente percebeu a minha palidez (será que é possível eu ficar mais branco?). Todos olham pra mim, preocupados.

— Eu só... Estou com dor de cabeça... vou tomar um remédio.

— Yoongi, cuidado com esses remédios... Cuidado com a dose... — Jin diz, com a testa franzida e preocupado.

— Relaxa, é apenas um tontura passageira. Valeu, Hyung!

Sem perder mais tempo e evitando o olhar de todos que estavam na sala, subo as escadas correndo. Ao chegar no quarto, só o que consigo fazer é arremessar o meu celular longe e cair na cama, ofegante. O pesadelo parecia se aproximar lentamente.

P.O.V Lola

— Unnie, eu te mato! Até agora não consegui comer em paz! — Sun diz, olhando freneticamente para todos os lados.

— Ah, só por que tem uns boys te encarando o tempo todo? Relaxa! Eu não disse que você é poderosa?

Desde que chegamos ao BK mais próximo de nossa casa, Sun era admirada por vários garotos que passavam por ela. Ela estava pouquíssimo acostumada com o assédio, já que pouco saía de casa, e, quando saía, era apenas para a faculdade ou para trabalhar aos finais de semana em uma loja de discos aqui mesmo em Hongdae. Ela parece desconfortável e, ao mesmo tempo, feliz.

É a primeira vez que sai na rua sem as longas saias jeans e camisas de manga comprida pesadas. Seus cabelos estão soltos, ao invés de presos em um coque frouxo. Emprestei para ela um dos meus vestidos favoritos, de alcinhas, rodado e florido, que davam a ela um tom leve e extremamente jovial. Ela parecia brilhar mais do que o próprio Sol que fazia em Seul, e, por isso, chama muito atenção. Eu que normalmente sou muito olhada na rua em função do meu fenótipo tão diferente, perdi feio para Sun. E estava muito feliz por isso.

— Ai Jesus, tem um menino vindo pra cá! — Eu digo, e Sunhee quase cai da cadeira. Era o menino que estava em uma mesa com os amigos e que não parava de olhar para trás, sorrindo lindamente para a boba desesperada. Tanto que ela pediu para mudar de lado comigo, para que EU ficasse de frente pros meninos.

— NÃO! Unnie, dá um jeito, você me colocou nessa furada, ai meu... — Ela parou de falar por que percebeu que ele já estava do lado dela.

— Olá! — Ele diz, sorrindo. Que menino lindo!

— Oie! Como vai você? — Eu digo. Ele parece desapontado pelo fato de Sunhee nada ter dito. Então eu dou um pisão forte em seu pé, o que faz ela lacrimejar e falar, debilmente: — O-o-i!

— Olha, eu não sei se estou sendo muito abusado, mas... Não pude deixar de perceber o quanto você é bonita...

— Eu...eu...eu... o-obrigada! — Sun diz, suando frio.

— Meus amigos disseram que eu era um banana e nunca viria aqui falar com você, então... criei coragem e vim! O que acha de... sei lá, sairmos um dia... Hongdae é cheio de bares irados! — Ele diz, animado.

— ...

— Ela adoraria! — Eu digo, e ele sorri.

— Legal! Pode anotar seu número aqui? — Ele diz, dando seu celular para Sun. as mãos trêmulas, ela consegue realizar a tão difícil tarefa. Ele se despede, feliz, e volta a sentar na mesa onde estava, lançando um último olhar na nossa direção. Os amigos começam a aplaudi-lo, e ele cora violentamente.

— Afe, que ridículo! — Eu rio, balançando a cabeça. — Viu, Sun? Garotos mordem, por acaso? — Eu digo, e ela me bate de leve, mas parecendo estar muito feliz. Minha menina!

Ao chegarmos em casa, Sun só faltou dar um mortal para trás! Como de costume, ela colocou BTS pra tocar! Eu ria da empolgação dela, dançando aquela coreografia dificílima que só faltava sair voando.

Geobuneun geobuhae
Nan wonrae neomuhae
Modu da ttara hae
Jjeoreo, jjeoreo, jjeoreo

Rejeito a rejeição
Eu naturalmente sou demais
Todos tentam me seguir
Incrível!

​Ao chegar em casa e ver Sun vestida daquele jeito, Kat perguntou se ela era uma nova integrante da SNSD. A comparação fez Sunhee ficar ainda mais radiante. Porém elas começaram a brigar quando Kat disse que ela parecia a Taeyeon depois da bomba atômica. A paz foi boa enquanto durou.

⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣⍣

A semana foi completamente normal até a sexta-feira. A senhora Han me mandou a fatídica mensagem dizendo que meu tempo havia expirado e que ela não aceitaria mais foto nenhuma. Eu não me abalei muito, pois já havia aceitado meu desastre na carreira de paparazzi. Passei a semana toda localizando alguns atores nas proximidades de Apgujeong com Bon e nada demais. Conversei duas vezes com meu pai por skype, que parecia feliz por estar de "namorada nova". Tentei não sentir ciúmes, afinal, eu era a única garotinha da vida dele.

As coisas começaram a mudar quando, na noite de sexta-feira, Sunhee voltou da faculdade tremendo dos pés a cabeça.

— Meninas, meninas, meninas! — Ela diz, entrando na sala, extasiada.

— Se essa agitação for por causa de Comeback ​de um dos seus idols asiáticos, fique sabendo que caguei. — Kat diz, sem tirar os olhos da TV.

— Não, não! Encontrei Bon perto da minha faculdade! Ele estava me esperando para te entrega isso, Unnie! — Sun diz, com as mãos trêmulas segurando uma folha impressa de uma página na internet.

— É o site da BigHit. Por que Bon me daria algo assim? — Eu pergunto, confusa.

— Leia, Unnie. Só leia! — Ela diz, sentando-se no sofá e fechando os olhos, como se estivesse rezando.

Fiz uma rápida leitura da folha, e só então entendi o que estava acontecendo. Ergui os olhos para Sunhee.

— Ah, não! — Eu digo, balançando a cabeça negativamente.

— Por que não, Unnie? Você estaria trabalhando com o que realmente gosta, e não fotos de famosos com cara de poucos amigos!

— Do que vocês estão falando? — Kat pergunta, ainda sem tirar os olhos da TV.

— Parece que a diretora de fotografia da BigHit foi para o Japão e o cargo vagou! — Sun diz, dando pulinhos de alegria.

Kat vira a cabeça de forma tão rápida que me lembra a menina d'O Exorcista.

— Lola, isso parece fenomenal! Porra, imagina o quanto isso aí não deve pagar! Esqueceu da Tailândia? — Ela pergunta, olhinhos brilhando.

— Mas, mas... Eles não devem aceitar uma pirralha como eu! Essa moça devia ser experiente! Eu só tive um estúdiozinho em Hong Kong! — Eu digo, nervosa.

— Não precisa ser experiente, Unnie! Apenas talentosa! — Sun diz.

— E isso você tem de sobra! — Kat diz.

— Mas... mas... Se vou trabalhar com os artistas da BigHit... Gente, o BTS é muito famoso! Não sei se aguento essa responsabilidade! Mexer com photoshoots e essas coisas! Parece grandioso. — Eu digo, olhando para a folha impressa.

— Lola, Lolinha... Você, de nós três, é a que tem menos medo das coisas. Vai arregar assim? Que belo exemplo! — Kat diz, fofa como sempre, é claro.

— Unnie... apenas tente... mostre seus antigos trabalhos para eles... Não pense apenas em dinheiro, na nossa viagem — Sunhee diz, olhando feio para Kat. — Pense que vai usar a câmera para fazer aquilo que realmente gosta.

— Seu pai iria adorar! — Kat diz.

— E então? Aceita tentar? — Sun pergunta, roendo as unhas.

Meu pai... aposto que ele adoraria, mesmo. Mas aquilo era um pouco demais para mim. Eu não achava que conseguiria lidar com photoshoots inteiros de um grupo que eu sabia ter uma fanbase abarrotada. Era uma responsabilidade enorme para uma garota de 21 anos. No entanto, pensei no meu sonho de fotografar pessoas sorrindo, alegres e com poses apropriadas, e não pessoas chegando em aeroportos cansadas e mal-humoradas. Pensei na vida humilhante de um paparazzi, como todas as minhas fotos haviam sido apagadas por Suga. Pesei tudo na balança e tomei uma decisão:

— Quando é a entrevista?


Notas Finais


Olááá!
Gente, queria deixar claro uma coisas antes que alguém fale (sla, vai saber né, kkkkkk)
Estou deixando a impressão de que a família do Yoongi não é muito maneira? Sim. Mas pro favor, não entendam isso como a realidade. Isto é uma fanfic, e MUITA coisa aqui é fruto da minha imaginação. Tudo bem que a fic é focada na vida de artistas dele, ou seja, tem muita veracidade. Mas ainda é uma história, ou seja, tem muita mentirinha rsrsrsrrs. É lógico que ele não se sente assim em relação aos pais (ou se sente, vai saber né kkkk)
Obrigada por perderem seu precioso tempo lendo esta historinha aqui! Não se esqueçam de comentar!
Beijo nas crianças!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...