História Fragmentos... - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Yu-Gi-Oh!
Tags Bakura, Drama, Marik, Oneshot, Romance, Yu-gi-oh!
Exibições 22
Palavras 1.892
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Sinopse:
Todos temos segredos...
Eu: Gente, é com muita tristeza que informo que esta é a última oneshot de Fragmentos... Espero que gostem. ^^

Capítulo 37 - Segredos


Merda! Vou destruir essa maldita campainha! Será que ninguém tem o senso comum de não aparecer no meu apartamento a essa hora da noite e com uma chuva dessa!?

Suspirei fundo cobrindo a cabeça com o travesseiro, mas o som irritante continuava e continuava... Joguei o travesseiro no chão irritado grunhindo alto, não importa quem seja, vou mandar procurar o que fazer e voltar a dormir tranquilamente.

Me levantei colocando uma camiseta qualquer que encontrei pelo caminho e passei as mãos pelos meus cabelos, que estavam mais embaraçados que o normal, mas não é como se eu me importasse com isso. O cabelo é meu, foda-se o que as pessoas pensam sobre isso. Abri a maldita porta prestes a xingar quem quer que fosse, mas quando vi quem era, as palavras morreram e congelei.

Ali, bem na minha porta estava Marik. Eu podia sentir meu coração falhar por um instante antes de voltar a bater freneticamente. Há quanto tempo eu não o vejo? Duas... Três semanas? Mas para mim era quase uma tortura, era como se tivesse se passado séculos sem vê-lo.

O olhei de cima a baixo, ele não parecia estar nada bem. Além de estar todo molhado, estava tremendo e a maquiagem borrada manchando o rosto perfeitamente bronzeado. Não tive duvidas de que ele estava chorando quando olhei bem nos olhos lavandas, estavam vermelhos e inchados. Mas mesmo assim, Marik não estava menos bonito.

- O... O que aconteceu com você...? - perguntei num murmuro, minha voz estava falhando e não sabia muito bem o que fazer em uma situação como essa. Eu nem esperava vê-lo na porta do meu apartamento novamente.

Ele se mexeu nervosamente mordendo o lábio inferior com força olhando para os lados, como se esperasse ver alguém. E eu sei muito bem quem o deixava desse jeito e isso fazia meu peito doer. Seus olhos encontraram os meus, estavam marejados, me suplicando algo em silêncio.

- Bakura... - por algum motivo desconhecido, eu prendi minha respiração quando o ouvi dizer meu nome - Posso... Posso passar a noite aqui? - perguntou movendo os pés desconfortavelmente.

Antes que ele pudesse dizer mais alguma coisa, o segurei pelo braço e o puxei gentilmente para dentro do apartamento fechando a porta com a mão livre e num movimento rápido o abracei. O abracei como se minha vida dependesse disso, como se tivesse medo que ele escapasse por entre os meus dedos novamente.

Apoiei meu queixo em seu ombro respirando profundamente, inalando o cheiro dele misturado com a da chuva que caía. No primeiro momento o corpo dele estava rígido, mas logo senti seus braços em volta do meu corpo e suas mãos agarrarem as costas da minha camiseta.

O ouvi soluçar - Bakura... Eu... - tentou dizer algo, mas o calei com um dedo sobre seus lábios e sorri enxugando suas lágrimas com os dedos delicadamente, isso só serviu pra borrar mais ainda seu rosto com o delineador.

- Não precisa me explicar agora... Primeiro precisa de um banho e roupas secas. - falei num tom suave que me dirijo a ele. Nem mesmo Ryou já ouviu esse tom carinhoso em minha voz e se fosse com qualquer outra pessoa eu me amaldiçoaria por isso. Mas Marik é diferente. Ele é único pra mim - Não preciso dizer onde fica o banheiro, certo?

Ele sorriu fracamente enxugando as lágrimas e assentiu com a cabeça. Beijei sua testa antes de solta-lo e assistir ele caminhar desconfiadamente ate o banheiro, verificando bem se não havia mais ninguém no apartamento. Bem, seria um pouco estranho se ele e Ryou se encontrassem de repente.

Suspirei fundo ao ouvir o som da porta do banheiro sendo fechada. Passei as mãos pelos cabelos com um sorriso meio contente, meio triste. Era bom tê-lo aqui novamente, mas se ele veio ate aqui é porque algo aconteceu. Melvin deve ter feito algo com ele.

Só em pensar no que aquele desgraçado fez com o Marik senti meu sangue ferver e cerrei os punhos com raiva. Eu não suportava a ideia dele tocar no MEU Marik. Isso me irritava ao extremo. Queria poder soca-lo, tortura-lo e enviar os restos para o Reino das Sombras.

Fechei os olhos com força, eu não posso ficar assim. Marik esta aqui e isso é o que importa. Foda-se aquele desgraçado! Ele pode ate pensar que Marik pertence a ele, mas Marik é só meu!

Fui ate o quarto tentar achar algo para o loiro vestir. Pensei em emprestar alguma roupa de Ryou, mas depois ele iria querer saber o que havia acontecido e eu realmente não quero ter uma dor de cabeça por causa dele ficar falando no meu ouvido. Procurei no fundo do guarda-roupa e acabei encontrando uma camiseta preta que eu nem me lembrava que existia e por incrível que pareça, encontrei um short que pertencia ao próprio Marik, da época em que pensávamos que o faraó havia banido Melvin para o Reino das Sombras. Nem pra isso o faraó estúpido presta!

Balancei a cabeça, não era hora pra pensar nessas coisas. Bati duas vezes na porta ouvindo a resposta abafada de dentro - Entra, tá aberta! - sorri de canto abrindo a porta com cuidado e fechei a porta logo atrás de mim. Marik havia afastado um pouco a cortina deixando apenas a cabeça para fora e sorriu largamente - Ah, então esse short esta aqui! Passei um dia inteiro procurando por ele, achei que havia jogado fora. - disse animado. Nem parecia mais o mesmo Marik que estava há momentos atrás todo encolhido e com medo.

Dei de ombros casualmente colocando as roupas em um canto e me encostei a pia o olhando atentamente. Ele parecia estar um pouco nervoso, provavelmente com medo que eu perguntasse o que havia acontecido pra vir ate aqui e se arriscar tanto.

- O que foi? Não é como se fosse a primeira vez que te vejo tomar banho. - digo num tom divertido o fazendo rir e balançar a cabeça.

- Eu não me importo em você me ver nu, você sabe disso. - ele fez uma pausa voltando a fechar a cortina para terminar de tomar banho. Eu ainda podia ver sua silhueta pela cortina quase transparente - É só que... Acho um pouco engraçado estar nesse apartamento novamente depois de tudo. Nós sempre nos encontramos em algum motel quase caindo aos pedaços.

Bufei - Isso, joga na cara que eu sou um ladrão meia boca. - resmunguei cruzando os braços. Ele riu colocando a cabeça para fora novamente.

- Não faz essa cara. É claro que eu preferiria estar no quarto de um hotel cinco estrelas, com vinho a vontade e... - o cortei jogando uma toalha em seu rosto e isso o fez rir mais alto ainda - Você não é divertido! - ele disse abrindo a cortina quase inteira e a fechando novamente.

Franzi a testa, mesmo que eu tenha visto o corpo dele por apenas dois segundos consegui ver um hematoma escuro perto das suas costelas e um corte em seu braço direito. Me aproximei abrindo a cortina e isso o assustou, mas não me importei - O que é isso? - perguntei verificando o melhor. Marik se encolheu arregalando os olhos, tenho certeza que ele não ia me falar sobre isso - Foi ele não é mesmo? - ele apenas acenou fracamente abaixando o olhar. Respirei fundo pra não sair do apartamento e ir matar o bastardo do Melvin.

- Bakura... Por favor... Não... - Marik murmurou se aproximando de mim e tocando o meu rosto suavemente - Por favor... Não quero que ele te machuque mais. - franzi a testa deixando minha mão tocar o seu machucado no tórax o fazendo gemer baixinho - Isso não é importante... Não é tão ruim. - disse descansando a testa contra a minha.

- Por quê? Eu não me importo em me machucar Marik. Eu só não quero que ele te toque novamente. - digo rosando os lábios nos dele suavemente - Não quero que ele te machuque... Eu posso te proteger. - o beijei.

Ele sorriu suavemente - Eu sei. Mas as coisas são melhores assim Kura... - balancei a cabeça negativamente - Sim. Todos ficam melhor longe de mim. Se eu me manter perto dele... Ele não vai mais machucar ninguém. - fez uma pausa me beijando - Eu te amo, mas... Não posso deixar você se machucar mais Kura.

- Não. Eu posso me cuidar sozinho Marik. - digo passando os braços em volta do corpo dele o puxando para mais perto - Você não é propriedade dele. - fiz uma pausa fechando os olhos, sentia os braços dele em volta do meu pescoço - Eu te amo. Por favor, fica.

- Eu também te amo. Eu te amo muito. - sussurrou descansando a cabeça no meu ombro - É por isso que eu não quero te ver se machucando por minha causa. Continue cuidando do Ryou, ele é o seu hikari e precisa de você mais do que eu.

- Mas eu preciso de você Marik. - disse o beijando profundamente, deixando minha língua tocar a sua quase desesperado pra senti-lo. Ele correspondeu com a mesma intensidade pressionando mais o seu corpo contra o meu, me causando arrepios.

Eu precisava sentir os toques que faziam minha pele queimar ao mesmo tempo em que me arrepiava. Queria ouvi-lo dizer o meu nome, daquela forma que só ele sabe. Poder beija-lo, poder tocar a pele macia e quente. Sentir o cheiro dele empreguinar o meu corpo, os arrepios que eu casava nele.

Só precisava senti-lo. Tê-lo ao meu lado, poder o abraçar com força e saber que ele sempre estaria ali não importa o que acontecesse. Saber que eu iria acordar na manhã seguinte e o veria dormindo tranquilamente enrolado as cobertas ao meu lado. Eu só queria isso, era pedir demais?

Não me importo se isso faria Melvin querer me matar ou se Ryou ficaria magoado comigo e provavelmente me odiando. Eu só queria que ele fosse meu... E só meu. Que eu não precisasse me preocupar a cada segundo do dia em como ele esta, se Melvin o machucaria novamente. Só quero proteger ele de tudo e de todos.

Não deve ser errado desejar isso, não é mesmo? Eu finalmente me sinto mais humano depois de tantos milênios vivendo apenas com o sentimento de ódio, como um parasita que tomava o controle do corpo de alguém. Deixei tudo de lado. Marik me mudou e eu preciso dele, ou não vai fazer sentido eu ter largado tudo para trás.

Ele se vira para mim com um pequeno sorriso cansado nos lábios e eu o beijo suavemente - Eu te amo. - sussurro o puxando para mais perto. O escuto suspirar se aconchegando mais perto, descansando a cabeça contra o meu peito. Isso é tudo o que eu preciso - Fica comigo... Por favor. Preciso de você aqui. Eu vou te proteger, não vou deixar ele te machucar novamente. - sorri quando percebi que ele já estava dormindo, respirando suavemente e fechei os olhos, logo caindo no sono também.

Eu sei que a manhã tudo vai voltar a ser como antes, mas vou aproveitar o agora, que ele esta comigo aqui, dormindo nos meus braços. Não é tão ruim mantermos este segredo, não é mesmo?


Notas Finais


Eu: BUÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ!!!!!!!! T-T
Bakura e Marik: VIVA! FINALMENTE ACABOU! o/
Eu: Vou sentir saudades dessas fics... T-T
Bakura: Eu não vou nem um pouco. >:D
Notas:
Quero agradecer a todos que comentaram e acompanharam esta coleção de oneshots. Muito obrigada a todos! Infelizmente acabei ficando sem ideias para continuar e tive que parar por aqui.
Mil Beijos Da Taimatsu!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...